AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Cacharela popular na zona velha BASENAME: cacharela-popular-na-zona-velha DATE: Wed, 20 Jun 2012 20:05:12 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A praça da Peixaria Velha acolherá a noite de 23 de junho, este mesmo sábado a partir das 21 horas, a festa tradicional da chegada do solstício do verao. Haverá música tradicional, pam com chouriços de graça e refrigerantes para passar a noite à volta das lumeiradas do mês de sam joám.

Aguardamos-vos para gozar dumha noite de festa.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Dia 1: Ceia polo Dia Internacional da Mulher Trabalhadora BASENAME: dia-1-ceia-polo-dia-internacional-da-mulher-trabalhadora DATE: Sun, 26 Feb 2012 23:23:46 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: Local Social CATEGORY: Actividades TAGS: ----- BODY:

Quinta-feira, primeiro dia do mês de março, recuperamos as comidas do Centro Social.

A partir das 21,30 horas poderemos degostar umha comprida ementa de:

- Arroz negro com chipirons
- Escacho com puré de couve-flor
- Taça de chocolate com noz e bolacha

Lembrai que podedes escrever para o nosso correio para participar neste evento de encontro ao redor da gastronomia do local.

A umha semana vista da celebraçom do Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, o Centro Social Henriqueta Outeiro soma-se aos atos que decorrerám na Galiza baixo o manto lilás das marchas feministas. Teremos ocasiom para falar da libertaçom sexual e de gênero ao calor desta boa ceia.

Vem-te!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Amanhá, Magusto BASENAME: amanha-magusto DATE: Thu, 17 Nov 2011 02:25:24 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Sexta-feira dia 18 temos reservado o cruzeiro de Sam Pedro para conmemorar com castanhas e música tradicional a chegada desta época do ano. A partir das 20 horas poderedes encontrar-nos no lugar à beira do lume e das gaitas, sempre que o tempo o permitir!
Passa um bocado da noitinha junto a nós, e terás castanhas de graça.

Lembra: a partir das 20 horas, no cruzeiro de Sam Pedro, Magusto do Centro Social Henriqueta Outeiro!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Ceia de homenagem a Alfonso Cano BASENAME: ceia-de-homenagem-a-alfonso-cano DATE: Tue, 15 Nov 2011 11:35:16 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: Actividades TAGS: ----- BODY:

A semana passada morria combatendo o líder revolucionário Alfonso Cano, comandante das FARC-EP colombianas. Para as pessoas que trabalhamos no Centro Social Henriqueta Outeiro, Alfonso e os seus predecesores; Alfonso e as milhares de combatentes que mantenhem o pulso a um dos mais sanguinários estados burgueses do planeta, som estrelas vermelhas que alumeam o caminho da revoluçom socialista.

Como sabedes, nos últimos meses estamos reunindo-nos no local para homenagear com umha boa ceia aquelas pessoas ou acontecimentos históricos que nos merecem reconhecimento.

Este ano político figemo-lo à volta do Dia da Galiza Combatente e O Piloto, o mês passado. Agora em Novembro viramos a olhada cara Colômbia.

Será quinta-feira dia 24, e a ementa...
- Creme de cogumelos
- Raxo com maçá
- Taça de chocolate

----- COMMENT: AUTHOR: Marco Antonio [Visitante] DATE: Tue, 15 Nov 2011 22:15:23 +0000 URL:

CAROS Camaradas, boas noites
Aonde será o evento ????
O fone anexo é de onde????
Abç

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Vamos! Mais um ano de cozinha de categoria BASENAME: title-422 DATE: Mon, 26 Sep 2011 23:55:53 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: Actividades TAGS: ----- BODY:

Começamos o curso gastronómico 2011/2012 com umha ementa curiosa que nom deixará indiferentes as pessoas comensais. Paco está de volta e receberemo-lo como se merece: com um jantar feito com a mestria das suas maos, nom podiam ser outras!

Achegai-vos a tomar com nós...:

- Salada de espinafres e queijo de cabra
- Estufado de tenreira com caramelo de pimenta
- Copa de pêssego

A ceia, que decorrerá sexta-feira dia 30 a partir das 22 horas, fecha o mês de Setembro e dá passagem ao mês das castanhas, o mês da Galiza Combatente em que lembraremos o guerrilheiro José Castro Veiga, O Piloto, derradeiro guerrilheiro em ser baleado pola Guardia Civil, na altura de 10 de Março de 1965. Foi chefe do Estado Maior da III Agrupaçom Guerrilheira de Galiza, e operou em grande parte do território nacional, nomeadamente no oriente e suleste.

O Piloto, és dos nossos!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Centro Social Henriqueta Outeiro lamenta e condena agressom sofrida BASENAME: centro-social-henriqueta-outeiro-lamenta-e-condena-agressom-sofrida DATE: Thu, 14 Jul 2011 10:50:21 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Local Social CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Centro Social Henriqueta Outeiro sofreu umha agressom na madrugada do passado 10 de julho. Este espaço de convívio e trabalho da esquerda independentista compostelana, assim como sede nacional de BRIGA e NÓS-UP, apareceu com as três fechaduras bloqueadas e umha pintagem insultante contra NÓS-UP e a algumhas das e dos seus militantes.

Nom é a primeira vez que sofremos umha agressom. Há uns meses fôrom pintadas nazis.

Sabemos que a direçom de Causa Galiza nada tem que ver com estes lamentáveis factos, perjudiciais para o conjunto do movimento.

É a primeira ocasiom na que somos atacados por pessoas aparentemente enquadradas no nosso próprio espaço político: a esquerda independentista. Isto ocasiona-nos um grande pesar, principalmente porque os e as sócias do CSHO sempre achamos como positivo o debate franco de ideias, sem subterfúgios de nengum tipo, dentro daqueles que luitamos por um mesmo horizonte de libertaçom nacional e social de género.

A responsabilidade de que a luita ideológica esteja sendo substituída pola agressom material direta há que procurá-la no ambiente extremadamente conflitivo que estamos a viver dentro da esquerda independentista, e naqueles que nom contribuem claramente a extirpar estes comportamentos de setarismo atroz. Entendemos, portanto, necessário que os distintos coletivos que conformam o heterogéneo mundo do independentismo marquem claramente as limites e rejeitem atitudes, como a sofrida por este Centro Social ou o CS Lume! de Vigo; que convertem a diferencia política legítima em comportamentos indignos a combater.

Aproveitamos para desejar um feliz Dia da Pátria a tod@s aquel@s que luitam por umha Galiza cive, socialista e feminista, e com @s que, com certeza, coincidiremos desde o respeito em multidom de batalhas.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Primeira cacharela do CSHO na Peixaria Velha BASENAME: primeira-cacharela-do-csho-na-peixaria-velha DATE: Thu, 30 Jun 2011 23:32:22 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Dúzias de pessoas dançárom, comêrom e falárom ao calor das brasas veraniegas da cacharela do solstício de verao que organizou pola primeira vez o Centro Social Henriqueta Outeiro nas ruas da nossa cidade. A Peixaria Velha acolheu a lumeirada, acompanhada de chouriços de graça e um balcom de refrigerantes e outras bebidas. Com esta singela proposta, milhares de lugares do País recebem o verao com outras tantas milhares de fogueiras.

Oxalá que as cacharelas de Compostela tenham ajudado a depurar a cidade do mau agoiro ultracatólico que se instalará desde segunda-feira na câmara municipal.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Cacharela do solstício de verao BASENAME: cacharela-do-solsticio-de-verao DATE: Wed, 22 Jun 2011 01:06:29 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Na Peixaria Velha, imos organizar umha cacharela. A chegada do solstício com as noites mais breves do ano, anuncia umha mudança de ciclo em que estas volverám medrar até o inverno.

Quinta-feira dia 23, passa-te a tomar uns chouriços com pam de graça e a beberes algo pola zona velha. Várias lumeiradas amenizarám umha noite tradicional nas festas populares galegas. Entre elas, polo primeiro ano, a nossa!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Ceia despedida de Paco BASENAME: ceia-despedida-de-paco DATE: Fri, 27 May 2011 12:54:51 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Quinta-feira passada Paco foi despedido no nosso local por algumhas amizades antes de emigrar. Até que volva, do CSHO queremos parabenizá-lo polas ensinanzas que nos deixa, e procuraremos inspirar-nos nelas para continuar com o trabalho culinário que tantas alegrias nos deu.

Nessa noite, Paco recebeu dous presentes e alguns aplausos como pequeno gesto de reconhecimento.

Sorte no teu destino, e adiante a cozinha do Centro Social!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Paco emigra, e nós despedimo-lo com umha ceia. Vem desejar-lhe boa viagem! BASENAME: paco-emigra-e-nos-despedimo-lo-com-umha-ceia-vem-desejar-lhe-boa-viagem DATE: Mon, 16 May 2011 23:24:41 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: Local Social CATEGORY: Actividades TAGS: ----- BODY:

O nosso chefe de cozinha Paco vai estar fora do País um tempo... e imo-lo botar de menos, e em falta. Mas isso nom evita que "celebremos", como mandam as tradiçons, esta despedida com algo de mágoa mas sobre todo com ilusiom polo seu futuro e pola aprendizagem que nos legou, e que procuraremos levar à prática sem ele.

Esta sexta-feira a partir das 22 horas, umha ceia à qual estás convidad@ será a última desta primeira jeira ao mando da equipa de cozinha do Centro Social.

Vem-te despedi-lo com nós! Nom o perdas!

A ementa será a seguinte:

- Salada de gambas, queijo e frutos vermelhos
- Abrótea "ajoarriera"
- Copa de creme catalana e mousse de chocolate

Aponta-te chamando ao 676 75 81 64 ou escrevendo para cshenriquetaouteirogz@gmail.com. Até quinta-feira podes!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Cozinhamos para a Festa do 17 da Gentalha do Pichel BASENAME: cozinhamos-para-a-festa-do-17-da-gentalha-do-pichel DATE: Mon, 16 May 2011 14:38:10 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Gastronomia TAGS: ----- BODY:

A nossa habitual equipa de trabalho gastronómico e de serviço, integrada por militantes independentistas filiad@s ao nosso Centro Social, ocupárom-se de facilitar a cozinha e o empratado da ementa que a Gentalha do Pichel solicitou para o jantar da jornada lúdica a reivindicativa.

O 17 de Maio transladou-se este ano até 14 para aproveitar o sábado e ocupar a Praça 8 de Março de Compostela, onde o movimento de base normalizador e reintegracionista galego estivo chamado polo Centro Social A Gentalha do Pichel.

Aos atos, em que participamos diversas pessoas do nosso CS todos os anos dum jeito mais passivo, contribuimos nesta ocasiom ativamente, utilizando as nossas instalaçons em Quiroga Palácios e as nossas habilidades sob a coordenaçom de Paco para oferecer aos amigos e às amigas da Gentalha do Pichel o nosso graozinho de areia.

Alegramo-nos deste tipo de colaboraçons, que dam conta dum natural clima de fraternidade entre as pessoas da cidade e comarca que trabalhamos diariamente por um mesmo fim: a nossa língua, a nossa naçom.

Obrigad@s por confiardes-nos a tarefa!
Parabéns pola Festa do 17!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Reintegracionismo homenageia Guerra da Cal BASENAME: title-389 DATE: Fri, 13 May 2011 22:23:16 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Local Social CATEGORY: Actividades TAGS: ----- BODY:

O Centro Social Henriqueta Outeiro adere à iniciativa do Centenário Guerra da Cal, em conmemoraçom do nascimento do escritor e filólogo galego de origem ferrolana.

A Academia Galega da Língua Portuguesa tem habilitado um espaço dedicado especificamente a homenagear mais um dos insignes reintegracionistas que deu este País e que nos deixárom o sêculo passado.

O portal na rede da Academia Galega da Língua anuncia umha convocatória que decorrerá em Compostela próxima terça-feira e à qual aderimos como entidade reintegracionista e normalizadora da cidade, diante de cujo monumento a Carvalho Calero vos convidamos a participar a partir das 11h30.

O ato contará com leituras do autor e mais de Lois Pereiro, de quem nom nos esquecemos nestas datas. Aliás, haverá posteriormente um percurso polas ruas da capital galega.

----- COMMENT: AUTHOR: umqualquer [Visitante] DATE: Mon, 16 May 2011 07:40:58 +0000 URL:

Parabéns pela adesão!
assim é como se demonstra que o reintegracionismo somos um movimento sério, com gente que trabalha a diário como o vosso centro social.

Amanhã em Compostela, lá estaremos!

----- COMMENT: AUTHOR: Vicente [Visitante] DATE: Sun, 15 May 2011 16:14:01 +0000 URL:

Grande notícia contar com o apoio e participação do C.S. Henriqueta Outeiro na homenagem a Ernesto Guerra da Cal, um dos galeguistas silenciados pelo pinheirismo.
Parabéns e obrigado. Vemo-nos lá.

Vicente
Associação Pró-AGLP

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Jantar de confraternizaçom no 1º de Maio BASENAME: title-385 DATE: Sun, 01 May 2011 20:26:09 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:
----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Ceia antinuclear BASENAME: ceia-antinuclear DATE: Tue, 05 Apr 2011 22:15:07 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Gastronomia TAGS: ----- BODY:

Quinta-feira, dia 7, acode comer com nós ao Centro Social umha nova elaboraçom da casa, realizada sob o aniversário das marchas antinucleares em Jove contra a instalaçom dumha planta no lugar.

Homenageando essas jornadas de luita de 1977, que alumeárom o Abril daquela altura, serviremos-vos umha deliciosa ementa composta por:

- Tosta de pemento com atum e tomate, queijo e cogumelos
- Galo com vinho e chocolate
- Copa de limom, cabaça e pêxego

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Convidad@s e participantes das JIG comérom no CSHO BASENAME: title-381 DATE: Mon, 04 Apr 2011 21:10:08 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Debates e Palestras TAGS: ----- BODY:

As Jornadas Independentistas Galegas organizadas por Primeira Linha decorrêrom com o sustento das nossas instalaçons como espaço para as quatro comidas oferecidas ao longo do fim-de-semana.

Dúzias de pessoas passárom e comprovárom as habilidades culinárias das muitas pessoas que figérom possível a acolhida dentro dum local reabilitado com a nova decoraçom exterior e alguns serviços interiores como a biblioteca.

Também as pessoas vindas doutros países da península, umhas pola primeira vez e outras já conhecedoras do nosso Centro Social, marchárom da Galiza conhecendo as possibilidades que a autoorganizaçom na esquerda independentista permite para coordenar encontros nacionais de vários dias com os serviços básicos cobertos.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Mudamos de cara BASENAME: title-374 DATE: Sun, 27 Mar 2011 20:58:45 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Local Social CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Sim. Mudamos de imagem exterior. Para bem, sem dúvidas. Mas... com certeza, continuamos a ser as mesmas e os mesmos, com as ganas renovadas que reflecte a pintura nova que cobre a ferralha cinzenta que fôrom até agora as reixas exteriores do Centro Social.

A maiores, também no interior se desenvolvem desde há semanas tarefas de acondicionamento e melhora do espaço de convívio e trabalho, de reuniom e debate, que foi e continuará sendo o Centro Social Henriqueta Outeiro.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Acolhemos refeiçons das XV Jornadas Independentistas Galegas BASENAME: title-371 DATE: Tue, 22 Mar 2011 09:51:23 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Local Social CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: Actividades TAGS: ----- BODY:

Este fim de semana o local acolherá as refeiçons das Jornadas Independentistas Galegas organizadas polo partido comunista patriótico Primeira Linha.

Este ano alcançam a XV ediçom, e na rua Quiroga Palácios teremos o trabalho e a sorte de acolher as dezenas de pessoas que se abonem às refeiçons que durante dous dias proverá a entidade organizadora às pessoas assistentes, entre elas as ponentes chegadas doutros pontos da península.

Será um novo momento em que o Centro Social ficará na memória da construçom nacional dessa Galiza rebelde e lilás que dia a dia ajudamos a construir desde as nossas instalaçons.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Acondicionamento exterior do local BASENAME: acondicionamento-exterior-do-local DATE: Thu, 10 Mar 2011 22:08:42 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Local Social CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O nosso local estará numhas semanas totalmente distinto. Polo menos visto desde fora e fechado. Os labores de acondicionamento do local avançam nom só no interior, mas também afora.

Preta e amarela fôrom as cores escolhidas para adecentar a reixa de segurança. A equipa de trabalho do local permanece acondicionando o material para deixá-lo finalmente mudado.

