Oferenda
Oferenda

Para o nosso bem,
os moluscos e os peixes
oferecem-se
desinteressadamente
como comida.

-------

Na minha pequena tigela das esmolas,
amores-perfeitos e dentes-de-leão
à mistura
como uma oferenda
aos Budas dos Três Mundos.

A colher amores-perfeitos
à beira da estrada,
com a mente absorta,
deixo atrás a minha tigela.
Coitada!

Outra vez esqueci
a minha pequena tigela. ?
Ninguém vai apanhar-te,
certeza que ninguém vai apanhar-te,
triste tigela minha!

Tradução do inglês a partir do trabalho de John Stevens. Dewdrops on a Lotus Leaf - Zen Poems of Ryôkan, Shambala, 1993, USA. O título é meu.

(Ryôkan)

Pedindo esmola
Pedindo esmola

Cedo, o primeiro dia de agosto,
pego na minha cunca e dirijo-me à vila.
Nuvens de prata acompanham os meus passos,
uma brisa de ouro acaricia o sino do meu bastão.
Dez mil portas, mil cidades abertas para mim.
Deleito os meus olhos em bosques de bambu e bananeiras.
Mendigo cá e lá, ao leste e ao oeste,
parando também em lojas de saké e peixarias.
Uma olhada honesta pode desarmar uma montanha de espadas;
um passo calmo pode deslizar por cima do lume do inferno.
Esta foi a mensagem do Rei dos Mendigos
ensinada aos seus principais discípulos há por volta de vinte e sete séculos.
E eu ainda me comporto como um descendente de Buda!
Um tipo sábio disse uma vez há tempo:
'Quanto à comida, tudo é igual perante a Lei de Buda'.
Mantém essas palavras na cabeça
passem as eras que passarem.

Tradução do inglês a partir do trabalho de John Stevens. Dewdrops on a Lotus Leaf - Zen Poems of Ryôkan, Shambala, 1993, USA.

(Ryôkan)

Haikai
Haikai

Hei de ir lá ter hoje.
É amanhã que as ameixeiras
espalham as flores.

**********

Canta um rouxinol
que me traz de volta ao dia.
A manhã fulgura.

**********

Tenho um só desejo:
sob a flor da cerejeira
dormir uma noite.

**********

A aldeia no monte.
E totalmente a engolem
as rãs que coaxam.

**********

Primeira garoa
do outono. Que deliciosa
montanha sem nome!

**********

Passou o ladrão
e esqueceu roubar essa
lua da janela

**********

Agulhas de pino
atrás da porta fechada.
Sinto-me tão só...

**********

Estão a chamar-me,
voltando de noite a casa,
os gansos selvagens

**********

É o meu corpo velho
como este bambu enterrado
na neve fria.

Tradução do inglês a partir do trabalho de John Stevens. Dewdrops on a Lotus Leaf - Zen Poems of Ryôkan, Shambala, 1993, USA.

(Ryôkan)

<< 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 ... 122 >>