« O teu contributo e imprescindivel para o monumento a RICARDO CARVALHO CALERO »

Formaçom

Formaçom

É vontade da Fundação disponibilizar por qualquer meio, materiais que ajudem à superior formação do povo galego

para começarmos nada melhor que sabermos de onde vem o nome da Fundação:

Ele vem do autor da formosa cantiga de amigo "Sedia-m'eu na ermida de Sam Simiom" assinada por Meendinho.

Meendinho foi um jogral medieval, de quem nos chegou apenas uma única, mas extraordinária, cantiga de amigo, cujo cenário é a ermida de São Simão, na Ria de Vigo. Apesar da qualidade desta cantiga, uma das mais notáveis de toda a poesia lírica galego-portuguesa, sua identidade e a sua biografia são ainda quase totalmente desconhecidas.

Achava-me eu na ermida de São Simão
E cercarom-me as ondas, que grandes são:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

Estando na ermida ante o altar,
Cercarom-me as ondas grandes do mar:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

E cercarom-me as ondas, que grandes são,
Não hei barqueiro nem remador:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

E cercarom-me as ondas do alto mar,
Não hei barqueiro, nem sei remar:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

Não hei barqueiro nem remador
Morrerei eu formosa no mar maior:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

Não hei barqueiro, nem sei remar,
Morrerei eu formosa no alto mar:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

O texto tal e como ele foi escrito há quase 800 anos

Sedia-m'eu (achava-me) na ermida de Sam Simiom
e cercarom-mi as ondas, que grandes som:
eu atendend'o (atender é um galicismo por influência provençal por aguardar/esperar) meu amigo
eu atendend'o meu amigo. E verrá?

Estando na ermida ant'o altar,
cercarom-mi as ondas grandes do mar:
eu atendend'o meu amigo.
eu atendend'o meu amigo. E verrá?

E cercarom-mi as ondas, que grandes som,
nom heii barqueiro, nem remador:
eu atendend'o meu amigo.
eu atendend'o meu amigo. E verrá?

E cercarom-mi as ondas do alto mar,
nom heii barqueiro, nem sei remar:
eu atendend'o meu amigo.
eu atendend'o meu amigo. E verrá?

Nom heii barqueiro, nem remador,
morrerei eu fremosa no mar maior (mar bravo):
eu atendend'o meu amigo.
eu atendend'o meu amigo. E verrá?

Nom heii barqueiro, nem sei remar,
morrerei eu fremosa no alto mar (mar bravo):
eu atendend'o meu amigo.
eu atendend'o meu amigo. E verrá?

O poema está recolhido no códice da Biblioteca Nacional de Lisboa e no códice da Biblioteca Vaticana, de lírica medieval.

Escrito em 06-01-2010, na categoria: Atividades

Sem comentários ainda

Deixe o seu comentário


Seu endereço de e-mail nom será revelado nesse site.

Sua URL será exibida.
(Quebras de linha se tornam <br />)
(Nome, e-mail & website)
(Permitir que usuários o contatem através de um formulário eletrônico (seu e-mail nom será exibido.))

ATIVIDADES

CAMPANHAS

PRÉMIO FUNDAÇOM MEENDINHO

LIGAÇÕES

Busca

Feeds XML

powered by b2evolution free blog software