[O Sítio de Suso Sanmartin]

      No Caminho Português a Santiago de Compostela existe um lugar chamado Angueira de Suso.

      Segundo o dicionário e-Estraviz da língua galego-portuguesa “angueira” é “o quefazer, cuidados e negócios que cada pessoa tem”. “Angueiras” som “trabalhos, cargas sofrimentos”. Por sua parte “suso”, do latim susu, quer dizer “acima, atrás”.

      Angueira de Suso é o sítio de Suso Sanmartin na rede. Aqui colocará o susodito as suas angueiras presentes, passadas e futuras.

      Obrigado pola visita.

      susosanmartin@gmail.com


      ddooler


    Busca

    As minhas visitas no mundo

    Locations of visitors to this page

powered by free blog software

Categoria: CARICATURA

Caricaturas de Estraviz & Montero Santalha
Caricaturas de Estraviz e Montero Santalha), os caricaturados com as caricaturas
e o caricaturista com os caricaturados.

No sábado 11 de novembro de 2011 a Associaçom Galega da Língua (AGAL) celebrava no Museu do Povo Galego, em Santiago de Compostela, o seu XXX aniversário.

Naquele mesmo dia, à hora do almoço, a AGAL homenageiava no Dezasseis os seus sócios e membros da Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP) Isaac Alonso Estraviz e José-Martinho Montero Santalha. Segundo se pode ler no Portal Galego da Língua (PGL), na crônica da jornada:

Homenagem a dous vultos do reintegracionismo

Já fora das instalações do Museu do Povo, num conhecido restaurante compostelano tivo lugar o jantar-homenagem a dous protagonistas da história do reintegracionismo, membros da Comissom Lingüística da AGAL e académicos da AGLP: José-Martinho Montero Santalha e Isaac Alonso Estraviz. Após o convívio, na hora do café fôrom presenteados com duas caricaturas, elaboradas polo também sócio da AGAL Suso Sanmartin, e a seguir realizárom uns breves discursos aos companheiros e companheiras que os arroupavam, os quais correspondêrom com estrondosas ovações.

Com efeito, do Conselho da AGAL recebim a encomenda de desenhar umha caricatura de cada um dos homenageados para serem-lhes entregues, como oferta da associaçom, no decurso do ato de homenagem.

Apesar de levar bastante tempo sem desenhar caricatura nengumha acho que as duas ficaram bastante bem e desfrutei bastante desenhando-as. Espero que os caricaturados também gostaram.

À esquerda, José-Martinho Montero Santalha, à direita, Isaac Alonso Estraviz


De esquerda a direita: o Estraviz, o 'susodito', o Montero Santalha, o 'Foz' e, ao fundo,
o Valentim R. Fagim, no Dezasseis. Foto: Xavier Rodríguez Somoza.


Escrito em 23-01-2014, na categoria: CARICATURA
25 de Abril, ZECA!!!

No passado 24 de março recebim o amável convite do Xoán Quintáns (Caramuxo, Camisolas da Galiza) para colaborar no jornal que a organizaçom de Terra da Fraternidade (Galiza a Zeca Afonso) tirou para contribuir para financiar o evento.

Dai a dezassete dias, no passado 10 de abril, figem a mão o desenho que hoje vos apresento, digitalizei-no (fazendo-lhe umha foto com a câmara do meu telefone) e enviei-lho ao Quintáns (através do Facebook Messenger também através do Sanmart-Phone, muito vos mudou o conto desde que comecei a fazer este tipo de colaborações!)

E por fim trasantontem, sábado 5 de maio, na Feira da Primavera da Rua de Sam Pedro (Compostela), pudem vê-lo impresso numha das páginas do devandito jornal.

