[O Sítio de Suso Sanmartin]

      No Caminho Português a Santiago de Compostela existe um lugar chamado Angueira de Suso.

      Segundo o dicionário e-Estraviz da língua galego-portuguesa “angueira” é “o quefazer, cuidados e negócios que cada pessoa tem”. “Angueiras” som “trabalhos, cargas sofrimentos”. Por sua parte “suso”, do latim susu, quer dizer “acima, atrás”.

      Angueira de Suso é o sítio de Suso Sanmartin na rede. Aqui colocará o susodito as suas angueiras presentes, passadas e futuras.

      Obrigado pola visita.

      susosanmartin@gmail.com


      ddooler


    Busca

    As minhas visitas no mundo

    Locations of visitors to this page

powered by b2evolution free blog software

Arquivos para: Outubro 2008

"Vigoën Vivo"

Cartaz do III Concurso Pop-Rock "VIGO EN VIVO". Colagem. 35x50 cms.

Aconteceu-me há onze anos por estas datas. Com o cartaz que acima podedes ver, em Outubro de 1997 fum o ganhador do III Concurso Pop-Rock e Design VIGO EN VIVO. Na modalidade de design, evidentemente. Ainda nom havia um mês que finara em Nova Iorque o pintor pop estado-unidense Roy Lichtenstein.

Leia mais »

Escrito em 26-10-2008, na categoria: CARTAZISMO
Eu nom som esse!

Foi em 15 de Outubro de 2006, domingo, há hoje justo dous anos. Quando acordei o meu homónimo estava alí. Na televisom. Na Televisom de Galiza. No Informativo Local de Santiago de Compostela mais concretamente. Chamava-se Xesús Sanmartín, igual a mim, e segundo também dizia o rótulo era polícia, “policía en prácticas” (!).

Ainda que pudem vê-lo perfeitamente, ouví-lo nom pudem (a TV estava sem volume). Após o pequeno-almoço na varanda do nosso quarto (na casa As Pipas, Reboredo, São Vicente, Ogrobe onde nos encontrávamos de fim-de-semana com motivo da celebraçom da XLIII Festa do Marisco) a Teresa e mais eu regressamos à cama e, com a TV ligada, ficamos dormidos de novo.

“Ali o vén”

Vinte e cinco meses e meio antes, no domingo 24 de Agosto de 2004, apareceu publicado nas páginas de La Voz um mui cursi Relato de Verão intitulado Ali o vén e assinado por um autor novel, “veciño de Santiago de Compostela” e “Mestre de ensino secundario” [sic] como eu chamado Xesús Sanmartín.

Ali o vén, Xesús Sanmartín, La Voz de Galicia (DOM, 29-AGO-04), pág. 10.

Algumhas pessoas conhecidas minhas chegaram a pensar que o susodito autor era eu. Ainda que quem bem me conhece sabe que eu (fuso-reintegracionista convicto) nunca começaria um relato dizendo assim: “Érguese ás 4.30-5.30 na Península” ;)

“Xogos de palabras”

E há apenas um mês e três dias, no passado 12 de Setembro, sexta-feira à noite, cruzo-me na escada do Atlântico com o humorista Gonzalo Vilas e vai o tio e pouco mais oferece-me umhas hóstias. A razom era umha Carta ao Diretor, crítica com a sua pessoa e o seu desempenho enquanto “responsável dos passa-tempos d’A Nossa Terra, aparecida no último número do Periódico Semanal Galego (ANT Nº 1.324, de 11 a 17 de Setembro de 2008, pág. 8) sob a sinatura dum vizinho de Santiago de Compostela coma mim chamado Xesús Sanmartín.

Xogos de palabras, Xesús Sanmartín, ANT Nº 1.324 (11-17 de Setembro de 2008), pág. 8.

