às vezes penso isto

    • Aquilo que sou não é derrota nem fracasso daquele que creio que sou. (20-02-2014)
    • Os esqueletos não têm sexo, mas na mesma fazem amor quando nós fazemos. (20-10-2012)
    • Salvação é uma palavra gorda e avelhentada. (23-09-2012)
    • Comemos com a fome dos nossos avós. /  Estudamos com a vontade de aprender / dos nossos pais. Será... (19-07-2012)
    • A realidade é a memória da existência (26-05-2012)
    • Decir ‘amor’ es fácil, pero expresarlo… (19-05-2012)
    • É difícil seguir a natureza, mas continuá-la é inevitável. (10-05-2012)
    • A verdadeira compreensão é uma expressão (11-04-2012)
    • Esta euforia não me pertence (18-03-2012)
    • nem o amor nem deus nem a beleza: nada que eu crie é maior que eu próprio (11-03-2012)

free blog
Solidão do outono

O ano acabará logo, mas eu continuo
aqui, na minha pequena cabana.
A chuva fria do outono cai tristemente
e as folhas amontoam-se nos degraus do templo.
Passo o tempo com a mente ausente
a ler sutras e entoar velhos poemas.
De súbito uma criança aparece e diz
'Anda, vamos juntos para a aldeia'.

Tradução do inglês a partir do trabalho de John Stevens. Dewdrops on a Lotus Leaf - Zen Poems of Ryôkan, Shambala, 1993, USA.O título é meu

(Ryôkan)

Um barulho de grilos

Um barulho de grilos reina agora sobre os campos segados;
pacotes abrasadores de palha de arroz enchem a planície atordoada.
Os lavradores sentam-se ao pé dos seus lares a desfrutar das longas noites,
tiram o pó das esteiras e preparam-se para a primavera.
Quando as famílias de lavradores se reúnem e conversam
as palavras 'verdade' ou 'mentira' nunca são pronunciadas.
As pessoas da cidade não têm tanta sorte -
esses coitados têm de ajoelhar-se e dobrar o lombo todo o dia.

Tradução do inglês a partir do trabalho de John Stevens. Dewdrops on a Lotus Leaf - Zen Poems of Ryôkan, Shambala, 1993, USA.

(Ryôkan)

A minha velha tigela de madeira

Este tesouro foi descoberto numa moita de bambu -
lavei a tigela numa nascente e depois consertei-a.
Depois do zazen da manhã, tomo nela os meus purés;
à noite, serve-me a sopa guenmai.
Partida, gasta, roída pelo tempo e deformada,
mesmo assim ainda é um bem prezado!

Ao meu novo recipiente

A partir de agora
nem sequer serás molestada
por um pontinho de terra.
Noite e dia ao meu cuidado,
já nunca estarás só!

Tradução do inglês a partir do trabalho de John Stevens. Dewdrops on a Lotus Leaf - Zen Poems of Ryôkan, Shambala, 1993, USA.

(Ryôkan)

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 ... 45 >>