Em próximas semanas esperamos poder-vos oferecer algumha imagem mais do Centro Social Henriqueta Outeiro remodelado, por fora e por dentro.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Andamos de reformas! BASENAME: andamos-de-reformas DATE: Fri, 04 Mar 2011 01:31:03 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Local Social CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Parabenizamo-nos polos progressos que a equipa de "operári@s" particulares com que contamos entre a nossa filiaçom está a dar ao local da rua Quiroga Palácios.

Para gozo da nossa gente, já temos biblioteca como elemento mobiliário do local. Umha biblioteca decente e de boa qualidade, que está a ser gerida para acolher dúzias de livros.

Proximamente informaremos da listagem de obras disponíveis, e do estado final em que acabarám as reformas, assim como da possibilidade de doardes os vossos livros para incorporá-los à biblioteca e contribuir para criar um centro social digno de tal nome.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Ceia em homenagem ao Banquete de Conjo BASENAME: ceia-em-homenagem-ao-banquete-de-conjo DATE: Sun, 27 Feb 2011 01:46:21 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: Actividades TAGS: ----- BODY:

Dentro duns dias fará-se mais um aniversário do famoso Banquete de Conjo, em que a vanguarda inteletual do galeguismo do sêculo XIX combina a sua presença no movimento artesao e estudantil para reafirmar os seus postulados protonacionalistas.

Na mesma cidade, muitos anos depois, os e as filiadas do Centro Social cremos que deve perviver na memória da Galiza em construçom o engenho e a impronta dum larguíssimo movimento de reivindicaçom nacional de que somos legatári@s como expressom socialista dele.

Convidamos-vos a um outro banquete, este da mao de Paco e os seus e suas pinches. Nom marcaremos umha data para a posteridade com a sua realizaçom, mas sim achegaremos mais um grao de areia para um movimento político em marcha que sim ficará gravado na história do País.

Ementa:
- Salpicom de marisco
- Costela assada com prebe de mel e limom
- Chulas de maça

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Sucedida palestra do camarada argentino BASENAME: sucedida-palestra-do-camarada-argentino DATE: Sun, 13 Feb 2011 23:02:05 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Palestras CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: Actividades TAGS: ----- BODY:

O ato de Néstor Kohan foi um sucesso. Nom apenas porque assistissem mais de médio cento de pessoas, também porque o conteúdo do seu discurso, introduzido polo secretário geral de Primeira Linha -entidade convocante-, foi recebido com grande interesse e motivo para a reflexom.

O Centro Social sente-se vivo graças a atos assim, e graças à assistência toda de vós, que tornades estes humildes contributos à teoria da revoluçom socialista em grandes lembranças que terá a Compostela vermelha de amanhá para rememorar e tirar liçons e argumentos para o debate sobre como fazer um mundo melhor.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: ... e com o pouso do debate comeremos! BASENAME: e-com-o-pouso-do-debate-comeremos DATE: Sun, 06 Feb 2011 01:03:21 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: Actividades TAGS: ----- BODY:

Após o encontro com o camarada argentino Néstor Kohan, o Centro Social tem o prazer de oferecer-vos mais umha oportunidade para compartir mesa arredor dumha boa ementa tradicional.

O próprio argentino poderá degostar com nós dumha ceia consistente de:

- Sopa de peixe e marisco
- Carne ao caldeiro
- Peras ao vinho
- Café e bica

De seguro que marchará para Vigo com umha boa sensaçom, polo menos gastronómica, que @s companheir@s da Henriqueta Outeiro trabalharemos para oferecer-lhe.

Anima-te a vir ao debate e... nom duvides em apontar-te a comer com nós!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Chega Néstor Kohan ao CSHO BASENAME: title-353 DATE: Sat, 05 Feb 2011 00:24:19 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Palestras CATEGORY: Local Social CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: Actividades TAGS: ----- BODY:

A organizaçom partidária comunista Primeira Linha, integrada no Movimento de Libertaçom Nacional Galego, vai trazer às nossas instalaçons o argentino Néstor Kohan.

O intelectual marxista estará pola segunda vez em menos de três anos no nosso Local Social, e poderemos escuitá-lo e departir com ele durante horas.

Remetemos ao comunicado publicado por Primeira Linha no seu web, citando-vos a partir das 20,30 com a esquerda revolucionária galega, para a formaçom e o debate.

O inteletual marxista argentino Néstor Kohan participará em duas palestras organizadas por Primeira Linha vindoura segunda-feira 7 e terça-feira 8 de fevereiro em Compostela e Vigo respetivamente.

Os dous atos públicos intitulados ?A vigência do marxismo. Alternativa emancipadora à crise capitalista?, que se realizarám nos centros sociais Henriqueta Outeiro e Lume!, permitirám analisar a validez do método de análise de Karl Marx e a sua aplicaçom revolucionária na atual crise sistémica que padece o capitalismo senil.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Ceia nicaraguana BASENAME: ceia-nicaraguana DATE: Thu, 03 Feb 2011 11:46:58 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: Actividades TAGS: ----- BODY:



Vamos lá com umha nova ceia, a primeira deste mês de Fevereiro. Nesta ocasiom homenagearemos o líder e fundador do Frente Sandinista de Libertaçom Nacional, o nicaraguano Carlos Fonseca.

A ementa para a cita estará composta por:

- Tortilha vegetal
- "Gallo pinto"
- Salada de frutas tropical sobre biscoito de milho

Umha típica comida centroamericana que será do gosto de tod@s. Será amanhá sexta-feira a partir das 21h.
Lembra que podes confirmar assistência escrevendo para o correio cshenriquetaouteirogz@gmail.com
Nom o perdas!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Ceia pré-greve BASENAME: ceia-pre-greve DATE: Sun, 23 Jan 2011 17:53:54 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Para umha nova jornada de luita, umha ceia ligeira. O Centro Social Henriqueta Outeiro oferta-vos esta possibilidade para as horas prévias ao início da convocatória de greve para o território da CAG.

Em primeiro lugar, o nosso Centro Social quer expressar publicamente que secunda o chamamento à greve. O nosso local é umha ferramenta para a esquerda nacional combativa durante todo o ano. Nesta cita, como na anterior greve de 29 de Setembro, aproveitaremos a ceia para debater sobre o presente e futuro imediatos, as impressons sobre o clima de paro na cidade, e colher forças para as horas seguintes.

Anima-te a começar esta noite com nós, degostando a seguinte ementa:

- Creme Vichy (cenouras) com picatostes
- Jamoncinhos de polo com risotto de espargos trigueiros e cogumelos
- Torta Sacher de chocolate e morangos

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Ceia por umha universidade galega e popular BASENAME: ceia-por-umha-universidade-galega-e-popular DATE: Mon, 13 Dec 2010 22:39:08 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: Actividades TAGS: ----- BODY:

No mesmo dia em que esperamos ver centenares de estudantes nas ruas da capital, exigindo o seu direito a titular-se agora que se precarizam as condiçons de existência nesse espaço em elitizaçom progressiva, o Centro Social Henriqueta Outeiro fará umha nova ceia.

Faremo-la rendendo homenagem a companheiras e companheiros da esquerda independentista que estám a trabalhar arreu polo sucesso da convocatória, que partirá às 12 horas da praça do Toral. Por isso, chamaremos a esta a "Ceia por umha universidade galega e popular".

Para que essa noite, em boa companhia e com umha desejada boa presença de juventude estudantil, se poda reflectir sobre o labor realizado, valorizar os actos e prever mais intervençons políticas, umha equipa de trabalho gastronómico, a especialidade do CS, dedicará-se a cozinha faces de ibérico com talahrins, creme de cabaça e umha fabulosa sobre-mesa de amêndoas, limom e merengue, a torta mascota.

Lembra: Quinta-feira às 21,30 horas em Quiroga Palácios, no Centro Social. Acode e come bem, rebelde e bonito!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Pintadas fascistas contra o nosso Centro Social BASENAME: pintadas-fascistas-contra-o-nosso-centro-social DATE: Wed, 01 Dec 2010 12:32:38 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Local Social CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O Centro Social Henriqueta Outeiro, como outros muitos espaços de trabalho e convivência contra o sistema, contra os seus interesses, tem sido ameaçado pola via legal e pola ilegal.O nosso centro social nom provoca indiferença, tem um compromisso insubornável com a independência da galiza, a construçom do Socialismo e a emancipaçom da mulher.

A noite da quinta-feira 25 de Novembro, fascistas deixárom tatuado o seu ódio contra o que somos e representamos.

Várias pintadas fascistas, anticomunistas, fôrom pintadas na fachada do local. Também em ruas anexas aparecêrom pintadas racistas sem nada novo que aportar à Galiza que luita, além dumha limpeza rápida.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Ceia de Dezembro, ceia do inverno contra a constituiçom espanhola BASENAME: ceia-de-dezembro-ceia-do-inverno-contra-a-constituicom-espanhola DATE: Tue, 30 Nov 2010 01:10:10 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Local Social CATEGORY: Gastronomia TAGS: ----- BODY:

Por mais um ano, as e os activistas do Centro Social vamos oferecer-vos todo preste na mesa para a degustaçom da ementa escolhida para este mês: umha creme de cogumelos, galo com espinafres e castanhas, e flam de laranja.

Toda a comida virá a ser elaborada pola nossa equipa de trabalho gastronómico, que tanto reconhecimento se tem ganhado ao longo de muitos meses de jantares e ceias.

Neste caso será ceia, em concreto às 21 horas esta quinta-feira dia 2. Contra o frio que vai na capital do País, um encontro quente com todo preparado... dá gosto!

Anima-te oh!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Ceia polo décimo aniversário de AGIR BASENAME: title-328 DATE: Sat, 30 Oct 2010 21:31:00 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Local Social CATEGORY: Gastronomia TAGS: ----- BODY:

AGIR celebrou o seu X aniversário com umha ceia no Centro Social Henriqueta Outeiro. Foi um dos actos programados pola entidade estudantil do MLNG para conmemorar que em Setembro deste ano 2010, figérom 10 anos do fim do processo de convergência de EI e FER para aglutinar todo o independentismo organizado numha só estrutura.

A ceia decorreu com a intervençom das pessoas que gerírom desde a Responsabilidade Nacional de Organizaçom, ligando assim as alocuçons dos primeiros tempos com as do AGIR actualmente existente, representado pola sua Direcçom Nacional saída do VII Assembleia Nacional.

O Centro Social Henriqueta outeiro deseja mais dez anos de activismo ininterrompido por umha Escola Nacional Galega, pública, democrática, antipatriarcal e de qualidade.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Horários de Inverno BASENAME: horarios-de-inverno DATE: Mon, 25 Oct 2010 22:21:31 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Local Social CATEGORY: TAGS: ----- BODY:
Mapa de localizaçom do Centro Social Henriqueta Outeiro

A partir de já, o Local da rua Quiroga Palácios manterá um horário de abertura semanal como segue:

- Terças-feiras: 19h a 22h
- Quartas-feiras: 19h a 22h
- Quintas-feiras: 19h a 22h

Lembra que desntro deste horário te podes dirigir à pessoa encarregada do balcom para qualquer sugestom ou consulta de interesse. Também podes solventar estas questons escrevendo para o nosso correio: cshenriquetaouteirogz@gmail.com

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Celebramos 10 anos de Organizaçom Estudantil BASENAME: celebramos-10-anos-de-organizacom-estudantil DATE: Thu, 14 Oct 2010 23:29:39 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Local Social CATEGORY: Gastronomia TAGS: ----- BODY:

Celebramos com AGIR o seu décimo aniversário. Este mesmo ano, e em concreto em Setembro, a organizaçom estudantil da esquerda independentista fazia 10 anos.

O Centro Social, referente para a autoorganizaçom do Movimento de Libertaçom Nacional Galego na capital do País, serve hoje de acolhida mais umha vez a pessoas que integram ou integrárom AGIR.

As e os jovens contárom mais umha vez com o local para reunir militantes e amizades. Com certeza, umha ceia servirá de gratificaçom às pessoas convidadas. A todas elas só pedimos a responsabilidade suficiente para caminhar mais dez anos organizad@s e prestes a transmitir o legado da luita estudantil galega a novas dezenas de escolares.

Com o galho desta cita, o Centro Social editou um tríptico relativo à efeméride, percorrendo nele alguns dos aspectos centrais da continuidade histórica da primeira organizaçom independentista sectorial unitária de finais do sêculo passado.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Imos quecendo motores... BASENAME: imos-quecendo-motores DATE: Wed, 22 Sep 2010 22:16:00 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Gastronomia TAGS: ----- BODY:

... para a Greve Geral do 29!!

O Centro Social reaparece este novo curso político com a sua linha de actividades focadas na participaçom arredor do nosso espaço físico na sede de Quiroga Palácios.

Fazemo-lo ao nosso particular jeito: dando-vos de comer!, se é que nom vos animades a participar também nos preparativos...

A partir das 21,30 horas do dia prévio à jornada de luita e reivindicaçom da nossa classe, companheiros e companheiras juntaremo-nos à mesa para dar o calor que um dia assim vai requerir-nos. Para deixar as maos livres à agitaçom, descansaremos do trabalho após as horas de cozinha necessárias para habilitar o local e colocar as raçons na mesa.

Arroz com coelho, faves estufadas com talharins e torta para escolher: de chocolate ou de pêssego e nata.

Esperemos que a jornada do 29 seja frutífera para os nossos interesses de classe, e a digestom seja ao calor da luita operária.

Bem-vindos mais um ano político ao Centro Social!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Dia 17-M. Um dos grandes jantares. BASENAME: dia-17-m-um-dos-grandes-jantares DATE: Thu, 17 Jun 2010 10:06:15 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Local Social CATEGORY: Gastronomia TAGS: ----- BODY:

O jantar deocrrido após a manifestaçom das Letras na capital foi um dos mais numerosos dos servidos no local da rua Quiroga Palácios.

Os e as comensais degostárom suculentos pratos e sobre-mesa, num dia de sol radiante que finalizou sendo mais umha das 4 reivindicaçons consecutivas que, de forma maciça, transladárom às ruas de Compostela milhares e milhares de galeg@s.

Apenas havia espaço no local para a comodidade das pessoas assistentes. Porém, finalmente nom houvo problema para ubicar as mais de meio cento de clientes.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Dia das Letras: marcha laranja e jantar no CSHO BASENAME: title-289 DATE: Sun, 09 May 2010 03:56:36 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Gastronomia TAGS: ----- BODY:

O nosso local vai estar aberto para receber, mais umha vez, as pessoas que tomem parte numha mobilizaçom nacional cujo cenário serám as ruas da capital do País. Compostela, a nossa cidade, convida galegas e galegos conscientes da situaçom de minorizaçom e ameaça extintiva que se cerne sobre a nossa língua, a participar numha mobilizaçom com o galho do 17 de Maio.

O Dia das Letras, feriado no calendário institucional, segunda-feira da semana que vem, volve chamar a Galiza viva a secundar umha marcha que se prevê multitudinária em defesa do galego. A plataforma dirigiada polo autonomismo bilingüista, Queremos Galego, convocará milhares de pessoas. E o reintegracionismo, do qual o nosso Centro Social fai parte orgulhosamente, também se fará ver como alternativa viável e honesta polo monolingüismo social e a promoçom da internacionalizaçom natural do galego.

Um bloco laranja em que tomaremos parte percorrerá as ruas da capital chamando a normalizar a língua utilizando as ferramentas da normativizaçom autónoma de Espanha e da sua simbologia ortográfica.

E depois, um jantar. Para que todas as pessoas vindas de fora tenham um espaço e tempo para o convívio e a degustaçom das nossas ementas. Preparadas com o trabalho de dezenas de activistas locais, satisfaremos o apetito e o acomodo de dezenas de irmaos e irmás de luita.

Salada de ave com granada, arroz preto com jíbia e umha copa de gelado e frutas de sobremesa. Apetecível, nom é? Pois podes apontar-te com só um requisito: que participes antes no bloco 100% em galego.

Vemo-nos o nosso Dia das Letras!

----- COMMENT: AUTHOR: Heitor [Visitante] DATE: Tue, 11 May 2010 08:04:18 +0000 URL:

Bom convite e boa ementa!
Contade comigo.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Festas Populares 2010. Compostela viva! BASENAME: title-285 DATE: Mon, 03 May 2010 15:47:19 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Roteiros TAGS: ----- BODY:

Compostela vive além das suas instituiçons públicas. E este ano, pola primeira vez, numerosos colectivos activos na vida política e lúdica da capital da Galiza formulamos um programa de actividades alternativo às Festas da Ascensom, estas sim oficiais no calendário de actividades do Concelho.

