Cursos 2018-2019

    Cineclube

    Novidades

    Revista Nº 31

    Defendamos o Minho

          Busca

        VIOLÊNCIA E PSIQUIATRIA. DAVID COOPER

        VIOLÊNCIA E PSIQUIATRIA. DAVID COOPER

        27-03-14

        28 de março 2014.
        Grupos de Estudos (em colaboraçom):

        Ateneo Libertario A Engrenaxe

        C.S. Mádia-Leva ? Escola Popular Galega

        VIOLÊNCIA E PSIQUIATRIA

        (excerto)

        DAVID COOPER; Psiquiatria y Antipsiquiatria (1967)

        A violência é o cerne do nosso problema. No entanto, o tipo de violência que eu vou considerar aqui tem pouco a ver com gente martelando, uns aos outros, a cabeça; e nom muito se vai concentrar no que é suposto ser pacientes loucos. Falando de violência em psiquiatria, a violência que nos confronta abertamente a gritar, proclamando a violência ( como o fai raramente) é a violência sutil e sinuosa que as pessoas "saudáveis" perpetram contra os rotulados "loucos". Como a psiquiatria representa os interesses ou pretensos interesses dos saudáveis, descobrimos que, na verdade, a violência na psiquiatria é a violência da psiquiatria.

        Mas quem som essas pessoas saudáveis? Quais som elas? As definições propostas por especialistas em saúde mental, geralmente chegam à noçom de conformidade com um conjunto de normas sociais mais ou menos estabelecidas, ou de nom ser assim, tam convenientemente terais como, exemplo, ?a capacidade de tolerar conflitos e desenvolver-se neles" ? que nom têm significado operacional. Um fijo a dolorosa reflexom de que tal vez forem os saudáveis os que nom conseguem ser admitidos na sala de observaçom mental.

        Quer dizer, que som definidos por umha certa falta de experiência. Mas os nazistas gasearom dezenas de milhares de doentes mentais, e outras dezenas de milhares de pessoas têm, no Reino Unido, os seus cérebros cirurgicamente mutilados ou moídos por aplicações de eletrochoque e, principalmente, as suas personalidades sistematicamente distorcidas pola institucionalizaçom psiquiátrica. Como podem estes fatos tam concretos basearem-se numha ausência, umha negaçom : a loucura compulsiva dos saudáveis?

        Na verdade, todo o campo da definiçom de saúde e loucura é tam confuso , e aqueles que se aventurar nel som tam uniformemente aterrorizados (possuam ou nom "qualificaçom profissional" ) pola evidência de que eles podem encontrar , nom só no " outros", mas também em si, que um deve considerar seriamente abandonar o projeto. Eu acho que é impossível mover-se, a menos que a classificaçom básica de psiquiatria clínica, em "psicóticos", "neuróticos" e "normais? ser desafiada. Mas entom, embora a história da psiquiatria, em grande parte consistira no desenvolvimento de um enorme serviço público que toma a forma de grandes hospitais psiquiátricos, ambulatórios, unidades psiquiátricas em hospitais gerais e, por vezes, infelizmente, o divam do analista, nom devemos deixar isso nos impedir de tentar o que poderia ser visto como umha reavaliaçom radical e possivelmente perigosa do problema da loucura.

        A essência dessa reavaliaçom necessária da loucura, a meu ver , é, talvez, expressada do modo mais adequado e econômico no diagrama da Figura 1.

        Nesta representaçom esquemática, o que para os nossos propósitos apenas se limita umha terminologia muito convencional, encontramos pola primeira vez o ponto de inserçom em umha única pessoa. A partir desse ponto a pessoa desenvolve‑se no sentido de reconhecer progressivamente, registando e, em seguida, agindo sobre as cousas que os seus pais pensarom, sentirom e mais tarde ensinarom-lhe a el como "correta". Junto com isso, o papel social "instrumental masculino " ou "feminino expressivo " é aprendido. Se tudo correr bem na família e na escola, o indivíduo chega ao ponto de " crise de identidade " da adolescência, em que, de fato, fai um balanço de tudo o que tem condicionado até agora, todas as suas identificaçons anteriores de todas as coisas que "foi feito " de tudo o que foi recheado. (Este é o conceito normal, estatística sobre a qual baseamos a maior parte de nossas vidas como se a regra de ouro.) Entom, com sucesso variável, é projetada num futuro independente, mas de modo necessário fica, se nom houver um erro feliz, reduzido ao convencionalmente aceite. Desde esse momento vive quarenta ou cinquenta anos no que é praticamente o mesmo estado, mas por um processo de acreçom torna-se mais "experiente" , "prudente" , desenvolve umha maior capacidade de se adaptar à evoluçom das circunstâncias , sabe o que "melhor" para ele e, provavelmente, para a maioria das pessoas. Ele vive desta maneira e depois morre . Sabe-se, e, em seguida, lembrado esquecido. Estes últimos períodos podem variar no aspecto cronológico, mas na escala cósmica essas variaçons nom gravitam para nada. Estas som provavelmente o percurso e o destino da maioria de nós , especialmente se estamos "mentalmente saudáveis".

