Categoria: Dezires

28-03-2015

Link permanente 04:35:13, por José Alberte Email , 118 palavras   Português (GZ)
Categorias: Dezires

CANTA O MERLO: Germanwings e Malaysia AirlinesERMANWINGS E MALAYSIA AIRLINES

http://resistir.info/

GERMANWINGS E MALAYSIA AIRLINES

Impressiona a velocidade com que autoridades foram capazes de descobrir as razões do acidente do avião da Germanwings nos Alpes franceses. Isto contrasta com a velocidade a que se arrastam há longos meses as investigações da queda do MH17 da Malaysia Airlines sobre a Ucrânia. Já há 99% de certeza de que o MH17 foi derrubado por caça(s) do regime nazi-fascista de Kiev – mas esta conclusão é ocultada pela comissão investigadora presidida pela Holanda e da qual o regime ucraniano faz parte (com o direito de vetar a publicação de conclusões com que não lhe agradem). Recorde-se que a Malásia, o país vítima deste acto de terrorismo, foi deliberadamente excluída da comissão investigadora.

22-02-2015

Link permanente 14:46:20, por José Alberte Email , 1073 palavras   Português (GZ)
Categorias: Dezires

CANTA O MERLO: Syriza: Quando eles dizem que carne na verdade é peixe

SYRIZA: Quando eles dizem que carne na verdade é peixe

por KKE [*]

http://resistir.info/grecia/syriza_18fev15.html

Ainda recordamos a imagem de monges na Idade Média, os quais diziam que a carne na verdade era peixe a fim de ultrapassar as dificuldades do jejum infindável. Esta imagem ajusta-se perfeitamente aos desenvolvimentos que nestes últimos dias se têm desdobrado na Grécia sob o governo SYRIZA-ANEL. Aqui estão alguns dados para confirmar isto:

O SYRIZA, como partido de oposição, prometera rasgar o memorando, o qual fora assinado pelos governos anteriores com prestamistas estrangeiros (a União Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional) e que continha as medidas anti-trabalhadores e anti-povo. O SYRIZA como partido de governo revelou que concorda com 70% das "reformas" incluídas no memorando e discorda de 30%, as quais ele descreve como "tóxicas". Na verdade, ele declara que não actuará unilateralmente, mas que procura um novo acordo com os prestamistas o qual desta vez não será chamado de memorando, mas sim de programa, acordo ou ponte.

O SYRIZA, como partido da oposição, declarava guerra à troika de prestamistas estrangeiros e dizia que poria um ponto final a esta. O SYRIZA como partido de governo declara que conversará e responderá às "instituições". Quais instituições? A UE, o BCE e o FMI. Na verdade, exactamente as mesmas pessoas que constituem a troika estão a tomar parte nas conversações em Bruxelas em nome das "instituições".

O SYRIZA como partido da oposição era criticamente cáustico do governo ND-PASOK, o qual apoiava e participava das sanções da UE contra a Rússia e acusava-os de serem servis devido a esta posição. O SYRIZA como partido de governo apoiou as mesmas sanções da UE, assim como a sua escalada, caracterizando a posição do seu governo como sendo um "êxito significativo".

O SYRIZA como partido de oposição tomou posição contra privatizações. Agora, como governo, de acordo com declaração do ministro das Finanças, Yanis Varoufakis, ele declara que "Queremos mudar de posição (move on) da lógica de vendas a preços rebaixados (cut price) para a lógica do seu desenvolvimento em parceria com o sector privado e investidores estrangeiros"! Assim, ambos adoptam as privatizações a fim de reforçar o sector privado e também tentam apresentar outros métodos de privatizações, como parcerias público-privadas e concessões a grupos de negócios, etc, como sendo benéficas.

O SYRIZA como partido de oposição caracterizava a Organização de Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) como sendo o "livro negro do neoliberalismo". O SYRIZA como partido de governo recebeu em Atenas, nos primeiros dias do seu mandato, Ángel Gurria, presidente da OCDE, o qual teve uma reunião com o primeiro-ministro A. Tsipras. A OCDE, de acordo com a coligação governamental SYRIZA-ANEL, é a organização que ajudará a formular uma lista de medidas a fim de salvaguardar o desenvolvimento (capitalista) na Grécia. Medidas que substituirão a parte "tóxica" do Memorando, os notórios 30%.

O SYRIZA como partido de oposição denunciou a decisão do governo anterior de pagar "dezenas de milhões de Euros a companhias fornecem serviços legais e conselho financeiro". O governo SYRIZA-ANEL contratou a companhia "Lazard" como consultora sobre questões de dívida pública e gestão orçamental, obviamente apreciando a perícia que esta providenciou a governos anteriores do PASOK sob G. Papandreu. Isto não é casual! Além disso o novo ministro das Finanças, Varoufakis (ele foi consultor de G. Papandreu) recorreu aos serviços dos antigos conselheiros de G. Papandreu, J. Galbraith e Elene Panariti, antiga deputada do PASOK. O primeiro é um economista americano, professor na Universidade do Texas, um responsável do Levy Institute, um bem conhecido apologista do capitalismo e apoiante de uma fórmula mais expansionista para a gestão da crise. A última trabalhou para o Banco Mundial. Por outras palavras, ambos servem o sistema e seus mecanismos.

