Categorias: IMAGENS, FOTOS, FÃS, EU, MONTA, MONTA E RECORTA, RECORTA, TERRA, MULHERES

23-07-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

24/12, 17h, Intercidades (para o Porto)

Afinal os meus temores relativamente à German Wings eram infundados. Mostrei o BI, mostrei o código no telemóvel, e deram-me o bilhete. O voo foi normal.

Na revista da German Wings falava dos actos de beneficência que faziam – no ano passado deram boleia a bombeiros alemães para ajudarem nos fogos em Portugal. Precisamos bem da beneficência deles!

Como já estava à espera, tive de pagar pelo comboio. No Alfa seguinte só havia primeira classe (37€), por isso preferi esperar mais uma hora para pagar 15€ (com desconto cartão jovem) no Intercidades.

Assim tive tempo para uma sopinha no Vasco da Gama. E uma Super Bock. Que saudades!

PVz->Porto->Coimbra->Donostia->Irun->Dax->Bordeaux->Carcassonne->Nîmes->Lyon->Eveux->Genève->Manheim->Wien->Bratislava->Wien->Linz->Salzburg->München->Stuttgart->Köln->Amsterdam->Den Haag->Amsterdam->Köln->Lx->Porto->PVz





IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 13:06:33

23-07-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

24/12, 11h15, German Wings (para Lisboa)

Não estou nas nuvens, agora. Estou sobre elas. Correu tudo bem até agora. Se não pagar pelo Alfa até ao Porto, será a cereja sobre o bolo-rei. O mais provável é ter de pagar. Mas ainda tenho a fezada que me dêem 50% de desconto.

Mais sobre Amsterdam. Vi polícias de carro, de barco, de vespa, de bicla e a pé. Aliás, fui mandado parar por duas vezes por polícias a pé. Estava a usar a bicla em zonas pedonais, e se fosse holandês estava a inchar valente. Conselho para os holandeses: falem em inglês com a polícia, e assim evitam a multa.

Os eléctricos (Amsterdam tem uma rede incrível de eléctricos, cobre sem problemas o facto de não terem uma rede de metro decente). Engraçado é o pica residente. Não se pode entrar em todas as portas, apenas uma, e aí está um senhor numa cabine a carimbar e a verificar bilhetes. Pode ter mais gastos em relação a mão-de-obra, mas é óptimo para os turistas. Basta entrar e comprar o bilhete.

Não dá para ver a Europa cá de cima, só nuvens. Nuvens europeias.








IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 12:30:29

23-07-2009

CADERNOS, FOTOS, LIGAÇÕES, VIAGENS

23/12, 18h30, ICE (para Köln)

Hoje provei o (famoso) arenque (haring) holandês. Já tinha lido no Rough Guide da Mareka que este peixe era uma obsessão nacional, e que o comiam de imensas formas diferentes. Como o nosso bacalhau. Numa pequena banca numa praça em obras vendiam-no a 2€80. Acabei por comê-lo a 2€25, com cebola e pickles. Como se fossem sardinhas em conserva, ela pegou em duas pastas e cortou-as aos pedaços. É uma delícia, compreendo perfeitamente a obsessão dos holandeses, mas deixou-me com azia para a tarde toda. Só curei essa azia quando comprei, no Albert Hejn, uma embalagem de profiteroles. Agora estou cheiíssimo, já não devo comer mais hoje.

Tenho medo que corra tudo mal. Que não arranje quarto, que perca o avião por algum erro na minha reserva.

Já tenho o quarto certo. Menos mal.

Um pouco sobre Amsterdam. Ao contrário das outras cidades da viagem, não vi igrejas. De todas em que tentei entrar, apenas três eram visitáveis. Também não serão as mais atractivas para o visitante. Não sendo góticas, não me interessam muito. Impressionante é ver que as próprias igrejas (as isoladas) sofrem do vírus das densidade que assola Amsterdam, e têm acoplados pequenos edifícios. Nas primeiras que vi pensei que estas casinhas fossem apenas de apoio à igreja, como casas paroquiais ou a casa do padre. Longe disso. Têm todo o tipo de lojinhas e restaurantes, como em qualquer outro edifício. Fiquei até surpreendido quando vi que a igreja no Red Light (penso que era a Oude Kerk) não tinha montras com meninas.

A senhora ao meu lado (do tipo alemã irritada) levanta o sobrolho quando alguém come. Aconteceu quando comi, e quando o gajo ao meu lado comeu. E olha ostensivamente, apesar de ser fumadora. Há gente para tudo.







IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

BLOGADO ÀS 00:39:49

06-07-2009

FERROVIÁRIO, CENTRALISMO, MULHERES, ALTA VELOCIDADE ELEVADA

Atualizações 5/7/09

* No Plano Estratégico de Transportes (PET) do Ministério das Obras Públicas encontra-se isto:

(...)

Concluir e executar o Plano Director da Rede Ferroviária Nacional, articulando as soluções de alta velocidade nas deslocações internacionais e no eixo Lisboa-Porto-Vigo com a concretização de um plano para a rede convencional, reforçando a interoperabilidade segundo padrões europeus, com destaque para a migração de bitola, eliminando os estrangulamentos

(...)

Assegurar no planeamento da Rede Ferroviária de Alta Velocidade do território continental, a articulação com o reforço e modernização das linhas e serviços do caminho de ferro convencional e com o restante transporte público e, quando se trate de estações localizadas fora dos perímetros urbanos, a ligação à rede rodoviária fundamental (IP e IC)

(...)



Via Transportes em Revista.

Gosto. Fala de um 'Plano Director da Rede Ferroviária Nacional', de que nunca ouvi falar mas que me agrada muito. E para além de deixar no ar a promessa da 'migração de bitola', não considera o eixo Lisboa-Porto-Vigo como um eixo internacional. Assim sim.

Fala também de 'reforço e modernização das linhas e serviços do caminho de ferro convencional'. Não imagino o que isto quererá dizer.


* António Alves e a AV para Madrid, na Baixa do Porto:

Piruetas

Henrique Raposo, cronista do Expresso, no passado dia 20 de Junho escrevia no seu blogue um texto apologista da ligação TGV Lisboa-Madrid e apelidava de “grã-finismo tonto” a ligação Lisboa-Porto. O homem ia mais longe (efeitos com certeza da velocidade estonteante deste tipo de comboios) e falava até de um TGV Lisboa-Lyon. Do seu texto transcrevo as seguintes frases que me parecem resumir o pensamento do citado sobre o assunto.

“Parece-me evidente que Portugal precisa de uma Ligação de TGV à Europa. Lisboa - Madrid é precisa. Já me parece novoriquismo a ligação Lisboa-Porto.”

“Mas a questão continua a ser a mesma: temos dinheiro para o fazer nos próximos anos? A dívida externa passou de 14% do PIB, em 1999, para 100%, em 2008. Saber esperar é uma virtude. E saber as prioridades também. Lisboa/Madrid é necessário. Lisboa/Porto é grã-finismo tonto.”

Numa breve troca de emails fiz-lhe ver que, além do facto dos TGV’s serem competitivos apenas para distâncias de 500 a 700 km e tempos de viagem até 3 horas – Lisboa-Lyon é lirismo -, o traçado proposto era uma aberração que deixava mais de metade de Portugal de fora, pois ninguém de Braga ou do Porto estaria disposto a descer de comboio 350 km para sul, 200 para leste atravessando o Alentejo e, depois, mais 400 km para nordeste em direcção a Madrid. Isto é, uns absurdos 400 km suplementares quando afinal Madrid se situa à latitude de Coimbra (dado desconhecido lá para o sul) e a escassos 500 km desta região que vai do Minho até Coimbra. Provei-lhe também que os próprios estudos da Rave provavam que o corredor Grande Porto e Norte Litoral – Madrid teria mesmo maior procura que o corredor Lisboa - Évora - Badajoz - Madrid tanto em passageiros como em mercadorias. Mais importante ainda: informei-o que o corredor Lisboa-Porto seria mesmo o único que poderia gerar tráfego suficiente para se auto sustentar. A isto respondeu-me que defendia o TGV Lisboa-Madrid não por causa de quem “vai daqui para lá, mas quem vem de lá para cá”. A isto questionei-o se “quem vem de lá para cá” seria suficiente para pagar tal quimera. Até hoje não obtive resposta.

(...)




* Uma mulher: Anna Paquin







tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 01:48:24

02-07-2009

RECORRÊNCIAS, IMAGENS, CENTRALISMO

Mega-regiões

É o que dá adiar textos e projetos – passado tempo suficiente, e se a ideia é boa, aparece sempre alguém a fazê-lo por nós. A minha sorte, neste caso, foi ter sido Rui Tavares a voltar ao tema.



