[O Sítio de Suso Sanmartin]

      No Caminho Português a Santiago de Compostela existe um lugar chamado Angueira de Suso.

      Segundo o dicionário e-Estraviz da língua galego-portuguesa “angueira” é “o quefazer, cuidados e negócios que cada pessoa tem”. “Angueiras” som “trabalhos, cargas sofrimentos”. Por sua parte “suso”, do latim susu, quer dizer “acima, atrás”.

      Angueira de Suso é o sítio de Suso Sanmartin na rede. Aqui colocará o susodito as suas angueiras presentes, passadas e futuras.

      Obrigado pola visita.

      susosanmartin@gmail.com


      ddooler


    Busca

    As minhas visitas no mundo

    Locations of visitors to this page

free blog tool

Categoria: SUSODITOS LUGARES

Vila Suso (Conc. Guitiriz)
Vila Suso, São Vicente dos Vilares, Guitiriz. Fotos: Nando Sanmartin.

Comentário de: teu irmão Nando [Visitante]

"Já nom é a primeira vez que o meu irmão topa por esses caminhos um susodito estabelecimento comercial ou um susodito lugar (Vila de Suso, Conc. de Oia) e o fotografa para mim"; certamente, mas acho esqueceste publicar as dum indicador com neve a VILASUSO (São Vicente dos Vilares, Guitiriz)

Que publiques o que fotografo para ti é uma "cousa que che agradeço e sempre che agradecerei imenso."

Um abraço muito amigável irmão!

14-01-2011 @ 11:46

Caro irmão:

Nom tinha esquecido essas fotos "dum indicador com neve a Vila Suso" que me tinhas passado tempo atrás, nom. Guardava-as na "neveira", como tantas outras cousas, esperando ter tempo, vontade ou melhor ocasiom.

Pois já que mo comentas, que melhor ocasiom! Publish NOW!

Para além do susodito indicador nevado, é claro, o que chama a atençom nas tuas fotos esse imponente calvário::

Patrimonio

A igrexa de San Vicenzo dos Vilares ten no seu adro un fermoso calvario de finais do século XVIII da autoría de Felipe de Sá, canteiro da veciña parroquia de San Salvador de Parga.

[http://gl.wikipedia.org/wiki/Os_Vilares,_Guitiriz#Patrimonio]

Nom tenho As Cruzes de Pedra na Galiza aqui para comprová-lo mas acho que esse, junto com o que temos em Bueu, era um dos dous únicos calvários que, com as figuras dos ladrões, existiam na Galiza no tempo em que Castelao compujo a sua monumental obra.

As fotos forom feitas na sexta-feira, 19 de março de 2010, por volta das três e meia da tarde, nom forom? (essa é, ao menos, a informaçom que vejo ao abri-las no computador).

Muitíssimo obrigado, meu irmão, mais umha vez! :-)

Escrito em 19-01-2011, na categoria: SUSODITOS LUGARES
Praia de Susinhos

Praia de Susinhos (Porto Cuvelo/Lira/Carnota). Fotos: Sara Jess & Suso Sanmartin.

Ampliamos a nossa coleçom de susoditos lugares com a publicaçom destas fotografias realizadas na Praia de Susinhos neste passado sábado, 13 e Junho de 2009, minutos antes do pôr-do-sol.

Na pedra da fotografia inferior-esquerda há duas placas. A placa branca di: "Camiño solidario ARIETE 1966 PRESTIGE 2002". E a de granito:

"Esta placa é unha homenaxe do Concello de Carnota á solidaridade [sic] e o esforzo dos voluntarios e participantes no programa "CASTILLA Y LEÓN SOLIDARIA" que recuperaron esta praia despois do vertido do petroleiro Prestige. Marzo de 2003"

Escrito em 16-06-2009, na categoria: SUSODITOS LUGARES
Vila de Suso (Conc. de Oia)

Placas de sinalizaçom em Vila de Suso (Conc. de Oia). Fotos: Nando & Noa.

No passado 6 de Fevereiro (Quarta-feira de Cinzas) o meu irmao Nando e a minha cunhada Noa (pai e mãe de Nuno e Nara) enviaram-me as fotos de certas placas de sinalizaçom polas que com frequêcia passam e que, segundo Nando e Noa me contavam no seu e-mail, havia tempo que tinham vontade de fotografar para mim.

