às vezes penso isto

    • Aquilo que sou não é derrota nem fracasso daquele que creio que sou. (20-02-2014)
    • Os esqueletos não têm sexo, mas na mesma fazem amor quando nós fazemos. (20-10-2012)
    • Salvação é uma palavra gorda e avelhentada. (23-09-2012)
    • Comemos com a fome dos nossos avós. /  Estudamos com a vontade de aprender / dos nossos pais. Será... (19-07-2012)
    • A realidade é a memória da existência (26-05-2012)
    • Decir ‘amor’ es fácil, pero expresarlo… (19-05-2012)
    • É difícil seguir a natureza, mas continuá-la é inevitável. (10-05-2012)
    • A verdadeira compreensão é uma expressão (11-04-2012)
    • Esta euforia não me pertence (18-03-2012)
    • nem o amor nem deus nem a beleza: nada que eu crie é maior que eu próprio (11-03-2012)

powered by b2evolution free blog software
Autorretrato em Lourição
Autorretrato em Lourição

Feita nas passadas férias da Páscoa.

De grupúsculos e centímetros

Adorei o último artigo do Valentim no Novas da Galiza. Fala em grupos ou grupúsculos, G, G.1, G.2... e pelas referências eu localizava-me no meio dos dois grupos, num G.1,5 ou assim. Mas vendo alguns comentários ao seu artigo, sinto-me cada vez mais longe de G.2 e cada vez mais longe de G.1. Sinto-me, simplesmente, Alt+F4.

Conflitos

Com alguns conflitos internos do reintegracinismo assalta-me subitamente a mesma reflexão que imagino que teria se estivesse a ver dois marcianos fazendo amor à maneira deles (juntando trombetinhas ou lá o que for): mas que caralho é isto?

<< 1 ... 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 ... 16 >>