Categoria: IR'05

14-03-2009

CADERNOS, IR'05, VIAGENS

12/12, 19h45, pousada (München)

A comida, para não variar, não prestava. Mas havia salada à discrição, devia ter-me concentrado mais nisso. Comi dois gelados de sobremesa, eles não estavam a olhar.

Cheguei muito cedo, hoje. Não dá para estar sempre a ler e a escrever, logo vem o sono. Não tenho com quem conversar, estão apenas dois aqui no quarto, e falam em alemão.

Está bastante frio aqui no quarto. E eu estou bem perto do aquecedor. Agora masturbo-me todos os dias, no chuveiro. Detesto quando as coisas boas se tornam hábitos.

Na última noite em Wien um casalinho dormiu no meu quarto. Foi a primeira vez nesta viagem que fiquei em dormitórios mistos.



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 21:49:37

12-03-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

12/12, 18h15, pousada (München)

Cheguei há pouco à pousada. É, como em Wien, uma Jugendgästehaus (casa de hóspede / hospedaria para jovens), mas caríssima. 19€5, sem internet e sem cozinha. Já devia saber, mas acabei por vir aqui parar aqui por acidente, pois estava a ler no guia informações duma pousada e a olhar para o mapa de outra pousada. Mas está-se bem. Se a pousada de Bratislava era a com mais estilo, esta é a com mais arquitectura. Um pouco como se o Scharoun fizesse pousadas. Corredores angulosos, espaços amplos a distribuir as escadas, o tecto inclinado. E, apesar de estar bem perto do centro por metro, a zona é calminha e de pequena escala.

Li num guia que esta é a terceira cidade em dimensão, a segunda em termos económicos e a primeira em tecnologia. A rede de metro é de capital europeia, e apesar de uma viagem custar 2€2 e as carruagens pararem de quando em vez, parece funcionar.

Estou a ficar com fome. O jantar é às 18h30.

Depois da França a viagem começou a tornar-se mais difícil. A bebedeira não ajudou, claro; mas são tantos dias acumulados que começa a ser saturante. Mas sempre é melhor que ficar em casa. Ou que um pontapé no cu.

Só para acabar a saga Bratislava / Wien. Em Bratislava, como em qualquer outra pousada, não me deixaram ficar a dormir de manhã. A empregada foi lá duas vezes, e o gajo da recepção uma. Só quando o Giovanni foi tomar banho é que me levantei. Demorei talvez três vezes mais tempo a chegar à estação do que no dia anterior. Entre no primeiro quim que dizia Wien, e entre Bratislava e Wien terei ido umas dez vezes à casa de banho. Bebi imensa água (não-potável) e comi duas tangerinas, que acabaram no lavatório. Em Wien comprei uma garrafa de água, que acabou no chão da estação. Algures noutra ligação (talvez no metro) vomitei, mas desta mais controlado, entre duas carruagens. Ainda era cedo quando cheguei à pousada. Fui logo dormir.

Ontem cheguei duas pessoas em Salzburg. A?o Whu, chinês que orientei para a pousada, e um irlandês. Não cheguei a saber o nome dele. É bem capaz de mo ter dito, mas falava tão rápido (inglês e espanhol) que não percebi muito do que me disse. Entendi que tinha passado cinco anos na Andaluzia, e como há Irish Pubs por todo o lado, ele andava de um lado para o outro. Já estava há três semanas em Salzburg, e já tinha comido uma gaja ali naquela cama, com um japonês no beliche de cima. “You only live once, right?”

Tenho uma ferida nojenta entre o lábio e o queixo. Um pouco como pão de rato.

Basta. Vou comer.





IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:59:26

12-03-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

12/12, 14h15, IC (para München)

Entrei na Alemanha e nem reparei. Vou tentar escrever-lhe.

Hoje consegui finalmente comer uma boa sandes. Comprei uma baguete e juntei-lhe um queijo com furinhos que tinha comprado em Wien. Nunca tinha feito uma sandes dentro de uma igreja.

Ela respondeu ao meu toque. Já não acontecia há alguns dias. Estou plenamente contente. Feliz por ela existir, e por gostar dela. Gostava de escrever “feliz pelo nosso amor”, mas ainda é cedo.





IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:17:06

04-03-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

12/12, 13h30, bahnhof (Salzburg)

Numa manhã despachei Salzburg, e só cheguei agora ao comboio porque me lembrei de subir uma montanha. Pensava que ia morrer lá. Comecei a subida no centro da cidade, sabendo de antemão que ia andar muitos quilómetros. A subida foi bem, entre árvores altas e alguma neve. No topo havia um convento (imagino que franciscano, pois era o monte dos franciscanos), e depois era sempre a descer. E que descida! Mas depois de mudar a maneira como olhava para a neve, acabei por me divertir. Quando reparei que, com pés e mãos no chão, o perigo acabava e começava a diversão. É estranhamente divertido passar da vertigem passar da vertigem do deslizamento montanha abaixo à vontade à vontade do deslizar controlado. Adorei.

Tive também a solene oportunidade de, pela primeira vez, mijar para a neve. “Don’t eat the yellow snow”, dizia o Frank Zappa.