Podíamos acrescentar mais à lista das retractações do SYRIZA e do seu governo "de esquerda", como o facto de que uma série de promessas feitas antes das eleições, com por exemplo o aumento do salário mínimo, foi adiada para o futuro distante. Do mesmo modo, podíamos apontar outros exemplos mais gritantes de responsáveis e conselheiros do social-democrata PASOK que agora estão a servir o governo "de esquerda". Contudo, a questão mais crucial é clarificar que espécie de negociações o actual governo grego está a conduzir com a UE e os outros credores.

As negociações têm um conteúdo concreto o qual não está relacionado com o "alegado fim da austeridade" na Grécia e na Europa, como afirmam o SYRIZA e os outros partidos que participam do Partido da Esquerda Europeia. Além disso, Varoufakis declarou claramente que nos próximos anos, sob o governo do SYRIZA o povo trabalhador deve continuar a viver "frugalmente". As negociações estão relacionadas com as necessidades dos grupos de negócios que decorrem das consequências da crise capitalista profunda bem como da rota da incerta recuperação capitalista na Grécia e na Eurozona como um todo.

Estas negociações estão a ter lugar num terreno hostil para o povo. Isto se prova pela identificação do governo grego com países tais como a França, Itália e acima de tudo os EUA, com todas as implicações negativas que esta posição implica. Estes países podem exercer pressão sobre a Alemanha para os seus próprios interesses mas continuam a mesma linha política hostil ao povo.

Apesar da sua propaganda ruidosa acerca das negociações com a UE e os credores, o SYRIZA declara ao mesmo tempo que partilha muito com eles e que continuará os compromisso anti-povo do país em relação à UE e à NATO.

Portanto, o povo grego e os demais povos não deveriam deixar-se cair na armadilha de serem separados entre "merkelistas" e "obamistas" e divididos numa luta sob falsas bandeiras. Eles têm de organizar sua luta e exigir a recuperação das perdas quando aos seu rendimento e seus direitos. Eles deveriam exigir a solução dos problemas dos trabalhadores e do povo de acordo com as suas necessidades contemporâneas. Devem lutar pela saída que trará esperança: a socialização dos monopólios, o desligamento das uniões imperialistas da UE e da NATO com o povo a tomar as rédeas do poder. Isto pavimentará o caminho para a única via oportuna e realista que leva à verdadeira emancipação do povo: a construção de uma nova sociedade, socialista.
Ver também:
La victoria de SYRIZA commociona Europa
Syriza nominating right-wing Pavlopoulos as presidential candidate
Grèce: pourquoi une dette à 100% du PIB avant la crise?
Ha empezado el pulso

[*] Partido Comunista Grego.

A versão em inglês encontra-se em inter.kke.gr/en/articles/SYRIZA-When-they-say-that-meat-is-actually-fish/

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
19/Fev/15

Link permanente 13:53:27, por José Alberte Email , 200 palavras   Português (GZ)
Categorias: Dezires

CANTA O MERLO:A Capitulação do Governo de Syriza

http://resistir.info/

A CAPITULAÇÃO DO GOVERNO SYRIZA

No dia 20 de Fevereiro consumou-se a capitulação do governo grego diante do Eurogrupo. Ela só desilude aqueles que alimentavam ilusões. Ao contrário do que diz a desinformação dos media de referência, o Syriza nada tem de radical – é apenas um partido social-democrata (herdeiro do apodrecido Pasok). Como sempre, o destino desta gente é capitular. Hoje já pouco ou nada distingue a social-democracia do neoliberalismo puro e duro. É o caso do Syriza, que nunca pôs em causa a saída do Euro, da UE ou da NATO e muito menos o capitalismo. Assim, bravatas à parte, a intransigência do Eurogrupo encontrou na verdade um governo grego submisso e cordato. Após as enormes cedências que já havia feito em relação ao seu programa eleitoral, o governo Syriza cedeu ainda mais durante as negociações e acabou por capitular em praticamente toda a linha. As "concessões" obtidas foram cosméticas. Exemplo: o que antes se chamava Troika agora passa a chamar-se "instituições" e estas são (adivinhem) o FMI, o BCE e a UE. Grande mudança! Os arraiais reformistas portugueses, que tão entusiasmados estavam com as ditas negociações, o que dirão agora?
A acta da capitulação está em www.consilium.europa.eu/...

18-02-2015

Link permanente 21:16:16, por José Alberte Email , 962 palavras   Português (GZ)
Categorias: Dezires

CANTA O MERLO: A "praga" PP-PSOE deixa à metade de Espanha na pobreza, mas gasta 137.000 " em comida para gatos

http://www.espiaenelcongreso.com/

A "praga" PP-PSOE deixa à metade de Espanha na pobreza, mas gasta 137.000 " em comida para gatos

