Um mês depois do 25 de Maio, eis a explicação do lema do DdoOLeR'08

Os manifestantes, nun número superior aos dez e inferior aos quince, portaban un extranho lema, que despóis de consultar (un servidor) os gugles pertinentes, resultou en ser unha tele-serie portuguesa, "Floribella". (AlfredoBilas's Fotolog, Baila o friki-friki).

O lema escolhido para a celebração do segundo Dia do Orgulho Lusista e Reintegrata (DdoOLeR’08), A Nossa Língua ‘Floribella’ em Portugal, parece ter produzido certa estranheza entre próprios e estranhos.

Talvez o susodito lema merecesse uma explicação e talvez melhor teria sido dá-la com antecedência ao 25 de Maio mas, por falta de tempo (ou excesso de trabalho), não foi possível fazê-lo antes.

Quando se completa um mês desde a celebração (com festa e mani-festa-ação) do II Dia do Orgulho Lusista e Reintegrata e VIII Dia Internacional da Toalha (e a onze meses vista do DdoOLeR’09 e IX Dia Internacional da Toalha) damos, por fim, a devida explicação. Melhor tarde do que nunca, não é?

Continua:

Evidentemente, A Nossa Língua ‘Floribella’ em Portugal é uma tunação da tantas vezes citada frase de Castelao "a nossa língua está viva e floresce em Portugal" (Sempre em Galiza, Livro II, Cap. XXIV). Isto dispensava ser explicado.

Mas no nosso lema o “está viva e floresce” da frase original é todo condensado numa única e esquisita palavra: “Floribella”.

Floribella é o título duma telenovela que, em diferentes versões locais do formato argentino original (Floricienta), é exibida em diversos países do mundo, entre os quais Chile, Brasil e Portugal (Vid. Floribella chilena, brasileira e portuguesa).

Na Floribella portuguesa o papel protagonista é interpretado pola atriz e cantora Luciana Abreu, nascida em 25 de Maio e escolhida como musa do II Dia do Orgulho Lusista e Reintegrata (DdoOLeR’08) devido a esta circunstância.

Floribellar poderia ser também um verbo tipo sulibeyar, almareyar ou reverbereyar, verbos da primeira conjugação conjugados todos eles polo músico, compositor e cantor nicaraguano Carlos Mejía Godoy nos seus celebérrimos Perjúmenes de mujer. “Floribella” viria sendo, portanto, a terceira pessoa do singular do presente de indicativo do verbo “floribellar” (= estar viva/o e florescer).

«...a nossa língua está viva e floresce em Portugal, falam-na e cultivam-na mais de sessenta milhões* de seres que, hoje por hoje, ainda vivem fora do imperialismo espanhol.» (A. R. Castelao, Sempre em Galiza, Livro II, Cap. XXIV)

Ou, dito por outras palabras, A Nossa Língua ‘Floribella’ em Portugal!!!

* “Hoje por hoje” esses “seres” superam já a cifra dos 230 milhões (Vid. CPLP).

Escrito às 18:45:21 nas castegorias: Principal
por suso Email , 422 palavras, 1064 visualizaçonsChuza!

Endereço de trackback para este post

Trackback URL (clique direito e copie atalho/localizaçom do link)

2 comentários

Comentário de: Tomze adito [Visitante] Email
buff...que complexo...preferia nao saber a explicaçao ;-)
26-06-2008 @ 10:18
Comentário de: suso [Membro] Email
E a ti, que te confessas adito ao Tom Zé, cujo último disco se intitula (segura-te) Danç-Êh-Sá - Pós-Canção/Dança dos Herdeiros do Sacrifício/7 Caymianas para o Fim da Canção, parece-che complexa a explicação deste lema?!? Hahaha!!! ;-P
26-06-2008 @ 16:55

Deixe o seu comentário


Seu endereço de e-mail nom será revelado nesse site.

Sua URL será exibida.
(Quebras de linha se tornam <br />)
(Nome, e-mail & website)
(Permitir que usuários o contatem através de um formulário eletrônico (seu e-mail nom será exibido.))

    Busca

powered by b2evolution free blog software