Antes de entrar no comboio, comprei uma cerveja, a Stiegl, de Salzburg. É muito boa. Em Bratislava tinha comprado 2 cervejas Corgon, de meio litro. Só quando bebi a segunda é que reparei que tinha 10% de álcool. A Stiegl (que imagino ser ?????) é bem mais normal.

IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:48:37

26-02-2009

FOTOS, IR'05, VIAGENS

11/12, 19h45, pousada (Salzburg)

Cheguei a Salzburg com uma vontade terrível de ir à casa de banho, e como cheguei tarde, vinha já decidido a ficar na pousada mais próxima da estação. É bem capaz de ser a pousada mais oportunista da pousada – 16€ sem pequeno-almoço. Aliás, tudo parece pago por aqui – até no chuveiro hesitei. Mas uma coisa é boa – a recepcionista. Muito boa. Parece saída das Marés Vivas, mas da versão de Inverno. Deus, como eu deliro com um bom par de mamas. Devo estar naqueles 95% da população que delira com mamas.

Já estou farto disto. Eu não vim para o IR para ter sexo, apesar das camisas na mochila. Apesar dos instintos estarem activos, só penso em ti. Aliás, já percebi o que tu queres que eu faça. Queres que te seduza, que te namore, que te vá buscar a casa e te leve de braço dado. Que te diga as coisas bonitas que mereces ouvir. Eu faço isso, claro. Não queres brusquidões, insensatez. Que as coisas levem o seu tempo.

Ou então percebi tudo mal, e apenas respondes às minhas mensagens por piedade ou comiseração.



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:15:14

26-02-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

11/12, 16h15, quim (para Salzburg)

Havia dois quins para Salzburg, um às 15h10 e outro às 15h33. O das 15h10 atrasou 20 minutos, e acabaram por chegar os dois ao mesmo tempo.





IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:12:36

08-02-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

11/12, 15h, Banhof (Linz)

Acabei agora de visitar a cidade. Há pouco, na montra dum fotógrafo, vi as fotos duma mulher entre os 30 e os 45. Seios cheios, atitude provocante. Depois daquela montra todas as mulheres me parecem apetecíveis. Por falar em tesão, durante a exposição no Kunstmuseum tive de me chegar às paredes por várias vezes. É que não estou habituado a usar boxers, e às vezes torna-se desconfortável.

Bratislava outra vez. O jogo tinha acabado, assim como a carreira europeia do Porto. Mesmo assim, virei-me para o lado e perguntei à pessoa mais próxima de mim “Então acabou? O Porto já não joga mais este ano?” Só então vi que estava a falar com um mulato com um ar todo fodido, ligeiramente a rir-se. “João?” “Eh eh eh.” “Foda-se, como é que me encontraste? Não me digas que não me tinhas visto?” Foi mesmo coincidência. Ele e dois amigos eslovacos tinham decidido ir ver a segunda parte ao estádio. Apanharam um táxi e conseguiram bilhetes a 5 euros. Um dos amigos do João bem que usava um cachecol do Porto (ele era fã do Inter Bratislava), mas não deu em nada. Eu tinha combinado com o João ir para os copos depois do jogo, mas já tinha desistido da ideia, estava encharcado e só queria cama. mas eles estavam ali, e acabamos num pub perto do estádio. Já imaginava que os eslovacos bebiam valente (em que mais se iam entreter?), mas nada assim. Ao todo terei bebido quatro shots e dois copos altos de vinho quente, para além das duas budweisers do jantar. Eu aguentei bem (a única asneirada da noite foi ter deixado o chusso no pub), mas o João bebeu um bocadinho de mais. Caiu, fez cair cadeiras, vomitou dentro do pub. A noite acabou num táxi para a pousada.

O dia seguinte foi o pior da viagem até agora. Se dias de chuva (ou neve) nos fazem pensar “que raio estou eu a fazer aqui? Olha inter rail no Inverno! Devia era regressar. É isso!”, um dia de ressaca é ainda pior. Nada corre bem, e nem conseguimos pensar em voltar. Não conseguimos pensar em nada, porque pensar dói. E como tudo nos custa!




IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 23:59:14

04-02-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

11/12, 9h, IC (para Linz)

Vi agora no guia da viagem que a ligação entre Salzburg e München demora hora e meia. É logo ali!

Voltando a Bratislava. O restaurante que nos indicaram era certamente o que estava à espera. Acolhedor, típico, e cheio de eslovacos. Cheio de mais, infelizmente, pois não havia mesa para nós. Já estávamos à porta, a calçar as luvas e a prepararmo-nos para o frio, quando um mulato, muito feio e estranho, me disse: “Olha lá, tu não és português?” E sentámo-nos a comer com ele. Chamava-se João, era ‘amigado’ com uma eslovaca de quem tinha uma filha. Como ele bebi Budweiser e comi borsch, uma herança dos tempos soviéticos. É apenas sopa. O João já estava borracho quando nos conhecemos, mas a beber como ele bebia, não tardaria a ficar bem pior. Pelo que percebi da conversa dele, era originário da Boavista, e tinha passado sete anos em Inglaterra, onde tinha conhecido a companheira. Estava todo equipado para ir ver o jogo, mas não parava de lamentar que o seu amigo, que tinha vindo directamente do emprego, não tinha a roupa apropriada para tais condições climatéricas. Assim, foi-me levar à estação do eléctrico, depois de nos despedirmos do Giovanni.

