[O Sítio de Suso Sanmartin]

      No Caminho Português a Santiago de Compostela existe um lugar chamado Angueira de Suso.

      Segundo o dicionário e-Estraviz da língua galego-portuguesa “angueira” é “o quefazer, cuidados e negócios que cada pessoa tem”. “Angueiras” som “trabalhos, cargas sofrimentos”. Por sua parte “suso”, do latim susu, quer dizer “acima, atrás”.

      Angueira de Suso é o sítio de Suso Sanmartin na rede. Aqui colocará o susodito as suas angueiras presentes, passadas e futuras.

      Obrigado pola visita.

      susosanmartin@gmail.com


      ddooler


    Busca

    As minhas visitas no mundo

    Locations of visitors to this page

powered by b2evolution free blog software

Arquivos para: Junho 2011

A que cheira Espanha?

"VEHÍ[CULO] LONGO" [0'35'']

A pequena peça de vídeo-criaçom que apresentamos hoje parte dumha ideia que, segundo consta na minha caderneta, me ocorreu no domingo 11 de abril do ano passado quando regressava, de carro, da Ilha de Arouça, trazendo comigo o meu amigo José Ramom Pichel.

Mas nom seria até um ano depois quando, no passado 23 de abril, sábado, nalgum lugar indefinido da estrada entre o Porto e Avintes (Portugal), gravei o vídeo que precisava para a sua realizaçom.

Esse vídeo editei-no, por fim, na passada sexta-feira, 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, terminando às oito em ponto da tarde (hora espanhola).

Obrigado ao meu tocaio Suso Irago e a sua filha Catuxa por dar-me a conhecer a bonita cançom que serve de banda/trilha sonora original a esta minha pecinha e por porem-ma indefetivelmente sempre que vou polo Avante.

Ainda que suponho que nom o farám por mim (por mim, de fato, dispensavam de pôr música espanhola ;) ), se nom tivesse sido por eles e pola sua maçadora insistência no tema (España huele a culo, Fat Fish), provavelmente nunca me teria ocorrido esta ridi-culista piada.

Escrito em 13-06-2011, na categoria: YO TUBE UN SUEÑO
10-A em Barcelona

No passado 10 de abril, há hoje exatamente dous meses, celebrou-se em Barcelona (e em mais vinte municípios catalans) a quinta e derradeira onada de consultas sobre a independência de Catalunha.

Igual que já figera com motivo das onades primeira (13-DEZ-2009) e terceira (25-ABR-2010), voltei a viajar a Catalunha com ocasiom desta quinta e derradeira onada (só nom estivem, portanto, na primeira consulta sobre a independência, celebrada no 13 de setembro de 2009 em Arenys de Munt, e nas onades segunda (28-FEV-2010) e quarta (20-JUN-2010); nada mal, nom é?)

Figem-no, igual que nas duas anteriores ocasiões, convidado polos meus amigos (amigos e residentes em Barcelona, como diriam no 1, 2, 3) Martí, Jordi e Joan-Marc. Mas, a diferença das duas ocasiões anteriores, nom viajei sozinho a Catalunha desta volta. Figem-no na companhia do meu “grande” amigo e parceiro Miguel Penas.

Tampouco fum “sem papéis” desta vez. O Miguel e mais eu fomos acreditados pola organizaçom (Barcelona Decideix) como Observadores Internacionais (OI) em representaçom da AGAL, a Associaçom Galega da Língua de que o Miguel é vice-presidente e eu vogal. Que nível!

Dous meses depois da que, por enquanto, é a minha última viagem aos Països Catalans (aonde, se tudo correr, voltarei neste Verão para participar, de 24 de julho a 7 de agosto, no X Campus Universitari de la Llengua Catalana Mallorca-Andorra), e como já figera com as do 13-D em Solsona e as do Sant Jordi em Barcelona e 25-A em Girona e Manresa, publico neste meio abandonadinho blogue pessoal as minhas fotos do fim-de-semana do 10-A em Barcelona.

Sábado, 9 de abril

Nesta ocasiom foi ao amigo Martí a quem tocou fazer de “taxista”. O Martí veu de carro procurar-nos ao Aeroport de Barcelona - el Prat e levou-nos ao seu apartamento no Poble Nou, onde o Miguel e mais eu ficaríamos, sábado e domingo, a dormir.

