I Concurso de fotografia lgbt Aturuxo: premiad@s e exposiçom

I Concurso de fotografia lgbt Aturuxo: premiad@s e exposiçom

11-07-2007

A família bem, ghrasias. de Natália Devesa
Foto ganhadora do I Concurso de Fotografia lgbt Aturuxo

A exposiçom permanecerá aberta do 28 de Junho até o 28 de Julho de 2007. Poderá ser visitada de segundas a quintas de 8:00 a 20:30 horas e nas sextas de 8:00 a 15:00 horas.
Com umha selecçom destas fotos e textos de poetas farám-se 25 cartazes que serám expostos do 3 ao 10 de Julho num circuito de 25 outdoors das ruas de Compostela.

O I Concurso de fotografia lgbt Aturuxo é umha iniciativa da Federaçom de Associaçons de lésbicas, gays, bissexuais e transexuais (lgbt) da Galiza com motivo do dia do Orgulho, desenvolvida em colaboraçom do Centro ?Quérote? e com a produçom da Concelharia da Cultura de Compostela e da Direcçom Geral de Juventude e Solidariedade. 
O júri estivo formado por: Xoán Anleo (artista); Alfredo Saborido (secretário da Federaçom Galega de Associaçons lgtb); Noa Tilve (coordenadora do Centro de assessoramento afectivo-sexual Quérote); Pili Beiro (escritora); Rubén Cela (director geral de Juventude e Solidariedade); Pablo Rodríguez Domínguez (director?gerente do Auditorio de Galicia por delegaçom de Néstor Rego Candamil, concelheiro de Cultura) e Sabela López Pato (coordenadora do projecto).

Resultárom premiados:
Natalia González Devesa
pola obra intitulada A familia bem, ghrasias (1º prémio).
Claudia Delso Carreira por O exercito é unha gran familia e Patricia Iglesias Pereira por Limpando a cociña (2º prémio).
Jesús Victoriano Fandiño Gracia por My favorite Wedding Cake Toppers e Roi Pérez Vila por Linguas namoradas (accesit).
As obras seleccionadas estám exppstas na Casa da Juventude de Compostela acompanhadas de pequenos textos de vários escritores: Chus Pato, Ana Romaní, María do Cebreiro, Antón Lopo, Oriana Méndez, Celso Sanmartín, Claudio Pato, Pilar Beiro, Yolanda Castaño, Andrea Núñez, e María Xosé Canitrot, que desta maneira apoiam a iniciativa e um vídeo de Virxinia Polke (Parke Europa, 2007) e outro de María Ruído (A sereiña, 1997). O primeiro destes vídeos sobre quem vive à margem dos seus afectos (os sem abrigo) e o segundo sobre os desenganos afectivos.
Sob o lema ?Rompendo cos tópicos, familia e afectividade? convidou-se aos participantes a repensar sobre as nossas formas de sociabilidade num suporte, a fotografia, que precisamente conseguiu a sua máxima difusom no momento em que a família tradicional começou a sua decadência. Os álbuns familiares nascêrom como depósitos de afecto mas também como garantias de umha experiência colectiva que polo simples facto de se mostrar afirma a sua existência como verdade indiscutível e inapelável: casamentos, aniversários, férias.
O que se quijo promover foi umha interpretaçom mui aberta do fenómeno fotográfico e que pudessem concorrer propostas que nom se ajustassem aos padrons usuais neste tipo de concursos. Dar a possiblidade de misturar técnicas, de nom rejeitar o apropriacionismo e, sobretodo, de que tivessem cabida novos suportes, aqueles que hoje em dia a fotografia adopta para mediar nas nossas relaçons, pois o certo é que o álbum cede ante outras tecnologias, por exemplo os SMSs
A exposiçom permanecerá aberta do 28 de Junho até o 28 de Julho de 2007. Poderá ser visitada de segundas a quintas de 8:00 a 20:30 horas e nas sextas de 8:00 a 15:00 horas.
Com umha selecçom destas fotos e textos de poetas farám-se 25 cartazes que serám expostos do 3 ao 10 de Julho num circuito de 25 outdoors das ruas de Compostela.

Escrito ?s 01:22:39 nas castegorias: Actividades, Notícias
por LGTB   , 594 palavras, 677 visualizaçonsChuza!

Sem comentários ainda