A minha ilustraçom pode ser vista (ou nom) como umha caricatura do Zeca. Mas, em qualquer caso, nom como um retrato caricatural senom, mais bem, como o que Castelao chamava de "caricatura arbitrária":

"Non sempre a caricatura é unha abreviatura do dibuxo ou unha síntesis do impresionismo da liña, obedecendo a leises determinadas. Muitísimas veces o caricaturista chea de inspiración, deixa a unha beira a folica dos métodos e das reglas, e, fora de toda realidade, deseña arbitrariamente i-empíricamente, pero con acerto, todol-o que se propón. Hay caricaturistas arbitrários dinos de todal-as loubanzas. Bagaría, por exemplo, é arbitrario anque moitas veces a sua preguiza faino caer no autoplaxio."

[A. R. Castelao, Humorismo, Dibuxo Humoristico, Caricatura. Conferência, Publicaciós da Real Academia Gallega, março 1920, pág. 29]

Na minha "caricatura arbitrária e simbólica" (e um bocado irreverente também, se se quer) do Zeca, um "2" desenha o nariz e a sobrancelha direita, um "5" a zona supra-labial e a boca ("un seis y un cuatro, la cara de tu retrato").

Por sua parte, o "A" de "Abril" saindo da sua boca pode representar a palavra do poeta e cantor ou mesmo um alto-falante (o que nos remitiria aos Homens da Luta, um dos quais, o Falâncio, é ele mesmo umha caricatura do próprio Zeca).

E, por último, umha guitarra (ou violão) de inspiraçom cubista fai as vezes dos sempiternos óculos do José Afonso (a boca e o cavalete do instrumento seriam os olhos do Zeca).

25 DE ABRIL (25A), ZECA!!!

Escrito em 08-05-2012, na categoria: COLABORAÇÕES HABITUAIS:, CARICATURA
IX Bienal da Caricatura de Ourense: aí estamos!

Caricaturas de Xan, Lois & Chicho ["De Troula" Nº 0 (JAN 2006), pág. 7], José María Martínez Bordíu "Pocholo" ["Novas da Galiza" Nº 48 (15-NOV/15-DEZ-06), pág. 3], Bieito Iglesias ["Tempos Novos" Nº 117 (FEV 2007), pág. 7], Rafael Louzán ["Novas da Galiza" Nº 52 (15-MAR/15-ABR-07), pág. 3], Miguel Torga [Catálogo XI Salão Luso-Galaico de Caricatura - Vila Real 2007 (Torga ou a Poética da Vida), pág. 76], Quim Barreiros ["O Pasquim" Nº 1 ("Novas da Galiza" Nº 56, 15-JUL/15-AGO-07), pág. 4], Rubén Cela ["O Pasquim" Nº 4 ("Novas da Galiza" Nº 59, 15-OUT/15-NOV-07), pág. 2], Quintana, Tourinho & Feijoo ["O Pasquim" Nº 4 ("Novas da Galiza" Nº 59, 15-OUT/15-NOV-07), pág. 2], Isaac Díaz Pardo ["Galícia" Nº 0 (JAN 2008), pág. 12] e Xosé Lois González Álvarez "O Carrabouxo".

Hoje, 5 de Março de 2008, quarta-feira, a partir das 19h30 (GMT+1), inaugura-se na Casa da Juventude de Ourense a IX Bienal da Caricatura, que decorrerá na cidade das Burgas até o dia 30 do corrente (descarregar catálogo e programa em pdf).

Embora o Tenente de Alcaide do Concelho de Ourense, o Diretor Geral de Juventude e Solidariedade e mais o Vice-Reitor do Câmpus de Ourense tiveram a gentileza de convidar-me ao acto (o convite chegou na passada sexta-feira, 29 de Fevereiro, à minha caixa do correio), sentindo muito acho que nom vou poder ir: amanhã é dia de garavulhos! :(

E gostava muito de chegar-me até lá! Por duas razões: 1ª) porque é sempre um prazer estar em Ourense e 2ª) porque, após dous biénios de ausência (VII e VIII Bienais da Caricatura; 2004 e 2006, respectivamente), os meus trabalhos voltam a marcar presença no badalado evento ourensano.