Lograram fazê-lo, por fim, no dia 1 e no próprio dia 6 de Fevereiro, à ida e à volta do Rosal, localidade onde passaram em família as férias do Carnaval.

Polos vistos as quatro primeiras fotografias (Vila de Suso somente e Vila de Suso - Serralho) foram feitas à ida (SEX, 01-FEV-08) e as duas últimas [Vila de Suso (Centro)] à volta (QUA, 06-FEV-08).

Vila de Suso é umha das seis paróquias pertencentes ao Concelho de Oia (Comarca do Baixo Minho).

O Serralho é um dos doze lugares da paróquia de Sam Miguel de Vila de Suso (os outros onze som: Barroca, Enguido, Loureiros, Mogolhom –flipa!-, Passarinhos, Peres, Portosanim, Preans, Serra Seca, Sobral e Volta das Orelhudas).

O tipo que aparece na primeira fotografia e que tanto se parece comigo nom sou eu. A sério. É o meu irmao Nando.

Dous meses e dous dias depois de que os seus autores mas enviaram (e um dia depois de publicarmos aqui umha foto feita num lugar homónimo do Concelho de Catoira), as fotografias feitas por Nando e Noa na paróquia de Vila de Suso (Concelho de Oia) por fim vêm à tona.

Muitíssimo obrigado, irmao! Obrigadíssimo, cunhada! :)

Escrito em 08-04-2008, na categoria: SUSODITOS LUGARES
Vila de Suso (Conc. de Catoira)

Suso em Vila de Suso (Foto: Teresa Díaz).

Caminho da Ilha de Arouça, onde desfrutamos dum idílico fim-de-semana, a Teresa e mais eu passamos por Vila de Suso, lugar da paróquia do Oeste (Santa Baia), no Concelho de Catoira.

Esta foto (com a que inauguramos em Angueira de Suso -sem tempo nom era!- a categoria dos 'susoditos' lugares) fijo-ma a Teresa no Sábado à tarde, por volta das 16h30 (GMT+2).

Repare-se em que no galego da Xunta Vila de Suso se escreve assim, tudo xunto :p

Escrito em 07-04-2008, na categoria: SUSODITOS LUGARES
Quo Caraculu Vadis? You are not welcome to Angueira de Suso!
o suso na angueira de suso

Após quatro post de prova, em 31 de Maio de 2006 inaugurávamos “oficialmente” este blogue com um post intitulado Welcome to Angueira de Suso em que confessávamos nom ter nunca posto o pé no susodito lugar do Concelho de Padrom, freguesia de Cruzes.

Pois bem, no passado domingo, 12 de Novembro de 2006, pugemo-lo e lamentamos dizer que nom fomos muito bem recebidos que digamos.

Provenientes do Morraço o meu amigo Panchez e mais eu figemos um alto no Caminho de Santiago para dar-lhe umha vista de olhos ao susodito e ainda desconhecido lugar (dei-lhe carona ou boleia ao aduaneiro Panchez quem, pola culpa dumha dumha tendinite profissional, nom pode dirigir ou guiar).

Indo pola N-550 à altura da fábrica de Gasosas Feijoo apanhamos à direita e, aproximadamente 300 metros depois do sinal indicador de povoado (que, já agora, já nom está retorto como na fotografia, endireitaram-no) chegamos a umha formosa aldeia de espigueiros, boas casas de pedra (muitas delas cuidadosamente rehabilitadas) e estreitas ruas empredradas cobertas por magníficas parreiras. Formosa de mais para ser a Angueira de Suso! Umha simpática octogenária com a que falamos informou-nos de que onde em realidade estávamos era no lugar de Areal (freguesia de Cruzes, Concelho de Padrom) e de que o presidente da câmara padronesa quer que a vizinhança do lugar suba ou corte as suas videiras para que os bombeiros podam passar.

Demos marcha a ré até a bifurcaçom que havia quase ao princípio (e onde nom havia indicaçom nengumha) e perguntamos-lhe a umha senhora que nos confirmou que aqueloutro lugar (nom tam bonito assim, embora tampouco feirmo) era a Angueira de Suso.

À entrada da aldeia encontramos umha casa grande cum pequeno jardim de infância (onde o Panchez, que nom é Velázquez mas sim um excelente pintor de câmara digital, me fijo um retrato equestre digno do Conde-Duque de Olivares) e um acristalado tabuleiro de anúncios onde, sob o EU-fónico nome do lugar e ao pé dos necrológios, pudemos ler impressas um par de notícias aparecidas nas edições digitais de La Voz de Galicia e El Correo Gallego que falavam do desagradável assunto do que nos falara a agradável vizinha de Areal.