O Martí deu-nos umhas cópias das chaves do seu apartamento e foi-se embora atender os seu quefazeres, marcando connosco às 16h30 na 'Plaça del Mal Nom' (local e horas onde previamente tinha combinado com o Jordi e o Joan-Marc) para irmos todos juntos ver o jogo de ráguebi (quartos de final da Taça da Europa) entre o RCT (de Toló/Tolon/Toulon, Occitânia) e a USAP (de Perpinyà/Perpignan, Catalunya Nord) no Estadi Olímpic Lluís Companys (tremenda surpresa, companheiros!).

Nom me resultou nada fácil mas afinal conseguim convencer o Miguel para irmos dar um mergulho rápido à vizinha Platja de la Nova Mar Bella antes de almoçar (existem fotos desse refrescante momento mas o Miguel nom autoriza a sua publicaçom).

Após o almoço na “Pizzaria Divina Stefy” (só nom almoçamos no “Bar Espanya”, bar de galego, porque acabaram a “Estrella Galicia” e o pão) reencontramos o Martí (e encontramos o Jordi, o Joan-Marc e amigas/os de uns e outro) como combinado. Na foto da esquerda, um casal amigo do Martí, o Miguel, o 'susodito', o Jordi, o Martí, o Ferran e o Joan-Marc no “punt de trobada” (ao pé dumha das duas torres da 'Plaça del Mal Nom', a da direita a olhar para Montjuic). Na foto da direita, o Miguel, o Jordi, o Joan-Marc e mais eu, com estelada e estreleira, diante das míticas Quatre Columnes.

Na foto de baixo (e de esquerda a direita): o Miguel Penas, o Jordi Avià, o Ferran Alsius, o 'susodito' e mais o Joan-Marc Passada, a torcida galaico-catalana da Unió Esportiva Arlequins de Perpinyà (USAP).




À noite o Miguel, o Jordi o Joan-Marc e mais eu fomos ao Anduriña, bar regentado por um sofrido celtista no Carrer Fruita (e oficiosamente conhecido como El Lloro, pássaro bem diferente do que oficialmente dá nome ao bar), ver o Barça-Almeria (3-1). Repare-se na eclética decoraçom do bar: gaita galega, chapéu mexicano... autocolante “Mocidade galega à Galiza” (Sim, hó! À esquerda da foto! À direita da orelha direita do amigo Joan-Marc!).

Depois, ceia em La Vinateria del Call (Sant Domènec del Call, 9, Barri Gòtic): “truita camperola”, “truita de patates”, “secallona”, “bull blanc”, “montsec sendrat (fromatge)”, “escalibada”, “tonyina amb alegries”, “pa amb tomàquet”, tudo regado com Bru de Verdú 2008. Do Gòtic os quatro subimos à Vila de Gràcia (VdG) e, topándomos a persiana de La Torna já entornada, fomos tomar a saideira a La Terreta (Taverna Valenciana).

Domingo, 10 de abril

Vestido como um Blues Brother por exigências do guiom (um guiom escrito e dirigido polos tolos dos meus amigos Jordi & Joan-Marc) tomei com o Miguel o pequeno-almoço na esplanada da Cervecería Cafetería ROUSES (Poble Nou). Enquanto nom aparecia por alí a dupla dinâmica, figem no próprio bairro as minhas primeiras "observações internacionais" (“Tant sí com no, VOTA”).



E por fim se produziu o esperado encontro dos dous Blues Brothers (Jordi & Joan-Marc a.k.a. Els Catlànders a.k.a. Fills del Dr. Cat) com o seu Blues Cousin (eu próprio). Na fotografia da direita, atrás de nós os três, o Catmóvel (portando no porta-bagagem o Catigat). O que eu seguro nas minhas mãos é um cartaz publicitário do Museu del Rock, com umha imagem igual à que eu próprio tinha fotografado na véspera (impressa sobre o Bus Turístic) nas imediações do Estadi Olimpic Lluís Companys (foto da esquerda).