E ver o jogo foi horrível. Como cheguei depois do início, já não havia capa de plástico para mim. Ainda passei a primeira parte de pé em cima das cadeiras como os idiotas dos portugueses, agarrado ao meu guarda-chuva. Fiquei totalmente encharcado do pescoço para baixo, enregelado, pois não parava de chover e nevar. Na segunda parte alguma da minha racionalidade veio ao de cima e sentei-me num sítio com uma parede por trás, e consegui evitar molhar-me ainda mais.




IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 23:47:27

14-01-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

11/12, 07h45, IC (para Linz)

Era o que já estava à espera. Tanta coisa, ontem, para reservar o bilhete, “Do you want me to speak English?”, já imaginava que isto ia vazio, “Well, I don’t speak German, and I don’t expect you to speak Portuguese, so, yeah, English.” A culpa era minha, estava nervoso. Tinha saído a correr do metro porque tinha falhado uma estação, e deixei o gorro na carruagem. E era o meu gorro favorito! Tudo bem, meia hora depois já tinha um gorro novo, comprado a 7,5 euros, e possivelmente ainda mais fixe que o anterior. Assim vale a pena perder gorros.

Que luxo de comboio! Bancos a imitar couro, mesinhas, almofadinha, tomadas de electricidade.

Ai que medo! Só se vê neve lá fora. Ai, agora ficou tudo escuro! Ah, um túnel.

Anteontem também tivemos uma cromice perante nós. Durante a exposição do Goya chatearam o Aco duas vezes para ele pôr a mochila à frente, pois havia pouco espaço e muita gente. Tudo bem. Agora à entrada da exposição de arte antiga, quando já não estávamos com paciência para ver muito mais, veio um segurança dizer ao Aco que não podia levar a mochila, tinha de a deixar no cabide. “Is this exhibition any different from the others? Cause in the others there was no problem with the backpack.” “This is my job and you have to do it!” “What? The ladies were just telling me to put the backpack in the front and it was ok.” “No, this is my job and… Ah, ok, you can use it like that.” Cromo.

CIM – A electricidade para os móveis deve vir do tecto, através de uma entrada para cada móvel – de preferência junto à parede ou ao pilar

TEXTO FOTOS DIÁRIO


MAPA








IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 00:19:06

05-01-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS, IMAGENS

10/12, 21h30, pousada (Wien)

Estou no quarto, hesitante entre ir dormir, escrever-lhe um postal ou ler mais um pouco. Talvez escreva um pouco aqui. Talvez não lhe escreva, e espere até que me venha algo.
Hoje despedi-me do Aco, de manhã, na Karlplatz. De início não tive a melhor impressão dele, apenas pelo facto de não ter visto tanta arquitectura quanto queria enquanto estava com ele. Entretanto comecei a gostar exponencialmente mais dele, até nos termos tornado parceiros. A vida dele não é fácil, e nota-se que, para ser maestro, ou se quer mesmo, ou é impossível. Estudar, tocar, praticar, segundo ele, das 7 da manhã às 11 da noite. Dificilmente se namora assim, ou se faz qualquer outra coisa. Gostei muito de andar com ele. Talvez ainda o veja hoje, depois de ele vir do concerto.

Hoje o dia foi ‘produtivo’. Vi arquitectura moderna até à exaustão. De manhã fui ver a Hundertwasserhaus, que é a desilusão total. Turistas e turistas, e eu a pensar o que estava a fazer ali. Depois fui ver Donau City (imagino que a ‘Cidade do Danúbio’), a zona nova, concentrada à volta do edifício das Nações Unidas. Mais uma enorme desilusão. Mas lá no meio, perdida entre viadutos e túneis e cinemas vazios, encontrei uma pequena pérola. Mais parecia uma caixa de jóias, perfurada para se ver o interior. Era uma igreja, linda por fora e por dentro. Foi o suficiente para não dar a manhã por perdida.







IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 00:02:57

04-01-2009

CADERNOS, IR'05, VIAGENS

10/12, 15h30, U6 (Wien)

Acabei de vir da casa Moller, do Loos. O polícia à porta não me deixou tirar fotos. Pior, pediu o meu BI e pôs-se a tirar dados. Pior ainda, a foto que estava a tirar quando ele me chateou não chegou a sair. A casa era bem bonita, deve morar lá algum ministro.

BRUXELAS HENDAYE COIMBRA
09h10 17h12 08h33
09h40 17h42
12h40 21h12
22h(IRUN)(HE) 08h33(HP)



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 23:44:01

04-01-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

9/12, 23h, pousada (Wien)

Conheci uma conhecida do Aco, a Maiku. Pianista, lindíssima, os pais são do Japão mas moram em Wien. Não sei o que têm as japonesas, mas dão cabo de mim.

