Diferenças

Esta página mostra as diferenças entre a revisom do documento que escolheu e a versom actual.


Ligaçom para esta vista de comparaçom

pt_agal:normas:norma_da_agal:morfologia:o_nome [04/11/2016 20:17]
ramom [III.2.2.1. Nomes que variam quanto ao número: regras]
pt_agal:normas:norma_da_agal:morfologia:o_nome [14/11/2016 19:51] (Actual)
ramom [III.2.2.1. Nomes que variam quanto ao número: regras]
Linha 9: Linha 9:
 === III.2.1.1.1. Com forma única para ambos os géneros === === III.2.1.1.1. Com forma única para ambos os géneros ===
  
-  * a/o //dentista//, a/o //estudante//((As modernas tendências niveladoras da linguagem admitem que certas palavras terminadas em -//nte//, sem marca de género do ponto de vista da gramática tradicional, sejam feminizadas (//estudanta, presidenta, serventa//), seguindo o caminho das que inicialmente eram usadas apenas com -o: //ministra, médica, advogada//)), a/o //jornalista//, a/o //jovem//, a/o //mártir//, a/o //selvagem//, a/o //servente//+  * a/o //dentista//, a/o //estudante//((As modernas tendências igualitárias da linguagem admitem que certas palavras terminadas em -//nte//, sem marca de género do ponto de vista da gramática tradicional, sejam feminizadas (//estudanta, presidenta, serventa//), seguindo o caminho das que inicialmente eram usadas apenas com -o: //ministra, médica, advogada//)), a/o //jornalista//, a/o //jovem//, a/o //mártir//, a/o //selvagem//, a/o //servente//
   * //comum, contente, cortês, fácil, feliz, maior, melhor, pior//   * //comum, contente, cortês, fácil, feliz, maior, melhor, pior//
  
Linha 15: Linha 15:
    
   * (a) //águia//, (a) //água//, (as) //algemas//, (a) //andorinha//, (a) //arma//, (a) //arte//, (a) //criança//, (a) //equipa//, (a) //lagosta//, (a) //omoplata//, (a) //pessoa//, (a) //pétala//, (a) //platina//, (a) //policlínica//, (a) //precinta//, (a) //rádio// (radiofonia), (a) //sebe//, (a) //testemunha//, (a) //vítima//   * (a) //águia//, (a) //água//, (as) //algemas//, (a) //andorinha//, (a) //arma//, (a) //arte//, (a) //criança//, (a) //equipa//, (a) //lagosta//, (a) //omoplata//, (a) //pessoa//, (a) //pétala//, (a) //platina//, (a) //policlínica//, (a) //precinta//, (a) //rádio// (radiofonia), (a) //sebe//, (a) //testemunha//, (a) //vítima//
-  * (o) //abutre//, (o) //bacalhau//, (o) //berço//, (o) //cuspe//, (o) //dia//, (o) //diapositivo//, (o) //espírito//,(o) //fantasma//, (o) //fim//, (o) //hipopótamo//((As modernas tendências niveladoras da linguagem admitem dous géneros com certos nomes de animais que possuem apenas um do ponto de vista da gramática tradicional, nomeadamente os acabados em -o, mas também em -e:  a //hipopótama//, a //elefanta//, etc.)), (o) //ícone//, (o) //joelho//, (o) //parêntese//, (o) //pesadelo//, (o) //pezunho//, (o) //pintassilgo//, (o) //polvo//, (o) //rádio// (aparelho), (o) //riso//, (o) //suor//, (o) //rouxinol//, (o) //vime//+  * (o) //abutre//, (o) //bacalhau//, (o) //berço//, (o) //cuspe//, (o) //dia//, (o) //diapositivo//, (o) //espírito//,(o) //fantasma//, (o) //fim//, (o) //hipopótamo//((As modernas tendências igualitárias da linguagem admitem dous géneros com certos nomes de animais que possuem apenas um do ponto de vista da gramática tradicional, nomeadamente os acabados em -o, mas também em -e:  a //hipopótama//, a //elefanta//, etc.)), (o) //ícone//, (o) //joelho//, (o) //parêntese//, (o) //pesadelo//, (o) //pezunho//, (o) //pintassilgo//, (o) //polvo//, (o) //rádio// (aparelho), (o) //riso//, (o) //suor//, (o) //rouxinol//, (o) //vime//
  