O Centro Social Henriqueta Outeiro incorporou-se às actividades das Festas Populares 2010. Pareceu-nos umha iniciativa excelente para activar a populaçom local e interferir na vida ordinária das semanas festivas da cidade com umhas festas organizadas desde abaixo. Desde as assembleias de activistas que durante todo o ano fam possível que Compostela seja algo mais que aborrecid@s estudantes "chapons" e "chaponas", algo mais que recordes de alcoolímetros para descansar as maos e a cabeça os fins de semana, algo mais que funcionári@s de passeio aletargado, algo mais que missas lotadas e música estridente contaminando a Alameda quando chega o calor e a imensa nora...

Desde a humildade das nossas possibilidades sabemos que o podemos passar em grande. E fazer umha vida festiva muito mais interessante e amena que a oferecida ritualmente polos concelhos do País.

Nós, o dia 8 de Maaio, imos saír de passa-ruas. Com bandeiras e @s noss@s músic@s. De rota desde a Porta do Caminho até o Centro Social em Quiroga Palácios, onde remataremos com um dos nossos espectaculares jantares.

Animas-te? Vem-te o sábado às 12,30 à Porta do Caminho!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Dous anos após a morte dum camarada BASENAME: dous-anos-apos-a-morte-dum-camarada DATE: Mon, 26 Apr 2010 01:16:20 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

Já vam lá dous anos que faleceu o nosso amigo e camarada comunista português Francisco Martins, vítima dumha doença física. O melhor amigo que Galiza tivo no colectivo Política Operária, embaixador da nossa luita nacional, social e de género, morria a noite dum 22 de Abril.

Passou-se este 2010 um novo aniversário doutro dia de Abril exportado desde o país vizinho para o mundo, o 25.

Dous dias de Abril que sempre viverám na memória das pessoas simpatizantes com a esquerda portguesa heterodoxa e genuína, como aquela sobre a qual tanto aprendemos com o "Chico".

Há menos de dous anos dedicávamos um jantar revolucionário a ele. Daquela, o Centro Social editara um colante e um tríptico digitalizado. O colante encabeça esta notícia, e o tríptico sobre a vida do Francisco Martins Rodrigues podedes lê-lo ou relê-lo clicando .

Até a vitória sempre, companheiro! Saúda mais um ano o Centro Social Henriqueta Outeiro a tua memória, e aliás às pessoas queridas que compartimos no vosso Portugal natal.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Manifestaçom e jantar posterior pola Revoluçom cubana BASENAME: title-281 DATE: Mon, 19 Apr 2010 20:09:34 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Gastronomia TAGS: ----- BODY:

Finalmente as nuvens aguentárom e até a tarde nom pingou sobre as ruas de Compostela. Um domingo tranquilo, sem apenas gente pola rua, foi umha boa ocasiom para mostrar na capital do nosso País, nas ruas da nossa cidade, que Cuba tem amigas e amigos na Galiza. Que tem defensoras e defensores da sua Revoluçom, e que a farsa mediática tem muito poder através dos cabos e das ondas de televisom, mas carece da força necessária para convencer as centenas de pessoas que imos continuar a defender a soberania do Povo cubano, e a sua transiçom imparável e duradoira face a umha sociedade sem exploraçons de qualquer tipo.

Jantar no Centro Social

Mais um domingo, tivemos as portas do local abertas para acolher activistas. Desta volta dezenas delas e deles que vinham de rematar na Praça do Toral a marcha convocada pola Associaçom de amizade galego-cubana Francisco Vilhamil.

Foi um dos encontros mais grandes em participaçom, e portanto um dos mais laboriosos para a nossa equipa de cozinha e limpeza, encarregada de oferecer um serviço de primeira aos e às convidadas.

O Centro Social Henriqueta Outeiro agradece a confiança que depositam em nós dezenas de companheir@s de todo o País. Após vários anos de trabalho, sabem que se há que vir a Compostela, um lugar para comer bem e em boa companhia está em Quiroga Palácios.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Jantar popular. Homenagem à Revoluçom Cubana BASENAME: title-279 DATE: Wed, 14 Apr 2010 21:25:59 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Gastronomia TAGS: ----- BODY:

O Centro Social Henriqueta Outeiro vai alargar a homenagem à Revoluçom cubana que Galiza vai fazer saíndo às ruas na sua defesa este Domingo.

A capital do País volve ser o lugar de encontro para centenas de pessoas que virám mostrar, convocadas pola Associaçom de Amizade Galego-Cubana "Francisco Vilhamil", a sua solidariedade e adesom à revoluçom antiimperialista que protagoniza o Povo da ilha caribenha.

Após anos e anos de simbiose entre a imprensa burguesa de sempre e os interesses do grande capital, os últimos meses arreciou-se a ofensiva mediática. O capitalismo em crise precisa de esmagar a resistência em todas as áreas do mundo, e a América Latina é um terreno especialmente incómodo, onde Cuba representa umha vanguarda que Obama e companhia temem especialmente. Nada pior para eles e os seus sequazes que um Povo culto e em armas preste para defender a sua Pátria da irracionalidade do mercado.

Jantar

A seguir da manifestaçom que parte às 12,30 da Alameda, por volta das 15 horas, teremos a oportunidade de irmos jantar ao nosso local em Quiroga palácios.

A ementa da ocasiom:
- Arroz congri
- Fricase de polo à cubana
- Flam de ananás

Este jantar popular servirá de encontro para berrar, já sentad@s, "Pátria, Socialismo ou Morte! Venceremos!"

Adiante com a Revoluçom Cubana!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Continuamos dando sabor aos encontros do MLNG BASENAME: continuamos-dando-sabor-aos-encontros-do-mlng DATE: Mon, 12 Apr 2010 23:49:38 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Gastronomia TAGS: ----- BODY:

A organizaçom juvenil do MLNG, BRIGA, convocou para o passado sábado um intenso dia de actividades na Galeria Sargadelos. Estas ocupárom toda a jornada, desde a manhá até a mesma noite, quando muitas mulheres e alguns homes se deixárom cair polo local 'As Dúas'.

A hora de jantar foi pois, umha nova ocasiom para que as pessoas participantes nas sessons de debates e palestras de manhá e tarde pudessem descansar um bocado. E encher o estômago. Para isto, nengum lugar melhor do que o nosso Local na rua Quiroga Palácios, dirigido desde a cozinha magistralmente polo Paco e os seus e as suas "pintxes".

Dous pratos e umha sobre-mesa fôrom oferecidos às pessoas assistentes, para a seguir abandonarem o local de novo rumo à zona velha, onde continuariam com a formaçom feminista.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: IV sessom do CEM BASENAME: iv-sessom-do-cem DATE: Wed, 31 Mar 2010 19:32:38 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Debates e Palestras TAGS: ----- BODY:

O passado 20 de Março decorreu no local da rua Quiroga Palácios o quarto encontro de debate e formaçom impulsionado desde o Centro Social Henriqueta Outeiro.

Mais umha vez, várias pessoas juntárom-se ao longo de manhá e tarde para debater sobre a base duns textos recomendados. Estes fôrom explicados ou utilizados de referência durante a ponência por parte dum militante experimentado na elaboraçom teórica do pensamento nacional e de esquerdas sobre os modelos de estruturaçom das organizaçons nacionais e de classe.

Amanhá começa o mês de Abril e será entom que procuraremos continuar esta jeira mensal de encontros para a formaçom.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Artábria promove homenagem nacional a Carvalho Calero BASENAME: title-271 DATE: Wed, 24 Mar 2010 23:39:02 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Local Social CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A Fundaçom Artábria vem de organizar umha homenagem nacional à insigne figura do reintegracionismo lingüístico que, desde as terras de Trasancos, levou o nome da recuperaçom lingüística ao seu mais alto estadio, e legou-nos umha coerência e umha teoria exemplar para postular a nossa língua como genuinamente galega, e nom espanhola.

E como galega lingüisticamente; portuguesa, lusófona... Internacional!

Estamos aos 20 anos da morte e os 100 do nascimento do autor e professor ferrolám. Um momento idóneo para juntar-nos à volta da sua obra e do seu vivo recordo entre nós, a comunidade galegófona reintegracionista, cada vez maior, que é fruto da sua semente.

Do Centro Social Henriqueta Outeiro, como amigas e amigos da Fundaçom Artábria, como mais um Centro Social continuador do seu exemplo de vitalidade para umha urbe espanholizada, sugerimos desde o nosso portal a leitura do comunicado e a sucessom de actividades previstas para a jornada do 27 de Março, este sábado.

Todos e todas quem podades, achegai-vos a Ferrol!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Nova sessom do CEM decorreu este fim de semana BASENAME: title-255 DATE: Sun, 28 Feb 2010 20:18:44 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Este sábado decorreu a terceira sessom do Centro de Estudos Marxistas, desde que este ano recomeçara a sua actividade dirigida à formaçom e e debate no seio da Compostela de esquerdas e independentista.

Por fim pudemos fechar, com a segunda parte, a dupla jornada sobre "História, ideologias e programas da esquerda independentista galega (EIN) desde 1964.

Agradecemos todas as pessoas participantes o seu interesse e achegas, que de seguro continuarám no imediato.

Estamos pois na hora de encetar umha quarta sessom, que nom demorará muitas semanas.

A ler, luitar e debater!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Ceia chinesa. Ceia revolucionária! BASENAME: ceia-chinesa-ceia-revolucionaria DATE: Tue, 23 Feb 2010 22:25:00 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Nova ceia! Agora será o líder da revoluçom chinesa, Mao Zedong, quem será lembrado no nosso local com a realizaçom dumha ementa de comida chinesa na honra dos milhons de chineses e chinesas que se sacudírom o jugo imperialista de numerosas potências e tentárom experimentar o caminho da revoluçom nacional.

Na pouca conhecida história do grande país assiático, procuraremos abrir um oco para o conhecimento duns acontecimentos históricos singulares e que determinárom a escala internacional o porvir, o presente, da esquerda socialista e comunista.

A ementa desta ocasiom será:
- Creme de cabaça ao curry
- Porco agridoce com verduras e arroz basmati
- Peras confeitadas ao gengibre
- Chá chinês

Lembra: esta sexta-feira, dia 26. A partir das 21,30 horas

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Homenagem a Amada Garcia BASENAME: title-231 DATE: Wed, 20 Jan 2010 02:48:05 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Umha galega. A mugardesa Amada Garcia, fusilada no aquartelamento militar de Sam Filipe em Ferrol recém triunfado o golpe de estado franquista, receberá um tributo por parte dos e das sócias do Centro Social.

Queremos contribuir para a recuperaçom de pessoas que, como no caso da jovem vizinha trasanquesa, perdêrom a vida por ameaçar os interesses da burguesia. Em apenas dous dias, as vilas costeiras de Ares e Mugardos recebêrom a condena a morte de 37 vizinh@s. Entre elas, Amada Garcia.

Umha galega de cuja memória apenas existem reivindicaçons. A sua curta vida, e a sua actividade num pequeno concelho da Galiza mantenhem a opacidade sobre umha líder natural, distinguida polo seu fervor autodidacta numha época de acentuada exclusom sexual.

Será a XVIII Ceia revolucionária. Assiste!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Reabrimos as portas BASENAME: reabrimos-as-portas DATE: Sun, 10 Jan 2010 14:33:22 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:


A partir de amanhá, segunda-feira dia 11, as portas do local de Quiroga palácios volverám estar abertas no seu horário habitual.

De segundas a sextas, ambas incluídas, entre as 19 e as 23 horas.
Nom duvidedes em passar-vos para quecer um espaço à margem do frio invernal compostelám.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: A derradeira ceia do ano BASENAME: a-derradeira-ceia-do-ano DATE: Sun, 10 Jan 2010 14:28:02 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:


Para finalizar todo um ano de encontros gastronómicos à volta de senlheiras figuras da política nacional e internacional, Alexandra Kollontai recebeu umha homenagem entre pratos e bebida bem elaborados.

Umha vintena de sóci@s encontrárom-se no local entre dípticos informativos sobre a revolucionária russa. Umha companheira expujo-nos algumhas ideias sobre ela.

Encerramos assim o 2009 de Jantares Revolucionários do Centro Social Henriqueta Outeiro.

Recém começado o 2010, polo qual a todos e todas parabenizamos, prometemos-vos e convidamos-vos a outros encontros gastronómicos regados de política.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Decorreu II Encontro do CEM BASENAME: decorreu-ii-encontro-do-cem DATE: Mon, 21 Dec 2009 15:17:49 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Decorreu com intensidade umha nova jornada de formaçom preparada polo Movimento de Libertaçom Nacional Galego, na sua habitual utilizaçom do nosso local para o desenvolvimento do seu projecto político.

O Centro Social alegra-se de poder oferecer as suas instalaçons em jornadas de nom abertura (sábados, domingos e feriados) para acolher numerosas pessoas que mantenhem com vida o local.

Desta volta foi o segundo encontro do Centro de Estudos Marxistas, intitulado "História e Ideologia da Esquerda Independentista galega". Este novo capítulo de formaçom e discussom foi dividido pola sua carga em duas sessons, a primeira das quais tivo lugar este passado sábado.

A Assembleia Aberta do Centro Social, responsável pola organizaçom destes encontros, quer lembrar que embora nom tenhem carácter aberto, sim som de recomendável e possível seguimento para todas as pessoas amigas, simpatizantes e próximas quer ao Centro Social, quer ao Movimento que se encarrega da sua ministraçom.

Em Janeiro decorrerá a segunda parte deste encontro, ao qual esperamos que gostedes de aderir e enriquecer com a vossa presença e participaçom.

Adiante a formaçom!
Sem cancelas para o debate!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Fechado por férias BASENAME: fechado-por-ferias DATE: Mon, 21 Dec 2009 15:08:12 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:


Durante as férias de Inverno, o Local Social nom será aberto. As três semanas até o reinício das aulas, da vida académica na cidade capital, serám de momentáneo suspenso da actividade de aulas, encontros, jantares e demais actividade.

Lamentamos nom poder compartilhar a viragem do ano à volta da Henriqueta Outeiro. Mas recuperaremos a iniciativa com plena normalidade e regularidade a partir do dia 11, segunda-feira, de Janeiro.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Disponível em formato de fácil leitura triptico biográfico de Alexandra Kollontai BASENAME: disponivel-em-formato-de-facil-leitura-triptico-biografico-de-alexandra-kollontai DATE: Wed, 16 Dec 2009 00:28:23 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY: ----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: XVII Ceia Revolucionária: Kollontai BASENAME: title-215 DATE: Tue, 15 Dec 2009 21:32:55 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A XVII Ceia Revolucionária do Centro Social será em lembrança de Alexandra Kollontai. Mulher militante desde a mocidade até a morte, simpatizante dos ideiais comunsitas de Marx e as linhas emancipadoras propostas por Rosa Luxemburgo. Kollontai foi umha das primeiras mulheres a convocar comícios especificamente dirigidos para as mulheres trabalhadoras da cidade operária de Petrogrado.

Experimentou a política desde as fileiras bolcheviques e mencheviques, foi eleita membro do Comité Central das primeiras no seu VI Congresso e mesmo integra-se na Assembleia Constituinte posterior à Revoluçom de Outubro como comissária para assuntos sociais.

Por ser umha das primeiras mulheres que se abrírom passo entre o masculinizado mundo do proletariado revolucionário, erguendo o punho e a palavra e conseguindo ser escuitada e valorizada polo seu exemplo, representa para nós um modelo humano a seguir.

Paco e ajudantes de cozinha elaborarám na sua memória umha ementa russa que será do gosto de todas aquelas pessoas que queirades achegar-vos para estar em boa companha e quecer o corpo nestas frias noites de Inverno com um delicioso jantar.

- Aperitivos de rábano
- Vodkatiny
- Solmbos strogonov com basmati
- Blinis de maçá confitada e tofe

Lembra, sexta-feira dia 18 a partir das 21,30 horas!!

----- COMMENT: AUTHOR: Shirlen Viana [Visitante] DATE: Mon, 10 Oct 2011 21:17:23 +0000 URL:

Uma mulher à frente do seu tempo..