Voltando ao português que conheci em Bratislava e que tinha comido uma israelita. Andando com os hooligans e depois com o outro grupo de portugueses, dei comigo muitas vezes a questionar-me, como fazia tantas vezes na adolescência e no início da idade adulta. A pensar “porque não sou eu como eles?”, “porque não faço o que eles fazem?”, etc. (talvez me tivesse questionado desta maneira com o segundo grupo, e não com os hooligans, mas seguindo em frente) Talvez por serem grupos grandes e eu estar lá sozinho, talvez por serem também portugueses. O meu companheiro de guarda-chuva, com a facilidade com que aparentava arranjar sexo, ou os piropos com que todos eles galanteavam as raparigas, pôs-me, de início, a pensar em mudar de perspectiva em relação a este IR. Talvez o sexo fosse fácil, afinal. Mas estes talvezes, quando pensei um pouco, não me diziam nada. Já encontrei alguém, já fui tocado por esse alguém, e penso já a ter tocado também. Não busco mais ninguém nesta vida, a minha estação terminal é ela.

Comecei a voltar a mim no intervalo do jogo. Reencontrei o companheiro de guarda-chuva quando todos os portistas se refugiaram na casa de banho, fugindo da chuva e da neve. Aparentemente ele nem me reconheceu. Disse-lhe que tinha conhecido um português que morava em Bratislava, ao que ele respondeu “Ah, eu estudo em Praga”. Claro que eu sabia isso, tinha estado parte da tarde com ele! Foi aí que percebi o que ele era e eu não. Ele era obviamente uma pessoa que vivia para o momento, capaz de entrar noutra personagem e ir para a cama com uma mulher acabada de conhecer, mas que ele provavelmente nem reconheceria no dia seguinte. Ora, nada mais diferente de mim.
Depois de ter estado algum tempo com os tugas no MacDonald’s (mas, atenção, apenas bebi uma cerveja), fui até ao supermercado comprar comida para a Áustria e acabei no hostel. Ainda era cedo, mas o tempo na rua estava impossível. No hostel conheci o Giovannia, um sardo. Era uma pessoa acessível com um riso fácil e um pouco afeminado, que parecia o menino da mamã. Falava bem inglês e tinha assunto, por isso falámos durante bastante tempo. Perto das 7, convenci-o a vir jantar comigo a um restaurante que me tinham recomendado na recepção.





IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 22:25:55

30-12-2008

CADERNOS, IR'05, VIAGENS

9/12, 19h30, Renweg 8

Afinal percebi tudo mal. A velha é mãe da pianista.

Estão a tocar Mozart. Começa com TRIO FUR KLAVIER, VIOLINE UND VIOLONCELLO IN E-DUR KV 542. A seguir vem SONATE FUR KLAVIER UND VIOLINE IN E-MOLL, KV 304. Depois da pausa vem 1 QUARTET FUR KLAVIER, VIOLINE, VIOLA UND VIOLONCELLO IN G-MOLL, KV 478.





IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 00:51:37

30-12-2008

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS, IMAGENS

9/12, 19H, Renweg 8 (Wien)

Estou à porta das sala de espectáculos. Dificilmente daríamos por ela, se não estivéssemos à procura. O Aco está à conversa com umas velhinhas eslovenas. Aparentemente uma delas é casada com um dos melhores pianistas do mundo. A senhora que nos recebeu, amiga do Aco, é violoncelista, e deve actuar hoje. Ah, vamos ouvir Mozart.

Hoje comprei mais um guia de arquitectura de Wien, desta feita mais antiga. Parece-me que ainda vou ficar mais uns tempos por cá.

Estão a falar de mim por ali.







IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 00:48:32

30-12-2008

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS, IMAGENS

9/12, 11h30, KuntHistorichMuseum (Wien)

Acabei agora de ver a exposição de Goya. Acabei por não ver alguns dos meus quadros preferidos, que não estavam na exposição. Ainda assim a obra de Goya é assombrosa, e como ele viveu até aos 80 anos, teve tempo para pintar, experimentar, errar. Tudo. Bem ao contrário de Schiele. Vi ontem a exposição dele. Se não é o meu pintor preferido, está no top 3. E morreu aos vinte e oito, coitado, de gripe espanhola, três dias depois da mulher, e no dia do fim da guerra. E o que ele não fez em doze anos, desde os dezasseis até à sua morte! Morte, arbitrária sina!...

Tenho andado com um esloveno, o Aco (Atso). É maestro (conductor), e tem apenas vinte e um anos. Anda-se bem com ele, apesar de ontem não ter visto quase nada. Depois do Goya vou ver arquitectura ao meu ritmo. Se ele quiser vir que venha.

Wien é uma cidade que impõe respeito. É enorme em dimensão, mas o centro tem um jogo de escalas que nunca vi. A zona da catedral tem ruas ‘estreitas’ e prédios altos, enquanto que chegando à zona dos museus e dos palácios a escala explode e deixamos de saber qual o nosso tamanho. Os Vienenses, apesar de simpáticos e acessíveis, parecem noutra dimensão. Já não há latinos por aqui.

