O FACHO: CONCURSO DE POESIA

03-03-2015

Agrupaçom Cultural O Facho
Rua: Frederico Taipa 12-1º
15005 Crunha

CONCURSO DE POESIA CONVOCADO POLA AGRUPAÇOM CULTURAL O FACHO.



A Agrupaçom Cultural O FACHO acordou recuperar e convocar o Concurso de Poesia.

BASES DO CONCURSO


1º) Ao prémio de poesia d'O Facho poderám concorrer qualquer pessoa até os 35 anos de idade e sempre que nom tenha publicado nengum livro individual de poesia e a obra seja inédita e nom ter sido premiada com anterioridade em qualquer outro concurso ou certame.
A obra presentada deve estar escrita em língua galega em qualquer das três normas ortográficas (AGAL, PADROM, RAG) e com um máximo de umha obra por autor. É responsabilidade do júri do prémio determinar se algum dos trabalhos apresentados possui ou nom as características para ser considerado ?livro?. Porém, recomenda-se que tenham umha extensom mínima de 300 versos.
2º) Os originais para o Concurso enviaram-se por triplicado devidamente encadernados, em formato DIN A4, a dobre espaço e mecanografados por umha soa cara, à sé da Associaçom Cultural O FACHO. R/ Federico Tápia n.º 12-1º - Crunha (15005) ou a Caixa de Correios n.º 46, Oficina Principal d'A Crunha. Apresentaram-se sob um lema, que figurará na portada dos textos enviados, e viram acompanhados de um envelope fechado que contenha no exterior o lema da obra e, no interior, o nome, apelidos e telefone do autor ou autora.
3º) Estabelece-se como prémio único a ediçom da obra premiada. O Facho fará a entrega ao/à autor/a de 100 exemplares.
4º) O prazo de admissom de originais finda o dia 31 de Março do 2015 às doce da noite. O falho do prémio fará-se público no mês de Maio.
5º) Os ganhadores serám elegidos por um júri nomeado pola Associaçom Cultural O FACHO. O mesmo estará composto por pessoas de reconhecido prestigio no âmbito da escrita literária, da ediçom ou da crítica.
6º) O júri poderá declarar deserto o prémio do concurso e resolvera aquelas situaçons que se pressentem e que nom esteiam contempladas nestas bases, assim como as duvidas que podam existir na sua interpretaçom. Assim mesmo, o júri escolherá de entre os trabalhos apresentados um único libro. Ademais, poderá deixar constáncia na acta outros títulos considere merecedores de ser publicados, nom significando isto nengum compromisso por parte d'O Facho. Nom se fará referencia na acta ao nome dos autores ou autoras dos livros mencionados.
7º) O Facho disporia do prazo de um ano para editar o livro. Transcorrido esse tempo, o autor ou autora poderá dispor da obra com a única condiçom de que deverá deixar constáncia do galardom em sucessivas ediçons do livro.
8º) A participaçom neste Certame implica assumir as bases do mesmo.
9º) Os originais nom premiados poderám ser retirados, no prazo de 30 dias, no local de O Facho, prévio correio dirigido ao endereço postal da Agrupaçom. No caso de que o autor o autora nom resida na Corunha poderá solicitar que lhe sejam enviados por correio postal.
10º)Esta convocatória entrará em vigor ao dia seguinte da sua publicaçom nos médios.

Correo electrónico: o_facho_a_cultural@yahoo.com.br
http://agal-gz.org/blogues/index.php/ofacho/

J. Alberte Corral Iglesias
Secretário d'O Facho

Na Crunha, 08 Janeiro 2015

O FACHO: CONCURSO DE TEATRO INFANTIL

03-03-2015

Agrupaçom Cultural O Facho
Rua: Frederico Taipa 12-1º
15005 Crunha

CONCURSO DE TEATRO INFANTIL CONVOCADO POLA AGRUPAÇOM CULTURAL O FACHO.


Assumindo como próprias as palavras de Juan Ramón Jiménez quando afirmava que ?Teatro infantil é aquele que também lhe gosta aos nenos?, a Agrupaçom Cultural O FACHO acordou convocar o Concurso de Teatro Infantil.