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: O Centro Social saudou o convite da V AN de Nós-UP BASENAME: title-213 DATE: Mon, 14 Dec 2009 22:29:20 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:


O Centro Social Henriqueta Outeiro foi convidado e partícipe no acto de encerramento da V Assembleia Nacional que a organizaçom política do Movimento de Libertaçom Nacional Galego, Nós-UP, realizou há três dias na cidade surenha, para nós, de Vigo.

Desde Compostela deslocou-se em representaçom do Centro Social a nossa companheira Rosa Casais, jovem migrada em Compostela e activa responsável do local.

Junto a mais dumha dúzia de colectivos, ora presentes, ora ausentes, o nosso Centro Social saudou o sucesso do quinto máximo órgao assemblear da entidade socialista. Com ela partilhamos a procura consequente e honesta dum futuro lilás e vermelho para a nossa Pátria livre. Nos próximos dous anos, esperemos que sejam muitos os motivos para o encontro nesta batalha.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: A nossa porta está aberta de segundas a sextas BASENAME: a-nossa-porta-esta-aberta-de-segundas-a-sextas DATE: Fri, 20 Nov 2009 21:42:09 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:
Mapa de localizaçom do Centro Social Henriqueta Outeiro

Lembrasmo-vos que desde há semanas o Centro Social Henriqueta Outeiro mantém os dias e horário de abertura deste ano académico.
De segundas a sextas, ambas incluidas, de 19 a 23 horas.
Nesse tempo podedes aceder livremente às instalaçons do nosso local e informar-vos das nossas actividades mais imediatas. Ou aliás, obter informaçom para associar-vos. Ou, simplesmente, tomar algo.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Apresentaçom da obra "Galiza vencerá!" BASENAME: title-201 DATE: Sun, 15 Nov 2009 12:28:07 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Debates e Palestras TAGS: ----- BODY:

A quarta-feira às 20,30 o Centro Social oferece-vos umha nova cita. Desta volta trata-se dumha palestra sobre língua com o autor trasanquês Maurício Castro.

Ele póprio apresentará o seu livro "Galiza vencerá!". Sob este título recolhe a novidade da Abrente Editora na altura de Julho do presente ano. Umha selecçom de artigos escritos polo professor de português, que já fora apresentado no Parque de Belvis coincidindo com o Dia da Pátria e a sua recente publicaçom. Todos eles relacionados com a nossa língua e a sociolingüística.

No Centro Social Henriqueta Outeiro coidamos que devemos reivindicar agora mais do que nunca a vigência do nosso idioma como instrumento internacional e útil de desenvolvimento social e individual sem sobmetimento ao espanhol. Temos umha língua rica, com umha grafia história conservada nos cinco continentes, à qual queremos aderir para afortalar a consciência da identidade nacional-cultural do Povo Trabalhador Galego.

Deste e de quaisquer aspectos da realidade lingüística da Galiza poderemos falar e debater a quarta-feira.

Ficades convidad@s!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Começa o Centro de Estudos Marxistas BASENAME: comeca-o-centro-de-estudos-marxistas DATE: Tue, 10 Nov 2009 14:43:17 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Palestras CATEGORY: Debates e Palestras TAGS: ----- BODY:

O Centro de Estudos Marxistas retorna às nossas instalaçons. Após muitos meses de paralisaçom da actividade formativa deste grupo incentivado por pessoas de princípios marxistas, independentistas e antipatriarcais, na linha política do nosso Centro Social orgulhosamente ideologizado, volve-se começar.

Nesta ocasiom o perfil dos encontros do Centro de Estudos Marxistas (CEM, em adiante) variará. Já nom se repetirám as falidas reunions informais de há mais de um ano. Agora reuniremo-nos ao longo dum dia, com descanso para jantar, com um horário de manhá e tarde durante o qual aprofundar sobre a leitura de determinados textos de referência acordados previamente. Umha ou várias pessoas encarregarám-se nas citas da ponência dumha temática concreta. Sobre ela e a partir dos conhecimentos de cada quem, teóricos e práticos, formularemos um encontro interactivo entra todas as pessoas participantes, pretendendo alcançar consensos, discutir matizes, orientar interpretaçons enganosas ou mesmo qüestionar-nos ideas de fundo.

Se quigeres saber mais do Centro de Estudos Marxistas do Centro Social Henriqueta Outeiro, podes consultar-nos escrevendo para o nosso correio: cshenriquetaouteirogz@gmail.com


Irreverência na discussom!

Lealdade na acçom!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Nova ceia. E vam 16! BASENAME: title-196 DATE: Fri, 06 Nov 2009 20:39:54 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Após o último encontro político arredor da gastronomia, o Centro Social recupera os Jantares Revolucionários como elemento quotidiano do nosso projecto para este curso político.

Já entrado Novembro, oferecemos-vos o ambiente fraternal do nosso Local onde tod@s tedes sítio para goçar dum exótico encontro gastronómico.

Desta volta, arredor da figura do líder anti-colonial Patrício Lumumba, primeiro ministro em 1960 da República Democrática do Congo libertada do jugo belga por unmhas semanas, até ser derrocado o governo, e assassinado Lumumba quando confirmou que a independência política atingida nom colmava as aspiraçons do nacionalismo congolenho. O opróbio da exploraçom das grandes potências capitalistas era para este home e o seu movimento um objectivo a bater.

Como símbolo de resistência e combatividade, e de sacrifício até a morte pola causa da emancipaçom nacional e social, rendemos-lhe tributo. Para isso, um companheiro exporá umha breve síntese da sua vida política, e o chefe de cozinha Paco e as suas e seus "pinches" acondicionarám a mesa para a ocasiom, com a seguinte ementa:

- Salada de arroz, yuca, plátano macho, milho e polo
- Jarrete estufado agridoce
- Macedónia tropical: manga, ananás, papaia, laranja e banana.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Desconvocatória BASENAME: desconvocatoria DATE: Fri, 06 Nov 2009 19:53:52 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Local Social CATEGORY: Gastronomia TAGS: ----- BODY:

Lamentamos comunicar que hoje, ao contrário do previsto e anunciado neste mesmo portal, nom decorrerá o Magusto do Centro Social Henriqueta Outeiro.
A suspensom deveu-se às confirmados agoiros climáticos. Adiamos porém a celebraçom para nom renunciar a organizar polo segundo ano e em melhores condiçons um Magusto próprio do bairro de Sam Pedro.

----- COMMENT: AUTHOR: Daniel [Visitante] DATE: Mon, 09 Nov 2009 19:40:16 +0000 URL:

Olá amigos do centro social Henriqueta Outeiro,fico muito feliz de esta lendo e comentando sobre o centro social. Sou do Brasil e gosto muito do Galego,aprecio suas matérias e seus blogs.Um grande abraço a todos.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Magusto no Cruzeiro de Sam Pedro!! BASENAME: magusto-no-cruzeiro-de-sam-pedro-1 DATE: Tue, 03 Nov 2009 00:26:59 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Actividades CATEGORY: Local Social CATEGORY: Gastronomia TAGS: ----- BODY:

Esta sexta-feira dia 6, a partir das 21,30 horas, o Centro Social Henriqueta Outeiro chama-vos a participar no segundo Magusto da nossa história.

Será na explanada do cruzeiro de Sam Pedro, um lugar concorrido da capital galega, onde esperamos animar a vizinhança da zona amenizando a noite com esta celebraçom cultural autóctone.

As castanhas, os chouriços, e algumhas bebidas farám-nos entrar em calor neste primeiro fim de semana do mês do Samhaim. Tampouco faltará a música típica destas festas.

Nom faltedes!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: 20 aniversário. Henriqueta Outeiro, aprendiz de Bolchevique BASENAME: 20-aniversario-henriqueta-outeiro-aprend DATE: Tue, 27 Oct 2009 15:33:34 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A guerrilheira comunista galega que dá nome ao nosso centro social faleceu há agora vinte anos. A 31 de Outubro de 1989, a poucos meses de cumprir os oitenta anos, morria no hospital de Sam José de Lugo Henriqueta Outeiro Branco, também conhecida como ?Maria das Dores?.

Duas décadas depois a sua trajectória militante, a sua vida combatente, nom foi devorada pola amnésia imposta polo actual regime. Diversos trabalhos históricos tenhem resgatado umha das melhores biografias da Galiza rebelde e combativa referencial para este centro social. Mas é a existência de um espaço físico permanente batizado com o seu nome quem garante que boa parte das causas às que entregou a sua inteligência e intensa vida nom só perdurem, estejam vivas entre a esquerda revolucionária independentista.

A celebraçom da IX ediçom do Dia da Galiza Combatente em Miranda, ao pé do cemitério onde descansam os seus restos, foi a mais recente homenagem de quem sem lugar a dúvidas é um dos melhores exemplos a seguir para as mulheres e os homens comprometidas com atingir umha Pátria libertada e Socialista.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Henriqueta Outeiro: Comunista, guerrilheira e feminista galega indomável BASENAME: henriqueta-outeiro-comunista-guerrilheir DATE: Tue, 27 Oct 2009 14:37:14 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Coincidindo com o vinte aniversário do falecimento publicamos a biografia editada a umhas semanas por NÓS-UP, nos dias prévios à celebraçom do Dia da Galiza Combatente.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Aulas de gaita no CSHO BASENAME: aulas-de-gaita-no-csho DATE: Sat, 24 Oct 2009 08:57:01 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Todas as terças-feiras às 20h30 no nosso Centro Social. Para apontar-te podes ligar ao 647 076 916 ou passar-te polo Centro Social em horário de apertura.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Jantar de acolhida após marcha polo idioma BASENAME: jantar-de-acolhida-apos-marcha-polo-idio DATE: Sat, 24 Oct 2009 08:54:35 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Umha comida típica: cozido. E umha sobre-mesa mui bem recebida, malia a enchenta estomacal após o primeiro prato. Um delicioso cremoso de laranja que papou todo o mundo com grande prazer.
Com esta ementa, e após a mobilizaçom pola língua que decorreu ao longo da manhá desde as 12 horas, cobrimos um serviço no qual adquirimos grande experiência: preparar e servir um jantar nas instalaçons do nosso local em Quiroga Palácios. As pessoas comensais agradecêrom poder ter, por um preço módico de 10 euros, acesso a umha oferta gastronómica e de companhia que o Centro Social Henriqueta Outeiro gostosamente realiza.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Nós, nas ruas com a Galiza que fala BASENAME: estivemos-na-rua-o-passado-18-de-outubro DATE: Sat, 24 Oct 2009 08:53:18 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A nossa cidade removeu por umhas horas a impronta espanholista que os poderes fácticos imprimem sobre ela a diário. Umha multidom de galegas e galegos enchérom as ruas céntricas da capital da Galiza. Foi a segunda com apenas 5 meses de diferença. Desde o Dia das Letras até o domingo passado, quando o começo do ano político nos brindou umha ocasiom genuína para mostrar na voz de milhares de pessoas que o povo nom quer os espanholistas no poder, seja como for que estes chegárom a ele.

O Centro Social Henriqueta Outeiro acudiu à manifestaçom com a sua base social integrada no bloco laranja. A diferença da anterior convocatória, a unidade sob a plataforma Galego Sempre Mais desbotou o uso de faixas próprias. Assim, a cor laranja e os cartazes com legendas do tipo ?Monolingüismo social?, ?Na Galiza, só em Galego? ou ?Galego e Português, a mesma língua é? recolhiam o sentir unánime do cortejo reintegracionista.

Muitos outros centros sociais do País, a AGAL e outras entidades participárom com a numerosa massa discrepante do partidismo excluente da Mesa, que rechaçou a unidade total das pessoas defensoras do idioma nesta conjuntura de ofensiva dos galegofobos.

Parabenizamo-nos polo sucesso da convocatória, chamamos a massa social reintegracionista a organizar-se nas múltiplas estruturas políticas, sociais e culturais que há abertas no País para pular mais duro contra o inimigo espanholista. Nom sobram maos à obra.

Tampouco na nossa cidade, Compostela. Onde o Centro Social Henriqueta Outeiro seguirá a oferecer um espaço genuinamente socialista e independentista para estender a nossa língua.


----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Galego Sempre Mais convoca "Contra o bilingüismo Pola hegemonia social do galego" BASENAME: galego-sempre-mais-convoca-contra-o-bili-1 DATE: Sat, 17 Oct 2009 15:38:48 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O Centro Social Henriqueta Outeiro é umha das entidades convocantes da marcha reintegracionista que participará amanhá dia 18 numha jornada de mobilizaçom pola língua que se espera multitudinária. A Plataforma Galego Sempre Mais, que já conseguira um importante sucesso com o seu bloco crítico laranja o Dia das Letras, volve reivindicar o seu sinal de identidade reintegracionista como base na recuperaçom e alargamento dos usos sociais da nossa língua, face ao monolingüimo social.


Galego Sempre Mais recupera a unidade dos e das reintegracionistas. Sabemos que num momento crítico como este a voz do galego internacional deve escuitar-se forte. Nesta época de ofensiva espanholista, entendemos a nossa postura como a melhor ferramenta para bater em defesa própria e iniciar um novo período de dignificaçom ortográfica do idioma.

Chamamos as pessoas sócias, a toda a massa crítica polo galego da capital do País, a acolher @s milhares de compatriotas que amanhá vovlerám marcar umha data no nosso calendário de luita colectiva polo mais nosso: a língua.

Reproduzimos o manifesto conjunto das entidades que formamos a plataforma Galego Sempre Mais, que acudiremos com um bloco próprio à manifestaçom do dia 18 de Outubro.

Contra o bilingüismo, pola hegemonia social do galego

O período histórico que estamos a viver é com certeza o pior para a nossa língua. Seria portanto o melhor momento histórico para que todos os grupos e todas as pessoas que temos como meta a hegemonia social do galego uníssemos as nossas vozes e as nossas acçons. O melhor momento histórico para que colocássemos num segundo plano as nossas filiaçons partidárias, as nossas fobias e os nossos preconceitos. O melhor momento histórico para incidir naquilo que nos une, que é muito, e nom naquilo que nos separa, que é menos do que pensamos. O certo é que a divisom, na conjuntura actual, é um luxo que nom nos podemos permitir.

Por isso, a Plataforma Galego Sempre Mais está aqui. Porque o seu único objectivo é que língua da Galiza se torne no referente lingüístico por excelência da sociedade galega, para além do seu sinal de identidade.

Para evitar isto, o governo actual está a seguir umha política de inutilizaçom do galego por meios de duas vias:

A primeira é eliminar ou reduzir a sua presença naqueles espaços sociais que fam com que umha língua seja sentida como tal pola sociedade galega. É o caso do ensino, o acesso a postos de trabalho ou os meios de comunicaçom. Facilita-se assim a hegemonia social do espanhol nestas áreas, já de por si muito acentuada.

A segunda é desligando o galego das outras variedades que sim som hegemónicas nas suas respectivas sociedades, caso de Portugal e do Brasil. Com isto consegue-se estrangeirizar todo o que elas produzem: software, livros, música, cinema. Facilita-se assim que a sociedade galega aceda a estes produtos unicamente em espanhol.

Ambas as linhas de actuaçom tenhem como objectivo restringir as potencialidades do galego, para que continue a ser umha realidade periférica a respeito do espanhol, quando nom facilitar já a sua substituiçom definitiva.

Portanto, a hegemonia social do galego e a estratégia galego-luso-brasileira som os eixos de qualquer política lingüística que aspire a que a Galiza exerça plenamente o seu direito colectivo à língua.

Organismos internacionais nom supeditados aos interesses do Estado, como o Conselho da Europa, tenhem recomendado repetidamente nos seus informes anuais o incremento dos nossos relacionamentos lingüísticos com Portugal e a aplicaçom de políticas de imersom no ensino galego, medidas essas que só seriam possíveis num quadro de verdadeira oficialidade legal do galego.

Em definitivo, a Plataforma Galego Sempre Mais apresenta-se novamente nas ruas de Compostela para defender esses princípios, esperando poder coincidir com outros colectivos também interessados na normalizaçom do galego.