"Espanha está a crescer", "Saímos da crise", "está a criar-se emprego"" Nada mais longe de umha realidade que nom escandaliza à imprensa, segundo o último relatório do European Anti Poverty Network (EAPN): os presidentes Zapatero (PSOE) e Rajoi (PP) deixárom entre 2009 e 2013 a arrepiante cifra de 12,8 milhons de pobres em Espanha, praticamente a metade da populaçom activa. A vergonha própria e alheia o oculta, mas há mais: 50% dos cidadás ganha entre 0 e 1.000 euros ao mês, o que significa que "67% das pessoas tem dificuldades para chegar o fim de mês". EAPN é concluí-te: Espanha ocupa já o quinto lugar na lista dos países europeus mais desiguais e pobres: só estám pior Bulgária, Grécia, Roménia e Letónia. Mas isso sim: existem 1 milhom de contratos públicos que nengum partido do regime pediu rever ou anular, sequer transitoriamente, ante esta catástrofe humanitária, o que dá lugar a gastos insultantes como que a alimentaçom dos animais da Casa Real custe anualmente 137.000 euros, entre ela a de vários "gatos adultos" de carácter doméstico. Rádio 3w aborda este assunto com Juan Carlos Llano, responsável por EAPN em Espanha, durante o seu programa de "Espia no Congresso" nesta quinta-feira 12 de Fevereiro em directo às 16.00 (hora peninsular espanhola). Também participa Ana Garrido, a funcionária de Boadilla del Monte (Madrid) que destapou a Gürtel e que está a ser perseguida e acurralada por isso: a notícia da sua acosso que proporcionou "Espia no Congresso" converteu-se num fenômeno viral. Por último, abordamos o caso da fraude fiscal do presidente do Senado, Pío García Escudeiro (PP), que foi "perdoado" polo ministro de Fazenda, Cristóbal Montoro.

O afundimento social que reflecte o relatório do European Anti Poverty Network (EAPN) exigisse severas medidas de choque a qualquer cargo público ou alto funcionário com um mínimo de decência e alcançaria a notícia de portada de qualquer meio com sensibilidade cidadá, por enzima das habituais corrupçons políticas, dado o elevado número de espanhóis aos que afecta. De facto, dá nas vistas internacional. Contodo, as honras de primeira notícia tenhem-las os novos Reis (Filipe VI e Leticia) porque se tenhem "baixado" o salário até os 360.000 euros anuais, enquanto se mantém a "pensom" dos antigos (Juan Carlos e Sofia) em quase 300.000 " anuais.

Por contra, a sociedade civil espanhola afunda-se economicamente mas dedicar 137.000 euros a comida de animais régios permite-o o facto de que cada ano se ratificam 1 milhom de contratos do Estado (desde Ministérios a Autonomias, Câmaras municipais, Deputaçons, Universidades ou Televisons públicas) que se renovam praticamente por inércia administrativa porque nengum político ou alto funcionário atreveu-se a questionar a sua necessidade. E como mostra esse botom: no dia em que a Casa Real anuncia em todos os diários que Filipe VI "baixa-se o salário 20%", o país dos dous reis (Juan Carlos I e a Rainha Sofia seguem cobrando como tais) mantém através de Património Nacional (um ente que se haver desgajado de Casa Real para que nom avultem demasiado os seus gastos) esse pago que resulta insultante: 137.000 euros anuais em "alimentaçom de espécies animais", entre eles vários "gatos adultos" régios.

E é que os animais da Casa Real gastam em comida bem mais que a maioria dos fogares espanhóis: concretamente 5.000 euros ao mês. A quantidade sube graças a um contrato que ademais subscreveu o Ministério da Presidência do Governo que dirige Soraya Sáenz de Santamaría, pois estes gastos separárom-se dos da Casa Real para que esta nom pareça cara ou caprichosa a olhos dos cidadás que a custeam. De facto, estes contratos "domésticos" dos palácios do rei assumiram-nos sempre tantos os Governos do PP como os do PSOE.

Vitaminas A, D e E, sulfato cúprico, proteico do nitrogênio, penso antiparasitario, "em nengum caso admitira-se subproductos cárnicos, farinhas de origem animal, nem de carne nem de peixe" e o fosfato será "de origem mineral, nom de ossos". "Aminoácidos protegidos, correctores térmicos e achegue de selenio encapsulado" som outros componentes alimentícios que Moncloa adquiriu para os animais da Casa Real que habitam os seus palácios de Verao e de Inverno. O contrato detalha a dieta dos jabarís, cervos e coelhos dos seus cotos de caça que logo serám abatidos polo monarca, pois especifica que o "ponto de subministraçom" é o Pardo: proteína, celulose, metionina, lisina, ademais de sódio, cálcio, fósforo e magnésio. O mesmo ocorre para os "faisanes, perus reais e ánades" do Palácio de Aranjuez, assim como para o seu "passaros exóticos diamantes". Inclusive os gatos que estám em nómina alimentícia da Casa Real no Campo do Mouro e outros que o contrato especifica que som "domésticos" som tratados a corpo de rei: proteína bruta, matérias gorduras brutas, celulosa bruta, cinzas brutas e cálcio e fósforo junto com pinto, proteínas desidratadas de ave, arroz, farinha de glute, proteínas de salmom e até cítricos ricos em bioflavonoides.

Mas se a imprensa coincide na sua portada aduladoras dos novos reis e a sua suposta austeridade, o verdadeiro é que o relatório EAPN documenta como as elites espanholas seguem desfrutando do seu nível de vida anterior à crise e mesmo o aumentárom ligeiramente. Para EAPN, ser "rico" em Espanha equivale a ter um salário público ou privado de ao menos 2.300 euros ao mês. E tem-no só 4.712.978 pessoas ("10% mais rico da populaçom", di EAPN), que possui ingressos superiores a 27.860,5 " ao ano.

Por baixo desses 4,7 milhons de "privilegiados" estám 42 milhons de cidadás: existem 4.712.978 pessoas (10% da populaçom em 2013) cujos ingressos anuais som inferiores a 5.567 "; outras 4.712.978 pessoas cujos ingressos anuais estám entre 5.568 " e 8.051,5 euros, que som as que conformam o decil 2, e assim sucessivamente até chegar a essa elites públicas ou privadas. "Com respeito ao último grupo, destacar que a média dos seus ingressos é de 38.753 ", mais de doce vezes superior à média de ingressos de 10% mais pobre da populaçom".