BASES DO CONCURSO

1º) Poderám optar ao devandito prémio qualquer pessoa, sem restriçom, sempre que a obra seja inédita e redigida em língua galega, -em qualquer norma ortográfica (AGAL, PADROM, RAG)- nom representadas, nem premiadas noutros certames.
2º) Estabelece-se como prémio único de 200,.- ? e umha biblioteca de livros teatrais.
3º) A obra, que nom poderá exceder os 80 fólios, será apresenteada por triplicado, em formato DIN A4, a dobre espaço e mecanografados por umha soa cara.
4º) Os originais para o Concurso enviaram-se por correio à sé da Associaçom Cultural O FACHO. R/ Federico Tápia n.º 12-1º - Crunha (15005) ou a Caixa de Correios n.º 46, Oficina Principal d'A Crunha. Apresentaram-se sob um lema, que figurará na portada dos textos enviados, e viram acompanhados de um envelope fechado que contenha no exterior o lema da obra e, no interior, o nome, apelidos e telefone do autor ou autora.
5º) O prazo de admissom de originais finda o dia 31 de Março do 2015 às doce da noite. O falho do prémio fará-se público no mês de Maio.
6º) Os ganhadores serám elegidos por um júri nomeado pola Associaçom Cultural O FACHO. O mesmo está composto por pessoas de reconhecido prestigio no âmbito teatral galego.
7º) O júri poderá declarar deserto um ou vários dos prémios do concurso e será o que deverá resolver aquelas situaçons que se pressentem e que nom esteiam contempladas nestas bases, assim como as duvidas que podam existir na sua interpretaçom.
8º) A participaçom neste Certame implica assumir as bases do mesmo.
9º) Os originais nom premiados poderám ser retirados, no prazo de 30 dias, no local de O Facho, prévio correio dirigido ao endereço postal da Agrupaçom. No caso de que o autor o autora nom resida na Corunha poderá solicitar que lhe sejam enviados por correio postal.
Esta convocatória entrará em vigor ao dia seguinte da sua publicaçom nos médios.

Correo electrónico: o_facho_a_cultural@yahoo.com.br
http://agal-gz.org/blogues/index.php/ofacho/


J. Alberte Corral Iglesias
Secretário d'O Facho

Na Crunha, 08 Janeiro 2015

O FACHO: ?O Direito a Decidir? por Rafael Cuinha

26-02-2015

O FACHO: ?O Direito a Decidir?  por Rafael Cuinha

Dentro do ciclo de conferência Economia, História e C.C. Sociais, o passado dia 24 de Fevereiro, terça (martes), o politico e empresário Rafael Cuinha Aparicio dissertou sobre: ?O Direito a Decidir?.

Na sua exposiçom Rafael Cuinha asseverou que o Direito a Decidir é consubstancial a existência mesma da democracia. Assim mesmo desvendou que a sua postura seria a construçom de um Estado federal e plurinacional

Ao findar a sua exposiçom mantivo com os assistentes um mui interessante debate.

O FACHO: Xosé Vasques Pintor - ?O lume manso dos viveres galegos?

25-02-2015

Agrupaçom Cultural O Facho
Crunha

A Agrupaçom Cultural O Facho d?A Corunha convida-o assistir aos seus ciclos de palestras públicas do período 2014-15


Palestra

O vindouro dia 3 de Março, terça (martes), o professor e escritor, Xosé Vasques Pintor falará dentro do ciclo, Língua, Literatura e Naçom. A sua exposiçom terá como reflexom: ?O lume manso dos viveres galegos?. O acto realizara-se em Portas Ártabras, Rua Sinagoga 22 ? Cidade Velha.