        Mas talvez isso nom deve ser o caso. Talvez haja umha maneira de escapar ou libertar um futuro mais real, menos estereotipado. Acho que sim, mas aqueles que som desta opiniom som susceptíveis de ser considerado "louco " e em tratamento psiquiátrico. O tratamento psiquiátrico é muitas vezes ridiculariza-lo por sua falha, o que é muito injusto. Propriamente falando o fracasso do tratamento psiquiátrico, deve estar disposto a admitir que a falha reside no seu sucesso. Este tratamento, tanto no seu estilo oficial ou nom oficial (condicionamento terapêutico nom-médicos) geralmente consegue produzir um nível desatualizado e superior (ou inferior) forçado tanto a nível do pavilhom de crônicos quanto do capitam da indústria que a todos dirige . Hai muitas espécies e gêneros de plantas, mas todos eles, de acordo com nossos princípios de classificaçom, estám na terra . Eles crescem e som coletadas. Pataca, tomate, chicória e nabos. Nom humanos e humanos. Se mudarmos a analogia, podemos dizer que desde o nascimento até a morte vivemos classificados. Desde o ventre,ao nascer, somos classificados na família, a partir do qual se mudar para o cacifo da escola . Quando deixamos a escola estamos tam condicionados e acostumados à classificaçom que doravante erguemos nosso próprios a nossa classificaçom, até que finalmente confortados, introduzimo-nos no caixom ou o crematório . Volveremos neste livro para o tema da perspectiva de libertaçom, mas temos de realizar outras tarefas. Basta apontar a possível relaçom entre a saúde socialmente prescrita, o tratamento psiquiátrico e o ?typecasting? ou classificaçom.

        Devemos considerar ao saudável com um pouco mais de cuidado. Desesperamos das conotações; denotativamente, vemos que o conceito inclui as famílias dos pacientes, empregadores, médicos de clínica geral, funcionários públicos envolvidos no problema, a polícia, os juízes, assistentes sociais, psiquiatras, enfermeiros e muitos outros. Todas elas (e algumhas podem ser muito sinceras e dedicadas ao paciente) estám envolvidas mais ou menos profundamente, inexoravelmente ainda que apesar si, numha violência sutil contra os objetos de seu cuidado. Nom tenho a intençom de denegrir certos psiquiatras e outros especialistas em saúde mental que luitam de maneira totalmente autêntica, muitas vezes contra obstáculos institucionais formidáveis ​​para fornecer ajuda real aos seus pacientes. Mas, é claro, devemos lembrar também que as boas intenções e toda a pompa de respeitabilidade profissional frequentemente escondem umha realidade humana verdadeiramente viciosa. Lembramos que um tal Boger, de Auschwitz, tinha sobre o tratamento adequado para menores infratores pensamentos semelhantes aos expressas por muitos membros proeminentes e respeitados da nossa sociedade , e tem sido observada desde a guerra a consideraçom peculiar e bondade do Doutro Capesius para animais e crianças .

        Nós usamos o termo "violência" no sentido de açom corrosiva da liberdade de umha pessoa sobre a liberdade do outro. Nom é de agressom física direta, embora isso poida ser o resultado. Açom livre (ou práxis) de umha pessoa podem destruir a liberdade do outro, ou pelo menos paralisar através de mistificaçom. Grupos humanos que se constituem em relaçom a umha ameaça real ou ilusória, vindo de fora do grupo, mas ao se tornar a ameaça externa mais remota, o grupo, literalmente ou metaforicamente, tornar-se um grupo de juramentados, com a necessidade de inventar o medo para garantir a sua própria permanência. Esse medo secundário, que é um subproduto da determinaçom do grupo para evitar a sua dissoluçom. É o terror causado pela violência da liberdade comum. A violência neste sentido, no campo psiquiátrico, começa com a família do futuro paciente. Mas nom termina aí.