Caricaturas minhas já estiveram presentes na III, IV, V e VI Bienais da Caricatura de Ourense (1996, 1998, 2000 e 2002, respectivamente). Aliás, em 1996 fum galardoado com o primeiro prémio no III Concurso Galego de Caricaturistas Noveis (por umha colecçom composta polas caricaturas de Xosé Mª Caneda, Xosé Cuíña, Xosé Ramón Gayoso, Felipe González, Mário Soares e Paco Vázquez) e dous anos mais tarde, em 1998, deram-me um dos quatro prémios de consolaçom (cast. accésit) por umha caricatura de Xosé Luís Méndez Ferrín.

No passado 16 de Janeiro, quarta-feira, recebim via telefónica o amável convite do diretor da Casa da Juventude de Ourense (o entranhável Benito Losada) para participar nas exposições de Caricaturistas Galegos e de Homenagem ao Carrabouxo desde hoje mesmo patentes ao público na cidade de Ourense (no Museu Municipal e no Pólo Universitário das Lagoas, respectivamente).

Naquele dia o Benito pediu-me dez caricaturas realizadas nos últimos dous anos e mais umha homenagem em forma de desenho aO Carrabouxo, a popular personagem criada por Xosé Lois25 anos.

Procurando no baú das recordações descobrim que poucas mais (13) eram as caricaturas que em total tinha desenhado no último biénio: sete caricaturas individuais (Pocholo, Bieito Iglesias, Rafael Louzán, Miguel Torga, Quim Barreiros, Rubén Cela e Isaac Díaz Pardo) e dous retratos caricaturais de seus respectivos trios (Xan, Lois & Chicho por um lado e Tourinho, Quintana & Feijoo por outro). Excepto a de Rubén Cela e as do trio Feijoo-Touri-Quin dum ou doutro jeito todas elas tinham aparecido já por aqui.

Em 29 de Janeiro, terça-feira, desenhei a partir desta foto a caricatura de Xosé Lois González Álvarez O Carrabouxo que podedes ver acima e daí a dous dias, na quinta-feira 31, tal e qual o seu diretor me pedira, enviei à Casa da Juventude de Ourense tudo por SEUR.

Vemo-nos em Ourense qualquer dia destes!!! :)

Escrito em 05-03-2008, na categoria: CARICATURA
Apoio o Isaac Diaz Pardo

"Se isto nom se amanha...". Jornal "Galícia" Nº0, pág. 12.

Hoje, Quarta-feira 23 de Janeiro de 2007, às 19h30 (GMT+1), em homenagem ao intelectual e artista galeguista Isaac Diaz Pardo, apresenta-se no IGI (Instituto Galego de Informaçom, sito no lugar de Sam Marcos, freguesia de Bando, concelho de Santiago de Compostela) o primeiro e último número do desejado jornal Galícia (pdf).

As amigas e os amigos de Arredemo (A Rede de Acçom Sócio-Cultural) tiveram a gentileza de pedir a minha colaboraçom para o Galícia Nº 0 e eis o que figem com todo o carinho para elas e eles e, sobretudo, para o mestre Isaac.

VEMO-NOS NO IGI HOJE À TARDE!!!
SE ISTO NOM SE AMANHA...

NOTA (para as/os leitoras/es lusófonas/os mas nom galegas/os): Para apanhar a piada é preciso saber que na Galiza costumamos a empregar o barbarismo caña (castelhanismo) para pedirmos o que em Portugal é um fino ou uma imperial e é um chope no Brasil. Em castelhano dar o meter caña a alguien quer dizer... bom, depende do contexto, mas neste seria sinónimo de lenha (surra, somanta, sova, tunda, malheira, pancada) daí a tantas vezes repetida palavra de ordem: "Se isto nom se amanha, canha! canha! canha!" Pois isso! ;)

Escrito em 23-01-2008, na categoria: CARICATURA
Alacrám Alatriste

Caricatura de Arturo Pérez-Reverte publicada na página 89 do Nº 43 da revista mensal de informaçom para o debate Tempos Novos (Dezembro de 2000).