  
Linha 65: Linha 65:
     * guardiám/guardião → guardiá/guardião     * guardiám/guardião → guardiá/guardião
     * langrám/langrão → langrá/langrã     * langrám/langrão → langrá/langrã
-    * nugalhám/nugalhão → nugalhá/nugalhã((Langrám... e nugalhám... figuram como termos exclusivos da Galiza))+    * nugalhám/nugalhão → nugalhá/nugalhã((Langrám e nugalhám figuram como termos exclusivos da Galiza))
     * rufiám/rufião → rufiá/rufiã, etc     * rufiám/rufião → rufiá/rufiã, etc
   * -**ao**   * -**ao**
Linha 85: Linha 85:
     * vilao/vilão((Também temos as formas masculinas //aldeám, anám, anciám, artesám, cidadám, cortesám, cirurgiám, cristám, hortelám, irmám, marrám, pagám, sám, temporám, vám e vilám//, especialmente com o intuito de representar a pronúncia galega ocidental, mas pouco usadas atualmente na escrita reintegracionista)) → vilá / vilã      * vilao/vilão((Também temos as formas masculinas //aldeám, anám, anciám, artesám, cidadám, cortesám, cirurgiám, cristám, hortelám, irmám, marrám, pagám, sám, temporám, vám e vilám//, especialmente com o intuito de representar a pronúncia galega ocidental, mas pouco usadas atualmente na escrita reintegracionista)) → vilá / vilã 
  
-  * No caso de órfao/órfão → orfa/órfã((Temos também a forma popular galega orfo/orfa)) esta regra verifica-se em sílaba átona.+  * No caso de órfao/órfão → orfa/órfã((Também temos a forma popular galega orfo/orfa)) esta regra verifica-se em sílaba átona.
  
