« A ROSALIAMaios pola língua decorrérom em Ponte Areias »

Poemas recitados 16 de Maio

27-05-2010

  00:40:04, por vermelha   , 306 palavras  
Categorias: Assembleia Aberta

Poemas recitados 16 de Maio

Apresentamos um dos três poemas recitados por Belém Grandal, companheira da Associaçom Cultural Obreira Baiuca Vermelha o dia 16 de Maio.

POEMA EM HOMENAGEM A UGIO NOVONEYRA

Face a meseta castelam esgrévia, adusta e monótona
ergue-se magnífica e sobérbia nossa Serra do Courel
onde os rios serpenteam ocultos entre os rochedos
e a chuva cai com doçura em pingas de auga-mel.

Entre solitários cumios, chairas claras e rebulidoras
entre lobos, vaca-loiras, cervos, aziveiros e uzeiras
entre piçarras pretas, augas ocres, e frescos verdores
Nasceu um pintor de palavras, um poeta de bandeiras

Os versos eram o morno arume que devagar recolhia
a saiva que alimentava as fervenças nas montanhas
poemas de amor e sonhos, de luita, tristura e silêncio
de força para umha pátria espoliada nas entranhas.

Os nevoeiros despejavam e os mouchos taciturnos
ajejavam enquanto soava a voz que encolhia a alma
encolhia o peito, encolhia os coraçons já sem latejos
assim, espalhava ecos desesperados de tensa calma.

Com seus dedos tecia enfeitadas linhas de cores naturais
linhas abertas e fechadas dispostas todas num quadro
Imagens de terra velha enchida de ancestros e lamentos
Que arrasta o vento ladeira abaixo até chegarem o adro

Já o outono repoussava plácido entre soutos e devesas
O fume rasteiro das chemineas escorregava pelas eiras
anunciando umha época decadente, gris e borralhenta
e as faiscas choutavam no ar dançando acima das lareiras.

Entom o lobo ventou na noite um tempo que há de vir
sentiu um rumor pousar na ramagem, e él, a ouvear
rugia, rastejava, agitava-se pelos angustos carreiros
ulindo o luto da morte que já estava pronta por chegar.

O gélido zéfiro zoava empurrando o espirito do Samaim
na véspera as ánimas arrincarom-lhe a Ugio sua existência
O Courel e Galiza ainda lembram a este extraordinário poeta
Mas é imortal sua obra de amor, sonhos, luita e resistência.

Sem comentários ainda

O Baiuca Vermelha nasce com o firme propósito de ofertar ao conjunto da rede associativa e popular do Condado um espaço autogerido no que poder realizar todo tipo de actividades culturais, reivindicativas e de lezer, ao margem das raquíticas e, na maioria das ocasions, inacesíveis infraestuturas municipais e autonómicas. [+...]

Junho 2018
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
 << <   > >>
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  

Busca

Centros Sociais

Aguilhoar - Ginzo de Límia Alto Minho - Lugo Aturuxo - Bueu Local Social A Esmorga de Ourense Gentalha do Pichel Local Social Faísca - Vigo A Fouce de Ouro - Ames Henriqueta Outeiro - Compostela Revira - Ponte Vedra A Revolta - Vigo A Treu - Corunha C.S. Roi Soga de Lobeira - Noia C.S. Gomes Gaioso - Corunha Mádia Leva - Lugo Arrincadeira - O Ribeiro
Fundaçom Artábria - Ferrol

  Feeds XML

free blog software