Amanhã sábado, 17 de Novembro de 2007, o Grupo de Estudos Sobre a Condiçom da Mulher Alecrim entrega, no Centro Social Caixanova de Vigo, os seus décimo oitavos Prémios Alecrim-Alacrám.

Na sua ediçom 2007 o Prémio Alecrim recaiu no Professor Carl Djerassi, o pai da pílula anticoncepcional, "descobrimento que lhe outorgou à mulher a opçom de exercer o controlo sobre o seu corpo no relativo à concepçom e fixo com que a maternidade, em vez de destino, seja eleiçom."

Também com todo merecimento o Prémio Alacrám 2007 foi para o escritor espanhol(ista) Arturo Pérez-Reverte, "pola apologia que fai da violência contra as mulheres e pola sua atitude reaccionária e machista lançada nas suas proclamas e artigos que está a fazer do anti-feminismo a sua melhor bandeira."

Caricatura Revertiana

Aproveitamos a ocasiom para publicar em Angueira de Suso a caricatura que do autor da colecçom Las Aventuras del Capitán Alatriste figemos em 23 de Novembro de 2000, há praticamente sete anos.

Figemos a devandita caricatura como ilustraçom para os Dias Soltos, secçom que o escritor ourensano fixado em Compostela Bieito Iglesias tinha e ainda tem na revista mensal de informaçom para o debate Tempos Novos.

A minha ilustraçom referia-se, concretamente, ao Dia Solto bieito-eclesiástico seguinte:

NOVEMBRO 19
RÚSTICOS

Pérez-Reverte corrixe en certo semanario os fanatismos e ignorancias de lugareño e cabra de campanario. O remedio é visitar museos, ver mundo e ler libros. Esa é a patria verdadeira. Ten mais razón que un santo. Eu tomei café diante do Panteón de Agripa e díxenme que España non é ningunha lobada. Admirei a Alegoría Sacra de Bellini, no museo florentino dos Uffizi, e volvínme apóstata do nacionalismo español. Tomei un cóctel Papá Hemingway no Floridita habaneiro e reneguei da batalla das Navas de Tolosa. Deille a man a Marieke, doncela cantada por Brel, nun xardín de Bruxas, e maldicín os Tercios de Flandres. Lin algúns libros (ningún de Pérez-Reverte, lamento confesalo) e, tamén neste sentido, funciona o De correctione rusticorum. Admito que as viaxes non lograron persuadirme de que a lingua falada por meu pai é inferior á escrita por Reverte, como pretende a Constitución Española.

[Bieito Iglesias, Días Soltos, Tempos Novos Nº 43 (Dezembro de 2000), pág. 88].

Na minha caricatura o viajado Arturo Pérez-Reverte aparece ao pé do logótipo de Halcón Viajes tocando as maracas, tal e qual a popular vedeta Norma Duval fazia num odioso spot da rede de agências de viagens que daquela se emitia na televisom.

VI Bienal da Caricatura de Ourense

Para além de aparecer na página 89 do Nº 43 da revista Tempos esta caricatura apareceria também publicada na página 142 do catálogo da VI Bienal da Caricatura (Ourense 2002) pois (junto com as de António Ramilo, Manuel Lourenzo Melghacho e o próprio Bieito Iglesias) foi umha das quatro caricaturas que enviei à Exposiçom de Caricaturistas Galegos que de 1 a 15 de Março de 2002 estivo patente ao público no Museu Municipal ourensano.

Escrito em 16-11-2007, na categoria: COLABORAÇÕES HABITUAIS:, Tempos Novos, CARICATURA
XI Salão Luso-Galaico de Caricatura - Vila Real 2007 (Miguel Torga ou a Poética da Vida)

Caricaturas de Miguel Torga, Manoel-António e Méndez Ferrín.