É de mega-regiões que falo, conceito criado por Richard Florida. Através duma curiosa relação entre a intensidade luminosa com o PIB (LRP), Florida reconheceu as quarenta regiões mais importantes do Mundo. Não será a análise mais científica, mas é a que tem os resultados mais convincentes. Sem fronteiras, sem regiões tradicionais, e sem a obsessão com as grandes cidades, mas analisando a pura realidade.

Sem grande surpresa, as regiões têm razões de ser históricas e linguísticas. O Império Austro-Húngaro subsiste nas mega-regiões de Praga (Boémia) e Viena-Budapeste. A quarta maior mega-região do Mundo e a maior da Europa, a de Amsterdão-Bruxelas-Antuérpia, é a mancha dos falantes do neerlandês, englobando também o Ruhrgebiet alemão. O catalão/occitano/provençal, como nota bem Rui Tavares, mantém-se no eixo Barcelona/Lyon.

E o galego-português, bem evidente à esquerda, constitui a 33ª mega-região. Esta mega-região tem como nome ‘Lisboa’, que obviamente não é o centro, mas antes Entre-Douro-e-Minho. Esta é a zona mais populosa, mais geradora de exportações, com a maior Universidade. É que apesar de a ‘mega-região de Lisboa’ ser a 33ª no LRP, é a 31ª em termos populacionais e a 28ª em relação à concentração de cientistas, apesar do 36º lugar no que toca a patentes e inovação.

Por isso temos de reivindicar a nossa centralidade. Lisboa, está visto, é centro de nada.



tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 14:03:10

01-07-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

21/12, 21h45, Casa del Nando (Amsterdam)

Dou comigo a passar várias vezes no Red Light. Para um homem como eu, com 25 anos e tão pouca vida sexual, é natural ter esta ânsia de sexo. mas ver estas mulheres, algumas extensamente siliconizadas e, assim, tão apelativas, um homem hesita. Não acredito na prostituição, mas sinto o apelo. Não faz sentido. Sou um paradoxo.

Ela está sempre na minha mente, ou na parte de trás da mente, no subconsciente talvez. Sem qualquer pudor imagino-a como o centro do meu futuro. Como sistema de alarme pessoal, tento não pensar no futuro quando penso numa mulher. Tento pensar no meu presente. Mas com ela não. Imagino-a presente sempre no meu futuro. És tão perfeita, tão sem defeitos. Sinto muita coisa por ti, mas sinto muita força. Tu, tão hesitante e tão sem coragem, és a minha força. A nossa descontextualização e falta de querer, juntas, vão tornar-nos confiantes, no futuro.
Hoje falei muito bem com ela – rimo-nos, partilhámos projectos futuros, amámo-nos, gosto de pensar. Tenho gostado de outras, tenho estado constantemente obcecado por outras. É verdade. Não sei se sou honesto dizendo que contigo é diferente. Mas sinto-o. És a minha dependência.





IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:33:06

30-06-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

19/12, 16h45, Quim (para Amsterdam)

Na minha segunda incursão à praia, antes de começar a chover, encontrei, nas dunas, póneis. Praí 15 póneis e umas vacas pretas. Um deles aproximou-se de mim, mas não me deixou fazer-lhe festas.

O dia de hoje fez-me lembrar a Póvoa. Bicicletas e mar. Já não via o Atlântico desde Donostia.







IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:16:00

29-06-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS, BICICLETAS

19/12, 13h30, Paragem (Den Haag)

Decidi esperar que a chuva passe numa paragem de autocarros. Andei no início da manhã a tentar chegar ao mar, e o resto da manhã a tentar descobrir o Hoek van Holland. Não sei o que é, não sei onde é, mas tenho a ligeira sensação que será interessante. Como não consegui descobrir, vou tentar ir ao centro de Den Haag, já que ainda não saí dos subúrbios. Ainda há luz.







IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 23:57:51

27-06-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

18/12, 16h45, Casa del Nando (Amsterdam)

Estou na cozinha da Casa del Nando, em Amsterdam. Ainda não fiz nada desde que cá cheguei. Saí nas duas noites que passaram, e hoje fui passear, durante a tarde. Teria ido de bicicleta, mas não deu. O Nando emprestou-me a dele, mas primeiro deu-me a chave errada, e depois deu-me a chave certa mas não consegui abrir o aloquete. Nem eu nem uns gajos que iam a passar, que me ajudaram. Acabei por ir a pé. Tinha acordado às 11h30, mas só comecei o passeio às 2. Não lembra a ninguém.

Acabei por passar o dia a ver montras (também no Red Light), a espreitar para dentro das casas, essas coisas.
Pagava-se 7€5 para entrar na casa da Anne Frank, e não consegui entrar em duas das três igrejas que tentei visitar. Amanhã vou a Delft.







IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:44:56

18-06-2009

LÍNGUA, VÍDEOS, IMAGENS, FERROVIÁRIO, NORTE, GRANDE PORTO, ESPAÑA ESTRAÑA, ALTA VELOCIDADE ELEVADA

Atualizações 17/6/09

* Não acompanhei o debate no Parlamento (a ligação vídeo que tuítei foi tomada pelo Constâncio e o BPN), mas isto aconteceu:

Adjudicação só será formalizada após as eleições

Depois de um colóquio que decorreu na Assembleia da República dedicado ao projecto do alta velocidade, o ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações revelou que a assinatura do contrato de adjudicação do primeiro troço do alta velocidade, entre o Poceirão e Caia, ficará para depois das eleições, só devendo ser assinado no final do ano. As bases da concessão terão ainda de der promulgadas pelo Presidente da República e só depois o consórcio vencedor poderá avançar com os estudos técnicos e posterior início da construção. Em declarações ao Diário Económico, Mário Lino afirmou “não crer que o veto vá acontecer”, uma vez que “a alta velocidade é para o Governo uma prioridade política com calendários bem definidos e que têm vindo a ser cumpridos”. A actual conjectura económica também parece não ser impedimento para o seguimento do projecto. Segundo o ministro, “Não está previsto gastar dinheiro em 2009 com a alta velocidade. Só a partir do final de 2010 [quando arrancar a obra] é que o Governo entra com dinheiro e a maior parte será em 2011 e 2012, na fase da construção”.
Segundo o Diário Económico, Manuela Ferreira Leite afirmou que se ganhar as eleições “a primeira coisa a fazer é adiar” o projecto do alta velocidade, para em seguida “fazer uma análise muito profunda dos encargos que isso tem no futuro”.



Na Transportes em Revista. Nunca pensei desejar tanto a vitória da Ferreira Leite. Com o dinheiro que se planeia gastar na Alta Velocidade, ganhávamos uma ótima rede convencional e ainda se melhoravam as ligações internacionais, que também mobilizam fundos europeus.


* O Metro do Porto chegou, como já disse, ao google transit. O que descobri ontem foi que o google transit também funciona em telemóvel. Seja, em qualquer situação um telemóvel com internet pode dizer-nos qual o(s) próximo(s) metro(s) entre as estações que quisermos, o preço, etc. Esqueçam os horários em papel. Depois do Itinerarium, eis a evolução gráfica. Algum dia será mundial e completa.



(grande)


* Um esboço do que poderia ser a nossa rede ferroviária (abraço, Rui):


(grande)


* Nacionalismo linguístico espanhol (via Made in Galiza)





tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:45:23

15-06-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

16/12, 18h30, ICE (para Amsterdam)

O meu comboio para Amsterdam está atrasado trinta minutos (30 min später). O que não é assim tão mau, porque assim o Nando é que vai esperar por mim e não o contrário.

Estão umas holandesas a falar ao meu lado. Começam as escarradelas e a língua enrolada.





IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:07:33

15-06-2009

CADERNOS, IR'05, VIAGENS, EU

16/12, 17h45, ICE (para Amsterdam)

Tive sorte mas também alguma astúcia. Como não tinha lugar marcado, vim sentado no chão até Frankfurt. Logo que todos saíram, sentei-me num lugar que não tinha marcação. Ao meu lado tinha acabado de sentar-se um gajo num lugar com marcação, que intui ter sido feita por ele. Pouco depois chegou a senhora que tinha feito a marcação, e pediu-lhe para sair. Ele também não tinha, como eu, marcação, e fez a burrice de sentar num lugar reservado. A estupidez dele foi a minha sorte.





IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:05:56

11-06-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

16/12, 16h, ICE (para Amsterdam)

Mesmo, mas mesmo no fim da exposição, quando já estava a pensar no caminho para a Bahnhof (e no comboio para Frankfurt), apareceu a salvação para a minha viagem – internet rápida e barata! Fui à página da German Wings e descobri um voo Bonn-Lisboa, na véspera de Natal, a 200 euros. Ainda pensei durante uma boa meia-hora. De um lado tinha uma viagem acabada no dia 22, e mais 40 horas de comboio até Portugal. Do outro lado tinha a viagem esticada até dia 24 (a data em que contava voltar), uma viagem rápida até Portugal, mas com o acréscimo de 200 euros. Ou seja, 40 contos vs. 40 horas.