 Porém, muitos nomes próprios e um comum possuem unicamente a forma feminina em -**ana**: Porém, muitos nomes próprios e um comum possuem unicamente a forma feminina em -**ana**:
Linha 139: Linha 139:
 | carneiro             | ovelha  | | //padre// (religioso) | //madre// (religiosa) | | carneiro             | ovelha  | | //padre// (religioso) | //madre// (religiosa) |
 | cavaleiro            | dama    | | padrinho              | madrinha  | | cavaleiro            | dama    | | padrinho              | madrinha  |
-| cavalo               | égua    | | pai                   | mae/mãe((Temos também //nai//, forma característica dos dialetos ocidentais galegos))         |+| cavalo               | égua    | | pai                   | mae/mãe((Também temos //nai//, forma característica dos dialetos ocidentais galegos))         |
 | compadre             | comadre | | perdigom/perdigão     | perdiz    | | compadre             | comadre | | perdigom/perdigão     | perdiz    |
 | frade                | freira  | | príncipe              | princesa  | | frade                | freira  | | príncipe              | princesa  |
Linha 162: Linha 162:
 === III.2.2.1.a. Primeira regra === === III.2.2.1.a. Primeira regra ===
 Os nomes que em singular acabam em vogal ou -**m** apresentam no plural um -**s** acrescentado à forma de singular (leve-se em conta apenas que o -**m** final passa a -**n**- ao ficar no interior da sílaba): Os nomes que em singular acabam em vogal ou -**m** apresentam no plural um -**s** acrescentado à forma de singular (leve-se em conta apenas que o -**m** final passa a -**n**- ao ficar no interior da sílaba):
-  * //a → as; boi → bois; controlo → controlos//((Também cabe a forma //controle → controles//, cujo uso é habitual no Brasil)); //elite → elites; fole → foles; herói → heróis; hindu → hindus; irmao/irmão → irmaos/irmãos//((Este tipo de palavras também podem ser escritas, para representar a pronúncia mais ocidental galega, //irmámmam//... Neste caso, plural seria //irmáns, mans//...)); //javali → javalis; lei → leis; mole → moles//((Temos também as formas singulares de carácter populares: pelvalfol mol)); //pau → paus; pele → peles; regime → regimes//((Note-se que alguns nomes deslocam o acento nas formas de plural: //carácter → caracteres, espécime → especimes, júnior → juniores, sénior → seniores//, mas no caso de //regimes// (sing. //regime//), a palavra fica grave nos dous números)); //rei → reis; réu → réus; vale → vales// +  * //a → as; boi → bois; controlo → controlos//((Também cabe a forma //controle → controles//, cujo uso é habitual no Brasil)); //elite → elites; fole → foles; herói → heróis; hindu → hindus; irmao/irmão → irmaos/irmãos//((Também se pode escrever //irmám/mam// para representar a pronúncia das variedades mais ocidentais da Galiza nestas palavras e outras análogas. Neste caso, a forma de plural correspondente seguiria o modelo de //irmáns, mans//)); //javali → javalis; lei → leis; mole → moles//((Temos também as formas singulares de carácter popular //folmolpel// //val//, com igual plural: foles, moles, peles, vales)); //pau → paus; pele → peles; regime → regimes//((Note-se que alguns nomes deslocam o acento nas formas de plural: //carácter → caracteres, espécime → especimes, júnior → juniores, sénior → seniores//, mas no caso de //regimes// (sing. //regime//), a palavra fica grave nos dous números)); //rei → reis; réu → réus; vale → vales// 
-  * //álbum → álbuns; bom → bons; cançom (/canção) → cançons (/canções)((Para as palavras do tipo pam e cançom temos ainda o plural que figura entre parêntese: consulte-se a segunda regra)); //jovem → jovens; pam (/pão) → pans (/pães); rim → rins//+  * //álbum → álbuns; bom → bons; cançom (/canção) → cançons (/canções)//((Para as palavras do tipo pam e cançom temos ainda o plural que figura entre parêntese: consulte-se a segunda regra)); //jovem → jovens; pam (/pão) → pans (/pães); rim → rins//
  
 === III.2.2.1.b. Segunda regra === === III.2.2.1.b. Segunda regra ===
 Entre os acabados em -**m**, existe um grupo de nomes findos em -**am** e -**om** (formas usadas na Galiza) / **ão** (formas gerais) que podem registar um plural regular conforme foi enunciado na primeira regra, acrescentando -**s**, ou irregular, com as desinências -**ões** / -**ães**: Entre os acabados em -**m**, existe um grupo de nomes findos em -**am** e -**om** (formas usadas na Galiza) / **ão** (formas gerais) que podem registar um plural regular conforme foi enunciado na primeira regra, acrescentando -**s**, ou irregular, com as desinências -**ões** / -**ães**:
- 
   * cam/cão → cans/cães   * cam/cão → cans/cães
   * capitám/capitão → capitáns/capitães   * capitám/capitão → capitáns/capitães
Linha 175: Linha 174:
 Os plurais de tipo irregular correspondem-se com os históricos galego-portugueses, com os gerais lusófonos atuais e em certo modo com os orientais galegos((Para representar os plurais característicos deste tipo de palavras masculinas, já se tem recorrido às desinências -**ais**, -**ois** (//cais, camiois//), variantes desnasaladas das gerais -**ães**, -**ões** que também seriam admissíveis e características da maior parte das falas galegas orientais. Tenha-se em conta, porém, a instabilidade diacrónica destas formas, que já foram grafadas em Portugal como //caens/cãis, Camoes/camõis, coraçoens/coraçõis//, a transcreverem fielmente o ditongo nasalado)). Os plurais de tipo irregular correspondem-se com os históricos galego-portugueses, com os gerais lusófonos atuais e em certo modo com os orientais galegos((Para representar os plurais característicos deste tipo de palavras masculinas, já se tem recorrido às desinências -**ais**, -**ois** (//cais, camiois//), variantes desnasaladas das gerais -**ães**, -**ões** que também seriam admissíveis e características da maior parte das falas galegas orientais. Tenha-se em conta, porém, a instabilidade diacrónica destas formas, que já foram grafadas em Portugal como //caens/cãis, Camoes/camõis, coraçoens/coraçõis//, a transcreverem fielmente o ditongo nasalado)).
  