Neste sábado, 23 de Junho, abriu na Galeria de Arte do Teatro Municipal de Vila Real o XI Salão Luso-Galaico de Caricatura (XI SLGC-VR 07), uma organização do Município de Vila Real e do Grémio Literário Vila-Realense, com produção da Humorgrafe.

No Centenário do Nascimento de Miguel Torga, o XI Salão Luso-Galaico de Caricatura - Vila Real 2007 está dedicado ao genial escritor trasmontano e, para além de “caricaturas de outros poetas ou alegorias humorísticas ao lado poético da vida”, todas/os as/os participantes no mesmo devíamos obrigatoriamente enviar uma caricatura dele.

A partir desta fotografia (e tomando certos elementos emprestados destoutro retrato a óleo por Guilherme Filipe) no passado 25 de Abril desenhei a caricatura de Miguel Torga que podedes ver acima.

Graças a que o 25 de Abril, feriado na República Portuguesa, é laborável no Reino de Espanha, no mesmo Dia da Liberdade pudem enviar polos correios (junto com as outras duas caricaturas antigas dos poetas Manoel-António e Xosé Luís Méndez Ferrín que também podedes ver acima a ilustrar este post) a minha caricatura do autor de Bichos.

Até a semana passada, em que recebim por e-mail a Acta de Reunião do Júri, não soubem o que afinal este resolvera. Segundo consta na antedita acta (datada em Vila Real, a 7 de Maio de 2007) “após cuidadosa ponderação dos oitenta e quatro trabalhos apresentados a concurso” o Júri resolveu atribuir os prémios previstos no Regulamento do Salão aos seguintes artistas:

Primeiro Prémio (Prémio Câmara Municipal de Vila Real ) – António Santos (Santiago)
Segundo Prémio (Prémio Governo Civil de Vila Real) – Paulo Santos
Terceiro Prémio (Prémio Região de Turismo da Serra do Marão) – David Pintor
Menções Honrosas – Henrique Monteiro e António Amado Lorenzo

É dizer, que este ano tão-pouco caiu nada! :( Parabéns, de todo modo, aos premiados! :)

Não se consola quem não quer, é-vos bem certo, mas podedes crer-me se vos digo que a presença dos meus trabalhos nos sucessivos Salões Luso-Galaicos de Caricatura de Vila Real e nos catálogos correspondentes (1998-Ambiente e caça; 1999-Humor e vinho; 2000-O automóvel; 2001-2001 Odisseia em Vila Real; 2005-A moda) já é todo um Prémio de Consolação (cast. accésit) para mim... Apesar de tudo espero que para o ano haja mais sorte! ;)

A exposição do XI SLGC-VR 07 estará patente ao público até ao dia 31 de Julho no Teatro Municipal de Vila Real. Como nos anos anteriores esta exposição viajará a Ourense em cuja Casa da Juventude poderá ser vista no vindouro mês de Agosto.

Escrito em 25-06-2007, na categoria: CARICATURA
Rafael Louzán, O Graduado

Foto oficial de Rafael Louzán (tirada do site da Escola de Canteiros de Ponte-Vedra) e caricatura do Presidente da Deputaçom Provincial feita a partir da mesma (NGZ Nº 52, pág. 3).

Já está nos quiosques o número 52 (15 de Março a 15 de Abril de 2007) do Periódico Galego de Informaçom Crítica Novas da Galiza.

Na sua terceira página este número traz o desenho que por encomenda do pessoal do Novas figem (na quarta-feira 21 do mês corrente) para ilustrar a impressionante reportagem de H. Irímia e S. Rosa sobre a corrupçom na província de Ponte-Vedra (págs. 11-12). Concretamente a minha charge (caricatura feita a partir de foto oficial que, já agora, nom facilitou muito o labor do caricaturador) fai referência ao seguinte trecho do perfil de Rafael Louzán:

“A vaga [de bedel da Câmara Municipal de Ribadúmia] foi obtida de forma irregular, pois o actual presidente da Deputaçom nem tam sequer cumpria o requisito básico de ter o graduado escolar. Fontes consultadas por este periódico asseguram que o director do estabelecimento de ensino onde estudara aceitou assinar um documento a atestar que Louzán acabara a Primária” (pág. 12).

