Noite de recitado em Taim

Noite de recitado em Taim

06-11-07



Anjo conta contos
(Taim - Coles, 20 de Janeiro de 2007)

Clube d@s Poetas Viv@s.- Em passado 20 de Janeiro de 2007 tivemos um grande espectáculo de recitado, música e conta-contos em Taim (Coles). A seguir reproduzimos o comunicado enviado a diversos meios de comunicaçom e reproduzido na íntegra pelo Portal Galego da Língua, bem como uma pequena foto-reportagem daquela noite inesquecível em que poesia, música e amizade foram de mãos dadas.

Crónica Taim

Tivo lugar na noite do sábado. O nosso grupo, criado já no passado Outono, voltou a juntar-se para umha noite maravilhosa com poesia a envolver o evento, a música de Servando e Contradança a pôr o som da vida, a completar a alma do poeta, e um especial conta-contos, o amigo Anjo, que soubo em todo o momento levantar o menino que qualquer pessoa leva dentro.

Deste portal de todos e todas, o nosso colectivo quer agradecer e parabenizar a Casa Taim, em Vila Centelhas (Coles - Ourense), o Curro e a Áurea, que abriram as suas portas para que o ar fresco da noite penetrasse nas nossas vidas, voltando por um momento a ser nenos, jogo, convite ao amor. Graças a eles voltamos de novo a ser druídas, vento do Nordeste, sombra de um carvalho. Ou um regato sossegado por causa da placidez de, por fim, compreendermos o nosso destino de seres humanos.

A noite fijo-nos pensar a todos, imaginar. Perguntar-nos que passaria se os poetas figessem navegar na maré profunda da nossa entranha, se nos figessem afundar e quebrar a murada que rodeia a nossa própria realidade; se nos voltassem a cultura livre, e nos figessem olhar um bocado ao espelho, para logo nos abrirem as janelas da justiça social, a liberdade individual e colectiva.

Se, em definitivo, as poetas vivas nos alumiassem um caminho que dê senso à nossa existência, à nossa terra, a nós próprios agindo com o mundo. Então o músico seria capaz de achar as ondas que nos levassem por aquele caminho, o Anjo convidaria-nos a deitar o disfarce da hipocrisia, a soltar os preconceitos que de antemao nos vendem e nos encadeiam... a realidade que os poderosos querem que vejamos. Aconteceria, então, o que aconteceu na noite de sábado em Taim.

Que mas se pode dizer de esta noite.... Os poetas vivos, as poetas vivas som para Galiza, umha outra forma de fazer poesia, para o mundo luso umha ponte por onde transitar de um lado para outro, para o Planeta um grito contra a Opressom em todas suas formas, em qualquer lugar... E lá onde só o sofrimento se insira... lá sempre há de haver um , umha poeta viva.

Ourense, 21-01-2007

Foto-reportagem Taim

e Suso, Margot, Artur e Manuela

Isaac Estraviz, Anjo (conta contos)

o e Josefa desfrutando

rnesto, Artur, Margot, Belém e Modesto

Vivas e Vivos com Servando e Anjo

Tivi

Escrito ?s 12:13:43 nas castegorias: Notícias na Hora, Crônicas Multimédia

Endereço de trackback para este post

Trackback URL (clique direito e copie atalho/localização do link)

Ainda sem comentários

      O nosso clube é um grupo de galeg@s comprometid@s com a terra e a língua que tencionamos trazer a voz que chega d@s noss@s avôs e d@s avôs d@s nosso@s avôs.

      Somos pessoas que tentamos transmitir liberdade às novas gerações, enfiando palavras que saem do coraçom e enfeitando-as com acordes e melodias.

      http://poetas.agal-gz.org
      novelhe[arroba]gmail[ponto]com
      Agosto 2018
      Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
       << <   > >>
          1 2 3 4 5
      6 7 8 9 10 11 12
      13 14 15 16 17 18 19
      20 21 22 23 24 25 26
      27 28 29 30 31    

      Busca

    CMS software