Do Poble Nou à Plaça de Catalunya no Catmóvel com o Miguel, o Jordi e o Joan-Marc, parando em cada col.legi electoral que encontrávamos no caminho para oferecerem exemplares do Referènding! autografados polo mesmíssimo Dr. Cat. O Miguel e mais eu chegávamos atrassadíssimos à nossa marcaçom com a Anna Arqué, de Barcelona Decideix, mas, o que se lhe vai fazer, se estás numha missom felina é o há ;)

Quando o Miguel e mais eu subimos à sede da Fundació Catalunya Estat (Plaça de Catalunya 9, 4rt pis) a Anna Arqué já nom estava alí. Nem ela nem as/os observadoras/es internacionais ao seu cargo. Digeram-nos que mirássemos no vizinho Restaurante Trobador (Rambla Catalunya, 2-4) e alí foi onde encontramos o Joan Vives e à Núria Maynou, da organizaçom. Mas nom à poliglota Anna Arqué, que estava a atender um meio alemão. Quando a nossa mulher por fim apareceu (também fala português!), deu-nos ao Miguel e a mim as nossas anseiadas acreditações enquanto Observadores Internacionais (OI).

Dalí fomos (o Miguel de táxi com o Joan, a Núria e a Anna e eu de Catmóvel com o Jordi e o Joan-Marc) à Sagrada Família, onde havíamos encontrar-nos com o resto de observadoras/es internacionais.

Visita guiada à Sagrada Família, gentileza de Sagrada Família Decideix, em agradecimento polo nosso “esforço” aos observadores internacionais (“Sense el teu esforç no hagués estat possible, gràcies! Catalunya s'ho mereix”). E tanto!

Por serem nacionais catalães o Jordi e o Joan-Marc nom foram convidados a entrarem ao templo connosco. À saída estavam “atrás das grades” (Jailhouse Rock) à nossa espera para distribuirem de graça exemplares dos livros do Dr. Cat (Descoloniza't, S'ha acabat el bròquil! e Referènding!) entre as/os observadoras/es internacionais. Para que logo digam dos catalães!

Após a visita turística à Sagrada Família a organizaçom convidava as/os observadoras/es internacionais a almoçarmos no Restaurant Típic La Bóta del Racò (Av. Mare de Déu de Monserrat, 232). O Miguel e mais eu fomos até alí de táxi com o Joaquim Batista, da organizaçom. O taxista, que ainda era um rapaz novo, era galego, de Verim.

Em La Bóta del Racò (em galego, “O Barril do Rincom” ou “A Pipa do Recanto”) “nos pusimos las botas”, em román paladino: “pá amb tomàquet”, “pernil”, “escalibada” (a meias com o Miguel), “peus de porc amb cargols” (pedim eu)... Após a sobremesa e o café, cada um interpretou respeitosamente o seu respetivo Hino Nacional (Catalunha, Flandres, Tirol... Galiza).

Após o opíparo almoço em La Bóta del Racò o Miguel e mais eu fomos com o Joaquim Batista de táxi a Nou Barris, onde a organizaçom tinha preparado para nós, observadoras/es internacionais, um magnífico espetáculo de Castells (para mim, que nunca o tinha visto ao vivo, foi a primeira vez).

Para encerrar o seu espetáculo a colla castellera desfraldou umha senyera desde o alto do último dos castells que carregaram e, com tam catalaníssimo pano de fundo, as/os observadoras/es internacionais figemo-nos umha foto de família com a Anna Arqué (de cujo Twitter retiramos a foto, a de baixo).

De esquerda a direita: Um par de observadores internacionais da Dinamarca, um terceiro observador internacional ainda nom identificado, Joan Vives, Miguel Penas, Anna Arqué, o 'susodito', Joaquim Batista, umha observadora internacional flamenga e o seu acompanhante.

Com tam apertado programa de atos (sobretudo para mim, que tinha de conciliar a minha condiçom de Blues Brother Cousin com a de Observador Internacional) tudo foi com bastante atrasso e nom deu tempo mais do que para “observar” 3-4 mesas eleitorais no mesmo bairro (Nou Barris) quando já estavam prestes a fechar (e/ou fechando). O Miguel (que de manhã, antes da visita à Sagrada Família, já tivera ocasiom de “observar” algumha mesa) fijo-se a foto (figem-lha eu) e fijo umha “escapada” à sede de VilaWeb (que eu ja conhecia, conhecera-a precisamente no 13-D, mas ele nom e tinha mesmo muita vontade de conhecer).