Vasques Pintor é licenciado em Filosofia e Ciências da Educaçom, e fundador dos grupos teatrais Ancoradouro e Casa da Bola, em Cangas, a sua localidade de residência.
Em quanto a sua faceta como escritor, cultiva poesia (Gándaras, Terra e pan, O espertar tamén é noso, Ofidios de diario, Na vertical da noite, No corazón mancado, Rotazón violeta, Banzados), ensaio (de carácter antropológico: Os vellos oficios, A tribo sabe), narrativa (De ida e volta, Lume de biqueira, Quen faga voar, A memoria do boi) e teatro (A fraga encantada, A sombra da memoria e Teatro do patacón). Obtivo os prémios Eduardo Pondal, Cidade de Ourense, Esquio, Uxío Novoneyra, Carvalho Calero, Torrente Ballester ou o Prémio da Crítica Espanhola. Assim mesmo, colaborou como articulista nos jornais como El Ideal Gallego, A Nosa Terra, Faro de Vigo ou La Voz de Galicia, em rádios como SER-Galicia

Dia: 3 de Março do 2015 - Hora: 8 do serám
Local: Portas Ártabras ? Rua Sinagoga 22
Cidade Velha - Crunha

J. Alberte Corral Iglesias
Secretário d?O Facho

O FACHO: Rafael Cuinha Aparicio - ?O Direito a Decidir?

20-02-2015

Agrupaçom Cultural O Facho
Rua: Frederico Taipa 12-1º-C
15005 Crunha


A Agrupaçom Cultural O Facho da Corunha convida-o assistir aos seus ciclos de palestras públicas do período 2014-15

Palestra

O vindouro dia 24 de Fevereiro, terça (martes), o empresário Rafael Cuinha Aparicio falará dentro do ciclo, Economia, História e C.C. Sociais. A sua dissertaçom versará sobre: ?O Direito a Decidir?.

Rafael Cuinha é um reconhecido empresário do País, assim mesmo forma parte da executiva do partido ?Compromisso por Galiza?. Cursou estudos de Direito na Universidade do Escorial (Madrid). É membro da directiva do Instituto Galego de Estudos Europeus e Autonómicos (IGEA), da associaçom lingüística ?Pro-língua? e Galegolab. Participou no foro de debate ?Eco-língua? partilhando sobre o futuro da nossa Língua. Também esta a colaborar como articulista em diversos médios de comunicaçom. Em todas as suas reflexom e artigos mostra um nídio posicionamento na defesa do País e da sua Cultura.

Dia: 24 de Fevereiro 2015 - Hora: 8 do serám
Local: Portas Ártabras ? Rua Sinagoga 22
Cidade Velha ? Crunha

J. Alberte Corral Iglesias
Secretário d?O Facho

O Facho: "O Direito a Decidir?por Iolanda Dias Peres

11-02-2015

O Facho: "O Direito a Decidir?por Iolanda Dias Peres

A jurista e vice-portadora de AGE no Parlamento Galego, Iolanda Dias, interveu no passado dia 10 de Fevereiro dentro do ciclo: ?Economia, História, e Realidade Social? organizado polo nossa Agrupaçom. Iolanda Dias expujo a sua análise sobre o ?Direito a Decidir? cara a construçom de um processo emancipador da Galiza, sublinhando a importância da hegemonia neste andamento das classes trabalhadoras galegas para acadar a nossa emancipaçom como Naçom e Povo. O acto celebrou-se em Portas Ártabras na Cidade Velha .
Como sempre ao findar a descriçom o conferenciante mantivo um interessante colóquio com o público assistente.

O FACHO: Iolanda Dias Peres - "O Direito a Decidir?

08-02-2015

Agrupaçom Cultural O Facho
Frederico Taipa 12-1º
15005 Crunha

A Agrupaçom Cultural ?O Facho? d?A Crunha convida-o assistir aos seus ciclos de palestras publicas e abertas do período 2014-15

Palestra:

O vindouro dia 10 de Fevereiro, terça (martes), a deputada por A.G.E. no Parlamento de Galiza, Iolanda Dias Peres, falará dentro do Ciclo: Economia, História e Realidade Social. A sua exposiçom versará sobre: "O Direito a Decidir?. O acto realizara-se às 8 do serám em Portas Artabras - Rua Sinagoga 22- Cidade Velha

Iolanda Dias é licenciada em Direito pola USC, sendo actualmente a vice-portadora de Alternativa Galega de Esquerdas no Parlamento Galego. Nas eleiçons municipais do ano 2003 apresentou-se para à prefeitura do Concelho de Ferrol, sendo elegida concelheira junto ao seu companheiro Fernando Miramontes. No ano 2005 acedeu à coordenaçom geral de E.U., sendo a candidata desta formaçom à presidência da Junta nas eleiçons desse mesmo ano. No ano 2012 foi candidata de A.G.E. às eleiçons ao Parlamento de Galiza.