16-08-2014

Link permanente 18:00:49, por José Alberte Email , 247 palavras   Português (GZ)
Categorias: Dezires

CANTA O MERLO: "Kiev luita no Leste para obter gás de esquisto para EE.UU."

http://actualidad.rt.com/actualidad/view/137330-kiev-lutar gás-esquisto-eeuu

Para Kiev é importante controlar o Leste da Ucrânia ante todo polo gás de esquisto, cujo desenvolvimento está programado polas empresas ocidentais, opina o presidente do Comité de Assuntos Exteriores da Duma Estatal russa, Alexéi Pushkov.

"Kiev está a luitar no Leste da Ucrânia para obter reservas de gás:

Segundo os dados procedentes da Alemanha, trata-se de 5.578 milhons de metros cúbicos. E controlaria-se polos EE.UU.", escreveu o político russo na sua conta de Twitter.

Trata das reservas de gás de esquisto de Yuzovsky, que se acham na raia de Járkov e Donetsk. Os seus recursos estimam-se em mais de 4 bilions de metros cúbicos de gás. Em Maio de 2012, a empresa Shell ganhou a competiçom polo direito a explorar este jazimento.

Ademais, também tem permissons para as minas nesta bacia a companhia ucraniana Burisma, onde um dos membros do Conselho de Administraçom é o filho do vice-presidente de EE.UU. Joe Biden.

Na cidade de Slaviansk, que se encontra no centro do campo de Yuzovsky, produziram-se nos últimos anos em repetidas ocasiones grandes protestos em contra dos planos para o desenvolvimento deste projecto. Os residentes da cidade mesmo queriam celebrar um referendo sobre o tema, assinala o jornal russo 'Rossiskaya Gazeta'.

Desde o começo da severa operaçom militar por parte de Kiev contra o seu próprio povo, vários peritos expressárom em diferentes ocasions a ideia de que a objectivo chave da ofensiva no Leste é o controlo da zona para extrair o gás de esquisto sem obstáculos.

06-08-2014

Link permanente 21:58:41, por José Alberte Email , 813 palavras   Português (GZ)
Categorias: Dezires

CANTA O MERLO: O chefe do SYRIZA oferece-se para colaborar com a UE

http://resistir.info

Com esta "esquerda radical" os capitalistas podem dormir tranquilos
O chefe do SYRIZA oferece-se para colaborar com a UE
– Carta de vassalagem a Barroso, Rompuy & Draghi

Alexis Tsipras é a nova coqueluche dos media franceses e europeus. Estranha complacência da parte dos media ao serviço da ideologia dominante para com um líder que se pretende da "esquerda radical".

É preciso dizer que as declarações e propostas do líder do SYRIZA não são para inquietar nem a classe dominante grega nem a europeia.

Para além das viragens tácticas e das posições cambiantes ao sabor das oportunidades políticas, o SYRIZA e o seu líder permanecem firmes acerca de certos princípios: a reforma do sistema capitalista e a defesa da União Europeia.

Sem tentar enumerar a lista das propostas oportunistas de Tsipras ao longo destes últimos anos – um único artigo não seria suficiente – se se limita às últimas semanas, é edificante a constatação da compatibilidade desta "esquerda radical" com o sistema dominante e o teor das propostas de "governo de esquerda" lançadas ao KKE:

UM GOVERNO DE ESQUERDA NO INTERESSE DO CAPITAL GREGO E EUROPEU

Um "governo de esquerda" em colaboração com o grande capital:
"Um governo de esquerda necessita dos industriais e dos investidores. Ele tem necessidade de um ambiente económico saudável. Tem necessidade de leis meritocráticas (...) Os investimentos podem ser positivos num quadro meritocrático, com leis neste sentido, e não num quadro gangrenado pela corrupção e as maquinações". (Tsipras, Alexis, na cadeia de TV pública NET, 05/Maio/2012).

Um governo de esquerda ampliado... até à direita:
"Se temos necessidade de cinco votos da parte do sr. Kammenos (presidente de uma nova formação direita neoliberal, os Gregos Independentes) e se ele vier para nós e nos der um sinal de abertura e de apoio, nós não o rejeitaremos; não lhe diremos que não o queremos". (Tsipras, Alexis, na cadeia TVXS, 25/Abril/2012)

Um "governo de esquerda" para salvar a Europa do capital:
"Só a esquerda europeia pode garantir uma União Europeia baseada na coesão social". (Tsipras, Alexis, no jornal TA NEA, 02/Maio/2012).

QUANDO O LÍDER DA "ESQUERDA RADICAL" PROPÕE SEUS SERVIÇOS AOS DIRIGENTES DA UNIÃO EUROPEIA PARA SALVAR A EUROPA !

Alexis Tsipras foi mais além das declarações de princípio quanto ao apoio à União Europeia. Numa carta dirigida pessoalmente a José Manuel Barroso ( aqui em grego no sítio web do Synapsismos ) , a Herman van Rompuy e a Mario Draghi, ele revela a sua verdadeira missão: a de participar no salvamento da União Europeia.

Com efeito, esta carta de queixas transforma-se rapidamente numa proposta de colaboração dirigida às altas instâncias da União Europeia.