Contodo, as entidades que formamos a Plataforma Galego Sempre Mais temos a firme determinaçom de ir além das convocatórias pontuais, alicerçando umha verdadeira unidade em torno dos referidos princípios. Com esse objectivo, convocamos umha assembleia aberta para o dia 21 de Novembro, em que sentemos as bases de umha nova entidade nacional que trabalhe todo o ano, e nom só em datas simbólicas ou concretas, pola conquista da hegemonia social do galego.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: CS Henriqueta Outeiro estivo presente na homenagem à militante comunista que dá nome ao nosso Local Social BASENAME: cs-henriqueta-outeiro-estivo-presente-na DATE: Sat, 17 Oct 2009 15:33:58 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A semana passada o Centro Social deslocou-se, representado por vári@s companheir@s e camisolas editadas pola nossa Assembleia Aberta, até Castro Verde. O concelho luguês foi o destino escolhido pola organizaçom política Nós-Unidade Popular para render homenagem à comunista Henriqueta Outeiro, quem dá nome ao nosso Local em Compostela.

Conjuntamente com a militáncia política e achegad@s à entidade convocante, participamos na viagem por estrada de ida e volta. A localidade recebeu-nos alumeada por um sol intenso, calor incluida. Ao longo do decurso do acto, fôrom intervindo várias pessoas, com manifestaçons poéticas e políticas. Entre elas, a da nossa companheira Rosa Casais. Durante vários minutos, Rosa leu o manifesto de apoio ao acto e de orgulho por estarmos presentes levando o nome da homenageada.


Esperamos que nom seja este o derradeiro acto de tributo à memória viva da mulher combatente que foi Henriqueta. Com o nosso Centro Social trabalhando, seguro que haverá mais oportunidades.

Reivindicamos o seu património político, o seu exemplo de mulher feminista e comprometida com a libertaçom do género humano. E seguiremo-lo fazendo a diário, mantendo vivo o activismo de base nas nossas instalaçons da capital de Galiza.

Viva o Dia da Galiza Combatente!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Jantar popular o próximo domingo BASENAME: jantar-popular-o-proximo-domingo DATE: Thu, 15 Oct 2009 10:55:35 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A Assembleia Aberta do CSHO organiza um jantar popular para o próximo domingo, 18 de Outubro, ao rematar a manifestaçom em defesa da nossa língua na que participaremos dentro do bloco crítico da Plataforma "Galego sempre mais". A ementa será cozido galego e Creme de queijo com marmelada de laranja.

Para reservar o teu bono podes ligar com o telefone 660 713 095.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Galeria fotográfica do Dia da Galiza Combatente 2009 BASENAME: title-184 DATE: Wed, 14 Oct 2009 23:17:08 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:


----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Intervençom de Rosa Casais em nome do CS Henriqueta Outeiro no acto político da IX ediçom do Dia da Galiza Combatente BASENAME: intervencom-de-rosa-casais-em-nome-do-cs DATE: Sun, 11 Oct 2009 23:22:54 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Reproduzimos a transcriçom do discurso da companheira Rosa Casais durante o acto político do Dia da Galiza Combatente o passado 11 de outubro na freguesia de Miranda (Castro Verde, comarca de Lugo).

Para mais informaçom no web: www.nosgaliza.org

O Centro Social Henriqueta Outeiro agradece ter podido aderir a esta homenagem. NÓS-Unidade Popular, organizaçom política socialista da esquerda independentista, quijo render tributo à memória de mais umha de tantas galegas fusiladas, "passeadas", violadas, torturadas, roubadas, expulsadas, encerradas, assassinadas... O genocídio galego dos anos trinta e quarenta, que se prolongaria a seguir com menos crueldade, mas com o carimbo opressor da institucionalizaçom da ditadura fascista, mobilizou o nosso Povo para contrarrestar a ofensiva dos cans de assalto do capitalismo espanhol. Mas, como tantas vezes, perdemos. Tocou aprender da história, resistir, e tirar liçons para novos projectos.

Esses tempos permanecem, com algumhas excepçons, enterrados no cadaleito do passado inomeável. Porque a Galiza que germinava há 70 anos foi ceifada, aniquilada com a sentença de morte à naçom em marcha e mais o ostracismo das famílias, das amizades e dos companheiros e companheiras que permanecêrom no País. Com a passagem dos anos, até 40, o peso do tempo esvaeceu, como se repetiria nas ditaduras latinoamericanas, o recordo da construçom do poder popular. Das mulheres que se rebelárom contra a moral cristá; da galeguidade que avançava cara ao patriotismo sem complexos; das forças populares que alimentavam estruturas partidárias de toda a esquerda política, caminho da emancipaçom do gênero humano como meta.

O Dia da Galiza Combatente foi precisamente concibido para unir-nos arredor daqueles referentes para a nossa luita diária. Pessoas, datas e lugares que simbolizam um Povo que se fai respeitar. O nosso Centro Social deseja que este dia se assente, e contribua a essa tarefa que tanto praticamos nós, a de homenagear pessoas que crêrom que outro mundo era possível, e que quigérom participar da sua construçom. Porque essas som as pessoas imprescindíveis.

Nós vimos aqui em nome dumha Assembleia Aberta, assim a denominamos, porque dum local perdido entre as ruas compostelás quigemos construir algo mais do que um simples espaço de reunions de diversas entidades. Quigemos fazer um espaço onde assemblearmente podamos encontrar-nos pessoas da esquerda independentista e gente próxima aos parámetros políticos da INDEPENDÊNCIA, do ANTIPATRIARCADO, e do SOCIALISMO. E fazemos um duro trabalho quotidiano, o de levar adiante este Centro Social, para criar pontos de encontro nas cidades e vilas. Assim é que cremos em poder implicar mais gente e ilusionar-nos por dar pequenas batalhas sob o nome desta camarada, a Henriqueta Outeiro. Porque ela foi semente que permaneceu, viva e irreverente, até os derradeiros fôlegos, entregando antes e depois de que a besta fascista tronçasse a sua vida o seu sacrifício para a causa da revoluçom comunista.

A pesar da distáncia da nossa comarca com os lugares onde se desenvolveu a vida de Henriqueta, a sua origem popular na Galiza rural nom deveria ser motivo para esquecê-la. E agora, em Compostela, o seu nome é conhecido. A sua entrega vai-se conhecendo. E a sua actividade e identidade políticas devem conhecer-se. Porque só assim conheceremos o que este País foi, os filhos e as filhas que este País entregou à causa do internacionalismo proletário em diversos frentes, e o que nos ensinam do que este País tem que chegar a ser para nom viver ajoelhados ao domínio do passado, da burguesia, do machismo, e de Espanha. Para que nom se repitam os cenários que ceifárom o livre progresso dumha mulher combativa, e para que nom haja lugar a que os herdeiros do franquismo detentem o poder político.

Para que Galiza seja livre e nunca mais espanhola. Para que Galiza seja lilás e nunca mais violada. Para que Galiza seja vermelha e nunca mais explorada. Para isso lembremos Henriqueta Outeiro, e construamos um mundo onde nada do que ela padeceu volva ter lugar. Para que nengumha mulher rebelde tenha que ser resgatada dum passado escuro, senom que sejamos as mulheres rebeldes as que resgatemos o Povo do seu presente e futuro escuros. Por isso te lembramos, Henriqueta Outeiro.

Vivam as mulheres rebeldes!
Viva Galiza livre, socialista e nom patriarcal!

----- COMMENT: AUTHOR: Muros [Visitante] DATE: Mon, 12 Oct 2009 06:00:22 +0000 URL:

Umha magoa nom poder estar com vos“fisicamente este ano.Viva a Galiza combatente.Avante o noso povo trabalhador!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Moncho Reboiras lembrado no XV Jantar Revolucionário BASENAME: moncho-reboiras-lembrado-no-xv-jantar-re DATE: Mon, 21 Sep 2009 19:04:35 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Superado o paréntese do verao o Centro Social Henriqueta Outeiro recupeou a actividade. Moncho Reboiras foi homenageado sábado 19 de Setembro no XV Jantar Revolucionário. Umha intervençom de André Seoane resgatou a figura do combatente comunista e independentista, assassinado 12 de Agosto de 1975 em Ferrol.

----- COMMENT: AUTHOR: chico [Visitante] DATE: Tue, 22 Sep 2009 19:50:11 +0000 URL:

galegada ve se voces divulguem a situação absurda de Honduras;viva o Brasil; viva o presidente Lula e pressionem estes merdad de espanhois prá ver se fazem algum gesto.um Abraço

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Galiza Combatente 09 dedicada a Henriqueta Outeiro BASENAME: galiza-combatente-09-dedicada-a-henrique DATE: Wed, 09 Sep 2009 18:29:33 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A organizaçom política Nós-Unidade Popular vem de fazer pública a homenagem a Henriqueta Outeiro como conteúdo da nona ediçom do Dia da Galiza Combatente. Esta jornada de reivindicaçom patriótica e rebelde fora instaurada com motivo do seu nascimento, a começos da década. Desde entom, o 11 de Outubro foi medrando aos poucos na sua repercusom mediática e, também, na dimensom dos seus actos.


O Centro Social Henriqueta Outeiro, sediado na capital do País, quer expressar a sua evidente satisfaçom polo tributo à memória que a esquerda independentista realizará em apenas um mês, homenageando a que foi, é, e será responsável da nossa identidade. Nom apenas nominal, mas também ética.

Henriqueta Outeiro é para nós a expressom da "ciência do exemplo", do socialismo enervado no compromisso durante toda umha vida dumha mulher nascida na Galiza ultracatólica, machista e fascista do sêculo passado. Umha mulher militante, entregada à causa do comunismo como meta da humanidade, que bem se expressou naquela frase sua: "Enquanto me ficar um rescaldo de vida, hei-na de utilizar para favorecer a sociedade, que é o ideário máximo de todo comunista".

O Centro Social agradece este gesto, e anuncia que foi aceite o convite da entidade convocante para participarmos como Centro Social, na sua paróquia natal de Miranda, em Castro Verde, onde interviremos junto com outros colectivos.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Jantar revolucionário homenagea Moncho Reboiras BASENAME: jantar-revolucionario-homenagea-moncho-r DATE: Wed, 09 Sep 2009 18:21:43 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A Assembleia Aberta do CS Henriqueta Outeiro organiza o próximo 19 de Setembro mais um novo jantar revolucionário desta vez dedicada à figura do jovem comunista galego Ramom Reboiras Noia "Moncho Reboiras".
O jantar que começará às 14h00 contará com umha ementa galega composta de Pastel de filhoas e espinafres, Caldeirada de peixe, Empada de maçá, Ribeiro e café.

Para reservar o teu bono podes ligar com o telefone 660 713 095.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Apresentado "Galiza Vencerá" dentro dos actos organizados por Causa Galiza o passado 25 de Julho BASENAME: apresentado-galiza-vencera-dentro-dos-ac DATE: Wed, 05 Aug 2009 16:47:11 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O passado sábado Dia da Pátria, a romaria popular organizada pola plataforma unitária da esquerda soberanista galega, Causa Galiza, em Belvis, contou com a apresentaçom dum livro dentro do acto programado polo Centro Social Henriqueta Outeiro essa tarde, entre muitos outros eventos públicos e mostras de diferentes entidades, incluidas outros Centros Sociais do País.


Maurício Castro, professor de filologia portuguesa na EOI de Ferrol, e histórico militante da esquerda independentista galega, ofereceu umha exposiçom oral do conteúdo e da razom de ser dumha obra concibida na defesa do idioma nacional neste período de ofensiva espanholista e de incapacidade de competência da oferta do galego-castelhano da RAG-ILG.

A Abrente Editora correu com a ediçom deste novo título, "Galiza vencerá!", composto de 29 artigos do autor publicados nos útlimos anos em diferentes meios jornalísticos. O livro está prologado polo professor da USC José Luis Rodrigues, e vende-se ao preço de 10 euros no nosso local.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Celebramos o Dia da Pátria com umha ceia de confraternizaçom BASENAME: celebramos-o-dia-da-patria-com-umha-ceia DATE: Wed, 22 Jul 2009 13:45:04 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A Assembleia Aberta do CS Henriqueta Outeiro organiza para esta quinta-feira, 23 de Julho, umha ceia de confraternizaçom para celebrar o Dia da Pátria.
A ceia que começará às 21h30 contará com umha ementa composta de Salada Mista, Pimentos de Padrom, Mexilhons ao Vapor e Escalope à pimenta verde.
Para reservar o teu bono podes ligar com o telefone 660 713 095.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Ceia homenagem a Marulanda em imagens BASENAME: ceia-homenagem-a-marulanda-em-imagens DATE: Wed, 22 Jul 2009 13:39:06 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O passado 27 de Junho celebravamos a ceia homenagem ao revolucionário fariano Manuel Marulanda Vélez. Eis umhas imagens da jornada.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Novo jantar revolucionário homenageia Manuel Marulanda BASENAME: novo-jantar-revolucionario-homenageia-ma DATE: Wed, 17 Jun 2009 22:41:12 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

No sábado 27 de Junho às 14.30h celebraremos umha nova ediçom do jantar revolucionário chegando já à número XIV. Nesta ocasiom escolhemos à figura do revolucionário colombiano Manuel Marulanda Vélez "Tirofijo".

O nosso cozinheiro escolheu para esta ementa colombiana "Ajaico" de Santa Fé (caldo com milhos, polo e patacas, Polo com maçá e passas, Sobremesa de morangos, Água de limóm e Aguardente de canela.
Durante a velada projectarám-se videos em homenagem ao lider fariano.

Para reservar o bono podes ligar com o telefone 660 713 095.

Manuel Marulanda Vélez
Quindío 1930 ? Montanhas da Colômbia 2008

Herói insurgente da Colômbia de Bolívar

Pedro Antonio Marín, nasceu em Génova, um povo à beira do rio San Juan, no Departamento do Quindío, na Colômbia, em Maio de 1930.
O jovem camponês antes de se converter em Manuel Marulanda Vélez, nome que adopta como combatente revolucionário, foi agricultor, asserrador, engenheiro de caminhos, construtor de casas, expendedor de carne, vendedor de doces, padeiro, empreiteiro, mordomo e dono de armazém de povo.
A vida do camarada Manuel foi como um meteoro, iluminou o seu povo até se consumir. A história da humanidade nom tem antecedentes de um homem que tenha luitado tanto tempo, com tanta firmeza e em condiçons tam difíceis. Dos seus 78 anos de vida, 60 dedicou-nos a luitar pola causa dos pobres.
Fijo do marxismo-leninismo a sua arma espiritual e a sua bússola ideológica, graças à qual aprendeu a ver a diferença entre os seres humanos e a ver atrás das palavras os verdadeiros interesses de classe de quem as pronunciava; foi um revolucionário integral.
As 24 horas do dia passava-as pensando na libertaçom do seu povo e na materializaçom do Plano Estratégico; foi um agricultor da revoluçom: sementava consciências e colheitava revolucionári@s; foi um mestre sem igual: ensinava fazendo e explicava mostrando; tinha um ódio educado face o inimigo de classe e cultivava fraternidade face o irmao ideológico; sempre nele houvo coerência entre o que dizia e o que fazia. Nunca lhe sobrárom palavras, porque media muito bem o que ia dizer. Calava, quando via que as palavras eram desnecessárias.
Tinha toda a sabedoria dos camponeses das cordilheiras e da costa, dos vales, das selvas e das sabanas. Era original, autêntico; nom era homem de posses nem de alardes; sem dúvida nom era um posterman como adverte James Petras; era um líder natural saído do povo, convertido no mais grande estratega da guerra de guerrilhas no continente.

Os primeiros passos de luitador
Após o assassinato, em Abril de 1948, do líder liberal de esquerda anti-imperialista Jorge Eliécer Gaitán tivo lugar umha revolta espontánea contra a oligarquia. As demandas populares fôrom afogadas mediante umha brutal repressom que provocou centenares de milhares de mortes em todo o país.
Perante esta massacre grupos camponeses liberais e de esquerda criárom milícias armadas para se protegerem da violência oligárquica.
Dependentes e aliadas com o oficialismo liberal, muitas destas agrupaçons desmobilizarom-se parcialmente durante a amnistía decretada polo ditador Rojas Pinilla a inícios dos anos cinquenta, mas algumhas, basicamente no sul de Tolima, já se tinham separado do liberalismo e aproximado das milícias comunistas, mantendo em armas nas suas zonas de influência regional.
Em 1957, cai a ditadura, assumindo o comando umha Junta Militar que dá passàgem à Frente Nacional, impondo o excludente sistema paritário liberal-conservador.

