às vezes penso isto

    • Aquilo que sou não é derrota nem fracasso daquele que creio que sou. (20-02-2014)
    • Os esqueletos não têm sexo, mas na mesma fazem amor quando nós fazemos. (20-10-2012)
    • Salvação é uma palavra gorda e avelhentada. (23-09-2012)
    • Comemos com a fome dos nossos avós. /  Estudamos com a vontade de aprender / dos nossos pais. Será... (19-07-2012)
    • A realidade é a memória da existência (26-05-2012)
    • Decir ‘amor’ es fácil, pero expresarlo… (19-05-2012)
    • É difícil seguir a natureza, mas continuá-la é inevitável. (10-05-2012)
    • A verdadeira compreensão é uma expressão (11-04-2012)
    • Esta euforia não me pertence (18-03-2012)
    • nem o amor nem deus nem a beleza: nada que eu crie é maior que eu próprio (11-03-2012)

blogging soft
De porque os galegos somos todos negros...

Há tempo que não passava por este blogue meu, e há tempo que não deixava nada por aqui colado. Não vou enganar ninguém: é provável que não volte por aqui também em bastante tempo. Mas chegou-me ao correio electrónico este vídeo que demonstra de forma tão clara o porquê de os galegos sermos todos negros, e não queria deixar de publicar para nos horrorizarmos todos e todas. Às vezes é necessário, nem que seja só para lembrar onde estamos.

Absurdo

Levo uns quantos dias alucinando. Ainda não consigo acreditar. Remeto apenas ao magnífico texto de Lupe Cês no foro de Vieiros. Concordo em tudo. Tudo. Passam-me tantas ideias pela cabeça, tantas coisas que quero dizer, entre a minha estima pessoal para com o autores do atentado e a minha absoluta repulsa à acção, por violenta e irracional. Entre a minha preocupação pelo que lhes possa acontecer e a minha carragem pessoal por como tudo isto nos pode condicionar a todos. Entre reconhecer-lhes o espírito de entrega e denunciar que joguem com um projecto de país que é de todos, e que nos condicionem a todos, como se tivêssemos pouco já contra o que lutar. Entre o absurdo e o absurdo, como abrir uma conta de solidariedade com os represaliados na mesma entidade bancária contra a que atentaram. Como que alguém mais conhecido que a Coca-Cola se ponha uma peruca para passar despercebido. Como começar uma guerra aberta pensando só no ataque, e nunca na defesa. Como provocar uma repressão imparável contra eles próprios, e quem sabe contra quem mais. Como passar a vida a justificar uns actos pela sua legitimidade (falsa), e não pela sua necessidade estratégica. A luta armada é legítima? A quem lhe importa! Seja como for é totalmente inconveniente. Quando militava no independentismo passei a vida a ouvir discussões sobre a puta legitimidade da puta luta armada. Pelos vistos, todos pensavam que era conveniente, porque sempre deixámos essa questão a um lado, porque sempre passamos a vida a contradizer o discurso moral da ideologia dominante, sem reparar noutras coisas. Tudo com um absurdo discurso sobre a honra do país que votou sempre maioritariamente num ex-ministro franquista. Tudo com um discurso moral que partia da pátria para chegar ao resto. Absurdo, absurdo, absurdo.

A mocidade com a bandeira

Achega-se o 24 e a juventude galega mais consciente está pronta como todos os anos para a celebração e jornada de rebelião, réveillon e todos/as com a bandeira. A praça de Maçarelos vestir-se-á de festa um ano mais, convertir-se-á de novo no centro do mundo independetista e juvenil. Mas -ó, alegria!- este ano é especial. Este ano vamos com mais foça. Porque na mesma praça -assombremo-nos todos!- vão ter lugar, não uma, mas duas convocatórias simultâneas: a já tradicional da AMI, e a de BRIGA, que deveu de vir em trole. E vai haver concertos simultâneos de Obrint Pas e Betagarri! Na mesma praça à mesma hora! Um verdadeiro prodígio, muito por cima do Festigal, que este ano volta a superar-se com o desenho mais horrível, por mais que seja o único com presença lusófona não galega.

Enfim, que amanhã se tiver tempo ainda comento um bocado mais a jogada, que tem que se lhe conte. Uma pouca vergonha...

1 2 3 4 5 >>