Ele principia pela constatação: a da rejeição do Memorando, dos partidos que o defenderam nas eleições de 6 de Maio. A seguir, sublinha "o fracasso económico destas políticas, incapazes de tratar as desigualdades e desequilíbrios estruturais da economia grega".

Vem então a ocasião de propor os serviços do SYRIZA, única formação a ter "notado suas fraquezas inerentes à nossa economia", uma economia que afundou pois a classe dirigente grega "ignorou nossas recomendações em termos de reformas estruturais".

Ler entre as linhas: connosco no comando, a estabilidade da economia capitalista grega teria sido assegurada.

Que receita económica propõe o SYRIZA? Nenhuma medida precisa é evocada entre aquelas que por vezes o SYRIZA avança diante do povo grego (alta dos salários, das prestações sociais, etc). O Tsipras evoca apenas a necessidade de inverter a "dinâmica da austeridade e da recessão".

Qual a perspectiva para corrigir a austeridade de que é vítima o povo grego?

Primeiro, "Restaurar a estabilidade social e económica do país", dito de outra forma, restaurar a ordem capitalista na Grécia.

A seguir, numa perspectiva de restauração da estabilidade económica e social à escala europeia. Trata-se "de repensar toda a estratégia actualmente executada, pois ela ameaça não só a coesão e a estabilidade da Grécia como também é fonte de instabilidade para a União Europeia e a própria zona euro".

Tsipras acaba com um vibrante apelo à colaboração de todas as forças para salvar a Europa , e à concentração das decisões no escalão europeu:

"O futuro comum dos povos da Europa está ameaçados por estas escolhas desastrosas. É nossa convicção profunda que a crise económica é de natureza europeia e que a solução não pode ser encontrada senão ao nível europeu".

A habilidade dos media dominantes, na Grécia, em França e alhures, consiste e fazer passar um servidor zeloso da União Europeia do capital, a nova personagem de uma social-democracia de substituição, como o chefe da oposição de esquerda ao consenso liberal e europeísta dominante.

Com uma tal oposição oficial, a classe dominante europeia pode ao mesmo tempo continuar sua política de super-austeridade enquanto neutraliza a emergência de uma alternativa política a este sistema económico predador, que é o capitalismo, e esta construção política anti-democrática que é a União Europeia.
O original encontra-se em solidarite-internationale-pcf.over-blog.net/...

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
14/Mai/12

22-05-2014

Link permanente 12:19:14, por José Alberte Email , 1017 palavras   Português (GZ)
Categorias: Dezires

CANTA O MERLO: Regime de Kiev trava guerra para reduzir a população da Ucrânia

Regime de Kiev trava guerra para reduzir a população da Ucrânia
por Olga Shedrova [*]

O presidente em exercício da Ucrânia, Alexander Turchinov, recentemente apelou ao povo das auto-proclamadas repúblicas nacionais de Donetsk e Lugansk a que apoiasse a sua operação anti-terrorista e se pusesse ao lado do governo para liquidar "terroristas e separatistas". Kiev está a tentar fazer com que os outros acreditem que não há mais ninguém além de fictícios soldados russos e terroristas envolvidos em acções de combate no sudeste. O que mais pode ele dizer? Os governantes interinos de Kiev não podem contar a verdade e admitir que estão a matar os seus próprios cidadãos. Seria o equivalente a admitir que cometem crimes de guerra. Apesar disso, os factos reais começam a revelar-se. Uma equipe da Sky News não encontrou traços do Serviço de Segurança Federal Russo, do Directorado Principal de Inteligência (inteligência militar) ou de grupos armados a operarem localmente, as forças que os Estados Unidos estão tão vigorosamente a pedir que "se retirem". Os jornalistas notaram o facto de que o povo local chama aqueles que se levantam de "defensores".

A pista de aviação de Kharkov tornou-se uma base de transição para soldados mortos e feridos do exército ucraniano bem como de mercenários que tomam parte em acções de combate. Um bloguista com base em Kharkov informou que o povo olhava de modo pouco amistoso para o grupo de forças que voltava de Slavyanks. O povo murmurava: "os nazis estão vindo". Eles tinham pena mesmo dos alemães aprisionados, especialmente aqueles que estavam feridos. Mas estes parecem ser seus "irmãos".

Não é de estranhar, as acções de combate travadas pelo exército ucraniano fazem com que os civis sofram mais do que voluntários das auto-defesas armadas. Em Kramatorsk os militares ucranianos mataram uma enfermeira de 21 anos, Yulia Izotova, e três dos seus amigos que tentavam esconder-se. Uma mulher civil de 30 anos morreu depois de ser alvejada na cabeça por um fogo de franco-atirador (sniper) quando estava na sua varanda em Slavyansk, bairro de Khimki. Duas crianças foram mortas na aldeia de Semeonovka. Isto são apenas relatórios de rotina diária. Os militares tratam a população local se fossem ocupantes a operarem noutro país. Em Starobelsk, na região de Lugansk, uma loja foi saqueada e uma cabra roubada a uma mulher local. Os soldados mataram o animal para fazer um churrasco. Tendo bebido demais, eles organizaram corridas de veículos blindados e então começaram a atirar uns nos outros. Quinze pessoas foram feridas em consequência. Na região de Donetsk eles fizeram uma copeira executar uma dança de spriptease. Ela teve de cumprir receando pela sua vida.

