CANTA O MERLO: A "praga" PP-PSOE deixa à metade de Espanha na pobreza, mas gasta 137.000 " em comida para gatos

18-02-2015

  21:16:16, por Corral   , 962 palavras  
Categorias: Dezires

CANTA O MERLO: A "praga" PP-PSOE deixa à metade de Espanha na pobreza, mas gasta 137.000 " em comida para gatos

http://www.espiaenelcongreso.com/

A "praga" PP-PSOE deixa à metade de Espanha na pobreza, mas gasta 137.000 " em comida para gatos

"Espanha está a crescer", "Saímos da crise", "está a criar-se emprego"" Nada mais longe de umha realidade que nom escandaliza à imprensa, segundo o último relatório do European Anti Poverty Network (EAPN): os presidentes Zapatero (PSOE) e Rajoi (PP) deixárom entre 2009 e 2013 a arrepiante cifra de 12,8 milhons de pobres em Espanha, praticamente a metade da populaçom activa. A vergonha própria e alheia o oculta, mas há mais: 50% dos cidadás ganha entre 0 e 1.000 euros ao mês, o que significa que "67% das pessoas tem dificuldades para chegar o fim de mês". EAPN é concluí-te: Espanha ocupa já o quinto lugar na lista dos países europeus mais desiguais e pobres: só estám pior Bulgária, Grécia, Roménia e Letónia. Mas isso sim: existem 1 milhom de contratos públicos que nengum partido do regime pediu rever ou anular, sequer transitoriamente, ante esta catástrofe humanitária, o que dá lugar a gastos insultantes como que a alimentaçom dos animais da Casa Real custe anualmente 137.000 euros, entre ela a de vários "gatos adultos" de carácter doméstico. Rádio 3w aborda este assunto com Juan Carlos Llano, responsável por EAPN em Espanha, durante o seu programa de "Espia no Congresso" nesta quinta-feira 12 de Fevereiro em directo às 16.00 (hora peninsular espanhola). Também participa Ana Garrido, a funcionária de Boadilla del Monte (Madrid) que destapou a Gürtel e que está a ser perseguida e acurralada por isso: a notícia da sua acosso que proporcionou "Espia no Congresso" converteu-se num fenômeno viral. Por último, abordamos o caso da fraude fiscal do presidente do Senado, Pío García Escudeiro (PP), que foi "perdoado" polo ministro de Fazenda, Cristóbal Montoro.

O afundimento social que reflecte o relatório do European Anti Poverty Network (EAPN) exigisse severas medidas de choque a qualquer cargo público ou alto funcionário com um mínimo de decência e alcançaria a notícia de portada de qualquer meio com sensibilidade cidadá, por enzima das habituais corrupçons políticas, dado o elevado número de espanhóis aos que afecta. De facto, dá nas vistas internacional. Contodo, as honras de primeira notícia tenhem-las os novos Reis (Filipe VI e Leticia) porque se tenhem "baixado" o salário até os 360.000 euros anuais, enquanto se mantém a "pensom" dos antigos (Juan Carlos e Sofia) em quase 300.000 " anuais.

Por contra, a sociedade civil espanhola afunda-se economicamente mas dedicar 137.000 euros a comida de animais régios permite-o o facto de que cada ano se ratificam 1 milhom de contratos do Estado (desde Ministérios a Autonomias, Câmaras municipais, Deputaçons, Universidades ou Televisons públicas) que se renovam praticamente por inércia administrativa porque nengum político ou alto funcionário atreveu-se a questionar a sua necessidade. E como mostra esse botom: no dia em que a Casa Real anuncia em todos os diários que Filipe VI "baixa-se o salário 20%", o país dos dous reis (Juan Carlos I e a Rainha Sofia seguem cobrando como tais) mantém através de Património Nacional (um ente que se haver desgajado de Casa Real para que nom avultem demasiado os seus gastos) esse pago que resulta insultante: 137.000 euros anuais em "alimentaçom de espécies animais", entre eles vários "gatos adultos" régios.

E é que os animais da Casa Real gastam em comida bem mais que a maioria dos fogares espanhóis: concretamente 5.000 euros ao mês. A quantidade sube graças a um contrato que ademais subscreveu o Ministério da Presidência do Governo que dirige Soraya Sáenz de Santamaría, pois estes gastos separárom-se dos da Casa Real para que esta nom pareça cara ou caprichosa a olhos dos cidadás que a custeam. De facto, estes contratos "domésticos" dos palácios do rei assumiram-nos sempre tantos os Governos do PP como os do PSOE.

Vitaminas A, D e E, sulfato cúprico, proteico do nitrogênio, penso antiparasitario, "em nengum caso admitira-se subproductos cárnicos, farinhas de origem animal, nem de carne nem de peixe" e o fosfato será "de origem mineral, nom de ossos". "Aminoácidos protegidos, correctores térmicos e achegue de selenio encapsulado" som outros componentes alimentícios que Moncloa adquiriu para os animais da Casa Real que habitam os seus palácios de Verao e de Inverno. O contrato detalha a dieta dos jabarís, cervos e coelhos dos seus cotos de caça que logo serám abatidos polo monarca, pois especifica que o "ponto de subministraçom" é o Pardo: proteína, celulose, metionina, lisina, ademais de sódio, cálcio, fósforo e magnésio. O mesmo ocorre para os "faisanes, perus reais e ánades" do Palácio de Aranjuez, assim como para o seu "passaros exóticos diamantes". Inclusive os gatos que estám em nómina alimentícia da Casa Real no Campo do Mouro e outros que o contrato especifica que som "domésticos" som tratados a corpo de rei: proteína bruta, matérias gorduras brutas, celulosa bruta, cinzas brutas e cálcio e fósforo junto com pinto, proteínas desidratadas de ave, arroz, farinha de glute, proteínas de salmom e até cítricos ricos em bioflavonoides.

Mas se a imprensa coincide na sua portada aduladoras dos novos reis e a sua suposta austeridade, o verdadeiro é que o relatório EAPN documenta como as elites espanholas seguem desfrutando do seu nível de vida anterior à crise e mesmo o aumentárom ligeiramente. Para EAPN, ser "rico" em Espanha equivale a ter um salário público ou privado de ao menos 2.300 euros ao mês. E tem-no só 4.712.978 pessoas ("10% mais rico da populaçom", di EAPN), que possui ingressos superiores a 27.860,5 " ao ano.

Por baixo desses 4,7 milhons de "privilegiados" estám 42 milhons de cidadás: existem 4.712.978 pessoas (10% da populaçom em 2013) cujos ingressos anuais som inferiores a 5.567 "; outras 4.712.978 pessoas cujos ingressos anuais estám entre 5.568 " e 8.051,5 euros, que som as que conformam o decil 2, e assim sucessivamente até chegar a essa elites públicas ou privadas. "Com respeito ao último grupo, destacar que a média dos seus ingressos é de 38.753 ", mais de doce vezes superior à média de ingressos de 10% mais pobre da populaçom".

Sem comentários ainda

Junho 2019
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
 << <   > >>
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30

Busca

  Feeds XML

Ferramentas de administração

powered by open-source CMS software