Apesar de me estar a custar a passar a viagem (muito por causa da solidão), decidi esticá-la. E, entretanto, vendo a necessidade de voltar a estes lados (para apanhar o avião em Bonn), decidi ir directamente para Amsterdam. A linearidade da viagem não é importante. Saí agora de Stuttgart para chegar antes das 21h a Amsterdam. Se fosse a Frankfurt, que é bem mais perto, iria directo para a Pousada e já não sairia de lá hoje. E vou apanhar o Nando (o meu amigo em Amsterdam) no início do fim-de-semana. Com tempo para estar comigo, espero.

Quando estava no museu, comecei a falar com a namorada do meu irmão, pensando que estava a falar com ela. Felizmente ainda não tinha escrito nada de comprometedor até que ela escreveu “Olha, de certeza que estás a falar com a pessoa certa?” E estava eu a escrever sobre um passeio à beira-mar, a morrinha a molhar-nos, gelados. Quando me declarei a ela (obviamente por escrito, no messenger), ela também ia perguntando, aqui e ali, “de certeza que estás a falar com a pessoa certa?”, e eu ia dizendo que sim, que sim…

Ok, estamos a chegar a sei lá onde. Talvez dê para me sentar numa cadeira.



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:24:25

10-06-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

15/12, 21h, Pousada (Stuttgart)

Ontem cheguei às 6 a Stuttgart. Tenho feito isso sempre que posso, chegar à cidade de noite. Não que me agrade – é até desconfortável procurar a pousada à noite. Mas como os dias são cada vez mais curtos, assim chego e vou logo para o meu quarto. E pouco depois vou dormir.

Quando cheguei ainda estava um pouco atordoado com a mulher do comboio. Poucas vezes vi tamanha beleza. Ela afinal ligou-me e muito, eu é que sofro de idiotice aguda, e nunca dou o passo em frente. Quando estávamos de pé, à espera que o comboio parasse, os nossos olhares cruzaram-se várias vezes.

Ontem mandei-lhe uma mensagem, à minha portuguesinha de rabo na boca. Uma mensagem a pedir uma resposta, se nos podíamos encontrar quando eu voltasse. Como ela ainda não respondeu, e por causa da mulher do comboio, passei parte da manhã atordoado. Pois, agora me lembro que não teve nada a ver com a aparição no comboio. Vamos recapitular.

O grupo que se formou ontem no quarto era digno de filme de comédia. Eu, o portuguesito a precisar de vitaminas. O Ramesh, um indiano ainda mais mirrado que eu. O Bernardo, brasileiro de meia-idade filho de alemães. E o Thilo, alemão de Berlin à volta dos 35. Não consegui ver bem o Thilo ontem, saiu pouco depois de eu entrar. Estive até bastante tarde na conversa com os outros dois. O Bernardo era jornalista free-lancer e ainda não tinha encontrado a mulher da vida dele, por isso era solteiro. O Ramesh era casado com uma italiana há uns meses (provavelmente quando ela engravidou). O filho nasce em Fevereiro. O Thilo não parecia comprometido, mas falou-me durante a manhã d’hoje duma namorada que teve durante três meses em Madrid.

O brasileiro à procura da mulher da vida dele, o indiano com a mulher à espera dele em Itália, as férias enamoradas do alemão em Espanha. Tudo isto combinado com ela não responder à minha mensagem, deu-me uma manhã bem deprimida.

Acabei por dar umas boas gargalhadas na Staatsgalerie, ao ver um filme (pela segunda vez) duma sequência de actos encadeados (pneu acciona archote, que queima corda, que deixa cair bola). Está tudo muito bem coreografado, é mesmo muito divertido. Soltei também uns sorrisos ao ver algumas pinturas idiotas. Adorei a estátua da senhora da limpeza, parecia-me mesmo real. Tirei uma foto a um quadro do Paul Klee para ela.

Passei parte da manhã com o Thilo. Ele queria mostrar-me um palácio nas redondezas. Depois andámos pela cidade. Tomámos café e despedimo-nos. A seguir fui visitar o Weißenhofsiedlung. Adorei as casinhas em banda do Oud (o homem é um senhor) e um pintor deixou-me entrar na casa dupla do Corbu. Acabei expulso, mas valeu a pena, o interior é fantástico. Nesta viagem solitária, dou comigo muitas vezes a falar sozinho. Às vezes trauteio uma música (passei parte do tempo no museu a cantar Da Weasel), tenho conversas imaginárias e, depois de estar algum tempo com alguém a falar inglês (como hoje com o Thilo), dou por mim a pensar em inglês. Hoje devo ter passado o dia todo a pensar em inglês.

Hoje, pela primeira vez, viajei sem bilhete, ao voltar do Siedlung. E fui comer à Mensa (cantina) da Faculdade de Belas-Artes. Sou mesmo hooligan.








IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:01:40

07-06-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

15/12, 11h30, U-Bahn (Stuttgart)

Acho que estou a perder alguma sanidade. Agora, conhecer alguém que me fale de mulheres, de relações, de sexo, deixa-me afectado. Estou exangue, não aguento mais emoções.



IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 23:44:51

06-06-2009

FOTOS, TÍTULO DO ANO

Por Sugestão de várias Famílias 10 / Título do Ano 27



No JN. Sugestão da Alice.



tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 01:19:42

02-06-2009

ACORDO ORTOGRÁFICO, FERROVIÁRIO, URBANISMO DE PONTA, PLANEAMENTO MACADAME, MULHERES, ALTA VELOCIDADE ELEVADA

Atualizações 1/6/09

* Um hino ao Planeamento Urbano Português (em maiúsculas, pois é nome de bicho raro):

Cidade Nova fantasma

Urbanizações construídas na década de 80 escondem centenas de lojas devolutas

O cenário passa despercebido a quem atravessa a vila de Valença. No interior dos grandes prédios da Cidade Nova há centenas de lojas devolutas, por estrear, degradadas, com vidros e chão partidos, "pixadas" e até incendiadas.

São edifícios que, na década de 80, nasceram a um ritmo alucinante no encalço do "el dorado" que a vocação comercial demonstrada por aquela vila de fronteira prometia. "Valença teve um crescimento desmesurado e um pouco anárquico. Pensou-se que a vila, pela apetência comercial que tem, tudo albergaria, no entanto, o crescimento tem de ser harmonioso, progressivo, por áreas geográficas…Tudo seria muito bonito se, de cada vez que colocasse-mos em plena utilização um centro comercial, avançassemos para outro, mas o problema foi que num curto espaço de tempo cresceram dez centros comerciais e nenhum deles ficou em plena utilização", comentou Joaquim Covas, vereador na Câmara de Valença e presidente da União Empresarial do Vale do Minho (UEVM), justificando: "Na década de 80 tudo se construía, tudo se vendia".

(...)



No JN.


* Parece quase uma notícia inventada por mim. Depois de passar alguns meses denuciando a falta de planeamento estratégico da CP, que prefere flutuar ao sabor das manias e desmandos do Governo, eis que a realidade vem dar-me razão. Juro que preferia que não fosse o caso, que na realidade a CP fosse uma empresa a sério e que eu não passasse de uma pessoa alheada da realidade e com princípios de esquizofrenia. Mas afinal não:

CP condenada a pagar 20 mil € a 'emprateleirado'

Assédio moral foi provado no caso de um técnico que passou nove anos sem ter o que fazer

(...)

Em 1992, era Chefe do Serviço de Estudos Estratégicos da CP. Até então, diz o tribunal, era reconhecido como um "técnico de altíssima craveira intelectual", mas isso não impediu a CP de o manter "apenas nominalmente" ao serviço, já que, a partir daí, não "recebeu qualquer ordem, instrução, orientação ou directiva. Por isso, viveu num "estado permanente de desgosto, ansiedade, frustração e revolta".



No JN. Sugestão do Nuno.


* Sempre à frente, esses espanhóis:

Ferrovias: Espanha vai acabar com "bitola ibérica"

O Ministério do Fomento, em Espanha, encomendou um estudo para acabar com quase 12 mil quilómetros de via férrea com especificação da designada "bitola ibérica", também utilizada em Portugal.

Segundo o jornal El Economista, o estudo (incluído no Plan Español de Infraestructuras y Transporte) deverá estar pronto até final do ano. A alteração da infra-estrutura deverá representar investimentos estimados num mínimo de 5 000 milhões de euros.

A ideia do governo do país vizinho visa acabar de vez com o uso da bitola ibérica (distância entre carris), que actualmente mede 1 668 milímetros, subsituindo-a pela europeia (1 435 mm), de modo a homologar a rede ferroviária pela bitola internacional.