WINARSKY-HOF (WIEN 20, STROMSTRASSE 34-38) BEHRENS, HOFFMANN
CASA SCHEV (WIEN 13, LAROCHEGASSE 3) LOOS
CASA MULLER (WIEN 18, STARKFRIEDGASSE 19)
WERKBUND SIEDLUNG (INDIVIDUELLES WOHNEN (WIEN 13, VEWTINGERGASSE 71-117) JOSEF FRANK
TABAKFABRIK (UNTERE DONAULANDE 74, LINZ) BEHRENS
TERRASSEN HAUSSIEDLUNG (ST. PETER-HAUSTRASSE, GRAZ) WERKGRUPPE GRAZ
WONHAUS ANLAGE AM SCHOPFWERK (WIEN12, AMSCHOPFWERK
STANDTHALLE (WIEN 15, VOGELWEIDPLATZ 214) RAINER
MUSEU PAVILHÃO (WIEN 3, SCHWEIZERGARTEN) KARL SCHMANZER
WOTRUBA – KIRCHE (WIEN 23, RYSERGASSE 2)
ZENTRAL SPARKASSE (WIEN 20, FAVORITENSTRASSE 118) DOMENIG
WHONHAUSANLAGE
WHONEN MIT KINDERN (WIEN 21, JENEWEINGASSE 32) UHL
WOHNHAUSANLANGE (WIEN 15, WEIGLASSE 10-12) HOLZBAUER
WOHNSIEDLUNG (WIEN 22, PILOTENGASSE) KRICHANITZ, H&M, STEIDLE
NACHAUSBAU (WIEN 1, FALKESTRASSE 6) C. HIMMELBLAU
MEHRZ WECKHALLE (GEOGISTRASSE 84, GRAZ) DOMENIG
WOHNLAGE (MITTERWEG 157-159, INNSBRUCK) BAUMSCHLAGER & EBERLE

JEROEN DE RIJKE / WILLEM DE ROOIJ







IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 00:38:48

28-12-2008

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS, IMAGENS

8/12, 20h15, Pousada (Wien)

Voltando à chegada a Bratislava. Cheguei facilmente ao hostel. Não sendo barato nem caro – 15 euros – tinha uma coisa que nenhum antes tinha tido – estilo. Sofás no ‘lounge’, cozinha com balcão de madeira, paredes pintadas com cores vivas nos quartos. Quando cheguei, perto das 11h, estava uma senhora a aspirar o quarto. Saí logo que pude, ainda tinha que arranjar bilhetes para o jogo. Logo na primeira praça topei um grupo de cinco que me pareceram ‘normais’. Ok, são portugueses. Eram mesmo. Cinco estudantes de marketing em Praha, quatro do Porto. E, sorte a minha, tinham um bilhete extra para mim. Custava 15 euros, mas eu apenas tinha comigo 50 euros e eles não tinham troco. “Ok, vais ali ao câmbio e pedes para trocar euros por euros.” Parecia um esquema capaz de funcionar. Mas só quando mostrei a nota à rapariga do câmbio é que me apercebi que a nota de 50 euros estava rasgada. Poucas vezes me tinham vindo parar às mãos notas de 50 euros, e tinha de vir rasgada? Shit! Ela obviamente que recusou a nota. Quem não recusaria? Dá mesmo a ideia de ser uma nota roubada! No banco o resultado foi o mesmo. “No good.” Tive de sacar chlóques (a moeda local) do multibanco e trocá-los por euros. Mas fiquei com o bilhete. Continuava a chover, com o vento a obrigar a chuva a danças?/acrobacias? delirantes. Fui com eles até ao castelo, um dos poucos sítios que ainda não conhecia em Bratislava.

Eu era o único com guarda-chuva, e um deles não tinha capucho, por isso andou sempre comigo. Acho que se chamava João. Acabámos por adoptar alguns comportamentos íntimos, decorrentes do acto de partilhar um guarda-chuva. “Deixa que eu levo o guarda-chuva, já deves estar cansado.” “Queres tirar a foto agora?” Esse tipo de coisas. Achei piada ao facto de ele, tão inusitadamente, se ter tornado tão próximo de mim. Pela conversa dos outros, percebi que tinham ido para os copos no dia anterior, e tinham saído do hostel porque já não podiam estar lá mais tempo a dormir. O meu companheiro de chusso, esse, tinha comido uma israelita. Tinha ido para casa dela, com o pai dela lá também, e tinham tido sexo.








IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 00:48:33

28-12-2008

CADERNOS, IR'05, VIAGENS

7/12, 21h30, Pousada (Wien)

Hoje comi na pousada. O jantar, de 4€6, consistia numa piza, sopa e sobremesa. Antes de começar a comer a piza deu um gole de água fria, que me deixou a garganta activa. Acabei por desistir de comer a piza, pois a garganta doía-me imenso, e comi duas sopas para compensar. Há um bocado acabei de comer a piza, e já não me doeu a garganta. Espero não ficar doente.



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 00:40:22

24-12-2008

CADERNOS, IR'05, VIAGENS

7/12, 20h, Pousada (Wien)

(mostrar denCidade à Marta)

Tenho tanta coisa por escrever que nem sei por onde começar. Talvez por onde parei, a ordem cronológica da coisa.