A baixas entre os militares ucranianos estão a crescer. Segundo Vyacheslav Ponomarev, o representante do povo de Slavyansk, nos primeiros 10 dias de operação o número de mortos das forças pró-governo foi de 650, incluindo 250 de extremistas do Pravy Sector; 120 das unidades militares privadas Dnepr e Azov constituídas e financiadas pelo oligarca Igor Kolomoisky; 90 de forças especiais do Serviço de Segurança da Ucrânia; 40 da 95ª brigada aerotransportada do exército e 20 de operacionais do Ministério do Interior. A companhia militar privada polaca Analizy Systemowe Bartlomiej perdeu 6; as companhias de serviços de segurança estado-unidenses Greystone e Academi perderam 14 e 50, respectivamente. As baixas da Central Intelligence Agency e do Federal Investigations Bureau foram de 25, com 13 mortos. De 1 a 12 de Maio as forças de auto-defesa de Donetsk tiveram 8 baixas, com 3 feridos.

O Kiev Times , um jornal estabelecido com boa reputação, em 15 de Maio publicou uma notícia pormenorizada descrevendo como o governo interino de Kiev escondeu os factos acerca de baixas medidas em milhares . Segundo o jornal, os dados oficiais incluem somente os recrutas do exército regular e do Ministério do Interior, os quais sofrem poucas baixas por estarem localizados distantes da área de combate. Eis porque as fontes oficiais relataram apenas 21 homens mortos e 65 feridos desde o começo da operação. Eles não contam as perdas sofridas pela Guarda Nacional e os punidores (chasteners) das unidades armadas Kolomoisky. Em contrapartida os responsáveis de Kiev contam os mercenários mortos como desaparecidos em combate e desertores.

A junta trata aqueles que a defendem com pouco respeito. Segundo o Kiev Times, a princípio os cadáveres eram levados para um crematório em Kharkiv, a seguir quando o número de baixas crescia nos primeiros dias da operação, vieram escavadoras para Slavyansk e cavaram sepulturas comuns a encher posteriormente. Segundo as forças de auto-defesa do Donbasse, soldados da Guarda Nacional mataram todos os seus próprios feridos no campo de batalha.

Os insurrectos de Slavyansk dizem que a Guarda Nacional tem utilizado principalmente militantes do Pravy Sector e das unidades de defesa Maidan como fontes de recrutamento. Ela opera do mesmo modo como os fascistas alemães que ocuparam a Ucrânia em 1941-1944. Os soldados do exército regular recusam-se a matar o seu próprio pessoal, eles não apontam um alvo quando disparam. Mas eles receiam abandonar as posições que estão a manter sob a armas de guardas nacionais. Exemplo: em Starovarvarka, a 30 km de Slavyansk, militares ucranianos foram fuzilados pelo Pravy Sector por se recusarem a disparar sobre civis.

Sem se importar com as perdas enormes, a Guarda Nacional continua o recrutamento para enviar reforços para o Donbass. Uma das razões é constituída pelsos tumultos incontrolados que apareceram em Kiev em consequência do golpe. Eles ameaçam o poder de Timoshenko, Turchinov e Yatsenyuk. Os grupos que possuem armas continuam tentativas de atacar edifícios administrativos e estão na intenção de continuar a "revolução". Enviando-os para o Donbass eles morrem aos milhares enquanto matam também o povo local em Donetsk e Lugansk quando aumenta a resistência de civis ao regime baseado em Kiev.

A economia da Ucrânia está em depressão. Os membros da junta são bastante cínicos para fazer coisas tétricas – eles estão a reduzir a população do país. Os cadáveres não precisam de empregos, salários, pensões e subsídios de desemprego. Os créditos concedidos pelo Fundo Monetário Internacional poderiam ser gastos em novas aventuras militares enquanto se reduz o número daqueles que precisam das verbas orçamentais.
20/Maio/2014
Ver também:
CIA, FBI Agents Dying for Illegal Junta in Ukraine

O original encontra-se em www.strategic-culture.org/

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

08-02-2014

Link permanente 22:44:54, por José Alberte Email , 669 palavras   Português (GZ)
Categorias: Dezires

CANTA O MERLO: A filha menor do Rei tomou-os o pelo a todos e confirmou que a Família Real nom é de fiar

http://www.elplural.com/

Por Fernando de Silva

No "dia D" para a Infanta Cristina, cumpre-se o guiom previsto, e assistimos à negaçom da evidência

Com a presença de muitas bandeiras republicanas, sem surpresas, com um desdobramento policial inaudito e desproporcionado, que nos custará aos contribuintes muitos milhares de euros, a imputada Infanta Cristina acedeu ao Julgado de Palma em carro, privilégio do que se encontram privados o resto dos mortais. Trata-se de brinda-la e escondê-la para impedir que possa ser legitimamente reprochada por quem duvidam da sua inocência, que nom som outros que muitos dos sofridos cidadaos que sentem escandalizados pola corrupçom generalizada, e que afecta de forma especial à Família Real. Muito logo teve lugar o seu segundo privilégio, ao nom passar polo arco de segurança, como é de obrigado cumprimento para todos os que acedem ao interior de um Julgado.