A alteração perspectivada não afectará os 1 563 quilómetros rede de alta velocidade, já construída pela bitola internacional.



No Díário Digital, via Vítor Silva.


* A minha Lista de Prémios, Concursos e Bolsas Literários já tem as ligações a funcionar (basta carregar em cada título). Nuno, obrigadinho pelo jeito.


* Mais um camarada a juntar-se ao pleito:

(...)

Francisco José Viegas, nosso cronista de segunda a sexta-feira na secção de Cultura & Espectáculos, inaugura na sua intervenção de amanhã a nova grafia conforme ao Acordo Ortográfico.

(...)



No CM, via blogtailors.


* Opção B! Opção B! Opção B!

(sugestão da M)


* Uma mulher: Catarina Wallenstein





tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 02:18:56

25-05-2009

NOTAS, PORTURARIDADE, OCORRÊNCIAS, TERRA, FERROVIÁRIO, PORTUGAL ESPERTO, MULHERES, GRANDE PORTO

Atualizações 24/5/09

* Mais sobre a Linha de Leixões:

Linha volta a ter passageiros em Setembro

A Linha de Leixões voltará a ter passageiros em Setembro, estimando-se que venha a servir 2,9 milhões de pessoas por ano. Para já, os comboios ligarão Leça do Balio a Ermesinde em 16 minutos. Só em 2010 chegará a Leixões.

A via - que hoje é utilizada apenas para o transporte de mercadorias (12 comboios por dia) após a suspensão do serviço de passageiros há muitos anos - cruza quatro concelhos: Matosinhos, Maia, Valongo e Porto. A operação com passageiros será retomada dentro de quatro meses, chegando a três dos quatro municípios, embora a secretária de Estado dos Transportes, Ana Paula Vitorino, tenha manifestado, ontem, a vontade de ver as composições chegarem, no futuro, a Campanhã.

Numa primeira fase e antes do arranque do ano lectivo, a governante quer os comboios a circularem na Linha de Leixões, com paragens em Ermesinde (Valongo), S. Gemil (Maia), S. Mamede de Infesta e Leça do Balio (Matosinhos). As composições dos serviços urbanos farão a ligação, mas o preço ainda não está definido.

O administrador da CP, Ricardo Bexiga, pretende integrar a linha no Andante. As expectativas são elevadas. A CP investiu 6,8 milhões de euros em material circulante e em equipamentos e espera gastar 340 mil euros por ano com pessoal. A empresa crê que cobrirá o investimento em três anos. Também a Refer vai intervir nas quatro estações, requalificando as plataformas e construindo abrigos para os passageiros. Os trabalhos, já adjudicados, começarão dentro em breve.

O serviço comercial ao longo dos 10,6 quilómetros será assegurado por 55 composições por dia e por sentido de segunda a sexta. Os passageiros contarão com um comboio de 30 em 30 minutos à hora de ponta e com um comboio por hora e por sentido nos restantes períodos. Aos fins-de-semana e feriados, terão disponíveis 35 comboios diários, o que corresponde a um comboio por hora e por sentido. O transporte é feito através de uma via única.

No dia em que foram celebrados os protocolos entre a CP, a Refer e a Câmara de Matosinhos para retomar o serviço de passageiros e entre a CP, a Refer e a APDL para a cedência de terrenos do Porto de Leixões, o presidente da Autarquia matosinhense, Guilherme Pinto, manifestou a convicção de que será possível estender a operação a Leixões dentro de um ano. Antes disso, será construída uma nova estação.

O estudo preliminar aponta para um investimento de 10 milhões de euros nos terrenos do antigo parque de espera do Porto de Leixões, na Avenida do Engenheiro Duarte Pacheco. O futuro edifício terá uma ligação aérea à estação do metro no Senhor de Matosinhos, um interface para táxis e operadores de transporte público rodoviário e um parque de estacionamento. O complexo ferroviário do Porto de Leixões sofrerá alterações com a obra, que permite ampliar o terminal de contentores. A viagem entre Ermesinde e Leixões será de 30 minutos.

A Refer admite estudar a possibilidade de estender o serviço a outras paragens (recorde-se que a Linha de Leixões possui outras estações que não serão servidas), de acordo com a procura e as necessidades da população.

(...)



No JN. É óbvio que a empreitada tinha de ser dividida em duas. O troço a reabrir em Setembro não tem cruzamento com linhas do metro e é o que tem mais potencial de clientes. No outro troço, entre Leça do Balio e Leixões, é necessário coser a Linha de Leixões com as Linhas da Trofa, da Póvoa e de Matosinho (do Metro), construindo estações novas, o que demora mais tempo.

A ligação a Campanhã, através de Contumil, é essencial. E, no futuro, ligações a Braga, Guimarães e Marco, diretas a partir de Leixões. E para sul, também. Não se pode parar. Nunca.

E fazer a ligação da Linha Amarela à Linha de Leixões, não? Merda, são 300 metros.



(grande)


* Não o rapador de tachos, mas o antigo ditador - Salazar "sobrevive" na toponímia nacional em 20 localidades portuguesas. E é bom saber que

Em Atalaia, a 20 quilómetros a noroeste da capital de distrito, a rua Oliveira Salazar entronca com a Capitão Salgueiro Maia, o comandante da coluna militar que ocupou o Terreiro do Paço e levou à rendição de Marcelo Caetano no quartel do Carmo.



* Putas. Ganhámos a Palma de Ouro.




* A minha Lista de Prémios, Concursos e Bolsas Literários está ainda mais atual.


* Uma mulher: Carice van Houten




tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 01:29:32

23-05-2009

ACORDO ORTOGRÁFICO, TERRA, FERROVIÁRIO, GRANDE PORTO

Atualizações 22/5/09

*

Acordo Ortográfico: Professores exigem formação prévia

Novo código entra em vigor nas escolas já no próximo ano lectivo. Professores pedem formação "atempada" e "rigorosa".



No JPN, via blogtailors.


* O TAF estreia-se a escrever no JN. Saudações cordiais para o amigo cronista, portanto. Duas notas. Não é Porto +Gaia +Matosinhos, mas sim Porto +Gaia +Matosinhos +Maia +Valongo +Gondomar. Mais de um milhão de habitantes. Se é para fazer a reforma, que se faça pelo todo e não uma meia-reforma, entregando-se a gestão das áreas mais periféricas aos concelhos que não integrarem esta massa urbana. E 'Um dos graves problemas com que se depara o país é a reduzida dimensão das autarquias', assim como autarquias grandes demais, como Gaia. Equilíbrio é o que se pede. Isso e a criação da definição 'concelho metropolitano'.


* Talvez seja mesmo desta - um serviço fraquinho, imagino, mas é melhor começar por algum lado:

Linha de Leixões

Novo serviço ferroviário de passageiros a partir de Setembro

Foram assinados no dia 22 de Maio dois protocolos que permitirão a criação de um Novo Serviço Ferroviário de Passageiros na Linha de Leixões. Os protocolos, homologados pela Secretária de Estado dos Transportes, Ana Paula Vitorino, envolveram a CP, a REFER, a APDL e a Câmara Municipal de Matosinhos.

(...)

Numa 1.ª Fase, já a partir de Setembro próximo, o serviço irá realizar-se na ligação Ermesinde – Leça do Balio, com paragem nas estações intermédias de São Gemil e de São Mamede de Infesta, prolongando-se numa 2.ª Fase até Leixões.

Na 1.ª Fase, o serviço será garantido com um comboio de meia em meia hora, nos dias úteis e nas horas de ponta, sendo de um comboio por hora nos restantes períodos de segunda a sexta-feira. Na estação de Ermesinde haverá ligações com as Linhas de Braga, Douro e Guimarães, e ao Porto - Campanhã, sendo oferecido um serviço urbano de 5 em 5 minutos.

Tendo em vista a adaptação da Linha (que actualmente serve apenas comboios de mercadorias para o porto de Leixões) à circulação de comboios de passageiros, a REFER vai proceder à realização de diversas obras de requalificação, nomeadamente, nas infra-estruturas de apoio aos passageiros nas estações de São Gemil, São Mamede de Infesta e Leça do Balio, na construção da nova Estação Intermodal de Leixões, na infra-estrutura ferroviária e na electrificação da ponta final da linha até à nova estação.



Na página da REFER.



(grande)



tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 01:12:30

21-05-2009

OCORRÊNCIAS, TERRA, FERROVIÁRIO, GRANDE PORTO, ALTA VELOCIDADE ELEVADA

Atualizações 20/5/09

* O estudo prévio da quadruplicação do troço Contumil-Ermesinde está em consulta pública:

Ampliar Linha do Minho obriga a demolir 14 casas

A ampliação de duas para quatro vias da Linha do Minho entre as estações de Contumil (Porto) e Ermesinde (Valongo) condena à demolição 14 habitações e algumas oficinas e armazéns. A maioria das casas fica em Rio Tinto.