O tuga que me tinha mandado a boca no vagão-restaurante era um dos super-dragões. De início fingi não ser português. Imaginei que eles fossem emigrantes, e não tinha grande vontade de falar com eles. Só quando os vi todos juntos, preparados para sair, é que percebi que estavam ali para ver o Porto a jogar. Tinham viajado com a Ryanair até Frankfurt, mas acabaram expulsos do avião, e tiveram de fazer a ligação a Bratislava de comboio.

Quando os conheci ainda não sabiam como voltar. Na Ryanair já não podiam mais. Eram os autênticos hooligans, todos com cadastro e muitos com julgamentos pendentes. Um deles, que estava sempre a ouvir tecno nas alturas, falou um pouco mais comigo. Como tinha um julgamento pendente, não podia ausentar-se de Portugal por mais de 5 dias. “É mais drogas, sabes como é.” Devia ser tráfico, imagino eu. Falou-me da filha e da falta de dinheiro. “Ehpá, eu faço o que quero, percebes? Se quero fazer merda, faço merda.”

Eu, nestes dias na Europa Central, tenho sido um pouco mais civilizado. Cumprimento as pessoas nas lojas, tento ser simpático. Como em Portugal, não deito lixo para o chão nem estrago coisas. O meu comportamento está a ser um pouco mais como eu gostaria que fosse sempre em Portugal, mas nem sempre dá. Ora o meu amigo dragão era um pouco o oposto de mim, em termos sociais. Aliás, nenhum deles era um exemplo. Um deles, um dos mais velhos e mais respeitados, tentava dormir. Outro ia tocando-lhe na cara com a mão, a partir do corredor. Depois pôs a pila de fora e encostou-a ao vidro, junto à cara dele. Nem sabia onde me havia de meter. Outro mais novo, com uma cara furada de quem teve problemas com acne, e com pinta de culturista, perguntou-me se eu conhecia o Break, sendo eu da Póvoa. O Break era o dono dum ginásio. Era um culturista enorme, que já tinha sido campeão nacional. Tinha saído há pouco tempo da prisão, e o meu pai foi o responsável do processo. Ainda há pouco o meu pai me tinha contado pormenores do processo. Deu-me vontade de responder ao hooligan “sei quem é o Break, foi o meu pai que o pôs na prisão”, mas acabei por dizer que o conhecia, pois tinha andado no ginásio dele (o meu interlocutor era o que antes tinha falado da puta). Algum tempo depois começaram todos a falar de putas. Aparentemente já sabiam quanto custava uma puta em Bratislava. “Acho que custa 1500 – 9 euros. Era bom se um gajo as levasse para o hotel.” Pelo que percebi, não tinham hotel marcado, iam tentar dormir no Ibis em quartos onde já estavam amigos. Também não tinham bilhetes para o jogo, mas disseram-me que, se continuasse com eles, estava bem.

Para ser sincero, não me sentia totalmente desconfortável com eles. Obviamente que o comportamento anti-social deles me deixava perplexo, mas eles eram do Porto, carago. Com eles podia falar à vontade, praguejar e tudo. Aliás, parece-me que, se não praguejasse, eles não me entenderiam.

Decidi andar mais um pouco com eles. Foi também a sorte deles, pois tinham dificuldade em entender os horários para chegar a Bratislava, e eu ia ajudando-os. No comboio que apanhámos para dar a volta a Wien, uma loira de meia-idade levantou-se, irritada, para resmungar com um deles. Ele disse que se tinha descalçado e ela não tinha gostado. Até acredito que tivesse acontecido, mas não teria sido apenas isso. Quando chegámos a Bratislava eu saí disparado, como faço sempre, e não os vi mais.





IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 00:21:01

14-07-2008

CADERNOS, IR'05, VIAGENS

6/12, 11h, ...

“Cinquenta euros por uma puta! E quando ela gemeu, foda-se, fiquei com um tesão!”



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 01:25:46

14-07-2008

CADERNOS, IR'05, VIAGENS

6/12, 8h45, Hutteldorf

Vim parar ao meio dos super-dragões. Os que me mandaram a boca no vagão-restaurante eram estes. Já me garantiram bilhete e estadia. Ai.



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 01:24:12

14-07-2008

CADERNOS, IR'05, VIAGENS

6/12, 8h, City Night Life para Wien

“Não quer pagar oitenta cêntimos, vai comer para a carruagem! Estes gajos…” Mal sabiam eles que também sou português.

Dormi no mesmo compartimento com uma deusa grega. Já a tinha visto ontem, os cabelos soltos e os ombros desnudados. Hoje, que nem puto finjão, deixei-a vestir-se aparentando ter os olhos fechados. Deus, que pedaço de céu!



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 01:20:59

14-07-2008

GAMANÇOS, CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS, IMAGENS, PROSA

5/12, 23h45, ICE para Manheim

É engraçado – todos os países que rodeiam a Suíça usam o euro. Como se sentirão os suíços?