        Existem pessoas com problemas muito diferentes no hospital psiquiátrico. Nalguns casos a conduta considerada socialmente perturbada pode ser explicada em termos de processos biológicos como doenças do cérebro, cérebro do envelhecimento patológico, epilepsia e outros similares. Noutros casos - a maioria - este comportamento é de natureza diferente; nom pode ser explicada em termos de nenhum processo biológico conhecido, mas é inteligível em termos de que outras pessoas específicas ? relacionadas com o paciente - fam a este último em interaçom com o que ele lhes fai a eles. Para evitar a confusom total podemos distinguir entre comportamento que é apresentado em termos do que som mais apropriadamente vistos como processos explicáveis, por um lado, e a conduta que é inteligível em termos do que as pessoas tornam-se mutuamente na realidade, por outro. Estes problemas, diferentemente apresentados, implicam uma paralela diferença no método de abordagem. O fato de que esses tipos de problemas completamente diferentes sejam tratados dentro da mesma instituiçom é umha das razões para a perpetuaçom do mito da esquizofrenia como umha entidade nosológica, com toda a sua violência implícita. "Esquizofrênicos", "neuróticos" e "psicopatas" estám embarcados ao lado de pessoas que têm uma doença real do cérebro. Para essa doença duvidosa chamada esquizofrenia som destinados a maioria dos leitos em hospitais psiquiátricos no Reino Unido, o país onde as camas nesses hospitais representam cerca de metade do número total de camas para todos os hospitais.

        Para a mente popular, o esquizofrênico é o louco típico, o autor de atos bizarros totalmente livres que sempre tem dicas de violência contra os outros. Ele é alguém que fai burla dos sans ("maneirismos", "gestos", "palhaçada", formas sutis de retirada), mas ao mesmo tempo fornece as bases para eles o invalidar. Nom fai sentido para o homem, o homem cuja lógica é doente. Isso é o que dizem os saudáveis, mas talvez se pode descobrir umha essência de sentido no centro desta aparente loucura. Onde é que este lunático? Como fez para estar conosco? Existe a possibilidade de umha saúde secreta escondida nessa loucura?

        Primeiro, ele nasceu numha família e isso - alguns - diria que é o máximo fator comum na sua relaçom com o resto de nós. Mas vamos olhar para aquela família, observando por um momento que é significativamente diferente da maioria dos outros. Na família da pessoa a ser considerada para ser esquizofrênica, encontramos um determinado tipo de extremismo. Até mesmo os problemas aparentemente mais triviais se tornam a girar em torno da polaridade saúde-loucura, ou vida-morte. As leis familiares que regulam o comportamento e mais as experiências permitidas som tan confusas como inflexíveis. Em tais famílias, a criança deve aprender umha maneira de se relaticionar, por exemplo, com sua mai, que, como dado como lhe é ensinada, depende del a integridade física e mental dela. Isso é inculcado nele se ele viola as regras..--e o ato aparentemente mais inócuo autónomo pode constituir uma violação - fará com que a dissolução do grupo familiar, a desintegraçom pessoal de sua mãe e possivelmente doutras pessoas. Desta forma, de acordo como R.D. Laing & A. Esterson têm apontado claramente (Laing, 1961&#59;) Laing e Esterson, 1964), progressivamente se chega a uma situação insustentável. No ponto crítico final deve escolher entre a submissom total, o total abandono da sua liberdade, por um lado e, por outro lado, o seu desvio, que rodeia a angústia de testemunhar a destruição profetizada dos outros e a luita com a culpa que plantou nele com tal carinho. A maioria dos esquizofrênicos, encontrados com este dilema ofercem resposta sintética que muitas vezes coincide com a solução alcançada para as suas famílias no estado actual das coisas,: ?sair do grupo familiar, mas para entrar num hospital?.

        No hospital psiquiátrico, com habilidade infalível, a sociedade produziu uma estrutura social que, em muitos aspectos, reproduz as enlouquecedoras peculiaridades familiares do paciente. Isto é os psiquiatras, administradores, enfermeiras, que som como seus pais, irmãos e irmãs e executar jogos interpessoais que muitas vezes assemelham-se, com as suas regras intrincadas, o jogo em que o paciente falhou em casa. Mais uma vez, eis a liberdade de escolha. Podes optar por vegetar num pavilion desatualizado para doentes crónicos ou oscilar entre o inferno da tua família e a internaçom psiquiátrica convencional (isto último responde à ideia do progresso psiquiátrico que se tem presente). Ou seja, que os pacientes esquizofrênicos podem deixar o hospital em menos de três meses, mas a metade deles são reinternados no ano seguinte. É ainda está por descobrir o meio termo entre as duas alternativas.