Mas nom acabam aqui as concessons especiais porque, à margem dos exaustivos registros para impedir a existência tabletas e telemóvel no interior da Sala, decidiu-se que a sua declaraçom só possa ser gravada em áudio, impedindo que o vídeo, que se utiliza habitualmente neste tipo de actuaçons judiciais, possa reflectir a linguagem do rosto, que tanto pode delatar a quem mente com a palavra mas é incapaz de dissimulado com os seus gestos. Precisamente para dar mais autenticidade às declaraçons, a que fosse Ministra de Justiça, Margarida Marechal de Gante, introduziu há anos na justiça a gravaçom em vídeo, da que inexplicavelmente se livra agora a Infanta Cristina.

Nom pudemos ver à Infanta mais de cinco segundos, mas foi capaz de saudar aos jornalistas com um sorriso forçado e nervoso, imprópria de quem sente inocente. Isso sim, aos cidadaos se impediu achegar-se a menos de 100 metros da porta do Julgado, o que resulta inaudito num estado democrático, ainda que sim se pudérom escutar os berros de indignaçom ao longe. E nom é bom, senom todo o contrário, que una membro da Família Real esquive a presença dos seus súbditos, ou lacaios, porque isso é no que nos convertérom, que alimentárom durante anos os seus caprichos e alto nível económico. O único detalhe de normalidade que se viu é a chegada do Juiz Castro, que acudiu ao Julgado em moto, como nele é habitual.

A Infanta, seguindo o guiom, ante o exaustivo interrogatório de 400 perguntas ao que foi submetida polo juiz Castro durante mais de duas horas e média, limitou-se a negar a sua participaçom em Nóos e Aizoon com respostas evasivas, assumindo o papel de esposa parva e submissa, que nom se dava conta de nada, e que nunca se perguntava como era possível manter um nível de vida incompatível com os ingressos do casal. Isso sim, foi explícita à hora de insistir em que “eu confiava no meu marido”, o que resulta contraditório com o feito de nom interpretar o papel de esposa enganada e defraudada polo seu esposo, com o que convive dentro da normalidade e mantém umha evidente cumplicidade. Também nom se comprometeu a devolver o dinheiro, que agora já sabe era de procedência ilícita, o que demonstra que nom tem um pêlo de parva.

Dando por suposto que se negará a contestar as perguntas das acusaçons, que o Fiscal se limitará a ocupar um papel testemunhal, e que as respostas às perguntas do seu advogado de jeito nengum a comprometérom, nem tam sequer é necessário esperar no final da sua declaraçom para extrair as conclusons finais.

Em resumo, hoje a Infanta Cristina, acolhendo-se ao seu direito a nom declarar contra sim mesma, tomou-nos o pêlo a todos, e confirmou que a Família Real nom é de fiar. Durante anos investiu-se muito dinheiro público na sua preparaçom, que se supom é superior à ignorância demonstrada esta mesma manhá, polo que os cidadaos sentir enganados mais umha vez por umha família que vive à conta dos nossos impostos. Parece evidente que, seja qual for a decisom judicial final, a monarquia está hoje ainda mais desprestigiada e tem os dias contados neste país, polo bem da decência colectiva.

23-01-2014

Link permanente 08:07:00, por José Alberte Email , 535 palavras   Português (GZ)
Categorias: Dezires

CANTA O MERLO: A familia Aznar fai-se de ouro graças à agenda de papai e a hipotecas "a preço de saldo"

http://www.elplural.com/

O Aznar “Novo” fai-se de ouro graças à agenda de papai e a hipotecas "a preço de saldo"

O primogénito do ex-presidente é conselheiro da sociedade que gere 12.000 milhões de euros em activos imobiliários da pública Bankia

Nos últimos meses estám circular numerosas notícias sobre como os Aznar estám em primeira linha de quem estám conseguir réditos desta “crise” económica. Desde logo o ex-presidente Aznar, que trabalha entre outras muitas empresas para umha multinacional do ouro que se disparou com as turbulências do euro ou para o presidente em Espanha da consultora KPMG que gere desde preferentes de Bankia até ERes do Canal 9.

A sombra do pai e dos seus amigos

Porém nom se trata unicamente do pai porque o primogénito do ex-presidente, José Maria Aznar Botella, também está a dar muito que falar graças aos contactos do seu pai. La Voz da Galiza já informou de que este jovem “empresário” participa na gestom dos activos imobiliários de Bankia -a entidade resgatada com mais 20.000 milhoes de euros públicos-através de Promontoria Plataforma, sociedade da que é conselheiro e que está presidida por Juan Manuel Hoyos Martínez de Irujo. Hoyos foi colega de Aznar no elitista colégio madrileno do Pilar e já estivo perfeitamente situado durante o boom das tele-comunicaçons trabalhando para Telefónica através da consultora McKinsey. Foi ademais um dos assessores na sombra do ex-presidente na sua carreira presidencial e depois, ainda que nunca quis incorporar ao Governo, como explicou Voz Populi.

Fundo abutre vinculado ao Partido Republicano Norteaméricano

Promotoria Plataforma é por outra parte umha sociedade instrumental do fundo abutre de investimento Cerberus Capital Management, de marcado cor de dólares estadounidenses e mais em concreto vinculado a “popes” do Partido Republicano.