Ignoro se estes três tocaios, homónimos meus som a mesma pessoa ou nom o som (o certo é que os dous últimos bem poderiam sê-lo). O que podo prometer e prometo ao amigo Gonzalo e a todo o mundo é que eu, que no bilhete de identidade também me chamo “Xesús Sanmartín” (com xis de xará), nom som esse! Nengum desses três!

Escrito em 15-10-2008, na categoria: VÁRIOS
“Insuficiência”

Logótipo Sergas sobre Ikurriña. "Tempos Novos" Nº 137 (Outubro de 2008), pág. 7.

Quando hoje, por volta das 15h15 (GMT+2), cheguei à minha casa encontrei na caixa do correio o último número da revista Tempos Novos.

Na sua sétima página o Nº 137 de Tempos traz o design que para ilustrar os Dias Soltos do Bieito Iglesias figem no passado 25 de Setembro (quinta-feira) e enviei no dia a seguir (sexta-feira 26).

Na véspera, a amiga Belén Puñal enviara-me o texto via e-mail e informara-me ao telefone de que era a mim a quem correspondia ilustrar este mês os Dias Soltos (o Xosé Tomás Díaz Teijo e mais eu alternamo-nos na ilustraçom da secçom que o Bieito Iglesias tem na revista Tempos).

Segundo a Belén (que é quem leva conta de tudo) já me correspondia a mim fazê-lo no mês anterior mas no mês anterior os Dias Soltos nom sairam ao nom poder o Bieito Iglesias acudir ao encontro mensal com as leitoras e os leitores da revista Tempos por motivos de saúde materna.

Até que a Belén mo contou eu, que no mês de Agosto estivem como ausente, nom sabia nada de todo isto. Mais tarde, quando lim o texto do Bieito a ilustrar, fiquei sabendo mais detalhes:

Setembro 5
INSUFICIENCIA
Nos doce anos ou máis que levo escribindo este dietario nunca faltara á cita mensual cos lectores de Tempos. O mes pasado, no entanto, non puden entregar os Días soltos, se cadra porque vivín días insólitos (solto, do latín solitu e pronunciado co primeiro o pechado, quer dicir habitual, frecuente, acostumado, oposto a día santo ou festivo). Non é que andivese festexando, sucedeu que percorrín un calvario por ver se operaban á miña nai dunha insuficiencia cardíaca. Por último tiven que acompañala a unha clínica privada vasca, onde o doutor Goiti lle mudou dúas válvulas, salvándoa polo momento do afogo e a defunción (eskarrik asko!). Todo pola nosa conta e risco, porque os médicos da seguranza social non interveñen cun perigo de morte do 19% (así mo estamparon nun papel). Pregúntome pra qué valen eses cirurxiaos que se escoan dos riscos. Deben ser moi bos operando doentes saos como buxos. Aforrareilles o relato da morosidade e insidia burocrática que reina no sistema público de saúde, así como a descrición dunhos galenos empertigados que se dan aire de xamanes. Se enferman, eviten a planta de cardioloxía da residencia ourensá, na que exercen o doutor Perece (Pérez), o doutor De Pena (De la Peña) e o doutor Sandez (Sánchez).

[Bieito Iglesias, Dias Soltos, Tempos Novos Nº 137 (Outubro de 2008), pág. 6].

De Angueira de Suso um afetuoso saúdo para o bom do Bieito Iglesias e o sincero desejo de que a sua senhora mãe se encontre muito melhor.

Escrito em 14-10-2008, na categoria: COLABORAÇÕES HABITUAIS:, Tempos Novos
“Frutería Suso” (Lugo)

“Frutería Suso”, Av. das Américas (com a Fonte dos Ranchos ao fundo), Lugo. Fotos: Teresa & Suso.

Domingo, 5 de Outubro de 2008, Sam Froilám. Desde ontem, dia 4, até o próximo dia 12 a cidade de Lugo celebra, na honra do seu padroeiro, a mae de todas as festas patronais.