A intervenção da Refer, que decorrerá ao longo de seis quilómetros, ocupa logradouros de casas e áreas verdes públicas e contempla a supressão de todas as passagens de nível, substituídas por ligações pedonais e rodoviárias por cima ou por baixo da linha férrea. A obra contribuirá para a melhoria da segurança no eixo Contumil-Ermesinde, onde se sucedem os acidentes mortais com transeuntes e passageiros quando tentam cruzar a via. Pondo fim aos atravessamentos, os seis quilómetros da Linha do Minho (nos concelhos do Porto, Gondomar e Valongo) serão vedados.

(...)

No momento em que a capacidade do troço está praticamente esgotada, a construção de mais duas vias resolverá o "estrangulamento de exploração das linhas do Douro e do Minho", beneficiando, em particular, as ligações a Braga e a Guimarães. No estudo prévio, refere-se que, numa segunda-feira normal, passam 110 composições naqueles seis quilómetros, sendo 98 de passageiros (a maioria (75) é de serviços urbano e suburbano) e 12 de mercadorias. A ampliação manterá a linha férrea à superfície, apesar dos pedidos de enterramento na zona de Rio Tinto. A análise comparativa das duas soluções data de 2007, tendo-se concluído que a manutenção da via à superfície é "globalmente mais vantajosa".

(...)



No JN. Esta é uma obra crucial para a redução dos tempos de viagem atuais entre Guimarães/Braga/Marco e o Porto, assim como para a futura ligação em Velocidade Elevada entre o Porto e a raia galega. As novas linhas a introduzir, imagino, terão não só travessas polivalentes como também já três carris, de modo a assegurar bitola ibérica e europeia.



(grande)


* A minha Lista de Prémios, Concursos e Bolsas Literários foi parar ao blogtailors.



tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:47:06

21-05-2009

CADERNOS, IR'05, VIAGENS, EU, MULHERES

14/12, 16h30, IC (para Stuttgart)

Há mulheres aqui com formas tão generosas que dá vontade de perguntar, “isso é tudo teu ou é emprestado?”. Como aquela gótica que já olhou várias vezes para trás. Está a ler Flaubert, aquele autor que, toda a gente sabe, só se lê para ter estilo.

Devia era procurar mulher por aqui, e não em Portugal, onde elas são “pequeninas como as sardinhas”. Aqui os meus desejos de monumentalidade seriam totalmente realizados. Oh well, tenho uma sardinha querida à minha espera em Portugal. Assim espero eu.

E continua a olhar para trás, através do seu cabelo longo e negro.

Passei o dia a passear por München. Visitei, um pouco apressado, o Deutsche Museum (acho que apenas o fiz por a senhora da recepção ser portuguesa), um amontoado de coisas que não me interessavam. Acabei por descobrir lá no meio um moliceiro, com as suas cómicas tiras na proa e na popa. Antes do quim ainda consegui descobrir a exposição de fotografia de Thomas Hoepcker. Adorei-a, do princípio ao fim. Também lá descobri fotos portuguesas, de Trás-os-Montes. A cena do casamento podia ser perfeitamente a do casamento dos meus avós, apesar de ser muitos anos depois.

Estou farto de acumular planos para quando chegar a Portugal. São sempre os mesmos desejos: trabalhar ainda mais, ter mais tempo livre, mas não me vejo a escrever muito nos próximos tempos. Se perder o emprego actual, sim. Aí paro para escrever.







IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:46:51

20-05-2009

TERRA, FERROVIÁRIO, PEDONAL, VÍCIO AUTOMÓVEL

Atuzalizações 19/5/09

* Lista nacional de não recepção de comunicações publicitárias

Via @anarresti


* Fico sempre em choque quando leio notícias destas:

Família atropelada no passeio

(...)

Moradora na freguesia, a família de José Silva já passou centenas de vezes pela Rua de Padre Joaquim das Neves sem que nada sucedesse. Ontem, José caminhava no passeio ao lado de Rute Borges, de 49 anos, e do enteado Ricardo Viegas, de 11 anos, e, subitamente, foram colhidos por um automóvel que descia a artéria. Os pormenores do despiste não estão totalmente esclarecidos. Sabe-se apenas que o condutor de 20 anos (que sofreu uma fractura no ombro) perdeu o controlo do Opel Astra, após uma colisão com outra viatura. Terá guinado para a direita, atropelou a família, rodopiou e foi embater de traseira num muro de pedras que ruiu.

(...)



No JN.


* Certamente que quando a A25 cruzou um braço da Ria ninguém resmungou desta maneira. Uma auto-estrada sobre aterro a cruzar um braço da Ria é porque tem de ser - uma ligação ferroviária em via única assente sobre pilares, encostada à auto-estrada, é criminoso:

Ferrovia criticada por mudar paisagem da ria

Arquitectos e autarca lamentam impacto visual da linha para o porto

Ninguém põe em causa a importância da ferrovia para o porto de Aveiro, mas é difícil encontrar quem não critique a localização do viaduto, que muda a paisagem da ria. O principal acesso à região (A25) perdeu beleza.

O impacto visual da ligação ferroviária ao porto de Aveiro, na zona das salinas, é positivo ou negativo? E cria mais uma barreira entre a cidade de Aveiro e a água, depois de o programa Polis ter criado a possibilidade de desenvolver uma zona de lazer junto à ria?

"É o que é", diz o arquitecto aveirense Pompílio Souto a propósito da via que deve estar concluída no final deste ano. "É uma obra competitiva para Aveiro e para o ambiente e qualidade de vida das pessoas, já que retira camiões da estrada e possibilita o estabelecimento de relações mais fortes com a Europa", acrescenta. Pompílio Souto considera, no entanto, que há aspectos negativos. "Cria uma outra vista que não está ponderada", explica.

Muito mais crítico é João Barbosa, autarca da Vera-Cruz, a freguesia de Aveiro que mais próxima fica da ferrovia. "É o muro da vergonha! Tira a vista a uma das imagens mais belas do concelho", afirma Barbosa. Acrescenta que o comboio "poderia ser aproveitado para fins turísticos, mas nós, Junta, não fomos ouvidos neste processo", lamenta.

Alberto Souto, ex-presidente da Câmara de Aveiro, que defendeu outras soluções para o traçado da ferrovia - primeiro entre as quatro faixas da auto-estrada e depois no traçado actual só que à quota da A25 - gostaria, também, que a linha férrea "fosse aproveitada como metro de superfície para ligar Aveiro às praias de Ílhavo". "Colocaria a via ao serviço da população", considera Souto.

Paulo Domingos, da Quercus, diz que a obra "não tem um grave impacto visual". "Se não tivesse a auto-estrada (A25), penso que teria", frisou. "A A25 tem um impacto maior do que o caminho-de-ferro", defende o ambientalista.

O administrador do Porto de Aveiro, José Luís Cacho, defende o projecto que considera vital para o desenvolvimento do porto, que vai ficar ligado à Linha do Norte. "Qualquer obra tem sempre impacto, mas esta enquadra-se no contexto. É uma ligeira e esbelta peça em betão que permite continuar a ver a paisagem", defende.

Para Vieira de Melo, presidente da delegação de Aveiro da Ordem dos Arquitectos, o impacto "é negativo". "Estragou a melhor singularidade da paisagem", considera Melo, para quem a entrada na cidade "fica destruída pelo viaduto". "Para quem viaja de carro mas também para os peões que andam no parque Polis", frisou.

Melo defende que a obra "deveria ter sido feita de outra forma" e considera imperioso "minimizar o que ali está", mas admite que "não será fácil 'dar a volta' àquilo". "É uma estrutura pesada que se sobrepõe ao plano de água, limita o contacto com as salinas, tornando-se numa barreira. Esperamos, ao menos, que não haja catenárias", concluiu.

José Carlos Mota, planeador, considera que a ferrovia tem um impacto negativo na paisagem e defende que agora é fundamental lançar a discussão sobre a forma como se deve minimizar o que está feito. "Mas não vai ser fácil atendendo à envergadura da obra", avisa.

Maria José Curado, professora do curso de Arquitectura Paisagista, da Faculdade de Ciências do Porto, residente em Aveiro, lamenta que a linha férrea tenha "mudado o carácter da paisagem". "Ao passarmos ali sentimos menos a ria, há cada vez mais barreiras entre a cidade e a ria. Já não é só a auto-estrada, é também a ferrovia e em alguns troços a estrada secundária que acompanha a A25. Há um divórcio entre as diversas vias", considera a paisagista.



No JN.



