Às Vezes Vida
Às Vezes Vida
Para o Eugénio Outeiro.

Às vezes vida
sangrando na
palavra interior
das cosmologias,
ardendo na língua
extensa deste amor
que habita no vazio
e descobre a sua
densidade perfeita.
Somos verso sem
olhos alçando-se
em silêncio até
destruir as casas
feridas pelo medo,
extraviados dos
nossos corpos
como no início
de uma música
entre a luz e a
noite, infinita.

Fevereiro de 2013.
Poema de Ramiro Torres, a propósito do meu livrinho de poemas Às Vezes Vida

(Ramiro Torres)

Cardos
Cardos

Contra a língua de borracha das vacas e as mãos lavradoras dos homens
os cardos espicaçam o ar do verão
ou crepitam ao abrirem-se sob a pressão azul-escura.

Cada um deles um rebento vingativo
de ressurreição, um molho colhido
de armas estilhaçadas e gelo islandês atirado para cima

da sombra soterrada de um viking apodrecido.
São como o cabelo pálido ou o som gutural dos dialectos.
Cada um deles maneja uma pena de sangue.

Depois crescem a se tornar cinzentos, como os homens.
Ceifados, é uma batalha. Os seus filhos aparecem
rijos e armados, voltando para lutar no mesmo campo.

Original em Wodwo, Faber & Faber, 2006. ISBN. 9780571097142

(Ted Hughes)

O Urso
O Urso

No grande, espalmado, olho dormido da montanha
O urso é o brilho na pupila
Pronto para acordar
E focar num instante.

O urso está a fitar
Começando a acabar
Com fita de ossos de pessoas
No seu sonho.

O urso está a escavar
No seu sonho
Através do Muro do universo
Com um fémur de homem.

O urso é um poço
Demasiado fundo para brilhar
Em que o teu grito
Está a ser digerido.

O urso é um rio
Em que as pessoas que se chegam para beber
Se veem a si próprias mortas.

O urso dorme
Num reino de muros
Numa aranheira de rios.

Ele é o piloto da barca
Para a terra da morte

O seu preço é tudo.

Original em Wodwo, Faber & Faber, 2006. ISBN. 9780571097142

(Ted Hughes)

<< 1 ... 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 ... 128 >>