No ano passado, Angueira de Suso somou-se à celebraçom das festas de Sam Froilám publicando cada dia, de 5 a 11 de Outubro, as fotos dum susodito estabelecimento comercial luguês diferente: Mesón-Cervecería Suso (dia 5), SusoMotor (dia 6), Suso Comercial (dia 7), Suso Maquinaria Agrícola (dia 8), Instalaciones Eléctricas Suso (dia 9), Talleres Suso (dia 10) e Mesón do Suso (dia 11 de Outubro de 2007).

Esses eram todos os susoditos estabelecimentos comerciais lugueses de cuja existência, até aquela altura, tínhamos constância. Parecia impossível que pudesse haver mais mas... impossible is nothing! Como dizemos sempre, para susoditos estabelecimentos comerciais, Lugo!

“Frutería Suso”

No passado 8 de Agosto (sexta-feira) a Teresa e mais eu fomos no seu carro à cidade de Lugo. Às 00h10 (GMT+2) do sábado dia 9 saía da sua rançosa Estaçom Rodoviária o autocarro que nos levaria a Madri, desde cuja vanguardista T4, às 12h55 (GMT+2), voaríamos a Atenas.

Ao entrarmos em Lugo pola Avenida das Américas foi quando, por acaso, descobrim a Frutería Suso. A susodita frutaria nom figurava nem figura como tal no guia QDQ nem nas Páginas Amarelas. A sua descoberta foi, portanto, toda umha surpressa para mim. Mas aquele nom era o melhor momento para parar a fazer o freakie assim que a Teresa e mais eu acordamos adiar a sessom fotográfica para a volta.

À volta, no sábado 30 de Agosto, figemos noite em Lugo. No dia a seguir, domingo 31, pegamos o carro da Teresa e vinhemos para Compostela. Mas antes de deixar a cidade da muralha paramos na Avenida das Américas para fazermos as ansiadas fotografias por três longas semanas adiadas.

Seriam por volta das 12h40 (GMT+2) da manhã. As ruas estavam desertas. Nom havia ninguém pola rua. E quem aparece por ali ainda bem nom ponho o pé fora do carro!? Pois nada mais e nada menos que o Sr. Guitián, velho amigo e grandíssimo artista luguês residente em Barcelona!

Após o animado bate-papo com o amigo Guitián (sobre a vida, o universo e tudo mais) a Teresa e mais eu figemos as susoditas fotografias e, depois, tiramos para Compostela.

Um mês e cinco dias depois Angueira de Suso soma-se à celebraçom do Sam Froilám com a publicaçom das susoditas fotografias. Viva o Sam Froilám!!! Viva Lugo, indiscutível capital do susodito estabelecimento comercial!!!

Fonte dos Ranchos

A Frutería Suso encontra-se, como digemos, na Avenida das Américas, muito perto da Fonte dos Ranchos. Os ranchos som animais omnívoros, comem de tudo, fruta também. Durante o franquismo -com e sem o Franco- a Fonte dos Ranchos chamou-se Plaza del Ejército Español. Eis a explicaçom do porquê:

A Fonte dos Ranchos, era umha fonte nos arrabaldes de Lugo, onde iam os porcos, marraos, cochos, chinos, quinos, bácoros: Ranchos!! (palavra para denominar o porco, normalmente o porco de ceva, rancho de ceva). Naquel passado andavam ceivos e a fonte era exclusiva para eles, para nom contaminarem outras. C'o tempo esse lugar urbanizou-se. Mudou-se-lhe o nome à espanhola. A traduçom foi simples, Fuente de los ranchos, Fuente de las "comidas hechas para muchas personas, comidas para los soldados". La fuente pues donde los soldados comían! Ao ficar a fonte sob o cimento, pugérom um monólito, com brasom e nome de "Plaza del Ejército Español." Verídico. Se a Galiza depender de Lisboa a praça seria chamada Praça dos Passeios ou Praça da Gaita ... a imaginar, mas nunca Praça dos Porcos, como muito muito Praça dos Suídeos.

Escrito em 05-10-2008, na categoria: SUSODITOS EST. COMERCIAIS