(grande)


* Mais uma atualização na minha Lista de Prémios, Concursos e Bolsas Literários.



tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 01:21:01

13-05-2009

FERROVIÁRIO, CENTRALISMO, MULHERES, GRANDE PORTO, TRÁS-OS-MONTES

Atualizações 12/5/09

*

O Ministério do Ambiente emitiu hoje uma Declaração de Impacto Ambiental "favorável condicionada" à construção da barragem de Foz Tua, impondo o estudo de uma linha ferroviária alternativa à actual que será parcialmente inundada.

A Declaração de Impacto Ambiental (DIA) emitida segunda-feira, e que a Lusa teve hoje acesso, impõe a cota mínima de 170 metros e obriga a que seja assegurado uma alternativa à linha do Tua, incluindo a análise da construção de um novo troço ferrroviário.

Na Lusa, via linhadotua.net.


*

CP vai lançar maior concurso de sempre para comprar 102 comboios

A CP vai comprar 102 comboios novos que poderão custar mais de 500 milhões de euros, num investimento que é o maior de sempre da empresa na compra de material circulante.



No Público. Dos 102 novos comboios anunciados, 49 são elétricos, dos quais 8 irão para os suburbanos do Porto.


* Uma mulher: Eva Green





tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:43:37

12-05-2009

LÍNGUA, CARTAZ, GALIZA, IMAGENS, REGIONALIZAÇÃO, NORTE, CENTRALISMO, POLÍTICA À PORTUGUESA

Atualizações 11/5/09

* Finalmente o bom senso:

Empresa de energia apadrinhada por Sócrates e Pinho perde certificação

A empresa Energie, da Póvoa de Varzim, perdeu a certificação de produtora de equipamentos solares térmicos, apurou o PÚBLICO. O laboratório alemão que tinha certificado os seus produtos retirou-lhe essa classificação, no final da semana passada.



No Público.


* José Sócrates:

Há uma questão que está a preocupar muita gente no Porto e no Norte: o que vai acontecer ao aeroporto? Ficará na dependência nacional, na ANA, ou terá autonomia administrativa?

É preciso para o país que haja uma gestão conjunta das diferentes infra-estruturas aeroportuárias, sobre isso não tenho a mínima dúvida e remeto todos aqueles que têm opinião diversa para um estudo feito pela ANA que é muito explícito relativamente a esse ponto.



No JN, via ACdP.


Há três premissas básicas, que convém nunca esquecer:

-o potencial de passageiros do aeroporto Sá Carneiro é infinitamente superior ao de qualquer aeroporto construído à volta de Lisboa;

-os aeroportos não 'têm' de ser geridos em rede - a gestão em rede tem de ser feito pelas transportadoras aéreas;

-só um país muito pequeno (como o Luxemburgo) pode pensar na ideia de aeroporto nacional.

Assim sendo, o que se percebe de todas estas movimentações políticas é de que o Governo acha que a ANA só conseguirá uma privatização favorável se esta incluir todos os aeroportos que gere neste momento. E que o aeroporto de Alcochete só fará sentido, na sua megalomania descabida, se tiver os aeroportos de Faro e do Porto abaixo de si na hierarquia, a alimentá-lo. Remeter o jornalista para um 'estudo feito pela ANA' é como remeter o jornalista para a 'opinião da ANA'. E o interesse da ANA é óbvio.


* Há quem ache que só podem existir ciclovias se se mantiverem os privilégios dos automóveis. Eu, obviamente, penso o exato contrário - as ruas já estão entregues aos carros, porquê insistir nisso?

Ciclovia em Alvalade abre acesa polémica

O presidente da Junta de Freguesia de Alvalade, em Lisboa, considera o projecto "uma aberração". O vereador Sá Fernandes diz que o caso ainda está a ser estudado. E os utilizadores de bicicletas criticam a Junta.

Em causa está um troço de uma pista ciclável projectada para atravessar a Rua de Entrecampos e a Avenida Frei Miguel Contreiras. Esta ciclovia faz parte do plano da Câmara Municipal de Lisboa para uma rede de pistas cicláveis que deverá atingir os 25 quilómetros de extensão até ao final do ano.

Armando Dias Estácio, presidente da Junta de Freguesia de Alvalade, emitiu um comunicado e um abaixo-assinado num tom bastante crítico contra o projecto. Sucintamente, a Junta de Alvalade considera "um absurdo" a construção de uma pista ciclável na Rua de Entrecampos. A diminuição de estacionamento automóvel é o argumento apresentado.



No JN.


*


Dia 17 de Maio em Compostela:

Por todo isto este 17 de maio queremos fazer saber que:

1. É umha falácia que exista umha imposiçom do galego. A imposiçom do castelhano nom tem discussom desde o momento em que é a única língua que todos os cidadãos e cidadãs do estado espanhol têm a obriga de conhecer segundo a constituiçom espanhola.

2. Reclamamos, para enfrentar esta situaçom, a aboliçom do sistema legal que subordina o galego ao castelhano, a aboliçom do supremacismo castelhano que procura a limpeza do galego e exigimos a implementaçom de autênticas políticas de normalizaçom lingüística ao serviço da nossa sociedade.

3. Consideramos hipócrita a negaçom do conflito lingüístico existente na sociedade galega, causado por umha legislaçom de inspiraçom perversa, que condiciona e impede o desenvolvimento de umha verdadeira normalizaçom lingüística. Exigimos, aliás, que instituições teoricamente concebidas para o estudo e potenciamento da língua (RAG e ILG) se pronunciem sobre tal conflito, saindo de um silêncio que colabora na subordinaçom do galego e na manutençom do supremacismo castelhano.

4. Afirmamos que a normalizaçom lingüística é um direito colectivo inalienável, constituindo a necessária coesom social de cada povo em torno à língua própria. O monolingüismo social é o complemento natural ao polilingüismo individual e à diversidade lingüística crescente das sociedades actuais. Negamos a reduçom do galego a um fenómeno meramente individual pois, como qualquer língua viva, é umha realidade social cujo sentido e utilidade reside no seu uso na Galiza como língua comum a todos e todas e para o relacionamento internacional.

5. Toda a instituiçom social, como os meios de comunicaçom, ensino, administraçom e quaisquer serviços públicos, deve contribuir, portanto, à eliminaçom dos preconceitos e discriminações contra a nossa identidade lingüística e cultural e promover a normalizaçom lingüística. Denunciamos especialmente a pretensom de continuar discriminando o galego no ensino infantil e pré-escolar, encorajando o auto-ódio e a galegofobia.

6. Consideramos que, frente ao recrudescimento do discurso refractário ao galego na vida pública, a política lingüística nos últimos quatro anos se tem caracterizado polo continuísmo com a era fraguista. E que com a chegada do novo governo à Junta da Galiza se aproximam tempos de retrocesso e de concessom aos sectores mais espanholistas.

7. A nossa aposta é reintegracionista, pois consideramos que o único futuro do galego passa por integrar-se no mundo da Lusofonia que permitirá a sua sobrevivência, ajudará ao seu prestígio e, sobretudo, fará com que os utentes tenham um universo de possibilidades de relações humanas, comerciais e culturais ao seu dispor.

8. Fazemos parte do movimento social de base que trabalha diariamente ao longo de muitos anos para a dignificaçom da língua e da cultura galegas e que nom somos um movimento que fique à espera de que governos ou instituições venham a lançar leis que salvem ou embarguem o futuro da língua.

9. O sistema cultural galego, com todos os seus produtos, é um sistema cultural dependente do sistema cultural espanhol e tem como conseqüência que todos os produtos que chegam a nós tenham que ter passado anteriormente um filtro. A nossa cultura nunca conseguirá falar em pé de igualdade com culturas doutros lugares estando baixo este jugo, pois nom poderá ter presença própria, senom através da espanhola.

10. Denunciamos a discriminaçom e silenciamento da tradiçom cultural galeguista do reintegracionismo, e reclamamos o justo reconhecimento social de umha das principais figuras culturais do século xx galego, cujo legado continua vivo: Ricardo Carvalho Calero, para quem reclamamos o Dia das Letras no ano 2010, ano em que se cumprem 100 anos do seu nascimento e 20 anos do seu finamento.





tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 02:01:18

09-05-2009

IMAGENS, FERROVIÁRIO, METRO, PEDONAL, BRAGA - VALE DO AVE

Atualizações 9/5/09

* Resumo das intervenções dos deputados, respondendo à petição "Braga-Porto: 40 minutos (em atualização)

Nesta sessão falou-se também na possibilidade de fazer chegar os suburbanos a Barcelos. Dentro duma lógica de rentabilização / otimização da rede existente, não me parece mal. Como estratégia de futuro, é totalmente ao lado. Como diz Pedro Morgado,

Se olharmos para os dados do último recenseamento, verificamos que os movimentos pendulares entre Braga e Barcelos (4.908/dia) ou entre Braga e Guimarães (4.288/dia) superam em larga escala os movimentos pendulares entre o Porto e qualquer uma das três cidades (Braga 2.856/dia; Guimarães 1.752/dia; Barcelos 1.615/dia). Posto isto, é verdadeiramente incompreensível que a ligação ferroviária entre Braga e Guimarães continue por se concretizar e, ainda mais, que não exista uma ligação directa entre Braga e Barcelos. Saliente-se que esta última seria facilmente praticável em menos de 20 minutos, caso existisse a concordância de Nine.