        Mas, como pode umha pessoa cair numa posiçom tam infeliz, na que hai tanta violência sobre ela? Basicamente ocorre algo como: mai e filho formam uma unidade biológica original que persiste algum tempo após o fato físico do nascimento da criança. Entom, passo a passo, as ações da mãe, se eles estão corretos em certo sentido definível, geram um campo de prática, com a possibilidade de reciprocidade. Nel existem duas pessoas, cada um dos quais pode fazer as cousas com os outros e uns aos outros. O meninho inicia a açom afetando a mai como o outro para o qual é outro. Este princípio de ação é o segundo nascimento existencial transcendendo dialeticamente o reflexo orgánico original e através de um novo nível de organização sintética que começa uma nova dialética entre as pessoas. Mas a mãe, por várias razões, pode não conseguir gerar este campo de interaçom e, neste sentido, algumas pessoas -na verdade, muitas pessoas - nunca têm nascido ou, mais frequentemente, o seu nascimento foi apenas, umha sombra das vidas representam, apenas uma forma marginal de existência. Finalmente, até a morte pode ser alienada e simplesmente tornar-se um fato "para os outros"; Está faltando a consciência da pessoa, da direção da sua vida em direção a sua morte pessoal: nom nunca morrer a morte dele, a morte é apenas uma inevitabilidade estatística anônima no futuro. A tarefa de uma mai nom consiste apenas na paternidade de umha criança, mas em produzir um campo de possibilidades em que a criança pode se tornar alguém além de si mesma.

        Destarte o processo de tornar-se pessoa pode ser distorcido nos primeiros meses de vida. Se a mãe nom consegue gerar o campo de interaçom de forma tal que a criança aprenda afetá-lo como qualquer outro, essa criança vai perder a condiçom prévia para a realizaçom da sua autonomia pessoal. Ou vai ser uma cousa, um apêndice, uma cousa nom completamente humano, um boneco perfeitamente animado. Isto nunca acontece de modo absoluto, mas é comum num grau muito diverso; na verdade, algum grau de falha é fenômeno universal.

        Mas o início do desenvolvimento pessoal nunca é pura passividade. Os atos da mai som a sua pré‑condição, nunca a sua causa. Desde o primeiro momento de interaçom mãe-filho, cada um para o outro, a criança acha-se na situação de ter que iniciar o seu projeto para se tornar quem deveria ser, e este é, em princípio, umha escolha livre, umha criaçom livre da sua natureza essencial.

        No entanto, para algumas pessoas nom hai só umha falha na base precondicional da sua existência humana separada, mas que tam logo eles encontram um espaço precário para pôr em a sua autonomia, eles som confundidos por outros membros da família no que se refere a verdadeira natureza de cada intençom, que elas abrigam, e a cada ato realizado. Se tal confusom é suficientemente extensa e intensiva, a situaçom do sujeito da família pode tornar-se insustentável, e quando este for o caso, a violência é revelada com nudez absoluta.

        Às vezes, umha pessoa encontra-se na posiçom em que o único movimento possível que está ao seu alcance, no jogo interpessoal, provavelmente será chamado "violento" por outros. Isso ocorre, por exemplo, com o rapaz que nunca foi capaz de fazer como umha pessoa separada de sua mãe. Falham todas as estratagemas usadas em favor do amor, porque o amor exige reciprocidade e nom pode tê-la neste caso, do ponto de vista da mai -desde que totalmente regula o campo- nom hai nenhum campo de açom recíproca, nengum amante e nengum amado. Hai umha simbiose perfeita em que o casal simbiótico perdeu toda a visom da diferença "parasito‑hospede" e torna-se umha única pessoa, quase nos fatos e também na fantasia. Considere o exemplo de homem de 50 anos, admitido num pavilhom de paciente crônico, numhospital psiquiátrico que a mãe prontamente remove e leva para casa toda os fins de semana. Ela cuida dele muito bem, é claro. Como enfermeira do hospital, nuda-o, banha-o, inspeciona seu corpo para ver se hai sinais de dano ou doença e em seguida, vai ao médico expressando a sua preocupaçom pelo inchaço dos dedos do pé esquerdo, que precisa a atençom do especialista. E normalmente, ela consegue‑a. Nesse caso o único movimento que pode fazer a criança parece ser umha afirmaçom aparentemente arbitrária, súbita, gratuita, agressiva. A criança, que pode ter 20, 30, 40 ou 50 anos, é agressiva com a mai dela porque isso é um meio - o único restante ? de se afastar dela. A lógica rigorosa desta situaçom é a seguinte: "se tu comprendes, eu nom som t u.... Eu som, algo que bate em ti... Tu és tu já, ao bater em ti som outra pessoa... Você era outra pessoa...; "Eu som eu...?. Mas no relatório clinicamente gravado na oportunidade, do comportamento do paciente, descreve-se a conduta como extravagante, irracional e intencionalmente violento.