Após o encerramento dos colégios, de Nou Barris (com o Joaquim Batista, umha observadora internacional flamenga e o seu acompanhante) fum de táxi à Sede Central Operativa da Consulta, edifício histórico sito no número 10 da Rambla de Santa Mònica e cedido pola UGT, onde me reencontrei com o Miguel, o Joan-Marc e o Jordi e ouvim as comparecências de Alfred Bosch (porta-voz de Barcelona Decideix), Oriol Pujol (presidente do grupo parlamentar de CiU no Parlament de Catalunya), Jordi Portabella (candidato à autarquia de Barcelona pola Unitat per Barcelona-ERC), Uriel Bertran (secretário geral de Solidaritat Catalana per la Independència)...

No corredor cruzei-me com o Joan Laporta (Democracia Catalana) mas, apesar do meu fluente catalão, nom lhe dirigim a palavra nem lhe pedim para fazer-me umha foto com ele porque: 1º) Nom ia de fato (ele, eu sim) e 2º) Após o seu surpreendente abandono de Solidaritat Catalana per la Independència (SI) e do correspondente grupo parlamentar eu, que tinha saudado a sua fulgurante irrupçom na política catalana e me declarava seu fã, já nom sabia muito bem o que pensar...

Com quem também me cruzei (neste caso na rua, na Rambla, à porta da sede de UGT / Barcelona Decideix) foi com o grande Xosé Manoel Beiras, quando ia com o Joan-Marc e um faminto Jordi um momento ao bar do lado para que este pudesse pedir qualquer cousa que petiscar. Com O'Beiras sim que parei um instante a falar. Aqui estou, com “Os Dous de Sempre”, digem-lhe em referência aos meus amigos catalães (o Jordi, o Joan-Marc e mais eu já nos tínhamos encontrado, por acaso, com O'Beiras em Girona no 25-A). Daquele encontro há testemunho gráfico. Deste nom. Tampouco era “plan”.

Após a proclamaçom dos resultados, as/os observadoras/es internacionais fomos chamados ao palco. Na imagem (umha captura do vídeo AVUI+ Consulta sobre la independència a Barcelona) pode ver-se-nos, aliás, intuir-se-nos ao Miguel e a mim, meio ocultos atrás da senyera, junto com o resto das/dos observadoras/es internacionais (entre elas/eles o grande Xosé Manoel Beiras).

Atendendo a sugestom dum emocionadíssimo Alfred Bosch (porta-voz de Barcelona Decideix) o Miguel e mais eu descemos à rua para celebrarmos com o pessoal nom acreditado (e que, portanto e a diferença nossa, nom podia entrar) o sucesso de participaçom que tinha suposto a convocatória da consulta sobre a independência na capital nacional. O Joan-Marc (que tinha ido acompanhar o Jordi à casa) apareceu com as bandeiras galegas (que tínhamos deixado na mala do Catmóvel) justo a tempo de fotografar-nos e sermos fotografados em plena folia. As três primeiras fotos fijo-as o próprio Joan-Marc. A quarta saiu no AVUI+ (ediçom digital).


Bandeiras galegas na Rambla [00:07-10:00]; Miguel & eu, acima do cenário, com o resto de observadores/as internacionais [02:55-03:10] e bandeiras galegas na Rambla outra vez [04:16-04:24, FIM].



Segunda-feira, 11 de abril

Capa do AVUI+ da segunda-feira 11 de abril (esquerda). Ainda que mui em pequeninho e sem bandeiras, o Miguel e mais eu saimos na foto (“Ambient d'eufòria, ahir a la nit, a la Rambla de Barcelona”, Robert Ramos). O Miguel e mais eu, recém-chegados ao Aeroporto da Lavacolha, mostrando orgulhosos à câmara uns crachás iguais aos que aparecem na infografia da capa do AVUI+, com a satisfaçom do objectiu complert (direita).

Escrito em 10-06-2011, na categoria: Observador Internacional