Após as preceptivas fotografias, ao lusco-fusco (por volta das 18h30 CET), o Panchez e mais eu disponhiamo-nos a dar umha volta pola Angueira de Suso quando umha quadrilha formada por quatro velhas enlutadas (umha patrulha de vigilância nocturna, segundo a teoria do Panchez) nos cortou o passo:

-Aonde ‘carajo’ vades? -Espetou-nos a que parecia ser a porta-voz das violentas.
-Comorrr!!!??? -Pensamos nós, para nós.
-Que aonde ‘carajo’ vades!? Home, digo eu, a estas horas… Aquí já somos muitos! Já sobramos! -Continuou dizendo a mui xenófoba querendo dizer que os que alí sobrávamos éramos nós.

Podo compreender e compreendo a desconfiança das paisanas e dos paisanos perante extranhos como o Pancho e mais eu (embora passando como passa o Caminho Português pola Angueira de Suso estas paisanas deviam estar mais do que acostumadas às más pintas) mas nom suporto a falta de educaçom, assim que dei à sargenta umha má contestaçom e, passando polo meio das quatro, continuamos o que seria um brevíssimo passeio.

Ainda em estado de choque apanhamos o carro e continuamos caminho de Santiago. O Panchez e mais eu rimos a gargalhadas pensando no que lhe diria o caralho da velha ao Xosé Ramón Gayoso se este aparecesse polo lugar.

Nom fomos bem recebidos, nom fum bem recebido na Angueira de Suso. Nom podo dizer que a Angueira de Suso seja o meu sítio, o sítio de Suso Sanmartin. No entando, como o general MacArthur, I Shall Return!

Escrito em 16-11-2006, na categoria: SUSODITOS LUGARES
Welcome to Angueira de Suso

No Caminho Português a Santiago de Compostela existe um lugar chamado Angueira de Suso.

ANGUEIRA DE SUSO, A. Aldea da parroquia de Cruces (Santa María), concello de Padrón (A Coruña), que ten 188 habitantes e dista 7,5 quilómetros da capital municipal (Gran Enciclopedia Galega Silverio Cañada).

O meu nome, aliás, o hipocorístico familiar do meu piedoso nome de pia é Suso. Para além disso, segundo o dicionário e-Estraviz da língua galego-portuguesa, suso também quer dizer acima, atrás:

Suso adv. e prep. Acima, atrás [lat. susu].

Por sua parte, e segundo o mesmo dicionário, angueira é o quefazer, cuidados e negócios que cada pessoa tem...

Angueira s. f. (1) O quefazer, cuidados e negócios que cada pessoa tem. (2) Serviço que o vasalo devia fazer ao senhor com os seus animais de carga, carros ou trabalho pessoal. pl. Trabalhos, cargas, sofrimentos [lat. vulg. *agendaria].

Tem piada (ao menos para um reintegrata coma mim tem-na) que Angueira de Suso se encontre no Caminho Português e que, por se isto fora pouco, pertença ao Concelho de Padrão (Português-Padrão, uns picam e outros não, di o provérbio).

Embora passe muitas vezes por perto (a uns 300 metros, aproximadamente), cada vez que vou a Bueu (a minha vila natal) ou venho a Compostela (a minha cidade adoptiva) pola N-550, nunca pugem o pé em Angueira de Suso.

Tampouco figem nunca o Caminho de Santiago. Nem o francês, nem o inglês, nem o português. Morando em Compostela como moro nom fai muito sentido para mim. Como nom for para emagrecer...

Seja como for, Angueira de Suso é, desde hoje, o meu sítio na rede. Aqui colocarei as minhas angueiras (os meus trabalhos) presentes, passadas e futuras.

Muito obrigado aos Aduaneiros sem Fronteiras (por deixarem-se copiar), à Associaçom Galega da Língua (por admitirme como sócio), aO Portal Galego da Língua (onde conto com grandes amigos, por abrir-me o portal) e, muito especialmente, ao Eugénio Outeiro (caríssimo amigo sem cuja inestimável ajuda esta minha angueira teria sido impossível)... e muito obrigado também a todas e todos vós pola vossa visita!

Escrito em 31-05-2006, na categoria: SUSODITOS LUGARES