Através de uma linha nova ou com uma concordância em Nine, deveriam existir já comboios diretos entre Barcelos e Braga, e daqui para Guimarães (este através de uma linha nova). A pressão sobre o Governo tem de ser constante - não se pode estar eternamente à espera de um governo regional que resolva o assunto. Esse governo regional ainda tem de ser referendado, e mesmo que passe a votação demoraria ainda muitos anos a decidir o que quer que fosse. É a visão do Governo sobre o Norte que tem de mudar, mas também a visão do Governo sobre a ferrovia em geral.


* Uma aplicação que calcula as distâncias temporais para quem anda de metro e a pé em NY (via Erica Alba):



* A minha primeira tentativa no mundo dos vídeos musicais.



tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 20:17:59

06-05-2009

FERROVIÁRIO, NORTE, MULHERES, BRAGA - VALE DO AVE, ALTA VELOCIDADE ELEVADA

Atualizações 5/5/09

*

Utentes da Linha de Guimarães são poucos, mas cada vez mais

Menos de dois milhões de pessoas utilizam anualmente a ligação, mas esta é uma das linhas responsáveis pelo crescimento dos urbanos da CP

(...)

A Linha de Guimarães, que a 14 de Abril comemorou 125 anos, reabriu em 2004, depois de ter beneficiado de obras de electrificação e reconversão do traçado para via larga - mas não dupla. Antes da intervenção, que custou mais de 100 milhões de euros, circulavam mensalmente cerca de 30 mil passageiros naquela ligação. Hoje o número de utilizadores mais do que quintuplicou.

(...)

No entanto, o investigador reconhece que seria expectável que o eixo vimaranense valesse mais do que 10 por cento do tráfego dos urbanos do Porto. Manuel Tão admite que Guimarães tenha "uma capacidade de geração de tráfego inferior" à das outras cidades. Mas não tem dúvidas de qual é o principal problema da ligação: "Há algumas reservas perante o serviço relativamente à cadência e velocidade, que ficam aquém do que seria desejável."

Os problemas estruturais da linha decorrem da sua reconversão. Originalmente, a ligação entre Lousado e Guimarães fazia-se por via métrica e, apesar da mudança de bitola, mantiveram-se as curvas e as limitações de velocidade ditadas pelo traçado original. O excesso de curvas impediu, por exemplo, a introdução do serviço Alfa Pendular. As composições chegaram a fazer testes na linha, mas o serviço mostrou ser inviável face às condições do traçado.

Estas limitações tornam o tempo de viagem bastante longo, cerca de uma hora e quinze minutos. A CP diz que é "o tempo de trajecto possível de acordo com as capacidades da infra-estrutura", adiantando que é objectivo da empresa "reduzi-lo, a partir do momento em que estejam reunidas as condições necessárias".

Mas isso só acontecerá em 2013 depois de resolvido o constrangimento na Trofa - com a abertura da variante ferroviária no próximo ano - e estiver concluída a quadruplicação de vias no atravessamento de Ermesinde.

No Público.

Em jeito de resposta a pessoas arrogantemente ignorantes, como Maria João Avillez, que há pouco tempo criticava o investimento nas linhas de via estreita do Douro por terem, neste momento, pouca utilização. Vamos lá: na Linha de Guimarães, em 33 qms, gastaram-se 100 milhões de euros, o que dá 3 milhões de euros por quilómetro. Através deste investimento, a utilização da linha quintuplicou. Nas Linhas do Douro referidas, o investimento será de 1 milhão de euros por qm. Se o número de passageiros também quintuplicar, os números passarão para 750 passageiros por dia na Linha do Tâmega e 250 por dia na Linha do Corgo. Isto, claro, se a modernização for bem feita, e numa previsão terrivelmente pessimista. É claro, senhora Maria João Avillez, que os números serão infinitamente superiores a isto. O número de passageiros irá ser multiplicado por dez ou por vinte. No mínimo.

Especialista defende prolongamento até Braga

Manuel Tão afirma que só assim a Linha de Guimarães será eficiente

Para Manuel Tão, a Linha de Guimarães só será eficiente quando for prolongada até Braga. O investigador não tem dúvidas de que a melhor solução para a rede ferroviária a norte do Porto era ligar estas duas "pontas soltas" do Minho. "Pela realidade da região, seria um investimento essencial", reitera. Manuel Tão antecipa que essa ligação "teria um tráfego próprio, até por causa da Universidade do Minho, que tem um pólo em cada cidade", mas seria capaz de gerar um tráfego suplementar associado à alta velocidade. "Braga terá uma estação de alta velocidade e faz todo o sentido que as linhas convencionais distribuam esses fluxos", sustenta o investigador.

A ligação entre Braga e Guimarães está a ser tida em conta na revisão dos PDM dos dois concelhos. Mas ainda não há um projecto em concreto. Manuel Tão entende que a concretização da linha depende mais "de uma questão política do que de disponibilidade de fundos". O preço unitários por quilómetro de ferrovia é semelhante ao da construção de uma auto-estrada, com a vantagem de que o caminho-de-ferro consome menos um terço de terreno. Em 2003, o Estado investiu 75 milhões de euros nos 17 quilómetros da A11 que ligam as duas cidades. Tão acredita que com a mesma verba era possível ligar as duas principais cidades do Minho por comboio.

Os constrangimentos da Linha de Guimarães preocupam a câmara local. Numa reunião recente, o vereador do PSD Rui Victor Costa pediu ao executivo para estudar formas de melhorar o serviço urbano, exigindo a introdução de ligações rápidas e a articulação com os horários dos serviços de longo curso Porto-Lisboa. A proposta foi apoiada pela vereadora da CDU. A maioria PS anunciou que vai pedir à CP os números de utilização da linha, para avançar com uma proposta.

Também no Público.


* Esta seria a pinta da rede ferroviária britânica se as ideias de Richard Beeching tivessem avançado, nos anos 1960. Muitas linhas acabaram por fechar nas décadas seguintes, num total de 6.500 quilómetros. A ideia subjacente ao plano era a redução do número de linhas e estações, numa tentativa de poupança nos gastos com a rede. Este projeto coincidiu com um enorme crescimento da rede rodoviária do país, o que fez o Governo Britânico rever as suas prioridades. A asneira é um conceito universal, é o que eu digo sempre.


* Uma mulher: Shara Worden




tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 01:09:34

02-05-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

13/12, 19h45, Restaurante (München)

Foi bom sair do museu, há pouquinho, e ver tudo coberto de neve. Foi durante o tempo que estive lá dentro, a ver Rembrandt e afins. Claro que há o deslumbramento da neve e o meu medo de cair. Combinado, dá um deslumbramento amedrontado.

Comi uma Ofrenfrscher Schweinebraten, mais uma variação do que comi em Wien. Só que lá era… Schnitzel. Carne de porco às fatias em molho espesso. O de Wien era bem melhor, mas também custou o dobro.

Ainda não sei como voltar a Portugal. Reservei hoje a ligação Bruxelles-Paris. Que não me serve de nada se não conseguir lugar no Sud-Express. A segunda hipótese é a Ryan Air em Frankfurt, mas não sei se ainda arranjo bilhetes.
Foi estranho hoje na Pinakothek der Moderne. Já sabia que estava quase na hora de fechar, e veio um dos seguranças falar comigo em alemão: “I have to go?” “You are like everybody else, so yes.” Estranho. Mas talvez volte lá amanhã, basta mostrar o pin que me deram.

Ia um homem estranho à minha frente no U-Bahn. Apesar do aspecto e cheiro asquerosos (e unhas enormes), olhava para todos os cantos do casaco (também sujíssimo) à procura de partes sujas ou zonas de (…).
Comer gelado estando a nevar lá fora não deixa de ser irónico.

A noite passada foi horrível. Um dos que estava a conversar, gordíssimo, foi jantar quando me fui deitar. Sentou-se numa mesa ao fundo do quarto a comer coisas que tinha trazido, enquanto ouvia música na rádio. Adormeci sem grandes problemas. Durante a noite alguém se foi deitar na cama ao meu lado. Pelo respirar notava-se que era alguém grande. De vez em quando começava a ressonar, que era uma alternância entre um ronquinho e um som parecido com mastigar maltesers. Também eu soltei vários roncos, mas de lamento. Não consegui dormir. Um quarto tão grande e tinha de se deitar a meu lado?!