?A experiência histórica do nosso país tem vindo a demonstrar que o surgimento e acçom das FARC, assim como de outros grupos guerillheiros corresponde a todo um processo de maduraçom de condiçons, derivadas directamente da problemática nacional, que venhem desde atrás. Desde os primeiros dias da guerrilha no afastado 1949, ano em que se iniciou um estilo despótico de governo sobre os colombianos ...?
Manuel Marulanda

Marquetália
A vida de Manuel Marulanda está inexoravelmente ligada à história das FARC. Tal como se afirma no comunicado da organizaçom insurgente que dá aconhecer a sua morte, foi um ?inigualável estatega, condutor genial, guerreiro invencível, líder invicto de mil batalhas políticas e militares livradas durante 60 anos de brega reivindicando os direitos dos pobres e confrontando as violências dos poderosos, revolucionário integral que assimilou a teoria dos grandes pensadores fundindo-a com as verdades que extraiu à vida na sua prática diária, forjando-e como um dos mais destacados dirigentes revolucionários de todos os tempos?.

No sul da Colômbia Manuel, junto com 47 camponeses e camponesas, funda a "república independente" de Marquetália. Em 1962 tem lugar o primeiro ataque governamental falhado, com 5.000 efectivos.
Em Abril de 1964 o Partido Comunista envia Jacobo Arenas e Hernando González para apoiarem o grupo de Marulanda, que agradecido afirma ?com a companhia de vocês, nom deve ser tam dura a guerra?.

Em Maio de 1964 o governo colombiano, no desenvolvimento do Plano LASO (Latin American Security Operation), desenhado polo Pentágono, bombardeia Marquetália lançando mais de 16 mil efectivos. No que vai ser umha constante, anuncia a morte de Manuel Marulanda e resto de comandantes guerrilheiros. Estes acontecimentos marcam o momento de fundaçom das FARC.

Em Julho, a assembleia do nascente movimento guerrilheiro fariano analisa o ataque a Marquetália e traça a perspectiva de luita no histórico Programa Agrário dos Guerrilheiros.
?Luitamos com a razom do nosso lado. Primeiro, porque as nossas guerrilhas nom surgírom se nom como resposta a umha agressom contra os camponeses e logo porque a causa que defendemos é a causa dos explorados e as nossas bandeiras nunca se formulam isoladamente das necessidades fundamentais dos camponeses e dos obreiros. Somos parte dos combatentes pola libertaçom nacional da nossa pátria?.

?Guiamo-nos por umha ideologia revolucionária e o nosso farol político é constituído pola teoria do socialismo científico que plasmamos na prática da actividade comunista?.
Manuel Marulanda

Fundaçom das FARC
A finais de 1965 tem lugar o X Congresso do Partido Comunista. As suas teses destacam que ?o movimento guerrilheiro que cresce actualmente tem um carácter mais definido e elevado que as luitas guerrilheiras de etapas anteriores nom só porque se beneficia de todas as suas experiências, mas principalmente porque tem um claro conteúdo revolucionário e anti-imperialista e situa como objectivo a tomada do poder para o povo ...?.

Nesta mesma altura, tem lugar a Primeira Conferência do Bloco Sul. A 2ª, realizada em 1966, é oficialmente a conferência constitutiva das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.
Ao largo de 1966-68 a organizaçom passa por umha dura crise a raíz dos golpes sofridos por erros tácticos. Em 1968 tem lugar a 3ª Conferência. A 4ª, realizada em 1970, consolida a estruturaçom em Frentes. Na 5ª (1974) a guerrilha tinha atingido a dinámica de crescimento e operatividade de 1966. Manuel considera que ?agora sim calculo que nos temos reposto dessa terrível doença que quase nos aniquila a todos?.
Nos anos seguintes, organiza-se a Escola Nacional de Formaçom Ideológica e para o estudo da guerra preventiva e a guerra do povo, consolidando-se definitivamente a estrutura de Frentes.

6ª Conferência Nacional das FARC
Em Janeiro de 1978 tem lugar a 6ª Conferência constatando o incremento da influência no campo e nas cidades. As FARC possuiam à volta de 1.000 combatentes e umha centena de comandos. Som criados os Estados Maiores de Frente e o Secretariado do Estado Maior Central.
Em palavras de Jacobo Arenas ?é a Conferência mais pródiga e rica das realizadas polas FARC no curso da sua existência?.

FARC-EP
Na 7ª Conferência realizada em Maio de 1982, a organizaçom revolucionária comunista agrega EP às suas siglas, passando a denominar-se FARC-Exército do Povo.
Formula-se o Plano Estratégico que a partir de 1989 passa a denominar-se Campanha Bolivariana pola Nova Colômbia. O esforço orienta-se em duas direcçons: a tomada do poder pola via das armas e a tomada do poder pola via das alianças políticas. Em palavras de Jacobo Arenas a ?Sétima Conferência deu-nos outra importantíssima concepçom agora de carácter militar; ou seja, um novo modo de operar que tem que converter as FARC num movimento guerrilheiro autenticamente ofensivo. O nosso modo de operar significa que as FARC já nom esperam o seu inimigo para o emboscar, indo na sua procura para o localizar, asediar e copar, e se aquele mudasse outra vez o seu modo de operar voltando à sua antiga concepçom, atacá-lo na ofensiva de comandos móveis?.

Negociaçons de paz com Betancur
Em 1982, o recém eleito presidente Belisario Betancur Cuartas inicia os diálogos de paz.
Manuel Marulanda aceita reunir-se com a Comissom de Paz e acorda um lugar no concelho de La Uribe, Meta onde após vários meses de diálogo as FARC e o governo assinam os Acordos de La Uribe.
"Referendamos com as nossas assinaturas a Política de Cessamento do fogo, trégua e paz adiantada polo Secretariado e ordenamos a todo o movimento cessar-fogo com o adversário no dia 24 de Maio de 1984 às 00:00 para dar início a um período de prova e trégua de um ano..." recolhemos do discurso de Manuel Marulanda na Casa Verde, a noite del 23 de Maio.
Destes acordos nasce a Uniom Patriótica, partido e movimento político que procura a paz com justiça social. A UP logra nas eleiçons de 1986 17 congressistas, 23 deputad@s em 11 Assembleias departamentais e 350 vereadores/as em 187 concelhos.
Mas desde o seu nascimento e nos anos seguintes a guerra suja desatada polo Estado mediante operaçons como Dança Vermelha provocou o extermínio de 5.000 dirigentes, militantes e simpatizantes.
Apesar de que a UP é aniquilada, a trégua pactuada em 1984 mantém-se entre enormes tensons e violaçons constantes do exército, e com respostas de autodefesa da guerrilha, de maneira interrupta até 9 de Dezembro de 1990 quando o exército, por ordem do presidente César Gaviria, bombardeia e invade Casa Verde, para exterminar o Secretariado, que logra fugir do indiscriminado ataque. Esse mesmo dia, o regime impossibilitou a participaçom da insurgência nas eleiçons para a Constituinte.

Novos diálogos de paz
Em Fevereiro de 1991, a campanha militar ?Comandante Jacobo Arenas, estamos cumprindo? obriga o governo a sentar numha nova mesa de diálogo pola paz, primeiro em Caracas (Venezuela) e posteriormente em Tlaxcala (México), que fracassam em Outubro desse ano pola insensatez do regime.

?Sendo as FARC-EP umha força criada com paciência e tesom por um líder da altura do Comandante Marulanda Vélez, isto implica a existência no pensamento e na prática, de umha estratégia revolucionária de sólidos princípios, em constante desenvolvimento, que nom se tem deixado engaiolar polos cantos de sereia dos desvios parlamentaristas decadentes que tenhem abdicado do necessário combate teórico e prático à perfida guerreirista da classe exploradora, ao inventar um inadmissível pacifismo que descarta a acçom militar como legítimo factor da praxe revolucionária?
Jesús Santrich

nvolvimento do projecto político-militar fariano
Em Abril de 1993 realiza-se a Oitava Conferência Nacional onde é aprovada a Plataforma para um Governo de Reconstruçom e Reconciliaçom Nacional.
Manuel Marulanda é ratificado, pola sua experiência, pola sua abnegaçom, pola sua enteireza de revolucionário íntegro, como Comandante em Chefe das FARC- Exército do Povo.
Nos anos seguintes, as FARC-EP atingem o seu apogeu, provocando numerosos e contundentes golpes militares ao exército da oligarquia e aos seus paramilitares causando centenas de baixas e prisioneiros de guerra.

Em Novembro de 1997, o plenário ?Abrindo caminhos face à Nova Colômbia? orienta continuar a construçom do Partido Comunista Clandestino, reafirma a ideia de forjar o Movimento Bolivariano pola Nova Colômbia adoptando como Manifesto a Plataforma para um Governo de Reconstruçom e Reconciliaçom Nacional, impulsiona a construçom dos corredores estratégicos e, entre outras determinaçons, promove o funcionamento das emissoras em todos os Blocos.

Nova tentativa de paz
Em Janeiro de 1999, as FARC-EP iniciam novo processo de paz com o governo de Andrés Pastrana em San Vicente de Caguán.
Simultanemante à implementaçom das políticas neoliberais traçadas polo FMI para implantar o ALCA as FARC-EP dialogam com o movimento popular a necessidade de impulsionar a refundaçom do país.
O Plano Colômbia será o instrumento político-militar do imperialismo para esmagar a resistência popular e o movimento guerrilheiro.
Em 2000, o Plenário ?Com Bolívar pola Paz e a Soberania Nacional? aprova os estatutos, programa e projecto ideológico do PCCC e prepara o lançamento do Movimento Bolivariano pola Nova Colômbia como frente político clandestino de luita de massas. Também é promulgada a Lei 002 sobre tributaçom e a Lei 003 contra a corrupçom.

A meados de 2001, as FARC e o governo realizam um intercâmbio humanitário de prisioneiros de guerra.
Em Fevereiro de 2002, o governo da oligarquia de Pastrana lança a Operaçom Thanatos contra a zona desmilitarizada sem cumprir o procedimento pactuado, dando por morto o processo de diálogo iniciado três anos antes.
Sob a direcçom de Marulanda, as FARC tenhem feito até o impossível por atingir a paz pola via do entendimento, do acordo, mas nom encontrárom nunca reciprocidade nem vontade política por parte dos diversos governos do regime colombiano.

Governo Uribe
Em Agosto de 2002 o fascista Álvaro Uribe Vélez assume a presidência com a sua política de ?Segurança Democrática?, desenvolvendo a maior campanha bélica contra o povo colombiano sob a direcçom do imperialismo norte-americano.
De Marquetália ao 2009, do Plano LASO ao Plano Patriota, os Estados Unidos incrementárom a sua intervençom na Colômbia em proporçom a sua ambiçom geopolítica e as perspectivas que gera a existência de umha guerrilha comunista e bolivariana como as FARC.

Em Março de 2004, seguindo as directrizes de Washington, dá início ao ?Plano Patriota? para aniquilar as FARC-EP. A concentraçom de mais de 20 mil efectivos contra o Secretariado e combatentes dos Blocos Sul e Oriental nas selvas do Caquetá, Guaviare e Meta forjárom umha guerrilha de novo tipo, muito qualificada, disciplinada e de elevada moral, com maior experiência para a tomada do poder. Na saudaçom de fim de ano de 2005, Manuel Marulanda assegurou que ?por cima de todos os seus desejos, nom é possível derrotar militarmente a guerrilha... O fundamental para finalizar o confronto armado é abrir um cauce democrático com a particuipaçom do povo no que obriguem os seus governantes a buscar saídas políticas para dirimir o conflito interno derivado de multidom de causas sociais sem a injerência de potências estrangeiras?.

?Frente ao inveterado carácter infame das oligarquias e do império, o que temos apreendido do Comandante é que nom há outro caminho para estabelecer o estádio da justiça e da liberdade que o da revoluçom comunista, que é o rumo ineluctável que seguem as FARC-EP, combatendo mediante todas as formas de luita o imperialismo. Só a revoluçom comunista poderá libertar-nos do caos?
Jesús Santrich

9ª Conferência Nacional
Em Janeiro de 2007, em pleno desenvolvimento da política fascista uribista, de agressom militar ianque contra a Colômbia, as FARC-EP realizam a sua 9ª Conferência Nacional de Guerrilheir@s denominada ?Pola Nova Colômbia, a Pátria Grande e o Socialismo?. Manuel Marulanda volta a ser ratificado como Comandante em Chefe.
Nom é pois, casual que Manuel Marulanda tenha aceitado fazer parte da presidência colectiva da Coordenadora Continental Bolivariana e que tenha empenhado todos os seus esforços porque as FARC-EP tenham sido um factor de unidade d@s revolucionári@s da América Latina e as Caraíbas.

Em Novembro deste ano, tenhem lugar diversas reunions entre Iván Marquez, membro do Secretariado, e o presidente da República Bolivariana da Venezuela Hugo Chávez. O dirigente fariano reitera a plena disposiçom a um intercâmbio humanitário de prisioneiros de guerra como um passo efectivo face à paz.

Em Janeiro de 2009 a Assembleia Nacional da Venezuela reconhece às FARC como força beligerante e aprova um acordo para respaldar um processo de paz.
Para dinamitar esta nova via de esperança é assassinado o comandante Raúl Reyes no seu acampamento móbil situado na fronteira equatoriana numha operaçom militar dirigida polo Comando Sul dos Estados Unidos.

?Todo projecto de umha organizaçom político-militar como as FARC, com fins revolucionários e estratégico a curto e longo prazo para a tomada do poder mediante a combinaçom de diversas formas de acçom de massas, requer dos seus quadros mais esclarecidos constância, perserverança, esforço, dedicaçom, conhecimentos locais, regionais e nacionais da problemática que nos rodeia num pais cheio de conflitos sociais para acertar na formulaçom política, táctica e estratégica a longo prazo e no possível em aliança com outras forças que assumam o compromisso de luitar polas mudanças?
Manuel Marulanda

Manuel vive para sempre
A última vez que foi visto Marulanda foi naquela tarde de fogo de Caguán, nas postrimerias dos diálogos de paz, quando o despedir-se dos jornalistas que o cercavam com perguntas, microfones e cámaras, dixo-lhes com o seu refinado humor de sempre, semelhante à nossa retranca: ?vou-me, porque está caindo a noite, e como vocês sabem, por aqui há muita guerrilha?.
O legendário dirigente e combatente comunista, que enfrentou durante 60 anos a 17 governos e a todos os estados maiores das forças armadas do regime oligárquico colombiano, morreu como nom queriam.
Entre 1964 e 2008 derrotou ou eludiu, polo menos, sete grandes ofensivas miitares financiadas por mais de 7 mil milhons de dólares em ajuda militar, participando milhares de ?boinas verdes?, forças especiais, mercenários, mais de 250.000 de efectivos das Forças Armadas colombianas e 35.000 paramilitares membros dos esquadrons da morte.

Morreu de velho o Comandante em Chefe dirigindo pessoalmente a poderosa organizaçom guerrilheira no turbulento coraçom do ?Plano Patriota?, patrulhando a selva sobre as asas da guerra de guerrilhas móveis, a sua original táctica de combate.
Manuel Marulanda faleceu no seu trasumante quartel da montanha, às 18.20 horas, tranquilo, fortemente abraçado polo imenso amor de Sandra, a sua companheira de trincheira e sentimentos, rodeado dos seus rijos guerrilheir@s da Coluna Isaías Pardo e dos seus valentes oficiais. Foi-se com o sol de 26 de Março, só para voltar na alvorada do seguinte dia irradiando com mais luz a sua invencível estratégia justiceira.
Após empreender a sua marcha face à eternidade, a Direcçom da FARC-EP procedeu a nomear Alfonso Cano como novo Comandante em Chefe da organizaçom revolucionária.
Como Bolívar em Santa Marta, tam só se encostou a sonhar aquele monte em que, desde o Comando geral, muito perto de Bogotá, dirigirá a entrada vitoriosa dos seus guerrilheir@s, rodeados de povo, à capital.
Hoje, em pleno desenvolvimento dos sintomas de decomposiçom política do regime uribista, com umhas FARC-EP em plena ofensiva militar e máximo desenvolvimento político e social do Movimento Bolivariano, os sonhos de Manuel estám mais perto que nunca de ser umha realidade.

Que difícil é ser tam comunista e bolivariano como ele!
Narciso Isa Conde

Este texto foi elaborado basicamente empregando diversos materiais dos comandantes farianos Jesús Santrich, Iván Márquez e Alfonso Cano.