Estou a bordo dum ICE, o comboio alemão de alta velocidade. O que posso dizer, assim à primeira, é que é espaçoso. Pera lá, os bancos mexem-se?


God keep me from ever completing anything. This whole book is but a draught – nay, but a draught of a draught. Oh, time, strength, cash and patience!

Herman Melville, Moby Dick, pp. 149






IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 01:05:10

08-07-2008

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS, EU, IMAGENS

5/12, 18h45, quim para Olten

Os ‘placards’ da estação de Genéve aproximam-se bastante da definição de pragmatismo, que é aproveitar da melhor maneira o que se tem. Estes ‘placards’ são os clássicos ‘placards’ giratórios. Os destinos vão surgindo rodando, como os antigos ‘placards’ dos aeroportos. Isto, apesar de a Suíça ser dos países mais ricos do mundo.

Quando cheguei à estação de Genéve senti algum medo, pois tinham controlo alfandegário. Tinha a ideia de que na Suíça não é necessário passaporte, mas via todos mostrarem o passaporte. E eu com o meu BI português. Afinal apenas olharam rapidamente e mandaram-me seguir. Boa!

Sinto que ainda não escrevi o suficiente sobre La Tourette. O sentimento que se experimenta neste edifício não é o normal. Não nos sentimos no interior de um edifício, mas sentimos que fazemos parte duma entidade, tal é a intensidade da máquina de habitar. A rigidez e repetição das células, a diferenciação formal e conjuntural entre a área de habitação e as comuns, tornam a experiência da permanência atípica. A simplicidade dos acabamentos contribui para esta sensação – o que sobressai acaba por ser o todo. E saber que todo o desenho do edifício se rege por regras matemáticas torna-o uma obra de ciência, antes de ser uma obra de arte. Em termos planimétricos o edifício é todo ortogonal, exceptuando dois lugares: a recepção e a cripta. A cripta, como lembrava o texto nas paredes, é também o único sítio onde edifício acompanha o terreno, sendo o espaço dividido por socalcos.

Já percebi porque todos fumam aqui. É a carruagem dos fumadores. Eu devo mesmo ser burro.





IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 01:42:55

03-04-2008

CADERNOS, IR'05, VIAGENS

5/12, 18h15, quim para Olten

Para ser sincero, estava com algum medo de comer neste comboio. Deve existir algum medo subconsciente, em todos os portugueses, que lhes diz que, na Suíça, tudo é diferente. Normalmente será diferente em direção contrária aos seus hábitos. Se em Portugal um tuga cospe para o chão, aqui assobia ao vento. Um português num comboio de Portugal gosta de fumar, abrir o vidro, comer e beber. Quem gosta de usar o comboio, aqui como lá, está habituado a andar com comida e bebida no saco, e a ter refeições quando pode. Nesta carruagem, aparentemente, pode-se tudo. O gajo à minha frente, ao computador, fuma e bebe cerveja. Do outro lado uma morena usa também o computador e come tangerinas. Os putos ao meu lado bebem cerveja e comem batatas fritas. Assim, foi com naturalidade que abri uma das duas últimas Super Bocks que tinha, e comi uma ‘fritada’. Que bom.

Os preços aqui são proibitivos. Ainda bem que não vou gastar dinheiro por agora.



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 02:21:51

01-04-2008

CADERNOS, IR'05, VIAGENS

5/12, 18h, estação (Genève)

Já tinha reparado que a Suíça era o país da Europa com a rede de caminhos-de-ferro mais densa. É mesmo uma rede – o país está todo ligado – e não um conjunto de ramais direcionados para as cidades principais, como em Portugal. A estação está cheia de gente, nada comparável com o que vi em França. E os comboios vão repletos.

Comprei um lugar com cama para Wien. Ao todo a viagem fica-me por 30 euros, dormida incluída. Não está mal.

A diferença entre um país trilingue como o deles e um país monolingue como o nosso é que os anúncios, falados ou escritos, são mais compridos.



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 02:11:15

22-01-2008

CADERNOS, IR'05, VIAGENS

5/12, 16h30, TGV (para Genève)

Ouvi alguma música em Lyon. O Beethoven foi óptimo. Ontem, domingo de manhã, ouvi um pouco um coro infantil na catedral. Quando voltava para a Pousada, parei noutra igreja para ouvir outro coro (mais uma vez, sem saber ao que ia). Quando entrei ainda ouvi alguns cânticos, mas logo se transformou num concerto new age. Não estava para isso.

Afinal a mãe da miúda ainda não lhe tinha dito nem uma vez para se calar. Há um bocado começou aos gritos e a mãe só mandou a miúda acalmar-se quando um senhor ao meu lado lhe pediu. “Respect.” Há que dar liberdade aos miúdos, mas isto é um exagero.



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 02:12:21

01-11-2007

CADERNOS, IR'05, VIAGENS

5/12, 15h45, TGV (para Genève)

Já me lembro de onde moravam os pais do Sérgio. Era perto da ponte mais alta da Europa, ou seja... Ok, continuo sem saber onde é.