 +=== III.2.2.1.c. Terceira regra ===
 +Aos nomes que em singular acabam em consoante -**n**, -**r**, -**s** e -**z** acrescenta-se -**es** para formar o plural:
 +  * //hífen → hífenes//((Temos também //hifens// se aplicarmos a primeira regra (para os nomes acabados em -**m**) à palavra //hífen//, como é prática habitual no Brasil.)); //flor → flores; melhor → melhores; pior → piores; deus → deuses; país → países; português → portugueses; cruz → cruzes; raiz → raízes; rapaz → rapazes//
 +
 +=== III.2.2.1.d. Quarta regra ===
 +Os nomes terminados em -**al**, -**el**, -**ol** e -**ul** (tónicos ou átonos) em singular apresentam -**is** no plural, sem o -**l** final do singular((Temos um comportamento contrário à regra no caso de //cônsules// (cônsul) e //males// (mal). E ainda alguns casos que admitem o plural regular e o irregular: //féis// ou //feles// (fel), //tiles// ou //tis// (til), //méis// ou //meles// (mel))):
 +  * //animal → animais; fatal → fatais; sal → sais, total → totais//
 +  * //móvel → móveis; papel → papéis; túnel → túneis//
 +  * //anzol → anzóis; lençol → lençóis; sol → sóis, urinol → urinóis//
 +  * //azul → azuis// 
 +
 +=== III.2.2.1.e. Quinta regra ===
 +Os nomes agudos terminados em -**il** no singular apresentam no plural um -**s** em vez do -**l**:
 +  * //barril → barris; covil → covis; funil → funis; gentil → gentis; vil → vis//
 +
 +=== III.2.2.1.f. Sexta regra ===
 +Os nomes graves terminados em -**il** no singular apresentam no plural -**eis** em vez de -**il**:
 +  * //débil → débeis; fácil → fáceis; fóssil → fósseis; móbil (motivo) → móbeis; réptil → répteis; útil → úteis//
 +
 +=== III.2.2.1.g. Plural nas palavras compostas unidas por traço ===
 +  * Quando o primeiro elemento do composto admite plural (substantivo, adjetivo, numeral ordinal ou partitivo), normalmente ficam no plural os dous elementos do composto:
 +    * //couve-flor → couves-flores; peixe-espada → peixes-espadas; cofre-forte → cofres-fortes; guarda-florestal → guardas-florestais//
 +    * //meio-dia → meios-dias; quarta-feira → quartas-feiras; terça-feira → terças-feiras//
 +    * //gentil-homem → gentis-homens; social-democrata → sociais-democratas; curta-metragens → curtas-metragens; curto-circuito → curtos-circuitos; surdo-mudo → surdos-mudos; amarelo-claro → amarelos-claros; azul-marinho → azuis-marinhos; verde-escuro → verdes-escuros//
 +
 +  * Porém, nalguns casos concretos em que se considera que o segundo elemento funciona de determinante específico do primeiro, só este elemento vai para o plural:
 +    * //andar-modelo → andares-modelo; decreto-lei → decretos-lei; palavra-chave → palavras-chave; sofá-cama → sofás-cama; carro-cisterna → carros-cisterna; conceito-chave → conceitos-chave//
 +
 +  * No resto dos casos, isto é, quando o primeiro elemento é invariável (advérbios, verbos, adjetivos com forma reduzida, numerais cardinais, etc.) só o segundo elemento vai para o plural:
 +    * //afro-americano → afro-americanos; baixo-relevo → baixo-relevos; bule-bule → bule-bules; euro-deputada → euro-deputadas; guarda-lama → guarda-lamas; luso-descendente → luso-descendentes; recém-nascida → recém-nascidas; sete-mesinho → sete-mesinhos//
QR Code
QR Code pt_agal:normas:norma_da_agal:morfologia:o_nome (generated for current page)