15/12, 21h, Pousada (Stuttgart)

10-06-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

15/12, 21h, Pousada (Stuttgart)

Ontem cheguei às 6 a Stuttgart. Tenho feito isso sempre que posso, chegar à cidade de noite. Não que me agrade – é até desconfortável procurar a pousada à noite. Mas como os dias são cada vez mais curtos, assim chego e vou logo para o meu quarto. E pouco depois vou dormir.

Quando cheguei ainda estava um pouco atordoado com a mulher do comboio. Poucas vezes vi tamanha beleza. Ela afinal ligou-me e muito, eu é que sofro de idiotice aguda, e nunca dou o passo em frente. Quando estávamos de pé, à espera que o comboio parasse, os nossos olhares cruzaram-se várias vezes.

Ontem mandei-lhe uma mensagem, à minha portuguesinha de rabo na boca. Uma mensagem a pedir uma resposta, se nos podíamos encontrar quando eu voltasse. Como ela ainda não respondeu, e por causa da mulher do comboio, passei parte da manhã atordoado. Pois, agora me lembro que não teve nada a ver com a aparição no comboio. Vamos recapitular.

O grupo que se formou ontem no quarto era digno de filme de comédia. Eu, o portuguesito a precisar de vitaminas. O Ramesh, um indiano ainda mais mirrado que eu. O Bernardo, brasileiro de meia-idade filho de alemães. E o Thilo, alemão de Berlin à volta dos 35. Não consegui ver bem o Thilo ontem, saiu pouco depois de eu entrar. Estive até bastante tarde na conversa com os outros dois. O Bernardo era jornalista free-lancer e ainda não tinha encontrado a mulher da vida dele, por isso era solteiro. O Ramesh era casado com uma italiana há uns meses (provavelmente quando ela engravidou). O filho nasce em Fevereiro. O Thilo não parecia comprometido, mas falou-me durante a manhã d’hoje duma namorada que teve durante três meses em Madrid.

O brasileiro à procura da mulher da vida dele, o indiano com a mulher à espera dele em Itália, as férias enamoradas do alemão em Espanha. Tudo isto combinado com ela não responder à minha mensagem, deu-me uma manhã bem deprimida.

Acabei por dar umas boas gargalhadas na Staatsgalerie, ao ver um filme (pela segunda vez) duma sequência de actos encadeados (pneu acciona archote, que queima corda, que deixa cair bola). Está tudo muito bem coreografado, é mesmo muito divertido. Soltei também uns sorrisos ao ver algumas pinturas idiotas. Adorei a estátua da senhora da limpeza, parecia-me mesmo real. Tirei uma foto a um quadro do Paul Klee para ela.

Passei parte da manhã com o Thilo. Ele queria mostrar-me um palácio nas redondezas. Depois andámos pela cidade. Tomámos café e despedimo-nos. A seguir fui visitar o Weißenhofsiedlung. Adorei as casinhas em banda do Oud (o homem é um senhor) e um pintor deixou-me entrar na casa dupla do Corbu. Acabei expulso, mas valeu a pena, o interior é fantástico. Nesta viagem solitária, dou comigo muitas vezes a falar sozinho. Às vezes trauteio uma música (passei parte do tempo no museu a cantar Da Weasel), tenho conversas imaginárias e, depois de estar algum tempo com alguém a falar inglês (como hoje com o Thilo), dou por mim a pensar em inglês. Hoje devo ter passado o dia todo a pensar em inglês.

Hoje, pela primeira vez, viajei sem bilhete, ao voltar do Siedlung. E fui comer à Mensa (cantina) da Faculdade de Belas-Artes. Sou mesmo hooligan.








IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:01:40

Sem feedback para este post ainda

Deixe o seu comentário


Seu endereço de e-mail não será mostrado no site.

Sua URL será exibida.
(Quebras de linha se tornam <br />)
(Nome, e-mail & website)
(Permitir que usuários o contatem através de um formulário (seu e-mail não será exibido.))
powered by b2evolution