E lá chegaram as 5h30, hora fatídica em que o outro gordo se lembrou de se levantar. Devia trabalhar nas obras, pois eu tinha visto as suas luvas a secar. Enquanto não se levantava, ligou outra vez o rádio. Não aguentei muito: levantei-me. “Could you please turn off the radio?” “Uh?” “Turn off the radio!” O estúpido apenas baixou o som.

Mal desci fiz queixa dele na recepção. Espero que já não esteja lá, nem o gordo dos maltesers.





IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:33:28

02-05-2009

CADERNOS, FOTOS, IR'05, VIAGENS

13/12, 11h, U6 (München)

Fui visitar o parque olímpico. Estive para cair por várias vezes, por causa do gelo no chão.

Vai sair agora uma mulher tão boa que até dói. Olhou para trás para me ver outra vez e tudo. As alemãs são boas, altas, mas muito, muito bonitas. E elegantes.

Também há mulheres grandes. Gigantes, até. Ontem sentou-se uma à minha frente que até passará despercebida. Mas em Portugal nem nas portas passava.





IR'05 é a transcrição do diário escrito durante uma viagem de comboio através da Europa entre Novembro e Dezembro de 2005. todas as entradas aqui

tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 00:03:41

01-05-2009

PORTURARIDADE, PROJETOS, IMAGENS, FERROVIÁRIO, POLÍTICA À PORTUGUESA, GRANDE PORTO

Atualizações 30/4/09

* É verdade que a densidade populacional do Reino Unido é duas vezes maior que a de Portugal, mas nada justifica tamanha discrepância:

(clicar para aumentar)
(foi a partir de uma imagem semelhante à da direita que fiz a imagem da esquerda; a escala é a mesma)


* Expliquem-me qual o sentido disto. Seria razoável que uma freguesia do concelho do Porto quisesse ser 'cidade'? Então porque haveria uma freguesia de Matosinhos querer ser cidade?

PCP, PSD e PS querem que Senhora da Hora seja cidade

Comunistas apresentaram projecto-lei, socialistas e sociais-democratas também

No Público.


* Ainda não recuperei inteiramente do pasmo da descoberta. Na Póvoa, para quem não conhece, existia uma frondosa avenida chamada Mouzinho de Albuquerque, castigada pelo progresso com o corte das árvores e com o decréscimo de qualidade urbanística. Perdeu as árvores e o passeio central mas ganhou passeios laterais amplos. Perdeu em afetividade mas ganhou em usabilidade. Os passeios laterais são contínuos, apenas com interrupções na estrada nacional e nos extremos da avenida. Estando nós em Portugal, isso levanta um problema cuja solução ainda não deslindei - tirando acesso a garagens, todo o sítio por onde passa um carro é via de circulação, e ainda ninguém me provou o contrário.



As fotos foram tiradas no cruzamento entre uma rua secundária e a avenida. Este não é um sinal como aqueles belgas, que significa que os automóveis têm de circular a velocidade de passo (- 10 qm/h), dando prioridade aos peões. Não é simplesmente porque tal ideia não existe no código da estrada português. Assim sendo, o que significa o sinal?



tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 04:10:28

30-04-2009

PORTURARIDADE, IMAGENS, ACORDO ORTOGRÁFICO, FERROVIÁRIO, URBANISMO DE PONTA, PLANEAMENTO MACADAME, ENTRE-DOURO-E-MINHO

Atualizações 29/4/09

*

De fato, este meu ato refere-se à não aceitação deste pato com vista a assassinar a Língua Portuguesa. Por isso ... por não aceitar este pato ... também não vou aceitar ir a esse almoço para comer um arroz de pato ...
A esta ora está úmido lá fora ... por isso, de fato lá terei de vestir um fato ... (sic)

Continua a desinformação. 'Pacto' não muda, 'húmido', 'hora' e 'facto' idem. A única palavra que irá mudar é 'acto', que passa a 'ato'. Quem escreve estas barbaridades? Servirão para enganar quem, as velhinhas das aldeias?


*

Bloco de Esquerda quer mais-valias urbanísticas a reverter para o Estado como forma de evitar corrupção

O BE vai apresentar, ainda nesta sessão legislativa, um projecto de lei em que propõe que as mais-valias urbanísticas decorrentes de um acto administrativo passem a reverter a 100 por cento para o Estado. Os bloquistas defendem que assim se evitaria a especulação imobiliária. Esta é uma de quatro propostas de combate à corrupção apresentadas ontem no encerramento das jornadas parlamentares, que decorreram em Braga.
"Grande parte da corrupção em Portugal nasce da especulação imobiliária", considera Francisco Louçã. "Há terrenos que aquando da classificação como terreno rural valiam dez, mas quando passaram a ser urbanizáveis, passaram a valer um milhão", ilustra o dirigente. A proposta do BE propõe fazer reverter essa diferença de valorização para a posse pública, sem prejuízo para os proprietários do valor do terreno anterior à alteração.

(...)

No Público.


*

Cidadãos saem em defesa do solo agrícola do país

Portugal já não é rico em solos férteis, mas uma recente legislação veio retirar a garantia de que os que existem serão preservados. É esta a principal crítica – e preocupação – de um grupo de cidadãos que pôs a circular na Net uma petição em defesa da Reserva Agrícola Nacional (RAN).

No final do mês passado, foram aprovadas alterações ao regime da RAN que, segundo os subscritores, não melhoraram a lei anterior, antes a alteraram por completo. Por isso, apelam a que os deputados da Assembleia da República introduzam alterações que permitam que os solos sejam salvaguardados para a produção de alimentos.

A petição foi posta a circular na segunda-feira em www.peticao.com.pt/reserva-agricola-nacional e já conta com cerca de 450 assinaturas, entre as quais a do arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles, um dos ideólogos das reservas agrícolas e ecológicas nacionais.

Também no Público.


*

Comboios frequentes cruzam São João da Madeira em 2011

A reconversão em estação do apeadeiro de Arrifana, em Santa Maria da Feira, a construção de uma nova estação em Orreiro e de dois apeadeiros junto ao Museu da Chapelaria e na zona de Fundo de Vila, em São João da Madeira, são as obras previstas para que o município são-joanense tenha comboios frequentes, a circular de 20 em 20 minutos, a partir de 2011. A aquisição de três composições para o reforço das circulações diárias na Linha do Vouga em cinco paragens, do limite norte ao extremo sul de São João da Madeira, também faz parte dos planos. O concurso público para a elaboração do estudo prévio do projecto de execução desse sistema de comboios frequentes no troço entre Arrifana e Orreiro foi publicado no Diário da República na última segunda-feira. O valor base do concurso é de 330 mil euros e o prazo de execução de 150 dias.

A abertura do concurso surge em sequência da assinatura de um protocolo oficializado a 23 de Novembro de 2008, dia em que se comemorou o centenário da entrada em funcionamento da Linha do Vale do Vouga, entre a Rede Ferroviária Nacional (Refer), CP - Caminhos-de-ferro Portugueses, e as câmaras de São João da Madeira, Santa Maria da Feira e Oliveira de Azeméis. A instalação do sistema de comboios frequentes, que atravessará o município, representa um investimento total de 9,4 milhões de euros. Uma quantia que será suportada por fundos comunitários e pelos orçamentos da Refer, CP e Câmara de São João da Madeira.

"Este poderá vir a ser um primeiro passo para uma futura ligação da nossa ferrovia à rede do Metro do Porto", admitia Castro Almeida, presidente da autarquia são-joanense, antes da assinatura do protocolo. A Refer assume a elaboração dos projectos de intervenção na ferrovia respeitantes à requalificação do troço e a Câmara de São João da Madeira fica responsável pelos projectos de integração funcional.

Idem, no Público.

É triste ver as Câmaras a obrigadas a resolver problemas que competem à Administração Central. A Linha do Vouga, no seu percurso na Região Norte, atravessa quatro concelhos (Espinho, Santa Maria da Feira, São João da Madeira e Oliveira de Azeméis) que concregam mais de 250.000 almas. A via está degradada, tem curvas e passagens de nível (muitas sem guarda) a mais e uma velocidade comercial muito baixa. Acresce o facto de ainda não ter tido direito à passagem da bitola métrica para a ibérica, o que a torna uma linha de brinquedo, sem ligações à rede. E como as obras em Espinho não comtemplaram esta via, a nova estação subterrânea encontra-se a 500 metros da estação Espinho-Vouga.

O metro parece-me ideia despropositada. Uma linha de suburbanos a fazer ligação à Linha do Norte em Espinho, e a substituição da superestrutura / eletrificação / migração para a bitola ibérica com travessas polivalentes / correção de traçado / eliminação das passagens de nível, isso sim já me parecia indicado.




tudo isto e muito mais em coisar.tumblr.com

BLOGADO ÀS 02:20:33

1 2 3 4 5 6 7 8 >>

powered by b2evolution free blog software