        Só nos últimos dez anos, aproximadamente, alguns psiquiatras começarom a considerar o outro lado da história de violência. Observou-se que o paciente rotulado "esquizofrênico" afronta requisitos contraditórios repetidamente na sua família e às vezes também na ala psiquiátrica. Alguns pesquisadores americanos chamaram este "double bind" (double bind). Vamos considerar esta noçom no seu contexto teórico no próximo capítulo, mas aqui nós podemos exemplificar isso com o simples caso da mai que contradiz algo que diz com os gestos dele. Ele di ao seu filho: "Vai, encontrar os teus amigos e non sejas tam dependente de mim?. Mas, ao mesmo tempo, ela indica de jeito nom-verbal, que vai ficar mui chateada se el se vai, mesmo nesta medida limitada. Ou, enquanto dá sinais de experimentar a ansiedade antes de qualquer intimidade física, diz: "Ven e bica á tua mai, querido!" A menos que a criança poida encontrar umha crueldade, umha Contra-violência em si, permitindo-lhe demolir toda a troca absurda, a sua resposta apenas pode ser a perplexidade, o aparvamento e, finalmente, o que é chamado confusom psicótica, transtorno de pensamento, catatonia, etc.

        Algo análogo ocorre em certos koans (paradoxos utilizados como temas de meditaçom) do budismo zen,nos quais umfica fixado na sitaçom de ter que dar umha respota, mas todas as respostas alternativas enunciadas som predefinidas como erradas. Isto nom pode elaborar-se anallidticiamente ou racionalmente: a resposta tem de ser um ato que levar-nos desde a situaçom existencial falsa na que um tem sido colocado ?situaçom na qual é impossível existir-, a outra situaçom verdadeiramente centrada em um próprio e nom centrada nos outros. Mas quando alguem tenta afastadr-se do sistema de racionalidade falsa da família ?em particular se esse sistema é reforçado pola coincidência familiar com agentes da sociedade global ?corre o risco de ser chamado irracional. Mesmo pode falar-se dumha ?doença? que o levou a essa loucura. O fato de esta irracionalidade ser em realidade antilógica necessária e nom umha lógica doente, e de que a violência do doente seja umha contraviolência também necessária, tem de ser doadamente passado por alto. Numha medida sumamente notável, a ilogicidade do esquizofrénico tem a sua origem na doença da lógica das outras pessoas.

        De jeito que a família, para preservar o seu modo de vida inautêntico, inventa umha doença. A ciência médica, sensível a necessidades sociais tam alargadamente difundidas, forneceu umha disciplina especial, a psiquiatria, para conceptualizar, formalizar, classificar e oferecer tratarmento para essa doença. A noçom de entidade nosológica implica sintomas, e a família prepara umha listagem enorme dos mesmos. Os sintomas esquizofrénidos son práticamente todo o que proovoa na família umha ansiedade insoportável em relaçom com a conduta tentativamente independente dos seus filhos. Estes signos condutuais geralmente envolvem problemas como agressom, sexualidade e com frequência algumha forma de autoafirmaçom autônoma. Podem constituir a expressom tornada costume das necessidades dos adolescentes, mas em certas famílias mesmo essas necessidades adolescentes som totalmente inaceitáveis e devem ser invalidadas, se for preciso empregando meios desesperados. A mais respeitável e asequível forma de invalidaçom consiste em chamar ?doente? a tal conduta. O paciente é afastado da família, com a cooperaçom de diversos agentes médicos e sociais, e a família move todos os seus recursos para paliar a tragédia que está a sofrer. A causa dessa tragédia é, evidentemente, a mau de Deus, que se move de jeito inexplicável e sem relaçom com as necessidades reais das outras pessoas do grupo familiar.