(internet: meile para australianas / meile para americanos / meile para Nando)

Um pouco sobre Lyon. Só algum tempo depois de chegar é que percebi que, ao contrário da ilha em Paris (a de Notre-Dame), o centro de Lyon localiza-se na foz de um rio noutro (La Saône no Rhône). Pelo que vi em imagens antigas, aquela faixa estreita que antecedia a foz do Saône era terra baixa, talvez alagadiça. A Vieux Lyon, a zona mais antiga, situava-se na margem do Saône, na base da montanha. Aqui se localizava o antigo burgo, com a catedral, St. Jean. O crescimento da cidade terá sido no sentido oposto ao do monte, cruzando o Saône e o Rhône. Vieux Lyon era a parte mais apelativa, com ruas estreitas e desregradas, com pequeno comércio e restaurantes para turistas. A parte entre os dois rios era mais parisiense, com os seus edifícios de cinco pisos encimados pelas coberturas em zinco, e a ortogonalidade da modernidade. Havia, ainda assim, zonas com ruas mais estreitas e menos regulares, lembranças de sua origem mais antiga. O resto da cidade é já moderna, de grandes avenidas e traçados rectilíneos. A zona onde fui hoje era um pouco o arquétipo das áreas modernas, onde se concentram os grandes equipamentos: ruas larguíssimas, edifícios isolados, a perda de qualquer sentimento de cidade.

Em menos de uma hora já estou nos Alpes. A paisagem é brutal, e... Ai, já vejo neve. Prepara-te, Nuno.

Há miúdos que não deviam aprender a falar. Está um puto uns bancos mais à frente a falar desde Lyon. Agora calou-se com a neve. Não, recomeçou.



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 23:54:30

31-10-2007

CADERNOS, IR'05, VIAGENS

5/12, 14h45, Part-Dieu (Lyon)

Ontem conheci um português na Pousada, o Sérgio. Começou a falar comigo em francês, já não sei bem o que me dizia, e calhou de eu lhe dizer que estava a pensar ir a Bratislava ver jogar o FCP, a minha equipa. Aí ele perguntou 'Ah, tu est portugais? Moi je suis portugais!' Só quando comecei a falar português é que ele começou também. Então lá fomos falando, de beliche para beliche, do que nos tinha trazido ali (ele tinha acções de formação), do que fazíamos (ele trabalhava em electricidade, estava a fazer o BAC+3), da nossa proveniência (ele morava em Valence, os pais noutro sítio qualquer, e vinha da Guarda), das nossas idades (ele tinha vindo para França com doze anos, há doze anos, logo doze mais doze vinte e quatro). Não seria a pessoa mais interessante para se conhecer, mas bebeu comigo uma Super Bock e foi sempre muito simpático. Mas por causa dele esqueci-me de pôr a carregar a câmara, e andei o dia todo a poupar bateria, por isso a recordação que fica dele deve ser negativa.

Começa a ficar mais frio. Daqui a nada vou ter de voltar aos 'calentadores'.



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 01:37:24

31-10-2007

CADERNOS, IR'05, VIAGENS

5/12, 12h, wc não sei aonde (Lyon)

Vim para esta zona de Lyon à procura duma tal Halles Tony Garnier. Encontrei-a depois de me perder algumas vezes, mas não me deixaram entrar. Vi que havia por aqui uma cité scolaire internationale, e decidi vir ver o que era. Não encontrei nada de especial para já, apenas uma casa de banho.



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 01:26:37

19-07-2007

CADERNOS, IR'05, VIAGENS

5/12, 10h45, 45 (para Gorge de Loup, lyon)

Hoje comprei o bilhete de dia. Basta fazer três viagens para valer a pena, e já vou na segunda. Por outro lado, há sempre aquela necessidade premente de utilizar os transportes públicos por ter comprado o bilhete do dia.

Agora saíram todos do autocarro, não ficou nem a velhinha que me deu as indicações.

Antes do autocarro, andei pelo cemitério de Foyasses. Um cemitério antigo, que já não deve receber quase nenhuns mortos recentes. Achei piada a um quarteirão onde estavam as campas dos pobres (imagino eu). Eram apenas placas de um metro por dois, sem estarem bem alinhadas e umas mais altas que as outras. Gostei do efeito. Algumas das campas não tinham nada escrito, mas nessas havia sempre uma plaquinha a identificá-la. Eles pensam em tudo.

Antes do cemitério visitei a igreja de St. Fourviére, a típica igreja com miradouro à frente. Como Monmartre, como Santa Luzia, como a da Penha. Pelo que li à entrada, o arquitecto da igreja queria trabalhar com um estilo que não o neoromânico ou o neogótico, portanto criou o estilo neosaladadefrutas. Sem grande jeito.

Quando está tempo de chuva a minha sapatilha esquerda faz nhéque nhéque nhéque. O meu joelho esquerdo também é higrómetro, mas não faz nhéque nhéque nhéque, apenas dói.

Antes da igreja e do cemitério visitei dois anfiteatros romanos. Não achei grande piada.

O metro é automático (sem piloto), e os extremos são transparentes, podendo ver-se sem obstáculos de uma carruagem para a outra.



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 19:12:40

<< 1 2 3 4 5 >>

powered by b2evolution free blog software