Data: 10 de Fevereiro do 2014 - Hora: 8 do serám
Local: Portas Artabras - Rua Sinagoga 22
Cidade Velha -Crunha

J. Alberte Corral Iglesias
Secretário d?O Facho

O FACHO: ?As origens do caminho de Santiago? por Cristobal Ramires Gomes

04-02-2015

O FACHO: ?As origens do caminho de Santiago? por Cristobal Ramires Gomes
O FACHO: ?As origens do caminho de Santiago? por Cristobal Ramires Gomes

O passado dia 3 de Fevereiro, terça (martes), o jornalista Cristóbal Ramires Gomes, falou dentro do ciclo, Língua, Literatura e Naçom. Na sua exposiçom sobre: ?As origens do caminho de Santiago?, mostrou o devir histórico com os seus altos e baixos dessa rota ideológico-económica conhecida como o Caminho de Santiago.
Ao findar a sua exposiçom o conferenciante mantivo um colóquio com os assistentes.

O FACHO: Cristóbal Ramires Gomes - ?As origens do caminho de Santiago?

27-01-2015

Agrupaçom Cultural O Facho
Rua: Frederico Taipa 12-1º-C
15005 Crunha

A Agrupaçom Cultural O Facho da Corunha convida-lo assistir aos seus ciclos de palestras públicas do período 2014-15

Palestra

O vindouro dia 3 de Fevereiro, terça (martes), o jornalista Cristóbal Ramires Gomes, falará dentro do ciclo, Língua, Literatura e Naçom. O tema da sua intervençom versará sobre: ?As origens do caminho de Santiago?.

Ramires Gomes é licenciado em Ciências da Informaçom pola UCM e Higher Intermediate pola U. de Surrey. Actualmente é Presidente da Associaçom de Jornalistas do Caminho de Santiago. Também recebeu o Prémio Nacional de Jornalismo, em categoria melhor labor continuado
Foi Professor invitado e conferenciante nas universidades de Aalborg, Aarhus (Dinamarca) e Besançon (França). Igualmente é autor de três volumes sobre turismo rural e dos livros ?Rutas de senderismo? e ?La ruta de los Cuatro Castillos ?, assim como de mais cinco de conteúdo nom turístico, três deles referidos à rota jacobea.

Dia: 03 de Fevereiro do 2015 - Hora: 7,30 do serám
Local: Portas Ártabras ? Rua Sinagoga 22
Cidade Velha - Crunha

J. Alberte Corral Iglesias
Secretario d?O Facho

O FACHO: Manifesto em defesa da Língua Galega

22-01-2015

Agrupaçom Cultural O Facho
Rua: Frederico Tapia 12-1º
15005 A Crunha

Manifesto em defesa da Língua Galega


A língua galega continua perseguida e proscrita polas políticas de etnocídio lingüístico do PP

A situaçom da língua galega está em grande perigo ao nom desfrutarmos os galegos de direitos lingüísticos plenos para desenvolver a nossa vida com normalidade a Língua Galega no nosso País.

O galego segue a estar perseguido e proscrito de diferentes âmbitos e usos. Impujo-se um decreto para evitar o ensino em galego. Esta política lingüícida tem responsáveis e cúmplices. Precisasse umha mudança total. Tem-se que lhes dar ferramentas ás geraçons novas. A televisom pública galega nom emite debuxos animados de moda em galego. As moças e moços nom podem escolher jogos, filmes e revistas juvenis na nossa língua, a muitos e muitas impedisse-lhes a escolarizaçom em galego

Como povo e cultura, temos direito a que nossa Língua própria, de origem, seja oficial a todos os efeitos no seu âmbito territorial. Os falantes galegos devemos desfrutar do mesmo "status" legal no nosso território do que o castelá no seu.

O maior descendo de falantes do galego coincide co lustro mais agressivo e lesivo para a normalizaçom da nossa língua e com umha situaçom na que o galego, nom só nom conta com umha oficialidade real, senom que é a própria Xunta quem ataca a oficialidade formal que acadou.