A frase por nós posta em boca do Presidente da Deputaçom Provincial de Ponte-Vedra (em castelhano no original) é possivelmente a mais célebre das boutades saidas da boca do Presidente Fundador do PP, partido ao que, como já teram adivinhado, pertence o ínclito Rafael Louzán.

Com o acréscimo (entre parênteses) da palavra “escola” quigemos sinalar o “estabelecimento de ensino” onde aprendeu as suas más artes o popular Rafael Louzán ;)

Escrito em 29-03-2007, na categoria: COLABORAÇÕES HABITUAIS:, Novas da Galiza, CARICATURA
Acaparateurdeprix

O laureado escritor Xosé Carlos Caneiro n’A Nossa Terra [ANT Nº 955 (05-OUT-2000), pág. 25] e caricatura do verinense publicada no periódico semanal galego [ANT Nº 956 (12-OUT-2000), pág. 19], primeiro, e na revista De Troula [De Troula Nº 4 (2006), pág. 11], anos depois.

Em 29 de Setembro de 2000 Xosé Carlos Caneiro ganhava dous prémios, o Eixo Atlántico e o Blanco Amor, por umha única obra, Ébora quinta parte dumha pentalogia cujas anteriores quatro entregas se intitularam O infotunio da soidade, Un xogo de apócrifos, Talvez melancolía e Os séculos da lua.

Na semana a seguir, o semanário A Nossa Terra dava a surpreendente notícia a meio dum artigo realizado pola jornalista Arantxa Estévez a partir de depoimentos do laureado escritor:

‘O meu camiño nos prémios xa rematou’
Xosé Carlos Caneiro gaña con Ébora os prémios Blanco Amor e Eixo Atlántico no mesmo dia

A. ESTÉVEZ

(...) Ao perguntarlle se non se sinte un acaparador de prémios, precisamente por ter gañado os de máis renome na Galiza e agora facerse con dous no mesmo dia, o Venres 29 de Setembro, Xosé Carlos Caneiro recoñece padecer un pouco esa sensación (...)

[ANT Nº 955 (05-OUT-00), pág. 25]

E na seguinte semana [ANT Nº 956 (12-OUT-2000), pág. 19] A Nossa Terra publicava a caricatura do Caneiro que eu figem a partir do retrato que o Xan Carballa fijo ao verinense e que ilustrava o artigo da semana anterior.

Na minha caricatura o Xosé Carlos Caneiro (que confessara à Arantxa Estévez sentir-se um pouco acaparador de prémios) aparece caricaturado como Acaparateurdeprix e tem aos seus pés umha caixa de texto na que pode ler-se (na versom galega de quem dá nome a um dos prémios acaparados polo Xosé Carlos Caneiro naquele 29 de Setembro, e com mínimas modificações) o texto de apresentaçom do bardo Assurancetourix que aparece nos comic books de Asterix e Obelix.

“Acaparateurdeprix é o vate. As opinions sobre o seu talento estam divididas: el (e mais a crítica) pensam que é genial e os demais (o público) que é inaturável. Pero, qando está calado, é um companheiro ledo e mui querido...”

A reacçom nom se fijo esperar. Daí a duas semanas os fãs do verinense acaparavam a secçom de Cartas ao Diretor d’A Nossa Terra com duas das três missivas publicadas naquela semana polo Periódico Semanal Galego [ANT Nº 958 (26-OUT-2000), págs. 19-20].

Nom sei o que pensarám Rosa de la Parra Martínez e Emílio Cid Fernández ao relerem, sete anos depois, as suas cartas de amor ao escritor de Verim. Mas eu, que nom lim ningum livro do Xosé Carlos Caneiro mas que o sigo muito (La Voz de Galicia, Diário Cultural…), ainda cago de rir XD

Leiam, leiam...

