Associa-te

    Palestina livre

    LNB 23/24

    Outro Garañón...

    Apoia-nos

    Audios

    Revista A Malha Nº 2

    Revista A Malha Nº 1

        Busca

      COVID 19 SANIDADE

      COVID 19 SANIDADE

      16-04-20

      Deixamos a seguir umha reflexons desde a quarentena .

      A Sanidade
      Antes de entrarmos no assunto da famosa pandemia, poderiamos dar um repasso a como está a nossa Sanidade, essa que está a receber tantas flores e tantas louvanças estes dias, ponhendo a Seguridade Social Espanhola como das melhores do mundo.
      O certo é que Galiza foi umha das primeiras Comunidades que começou a privatizar todo o sistema sanitário.
      No 1986 o PSOE promulga a Lei Xeral de Sanidade pola que se externaliza/privatiza a Seguridade Social.
      O PP aprovou umha lei estatal que continuou a regular todo este processo privatizador foi a 15/97, assinada também por: PSOE, Coalición Canaria e PNV.
      No 1990 sendo Conselheiro de Sanidade Romay Beccaria, Galiza foi pioneira no assunto dos concertos de hospitais privados, através das fundaçons. Precisamente a Fundaçom do Hospital de Verim de 1995 foi o primeiro caso da posta em marcha dum modelo de gestom privado.
      A dita lei geral permite que umha empresa privada se faga com o controlo e os benefícios dum hospital construido com fundos públicos. Mas além dessa privatizaçom, pode-se dizer completa, há outras privatizaçons parciais; limpeza, cocinha, cafeteria, cita prévia, certas analises? A Sanidade como negócio e nom como um serviço público, a inversom em Sanidade tratada como gasto nos orçamentos do Estado.
      E daquelas chuivas vinherom estas lamas ou como se diga. E agora quando há um problema sério em saúde comprovamos que o nosso sistema sanitário nom serve.
      Estamos a olhar que temos na Galiza hospitais privados sostidos com fundos públicos e que nom estám a solucionar o problema endémico, porque tenhem camas livres; há atualmente 7500 camas públicas e 2300 privadas. E mentres o Governo Central, e o exército fam propaganda e constroem (é um dizer) hospitais de campanha na Corunha e Compostela. No último ano a Xunta recortou na Galiza 450 camas hospitalárias, 513 vagas de médicas e 184 de enfermeiras, em total 1121 profissionais sanitárias menos.
      Precisamos umha Sanidade Nacional, pública, de qualidade, gratuita. Precisamos que toda essa rede de hospitais privados concertados e Fundaçons seja nacionalizada, integrando umha única rede pública.
      Precisamos umha gestom galega dos recursos sanitarios, para ajeita-los à nossa realidade sociológica e geográfica, sem estar pendentes dos critérios e decisons de Madrid.
      Mais umha vez demostrou-se que a Autonomia, a Xunta, a Consellería de Sanidade, nom solucionam os nossos problemas, que nestes tempos de crise o que estám a fazer o Governo de Espanha e o Governo de Galiza é culpar-se um ao outro e passer-se as responsabilidades mutuamente. A Xunta tinha e tem competências plenas em Sanidade e puido tomar medidas para atalhar a pandemia desde dezembro do ano passado.

      Escrito ?s 12:34:00 nas castegorias: album
      por SCMadiaLeva   , 432 palavras, 205 views     Chuza!

      Endereço de trackback para este post

      Trackback URL (clique direito e copie atalho/localização do link)

      Ainda sem comentários

        madialeva.gz@gmail.com
        Rua Serra de Ancares 18
        Horário
        De segundas-feiras (luns) a sextas-feiras (venres) de 19h30 a 22h30
        CIF:G-27360825
          blog software