As políticas de etnocídio levadas a cabo contra o galego ditadas desde há séculos pola casta dos altos cortesaos de Madrid e também hoje reiteradas pola actual ?Xunta de Galicia?, ponhem em perigo a Língua Nacional, ao ser violentados decote os galegos falantes.

Esta posiçom de etnocídio é a negaçom da convivência e da igualdade das distintas naçons que conformam o Estado Espanhol.

Reclamamos:

A aboliçom do sistema legal que subordina o galego ao castelá, a aboliçom do supremacismo castelá que procura a desapariçom do galego e exigimos a implementaçom de autênticas políticas de normalizaçom lingüística ao serviço da nossa sociedade. Ampliar a co-oficialidade de todas as línguas do Estado em todo o seu território. O dever de conhecer o galego em todos os territórios onde é fala de seu.

* * *

Ante a necessidade de respostas à política de etnocídio preconizada pola actual ?Xunta de Galicia?, O Facho pede aos sócios e amigos a sua participaçom na manifestaçom convocada para o

08 de Fevereiro 2015 às 12 horas na Alameda de Compostela.

?Findemos o quinquénio lingüicida para o idioma galego impulsado por Núñez Feijó?

Na Crunha, 12 de Janeiro 2015
Agrupaçom Cultural O Facho

<< 1 ... 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 ... 58 >>

Agrupaçom Cultural O Facho

Agrupaçom Cultural O Facho existe desde o ano 1963. Nasce da vontade conjunta de umha vintena de estudantes, trabalhadores e profissionais liberais d?A Corunha. A ideia é originaria dos daquela hora estudantes de bacharelato, Henrique Harguindey, André Salgueiro, e Xosé Luis Carneiro; respondendo ao seu chamamento posteriormente somárom-se entre outros: Eduardo Martínez, Henrique Iglesias, X. Alberte Corral, Xosé L. Rodríguez, etc... É a primeira agrupaçom de resistência cultural criada numha cidade do Pais polos seus cidadaos, já que O Galo é conformada por estudantes universitários de todo o Pais em Compostela, naquelas datas era a única cidade galega com Universidade. O grupo nasceu cos sinais de identidade da resistência contra o franquismo e da defesa da plena valia da língua e da cultura galega. Existia unha claríssima vocaçom política do que se fazia precisamente porque essa era toda a actividade publica com repercussons políticas que se podia fazer. A defesa da cultura e a língua galega é a cerna do que-fazer d?O Facho, que passou de fazer cultura de resistência nos anos da longa noite de pedra a se constituir hoje numha autentica mostra de resistência da cultura. Desde os primeiros momentos O Facho destaca-se com os seus cursos de língua com apoio de alguns exemplares da ?Gramática do idioma galego? de Manuel Lugrís Freire. Estes cursos tivérom umha importância mui grande na Corunha;. Daquela o galego nom se escrevia apenas e estava expulso da sociedade ?bem pensante?, nem sequer tinha secçom galego a faculdade de Filologia de Compostela. Umha das figuras fundamentais dos cursos foi D. Leandro Carré Alvarellos quem dirigiu esta actividade. Os ciclos dedicados á cultura galega, os encontros nos que se tratava economia e sociedade, os concursos literários. O seu grupo de teatro criado nas primeira datas de existência da Agrupaçom do quem eram responsáveis Manuel Lourenzo, e Francisco Pillado, foi dos pioneiros em representar obras no nosso idioma, tanto de autores galegos como de outras nacionalidades ( Brecht, Ionesco...). Na actualidade, O Facho é consciente dos desafio culturais do século XXI. Agora há que tentar ver o significado que pode ter hoje o sermos galegos num mundo globalizado. A ideia básica é que sermos galegos agora implica ser dumha maneira concreta numha sociedade mundial. Entre as iniciativas mais recentes é a criaçom do Facho de Ouro, um prémio para reivindicar galegos, o que amossa a própria agrupaçom é unha cultura que resiste. d’A Corunha.
+ info

Agrupaçom Cultural O Facho
Apartado de Correios n.º 46, Oficina Principal da Coruña
o_facho_a_cultural@yahoo.com.br

Busca

  Feeds XML

Ferramentas de administraçom

powered by b2evolution