Páginas: 1 · 2

Escrito em 15-03-2007, na categoria: COLABORAÇÕES HABITUAIS:, De Troula, A Nossa Terra, CARICATURA
Oitenta Anos de Idade (Só)

Hoje, 6 de Março de 2007, Gabriel García Márquez fai oitenta anos.

Para celebrá-lo publicamos em Angueira de Suso, o nosso Macondo particular, a caricatura que em 19 de Abril de 1997, o mês que vem fará dez anos, figemos do autor de Cem Anos de Soidade.

Tinha para mim que o Gabriel García Marquez, Gabo para as/os amigas/os, tinha umha avó galega da que teria herdado o seu dom de narrar histórias. Mas após umha extenuante pesquisa pola internet a única confirmaçom que topei desta minha ideia foi o capítulo dum livro* de Antón Castro intitulado La abuela gallega de Gabo.

Nom é por gabar-me (que, felizmente, ainda tenho avó) mas lembro que a caricatura do Gabo me saira à primeira. Figera-a logo depois de tirar a do candidato da AELG ao Prémio Nóbel de Literatura, Xosé Luís Méndez Ferrín, que se me resistiu durante horas e horas.

Parabéns para o Gabo, pois, e que faga muitos mais!!!

* CASTRO, Antón. El sembrador de prodigios, Editorial Certeza, Colección Cantela, Zaragoza, 2005.

Escrito em 06-03-2007, na categoria: CARICATURA
melòmans. com tu

"Melòmans. com tu". Tempos Novos Nº 117 (FEV 2007) pág. 7.

Como anunciado publicamos aqui hoje a nossa ilustraçom para os Dias Soltos do Bieito Iglesias publicada no último número da revista Tempos Novos.

Trata-se dumha paródia do audaz cartaz protagonizado polo Carod que Esquerra Republicana (Som com som, som com tu) tirou para a campanha eleitoral das eleições ao Parlament de Catalunya celebradas no 1º de Novembro de 2006.

A potente imagem roviriana veu-me à mente quando lim um dos Dias Soltos que, em 25 de Janeiro, o jornalista Iago Martínez me enviou por correio electrónico para a sua ilustraçom:

LE PLAT PAYS
Pairan horrísonas gavotas no anaco de ceo visible desde a miña xanela e a invernía poucas oportunidades lle dá ao contento. Finou Madeleine, unha ex-amante de Jacques Brel, probablemente morreu tamén Marieke (un idilio de mocidade do cantor belga), el propio sobrevive somente nos discos, na acordanza dos admiradores e desde logo na voz deste melómano after-shave (canto ao aviar a barba). Por cima hai que apandar coas consecuencias dos crimes de tarados que pensan que a liberdade nacional, social ou individual se conquista vitimando inmigrantes ecuatorianos fillos de nais descalzas.

[IGLESIAS, Bieito. Dias Soltos, Tempos Novos Nº 117 (FEV 2007), págs. 6-7]

Desenhei a caricatura do Bieito Iglesias (a terceira que fago do autor d'O mellor francés de Barcelona) na noite do 29 de Janeiro, segunda-feira, e no dia a seguir, terça-feira 30, à tarde, enviei para Tempos Novos a ilustraçom terminada.

Para dar-lhe um maior tom melomaniático ocorreu-me cruzar o nome do escritor ourensano com o do polêmico encenador catalám Calixto Bieito.

Na quinta-feira, 15 de Fevereiro de 2007, recebim na minha morada o último número da revista Tempos. Fiquei surpreendido ao comprovar o como a palavra "melòmans" aparecia em cor amarela. Nom é que eu nom a enviasse assim mas esperava que, como habitual, a minha ilustraçom saisse publicada em escala de cinzento. Se o chego a saber dou cor também à toalha!

Escrito em 22-02-2007, na categoria: COLABORAÇÕES HABITUAIS:, Tempos Novos, CARICATURA

1 2 >>