Para saber mais sobre manuel Marulanda e as FARC-EP
-Arturo Alape, ?Manuel Marulanda, Tirofijo?. Txalaparta, Euskal Herria, 2000.
-Hernando Calvo Ospina, ?Colombia, laboratorio de embrujos. Democracia y terrorismo de estado?. Foca, Madrid, 2008.
-Vários autores, ?Manuel Marulanda Vélez. El héroe insurgente de la Colombia de Bolívar?. Caracas, 2008.
-Documento Comandante Manuel Marulanda, Diario la Juventud, nº 31, Montivideo, Janeiro de 2008. http:// www.chasque.apc.org/juventud/
-http://www.ccb-galiza.org/
-http://www.abpnoticias.com/
-http://www.conbolivar.org/
-http://www.farc-ejercitodelpueblo.org/
-http://www.frentean.col.nu/
-http://www.frentean.col.nu/
-http://anncol.eu/
-http://www.rosa-blindada.info/

----- COMMENT: AUTHOR: maria cardoso [Visitante] DATE: Sun, 08 Nov 2009 21:06:19 +0000 URL:

Saudade eterna desta bela criatura.
Saludos Bolivarianos Maria

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Decorreu debate sobre a crise capitalista organizado por Primeira Linha BASENAME: decorreu-debate-sobre-a-crise-capitalist DATE: Wed, 10 Jun 2009 01:04:41 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O nosso local na Rua Quiroga Palácios acolheu o passado fim de semana o encontro interno para militantes, simpatizantes e amig@s do independentismo organizado polo partido comunista Primeira Linha com o galho da vinda à Galiza do brasileiro Valério Arcary, a portuguesa Ana Barradas e o basco Iñaki Gil de San Vicente, além da visita à capital do País do camarada Domingos Antom Garcia. Eles e ela foram convidad@s à XIII ediçom das Jornadas Independentistas Galegas.


O andar estivo nas melhores condiçons para o recebimento das pessoas participantes, ficando acondicionado esteticamente para vindouros encontros de debate e palestras.

Foi ao longo de toda a manhá do Domingo, quando dezenas de pessoas intercambiárom num ambiente de fraternidade opinions e análises sobre a experiência revolucionária socialista em diversos rincons do planeta.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: BASENAME: title-164 DATE: Wed, 10 Jun 2009 01:03:09 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Até quatro jantares decorrêrom nas instalaçons do nosso Centro Social com motivo da participaçom de dezenas de pessoas nas Jornadas Independentistas Galegas. O partido Primeira Linha organizou, com a colaboraçom do Henriqueta Outeiro, bonos por um preço módico para que amig@s de todo o País pudessem defrutar dum jantar e umha ceia no Sábado, e um almorço e um jantar no Domingo, dia em que, a iniciativa do partido, se prolongárom os encontros nacionais com os e a ponente na decimoterceira ediçom das suas Jornadas.


Para isso, e entre os dous encontros políticos o Sábado na Gentalha, foi diposto um completo jantar, que seria continuado com umha ceia. Sócios e sócias do Centro Social exercêrom um labor de coordenaçom e gastronomia económica ao melhor jeito, tal e como vimos sendo habituad@s graças aos numerosos encontros deste tipo que celebramos ao longo do curso político.

Também o Domingo abrimos desde primeira hora da manhá para servir de ponto de encontro com um garfo, umha culher e umha faca nas maos, oferecendo mais dous jantares e mesmo umha merenda, tendo o local disponível para a discussom política ao longo do fim-de-semana todo.

Agradecemos a possibilidade de desenvolver-nos como referente para a acolhida de camaradas do País e nem só, e esperamos ter feito um trabalho que favorecesse a comodidade das pessoas assistentes a Compostela este fim-de-semana.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: O 17-M estivemos na rua! BASENAME: title-158 DATE: Sat, 23 May 2009 00:04:16 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A nossa participaçom no Dia das nossas Letras nom passou desaparcebida. Umha faixa de cor amarelo, com a legenda "Umha naçom sem língua, umha naçom sem coraçom", com o logótipo do nosso Centro Social, serviu de cabeceira ao segmento independentista e socialista de sóci@s agrupad@s à volta do nosso local.


Muitos outros centros sociais do País impulsionáramos a Plataforma Galego Sempre Mais, para dotar de unidade às expressons organizadas a favor do galego que nom se sobmetem aos critérios partidistas e sistémicos da Mesa.

Com nós, a Baiuca Vermelha, o Gomes Gaioso, Artábria e A Gentalha, portávamos faixas reivindicativas, além doutros colectivos reintegracionistas. Todas e todos figemos desta umha demonstraçom de força do reintegracionismo lingüístico, de capacidade mobilizadora numha data recuperada, talvez com algum oportunismo político, para reivindicar nas ruas o que nunca devemos deixar de fazer nelas: o galeguismo social como monolingüismo numha sociedade enriquecida na sua principal obra colectiva.

Foi para nós um prazer participar como Centro Social numha data histórica de autoafirmaçom num contexto político tremendamente contrário. Após a chegada ao poder da ultra-deireita espanhola, com todas as armas apontando sobre o idioma nacional; sobre a nossa consciência colectiva; sobre os sinais de identidade dum Povo Trabalhador que se pretende desestruturar em todas as suas manifestaçons contrárias aos interesses de Espanha e do Capital.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Continuam as citas gastronómicas no local da Henriqueta Outeiro BASENAME: continuam-as-citas-gastronomicas-no-loca DATE: Wed, 20 May 2009 22:27:40 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Com ocasiom do mês de Maio, quando se celebra o Dia do Internacionalismo Proletário, a assembleia decide homenagear o autor de obras inconfundíveis, de manuais de uso do socialismo nos últimos 150 anos, como O Capital ou O Manifesto Comunista: Karl Marx. Obras que servírom para a formaçom do espírito rebelde germinado na Galiza, como a da camarada Henriqueta, a quem devemos o nome do local.


Nós, como ela, devemos muito da nossa construçom teórica e prática a um alemám preocupado polo conhecimento científico do desenvolvimento das sociedades humanas.

Como nom, faremos umha introduçom à sua figura metendo-nos polas generalidades menos ortodoxas, para realizar umha vissom actual e galega sem reiterarmos consignas por tod@s sabidas.

Esta XIII Ceia Revolucionária terá lugar o dia 23, próximo sábado, às 21 horas.
Podedes assistir reservando através dos telefones 660 713 095 ou 881 979 561, ou ainda solicitando-o no balcom do local em horário de abertura de 19 a 23 horas de segundas a quintas.
A ementa:
- Aperitivos vegetais
- Codilho com repolo
- Apfelstrudel
- Cerveja

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: O dia 17 todos e todas na rua! BASENAME: o-dia-17-todos-e-todas-na-rua DATE: Sat, 16 May 2009 01:34:02 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A Plataforma Galego Sempre Mais, iniciativa dos centros sociais do país, entre os quais a maior parte som membros da mesma, é umha proposta polo galego construida como alternativa à procissom dependente do BNG que nos propom desde o autoritarismo e o menosprezo a Mesa pola Normalización Lingüística para este dia 17.

É por esse motivo que, após umha juntança com esta entidade normalizadora, os centros sociais da Galiza entendemos que nom se davam as condiçons de mínimo respeito e pluralidade exigíveis para trabalhar conjuntamente. Porém, e no afám de nom criar testemunhalismos imbecis, queremos trabalhar polo dia 17 pensando em chave nacional, em todas as pessoas que esse dia virám de todas as esquinas da Galiza a expor nas ruas a demanda de Mais Galego, agora e sempre, governe quem governe.

O Centro Social Henriqueta Outeiro, junto com os demais centros sociais da comarca, nom teremos que deslocar-nos para participar na mobilizaçom que partirá às 12,15 da Alameda da capital. Mas sim faremos um esforço por acolher nesta cidade de todas e todos, à militáncia normalizadora que aposta na ubicaçom do galego no seu marco lingüístico próprio, a lusofonia.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: A RAG É UMHA FRAUDE. POR UM DIA DAS LETRAS POPULAR BASENAME: a-rag-e-umha-fraude-por-um-dia-das-letra DATE: Sat, 16 May 2009 01:32:20 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O Centro Social Henriqueta Outeiro é convocante, junto com os demais centros sociais da comaca (A Fouce de Ouro, A Casa Encantada, A Gentalha do Pichel), do acto lúdico-reivindicativo previsto para a manhá da vêspera das letras. Amanhá 16, concentraçom no Toural às 12 horas com o motivo de "A RAG É UMHA FRAUDE. POR UM DIA DAS LETRAS POPULAR".

Esperamos começar com bom humor a cadeia de actos que por todo o País antecedem à marcha massiva que acolherá a capital do país a manhá do 17.

Assistide com a raiva acessa contra os que vivem da morte lenta da nossa língua!

----- COMMENT: AUTHOR: manuel [Membro] DATE: Sat, 16 May 2009 17:04:20 +0000 URL: https://www.facebook.com/groups/1650288525232212/?ref=ts&fref=ts

Mas isso já o sabemos, comadre Henriqueta! Por isso temos a AGLP! A RAX é a guardiacivíli do xalexoespañol e a AGLP é a peessepê do galego-português. O que alguns não compreendemos, de fora da Galiza, é como é que vomcês voltaram a ter agora um chefão “popular” (antipopular). Mas isso é com vomcês, são coisas de galegos. Saudações ibéricas.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Nova ceia de camaradagem em homenagem ao Tio Ho BASENAME: nova-ceia-de-camaradagem-em-homenagem-ao DATE: Tue, 12 May 2009 23:20:54 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A última ceia celebrada no local social, a vietnamita, foi preparada com umha imponente ementa incluindo 4 pratos. Desde os saborosos rolinhos de primavera até o sorvete de limom, passando polo frango ao curri e as bananas flambeadas em riquíssima laranja. Mais um exercício de cozinha de alto nível, com produtos facilmente adquiríveis, realizado pola nossa equipa dirigida polo incombustível Paco.


Ainda, ao finalizar a ceia o companheiro José fijo-nos umha introduçom ao seu estudo sobre o personagem homenageado, o líder da resistência comunista patriótica do Viet-Nam Ho Chi Minh. Graças à leitura de algum manual de acesso em bibliotecas, o companheiro favoreceu um repasso compreensível a umha figura bastante esquecida na distáncia das terras que medeiam entre a Galiza e o Viet-Nam, mas que incorporou na prática da guerrilha de libertaçom nacional umha focagem marxista-leninista pedagógica e triunfante da qual temos muito que analisar e aprender. O debate prosseguiu como boa companhia para a digestom, entre conversas amicais e um merecido repouso.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Turismo e turistificaçom a debate BASENAME: turismo-e-turistificacom-a-debate DATE: Fri, 24 Apr 2009 18:24:45 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Na próxima quarta-feira, 29 de Abril, organizamos um novo debate no nosso Centro Social. Desta vez o tema escolhido é "Turismo e turistificaçom". Contaremos com as intervençons do Geógrafo compostelano José Constenla, o professor da USC José Carlos Bermejo Barrera e da membro da executiva nacional da CIG Mar Peteira.
O acto começará às 20.30h.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Ceia revolucionária homenageia Ho Chi Minh BASENAME: ceia-revolucionaria-homenageia-ho-chi-mi DATE: Tue, 14 Apr 2009 20:36:41 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Na próxima sexta-feira, 17 de Abril, celebraremos umha nova ceia revolucionária dedicada esta vez à figura do revoucionário vietnamita Ho Chi Minh.
O nosso cozinheiro escolheu para esta ementa vietnamita Rolinhos de primavera, Frango ao curry com basmati, Sorvete de limom e Bananas flambeadas.
O preço da ceia, que começará às 21.30h, será de 10 euros. Para reservar o bono podes ligar com o telefone 660 713 095.

Ho Chi Minh (1890-1969)
Teórico da guerra revolucionária de libertaçom nacional

Nada é mais precioso que a independência e a liberdade

Ho Chi Minh foi um dos mais destacados dirigentes marxistas do século XX que soubo sintetizar magistralmente a teoria leninista do direito de autodeterminaçom com o Socialismo.
Nasceu em Annam 19 de Maio de 1890. O seu verdadeiro nome era Nguyen Tat Thanh, mas adoptou este alcume por motivos de clandestinidade, para assim escapar da permanente perseguiçom policial a que foi submetido pola sua militáncia comunista. Este nome significava "O que ilumina". Também adoptou o nome de guerra de Nguyen Ai Quoc, ?O patriota".

Emigraçom a Europa
Ho Chi Minh estudou em Hué e Saigom, até que em 1912, à idade de 22 anos, emigrou a Europa num barco francês. Foi umha longa viagem de dous anos de porto em porto até que arribou a Londres, onde trabalhou no hotel Carlton durante três anos.
De aqui foi a Paris, onde trabalhou como retocador de fotografias onde conheceu a Zhou Enlai, León Blum, Marcel Cachin e Longuet (sobrinho de Karl Marx), entre outros destacados dirigentes do movimento obreiro internacional.
Durante estes anos escreveu diversos artigos no jornal comunista L'Humanité. Posteriormente fundou o jornal O Pária, onde escreviam os dirigentes revolucionários dos países colonizados polas potências imperialistas europeias.
Filiou-se o partido socialista francês, em cujo congresso de Tours votou com a maioria internacionalista que decidiu a adesom a Internacional Comunista.
Em 1919, tentou solicitar na conferência de Versalhes igualdade de direitos para Indochina.

URSS e China e fundaçom do PCV
De Paris mudou-se a Moscovo onde participou em vários Congressos da Internacional Comunista. Mai tarde foi para China como tradutor e ajudante de Borodin, conselheiro do Guomindang nas suas relaçons com o Partido Comunista da China.
Por encomenda da Internacional integrou-se na escola militar de Huangpu para ensinar às organizaciones comunistas asiáticas a arte da guerra revolucionária. O director era o coronel Chiang Kai-shek e o chefe do departamento político era Zhou Enlai.
Na noite de 3 de Abril de 1927, quando Chiang Kai-shek traicionou os comunistas com umha enorme matança, Ho Chi Minh consiguiu fugir e seguiu na clandestinidade organizando a revoluçom na Birmánia, na China, em Siam, passando de prisom em prisom, de tortura em tortura, impulsionando greves, motins e levantamentos armados.
Por isso, naquel mesmo ano Ho Chi Minh fundou em Hong Kong o Tanh Nien, o Partido Comunista de Viet Nam.
A finais da década dos trinta, Viet Nam padece um giro importante na sua situaçom, com a substituiçom do domínio do imperialismo francês polo japonés, que ocupa o país com 50.000 soldados.
Libertado da prisom polos aliados em 1940, regressou ao seu país 28 anos depois de té-lo abandonado. Luitou na guerrilha durante os cinco anos de ocupaçom japonesa.
Para libertar o país da nova invasom, funda o Viet Nam Doc Lap Dong Minh Hoi, mais conhecido por Viet Minh, ou Frente para a Libertaçom do Viet Nam. Também creia um exército guerrilheiro dirigido por Vo Nguyen Giap, um dos generais revolucionários mais prestigiosos do mundo.
Durante muitos anos viviu numha pequena casa, apesar dos oferecimentos do governo de mudar-se a um melhor domiíilio.

Guerra contra França
Os franceses queriam recuperar os seus domínios coloniais e voltárom a ocupar o país, enquanto a guerrilha vietnamita rejeitava os japoneses no norte.
O Vietminh organizou a insurreiçom geral, atingiu a independência nacional (2 de Setembro de 1945, declarada em Hanói) e fundou a República Democrática de Viet Nam, um estado operário e camponês de base socialista.
Mas o retornar dos colonialistas franceses em 1946, provocou umha nova e cruenta guerra que se prolongou nove anos. 24 de Novembro de 1946 os franceses bombardearom Haiphng, con mais de 6.000 vítimas. El povo reagiu 19 de Dezembro com umha insurreiçom em Hanói.