Activos desvalorizados com a crise

Agora através da diário Informaçom Sensível difundírom-se dados contundentes sobre a gestom que fai Promontoria dos activos imobiliários desvalorizados que compra a entidades de crédito. O método de trabalho basicamente é comprar hipotecas de risco por muito menos do valor nominal que assinaram no seu dia os hipotecados e executar o embargo, combinando-se com o piso e obtendo umha mais-valia depois com a venda do imóvel. A web recupera vários exemplos concretos de pessoas em risco de perder as suas casas.
“Cerberus compra a preço de saldo, mas nunca se mostra. Sempre o fai através de Promontoria Holding. Eles podem negociar umha daçom em pago, mas nunca o aluguer da habitaçom”, explica um letrado que tivo que negociar com eles umha execuçom hipotecaria.

Comissons a cambio de “ajudar” à pública Bankia

No que di respeito ao contrato em “exclusiva” com Bankia para gerir durante 10 anos o seu mais de “12.000 milhões de euros brutos de activos imobiliários e de parte da dívida derivada de empréstimos a promotores”, o diário informa que Promontoria Plataforma recebe umha comissom por colocá-los. Apesar de que Bankia é umha entidade pública sustida com o dinheiro de todos, nom oferecêrom explicaçons sobre por que se elegeu à empresa do Aznar “Novo” -quase nom falam de um “processo competitivo”- ou de quanto se lhe pagou de momento em conceito de comissons. Perguntado polo seu papel na sociedade, o filho do ex-presidente nom quis oferecer nengum tipo de declaraçom sobre o labor que realiza para Cerberus.

22-12-2013

Link permanente 19:55:09, por José Alberte Email , 536 palavras   Português (GZ)
Categorias: Dezires

CANTA O MERLO: Galiza: O saqueio do dinheiro público converte as máfias familiares em milionárias.

Escandalosas adjudicaçons de Feijóo à empresa da sua irmá
Eulen foi beneficiada durante todo 2013 com contratos de diferentes conselharias da Junta e a Televisom Galega

O Governo de Alberto Núñez Feijóo mantém as suas adjudicaçons milionárias à empresa Eulen, da que é apoderada Micaela Núñez Feijóo, irmá do presidente autonómico. Segundo reflecte a web da Junta www.contratosdegalicia.es, o citado grupo de empresas recebeu este ano contratos desde diferentes conselharias e da Televisom galega.

Perto de 800.000 euros em Janeiro e Março

Em Janeiro, a empresa da irmá de Feijóo foi adjudicaria de um contrato de 207.940,00 euros sem IVE da Conselharia de presidência para o serviço de vigilância e segurança em vários edifícios judiciais da Junta. Três meses depois, em Março conseguiu o contrato de serviços de portaria , manutençom e limpeza das instalaçons desportivas autárquicas da Câmara municipal de Fene, por 577.025,48 euros sem IVE.

Maio, um mês de ouro

Em maio passado, a Televisom da Galiza adjudicou-lhe a Eulen o contrato para o serviço de segurança por perto de um milhom de euros sem IVE, exactamente, de 930.000 euros. Nom foram as únicas adjudicaçons desse mês. Também conseguiu o serviço de limpeza de edifícios e locais autárquicos da Câmara municipal de Sada por 709.061 euros e o contrato da conselharia de Trabalho e Bem-estar para a gestom do serviço público denominado Pontos de Encontro Familiar de Pontevedra e Vigo", por um custo de 357.000 euros.

Mais contratos em Setembro

Em Setembro, Eulen foi beneficiada com a manutençom do edifício administrativo da Escola Galega de Administraçom Pública (EGAP), por 41.500 euros e, ademais, recebeu da Conselharia de Trabalho e Bem-estar a adjudicaçom do serviço de controlo das instalaçons do Centro Coordenador de Informaçom e Documentaçom Juvenil, por 21.340, 80 euros.

As polémicas adjudicaçons à sobrinha de Romay Beccaría

Feijóo manteve as adjudicaçons à empresa da sua irmá depois dos contratos milionários que lhe concedeu em 2012, como informou ELPLURAL.COM.

Nom som as únicas adjudicaçons questionáveis do presidente galego, que em Janeiro deste ano deu o contrato para o desenvolvimento do portal das entidades locais da Galiza, um plano cofinanciado polo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, à empresa Atos Origin, da que é apoderada a sobrinha de José Manuel Romay Beccaría, presidente do Conselho de Estado. umha adjudicaçom de 455.000 euros.

Umha empresa com sede em Madrid

Segundo denunciou a Galiza Confidencial, a empresa da sobrinha de Romay Beccaría, com sede em Madrid, recebeu quase meio milhom de euros por actualizar umha web já existente.

Há um mês, a mesma agência da Junta contratava a Atos para um "serviço complementar de evoluçom e manutençom de sistema de gestom de pessoal da Junta" por 135.755 euros sem IVE. Segundo comprovou o citado diário, no Registro Mercantil, Cármen Martin de Pozuelo Romay é a apoderada desta consultora, que suma 4,6 milhões em contratas do Governo galego, 312.000" mediante encargos adjudicados a dedo.

Colaboradora de Feijóo em Correios

Martin de Pozuelo é sobrinha de Romay Beccaría, presidente do Conselho de Estado. Feijóo fichou-na para a sua equipa quando dirigia Correios e também quando esteve como conselheiro de Política Territorial.

A Junta de Galicia, quanto menos, deu cinco contratos a Atos Origin a dedo desde que governa Alberto Nuñez Feijóo. No últimos quatro anos, a consultora alcançou ao todo mais de 4.5 milhões da administraçom autonómica.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 ... 40 >>

Março 2015
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
 << <   > >>
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31          

Busca

Feeds XML

Ferramentas do usuário

powered by b2evolution