        O paciente mental, desde que foi rotulado como tal, é obrigado a assumir um rol de doente. A este rol é‑lhe inerente certa passividade. Supom-se que existe umha doença que, vindo dalgum jeito do exterior da pessoa, é um processo que a altera. O doente é atingido, alterado de tal jeito que na sua própria situaçom de alteraçom e mudança torna-se em algo relativamente inessencial. É reificado e torna-se no objeto sobre o qual avança o processo da doença. O processo é sofrido, padecido. Supom-se que ninguém fijo nada até o número montado polo psiquiatra, o qual (às vezes, e polo geral de jeito garrafal) cura as partes podres. A doença é algo que lhe acontece às pessoas, a qual, por se tratar de algo que só acontece, torna-se em ninguém dum modo literal Como portador de sintomas que vêm dum processo, o paciente é prescindível como pessoa, e polo tanto se prescinde del. Ficamos na companha do médico que aborda um campo nom humano de sintomas (que sempre devem ser superados ou suprimidos) e o processo da doença (que, se é possível, deve ser eliminado). Esta preestruturaçom da situaçom que surge quando alguém ingressa no hospital para doentes mentais implica de modo imediato que o que aconteceu entre o paciente e outras pessoas possue um significado apenas secundário (se tiver algum) a respeito da presunta doença. Dizer isto non implica , de nenhum modo, atribuir ao médico alguma malevolência ou falta de ?calor humano?.

        DAVID COOPER

        David G. Cooper (1931 - 1986) foi um psiquiatra sul-africano, notável teórico e líder do movimento anti-psiquiatria, ao lado de R. D. Laing, Thomas Szasz e Michel Foucault.

        Cooper graduou-se pela Universidade da Cidade do Cabo em 1955. Mudou-se para Londres, onde trabalhou em muitos hospitais e dirigiu uma unidade experimental para jovens esquizofrênicos chamada Villa 21. Em 1965, envolveu-se com Laing e outros médicos e estabeleceu a chamada Philadelphia Association. Um "marxista existencialista", Cooper deixou a Philadelphia Association nos anos 70, em um desacordo sobre o crescente interesse da associação em espiritualismo, em vez de política.

        Cooper acreditava que maldade e psicose eram produtos da sociedade e que a sua solução última seria através de uma revolução. Para esta finalidade, viajou à Argentina e sentiu que o país era pleno de potencial revolucionário. Mais tarde, retornou à Inglaterra antes de se mudar para a França, onde passou o resto de sua vida.

        Cooper cunhou o termo "anti-psiquiatria" em 1967 para descrever oposição e métodos opostos à psiquiatria ortodoxa da época, embora o termo possa se confundir com a visão ortodoxa da psiquiatria dos anti-psiquiatras (por exemplo, cura anti-psíquica).

        Seus maiores textos incluem:

        Reason and Violence: a decade of Sartre's philosophy, Tavistock (1964) ? em co-autoria com R. D. Laing

        Psychiatry and Anti-Psychiatry(Ed.), Paladin (1967)

        The Dialectics of Liberation (Ed.), Penguin (1968) ? A introdução de Cooper pode ser lida no site de Herbert Marcuse.

        The Death of the Family, Penguin (1971)

        Grammar of Living, Penguin (1974)

        The Language of Madness, Penguin (1978)

        Ele coordenou o Congresso sobre a Dialética da Libertação, que teve lugar em Londres no The Roundhouse em Chalk Farm, de 15 de Julho a 30 de Julho de 1967. Entre os participantes, estavamm R. D. Laing, Paul Goodman, Allen Ginsberg, Herbert Marcuse e o membro dos Panteras Negras Stokely Carmichael. Jean-Paul Sartre foi agendado para aparecer, mas cancelou no último momento.

        Além de ter sido membro-fundador da Associação Filadélfia em Londres, foi diretor do Instituto de Estudos Fenomenológicos.

        Escrito ?s 16:45:16 nas castegorias: opinióm
        por SCMadiaLeva   , 3964 palavras, 19778 views     Chuza!

        Endereço de trackback para este post

        Trackback URL (clique direito e copie atalho/localização do link)

        Ainda sem comentários

          madialeva.gz@gmail.com
          Rua Serra de Ancares 18 Horário De segundas-feiras (luns) a sextas-feiras (venres) de 19h30 a 22h30 CIF:G-27360825
            multi-blog engine