Presidente de Viet Nam
Os imperialistas començárom a retroceder: cai Dong Khi, evacuamn Cao Bang, logo Lao Kay, e posteriormente Dinh Lap. França claudicou e tivo que pedir o apoio dos Estados Unidos. O apoio ianque nom serviu de nada. Após a vitória de Dien Bien Phu (7 de Maio de 1954), os franceses som derrotados e Ho Chi Minh proclamado Presidente da República Democrática de Viet Nam.
Apesar de que norte e sul deviam unificar-se e realizar eleiçons nacionais, Viet Nam do Sul, rejeitou o plano eleitoral e fijo preparativos bélicos. Embora o mesmo Eisenhower considerava que 80% dos vietnamitas teriam votado polo popular e carismático Ho, os Estados Unidos decidírom apoiar o sul, contendo o comunismo no norte e mantendo a sua influência sobre Indochina.
Os acordos de Genevra fôrom seguidos por um período de 300 dias nos que quase um milhom de vietnamitas, na sua maioria católicos, emigrárom o sul, e outro grupo de vietnamitas budistas e comunistas radicarom-se no norte.
Ho impulsionou e ordenou o apoio as guerrilhas que já actuavam desde o ano anterior no Viet Nam do Sul, formando o Frente Nacional de Libertaçom (FNL), e o Viet Cong, nome que recibia a sua guerrilha de libertaçom.
Ho impulsiona umha profunda reforma agrária que acaba com os terratenentes.

Guerra contra Estados Unidos
A guerra contra França sucedeu a guerra contra Estados Unidos. Morrérom mais de 5 milhons de vietnamitas e três milhons de pessoas padecérom os efeitos do agente laranja, um potente defoliante que tinha como objetivo arrassar por completo a jungla do país para isolar a guerrilha vietnamita. Durante a guerra Estados Unidos lançou mais de sete milhons de toneladas de bombas e 100.000 toneladas de substáncias químicas tóxicas, mais bombas que as lançadas durante a Segunda Guerra Mundial.

A morte de Ho Chi Minh
O grande revolucionário comunista morreu na manhá de 2 de Setembro de 1969, na sua casa de Hanói à idade de 79 anos de paro cardíaco.
Ho Chi Minh desejava ser cremado, e tinha declarado que este método de sepultura ?é mais higiénico, e aforra espaço para a agricultura?. Mas os seus desejos, como antes tinha sucedido a Lenine, nom se cumprírom. Foi embalsamado por ordem do governo. O seu corpo exibe-se num impresionante mausoleu na praça Ba Dinh de Hanoi.
Quando seis anos depois da sua morte, os comunistas derrotavam os invasores estadounidenses, os tanques levavam umha faixa com a inscriçom: "Tú sempre marchas connosco, Tio Ho".
Em 1975 o nome deSaigom foi mudado por Cidade Ho Chi Minh.

Obras
Proceso da colonizaçom francesa
Cartom de prisom (poemas)
Programa dol Partido Comunista de Indochina
Declaraçom de independência do Viet Nam
Acçons que "devem ser feitas" e que "nom devem ser feitas?
O leninismo e a libertaçom dos povos oprimidos

As três últimas estám traduzidas ao galego e podem ser consultads na Biblioteca Marxista em Galego (www.primeiralinha.org)

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Decorreu com umha das maiores assistências a XI Ceia Revolucionária do nosso centro social BASENAME: decorreu-com-umha-das-maiores-assistenci DATE: Wed, 11 Mar 2009 18:17:46 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Por volta de 25 pessoas degostamos o que foi segunda ementa galega desde que começáramos com esta actividade de encontro e debate no Henriqueta Outeiro.

A figura da guerrilheira galega foi lembrada como feminista e comunista. Assim recuperamos o hábito de introduzir as sobre-mesas falando do evento/figura histórica que homenageamos, dando um cariz mais político e colectivo aos encontros nas ainda frias noites compotelás.

A próxima cita com as boas companhias, os bons pratos, e dignas homenagens, será em honra do povo vietnamita.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Domingo 8, Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, o nosso centro social tivo a oportunidade de participar das manifestaçons de identidade combativa da mulher galega BASENAME: domingo-8-dia-internacional-da-mulher-tr DATE: Wed, 11 Mar 2009 18:16:56 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A organizaçom juvenil BRIGA solicitou ao nosso local habilitarmos-lhes um jantar de confraternizaçom para as suas mulheres. O centro social acedeu com a preparaçom dumha fantástica acolhida às jovens que vinham de manifestar-se polas ruas de Compostela sob as palavras de ordem como "O machismo é o terrorismo". Um jantar dedicado em exclusiva às amigas de BRIGA e simpatizantes, oferecido por um grupo de afanados homens sócios do nosso centro social.

Parabenizamos BRIGA polo sucesso da celebraçom e aderimos como centro social galego à luita revolucionária feminista por umha nova sociedade.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: XI Ceia revolucionária: Henriqueta Outeiro BASENAME: xi-ceia-revolucionaria-henriqueta-outeir DATE: Thu, 05 Mar 2009 13:21:49 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

6 de Março (sexta-feira) às 21,30h
Preço 10 ?
Para reservar telefonar para: 660 713 095 ou 881 979 561

Ementa:

Cozido Galego e sobremesa

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Laura Bugalho explicou-nos a situaçom laboral d@s imigrantes na Galiza BASENAME: title-106 DATE: Sat, 28 Feb 2009 20:11:15 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Palestras CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Finalmente foi só Laura Bugalho quem assistiu ao nosso local para ministrar umha longa palestra com a presença dum público composto na sua metade por vizinhos e vizinhas de Compostela de nacionalidades foráneas, trabalhadoras/es na Galiza. A ausência do companheiro de São Tomé foi desculpada, e esperamos poder contar noutra ocasiom com a sua participaçom.

Porém, a loquacidade da sindicalista e activista em defesa dos direitos da classe trabalhadora galega nom nativa, e a participaçom do público, nomeadamente a exposiçom da sua situaçom por parte das assistentes estrangeiras, todo isto, permitiu desenvolver num ambiente familiar e integrador a abertura da mirada política face a este segmento do Povo Trabalhador especialmente assediado polos anceios de mais-valia da patronal. Também no nosso País o sindicalismo vai adaptando as suas estruturas para dar cabida aos problemas de imigraçom, aproximando o carácter nacional da nossa luita social a quem som chegad@s doutros lugares. A língua galego-portuguesa como ferramenta de compreensom permite neste sentido a abertura de contactos imediatos com a comunidade lusófona, umha das mais destacadas na Galiza.

A policializaçom do conflito de classe com @s trabalhadores/as de fora, foi exposto exemplarmente como mais umha ferramenta capitalista para atemorizar e acovardar as classes populares que, por recém chegadas, estám desprovistas de círculos de encontro como os que CIG-Imigraçom procura, onde possibilitar a coordenaçom e afortalamento das luitas dumha mesma classe obreira.

O centro social manterá mansalmente o seu círculo de palestras e debates.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Imigraçom e pobreza a debate esta quinta-feira BASENAME: title-102 DATE: Wed, 25 Feb 2009 03:42:56 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Quinta-feira temos um bom argumento para estarmos no Centro Social Henriqueta Outeiro. Para nos volver encontrar sob a interessante proposta da assembleia aberta: umha palestra sobre 'Imigraçom e pobreza'.


Com esta, as nossas actividades continuam a pôr o dedo sobre a actualidade e a realidade do nosso país e das suas gentes, as nativas e as acolhidas. Após falarmos de Palestina numha triste conjuntura, e sobre Cuba e as iniciativas na Galiza para apoiar a sua revoluçom, propomos-vos adentrar-nos cara a cara na realidade das trabalhadoras e trabalhadores que querem encetar no nosso País um novo vieiro para fender a rota da marginalizaçom que nas suas terras de origem impom o imperialismo, o capitalismo avançado.


Umha temática que acostumamos esquecer sob o profuso exercício de revolta quotidiana em chave nacional, socialista e antipatriarcal que nos envolve a todas e todos.

Laura Bugalho, activista no sindicato nacional CIG, na sua federaçom de Imigraçom, junto com o vizinho Nelsom Rosamonte Barbosa, exporám-nos as linhas de intervençom sindical face a um dos segmentos das classes trabalhadoras mais explorados, e a quotidianeidade dum operário lusófono preto e de origens geográficas, climáticas, sociais e laborais bem diferentes à Galiza do sêculo XXI. Neste caso, um natural de São Tomé e Príncipe. Duas realidades mescladas pola pressom da pobreza, que desejamos caminhar de maos dadas face um horizonte de liberdade entre iguais. Para o qual é imprescindível conhecer-nos.

Ficades convidadas e convidados!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Galeg@s e catalans homenageárom a Argala numha nova ceia revolucionária BASENAME: galeg-s-e-catalans-homenagearom-a-argala DATE: Tue, 24 Feb 2009 03:46:45 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O décimo jantar revolucionário do nosso Centro Social decorreu no habitual ambiente fraternal, crescido graças à presença de simpatizantes do nosso local doutras comarcas do País. E nem só. Nesta data em que homenageávamos um dos impulsores da luita independentista e socialista basca, José Miguel Argala, vári@s companheir@s residentes em Compostela e vind@s dos Països Catalans, integrad@s na "Embaixada dels Països Cataláns em Galiza", dérom um substancial carácter internacionalista a este encontro gastronómico.


Com umha ementa apetitosa a raivar, com pintxos bascos como prolegómeno incluidos, a nossa equipa de cozinha dirigida polo caro Paco deixou um bom sabor de boca n@s participantes, que deixárom estender a noite toda em conversas e intercámbio de ideias sobre os movimentos emancipatórios de Galiza e dos Països. Todo isto, com umha ikurriña no frontal da mesa.

Oxalá encontremos nas vindouras citas gastronómicas mais momentos para falar e falar até entrada a noite. Um lugar e umha companhia idóneas para pôr em marcha a boca: degustando e parolando! Aponta-te à seguinte!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: O CSHO Ante as inquisitoriais declaraçons do lider da extrema-direita espanhola em Compostela BASENAME: title-92 DATE: Wed, 11 Feb 2009 17:08:19 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Ante as inquisitoriais declaraçons do lider da extrema-direita espanhola em Compostela, Conde Roa do PP, onde pede a abertura de investigaçons policiais e administrativas sobre o nosso centro social, junto com a Gentalha do Pichel, a Sala NASA e a associaçom vizinal As Marias, nom podemos eludir a ocasiom para considerar que:


1. Nom duvide, senhor Roa (de facto deve estar ao tanto) de que existem investigaçons permanentes e provocadoras sobre todo o tecido social compostelám que nom se prega a PP, PSOE, BNG ou a outros poderes sistémicos como a igreja católica, com tanta força na nossa cidade.

2. As suas declaraçons som umha manifestaçom do clima político-institucional que reina no Estado espanhol e que, como um vírus, os mais extremistas pretendem trasladar desde Euskal Herria a outros territórios do Estado espanhol para amordaçar qualquer atisbo de poder popular.

3. O Centro Social Henriqueta Outeiro nom tem nada que ocultar. Somos umha assembleia plural e aberta que convoca actos publicamente. A diferença dos neofascistas acubilhados no Partido Popular, as pessoas que formamos parte deste Centro Social nom temos nem tivemos problemas relativos com a violaçom de direitos das pessoas, nem encausamentos que nom sejam relativos ao nosso compromisso político e social com a nossa pátria e com a nossa classe.

4. O futuro, para nós, está inçado de ameaças nojentas como as que hoje lança aos médios este indivíduo. Convivemos com elas e enfrentaremo-nos a todas convencid@s e orgulhos@s polo trabalho de centros como o nosso, a Gentalha, As Marias ou a Sala NASA.
Quiças algumha vez atopem eco as suas soflamas. Entretanto seguiremos trabalhando, com mais ganas para nom permitir triunfar o seu afám de difundir o medo.

ADIANTE O MOVIMENTO SOCIAL DE COMPOSTELA!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: X Ceia Revolucionária: Homenagem a Argala BASENAME: x-ceia-revolucionaria-homenagem-a-argala DATE: Wed, 11 Feb 2009 16:25:47 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

13 de Fevereiro (sexta-feira) às 21h
Preço 12 ?
Para reservar telefonar para: 660 713 095 ou 881 979 561

Ementa:

1-Pintxos bascos
2-Purrusalda
3-Porco em piperrada
4-Mamia com nozes

José Miguel Beñarán Ordeñana, Argala, nasceu na localidade guipuscoana de Arrigorriaga em 1949. Medrou num entorno familiar próximo ao nacionalismo do PNB e de orige popular.
A história do seu compromisso político é muito semelhante a de tant@s outr@s nascidos no franquismo. As suas inquietudes sociais desde a sua juventude canalizam-se em organizaçons da igreja católica, mas o madurecimento destas leva-no a ligar-se cada vez mais às correntes de oposiçom organizadas na clandestinidade.
Assim já no 1968 vé-se obrigado a fugir da sua localidade quando é identificado pola polícia franquista como militante de ETA, organizaçom da que será umha das figuras mais destacadas durante toda a década de 70.
O seu carisma e capacidade como dirigente político coloca-no como alvo preferente dos aparelhos repressivos do fascismo, o que levará a que em 1978 seja assassinado com umha bomba colocada no seu carro polos serviços secretos espanhóis.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Defendamos a língua. Contra os insultos e a repressom BASENAME: defendamos-a-lingua-contra-os-insultos-e DATE: Tue, 10 Feb 2009 17:12:11 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O Cento Social Henriqueta Outeiro, sediado na Rua Quiroga Palácios da capital galega, quer denunciar a repressom exercida na nossa cidade, o passado domingo, polas forças armadas da polícia espanhola contra a nossa populaçom.

As principais vítimas da acossa, hospitalizadas por lessons e encerradas em dependências policiais por volta de 30 horas; as menos, identificadas nas ruas da NOSSA CIDADE por falarem o NOSSO IDIOMA. Também, dúzias e dúzias de ferid@s e mancad@s .

Como Centro Social comprometido na defesa activa da nossa língua e identidade nos princípios do socialismo, estamos horrorizad@s pola envergadura de agressividade e prepotência que, com a conivência dos partidos políticos representados no Concelho da nossa cidade, despregárom "os bilingues", umha panda de ultras vindos de diferentes recantos do Estado para cuspir sobre as pedras do nosso casco monumental o ódio ao que somos, ao Povo secular que mantemos vivo, o ódio a Galiza.

Exigimos que nom se volva repetir semelhante desafio à nossa cultura, nem na nossa cidade nem em nengumha outra. E pedimos aos galegos e galegas que a luita pola defesa da língua mantenha a fabulosa intensidade mostrada nas ruas o dia 8. Quer voltem os fachas, quer nom o fagam, a nossa língua precisa de homens e mulheres que a levem por bandeira de orgulho e por pedra de combate todos os dias.

Por último, o C.S. quer solidarizar-se com as pessoas libertadas o dia 9 e acusadas de diferentes delitos, umha das quais, o companheiro Carlos, é sócio deste Centro e activista da sua assembleia aberta.

NA GALIZA EM GALEGO!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: A revoluçom cubana a debate na quinta-feira BASENAME: a-revolucom-cubana-a-debate-na-quinta-fe DATE: Sun, 25 Jan 2009 02:43:00 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Vindoura quinta-feira, dia 29 do presente mês, o Centro Social Henriqueta Outeiro dá continuidade à sua agenda de actividades, que no presente curso está a dar combinado encontros gastronómicos e palestras, além de jornadas de convívio, todo com um transfundo vermelho, lilás e azul e branco da nossa bandeira nacional.


Nesta ocasiom, a Assembleia Aberta tem o prazer de convidar a massa social da vizinhança de Compostela, nomeadamente a do nosso bairro, a um encontro com Alejandro Fuentes, cónsul de Cuba na Galiza, Moncho Leal, membro da histórica Associaçom de Amizade Galego-Cubana Francisco Vilamil, e mais o jovem Alexandre Rios, umha das 5 pessoas que em Verao do passado ano inaguravam as Brigadas Fuco Gomes. Com elas, um sector de pessoas deste país apostam por achegar ao máximo os vínculos de fraternidade entre a pátria de Marti e a de Castelao, a de Fidel e a de Reboiras, a de Célia Hart e a de Lola Castro... Como? compaginando a informaçom local sobre o processo revolucionário da maior ilha caribenha com o conhecimento em primeira pessoa dos fenómenos em curso lá, em estáncias promovidas para o intercámbio de ideias e a colaboraçom socialista.

Sobre a multidom de temas que sugire a realidade cubana hoje, no marco dumha crise sistémica aguda que nom oferece respostas satsifatórias aos Povos do mundo, falaremos a partir das 20,30 horas.

Ficades convidad@s!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Saudaçom do C.S. Henriqueta Outeiro no III C.N. de BRIGA BASENAME: saudacom-do-c-s-henriqueta-outeiro-no-ii DATE: Thu, 22 Jan 2009 16:44:24 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Desde o Centro Social Henriqueta Outeiro, queremos mandar as nossas mais afectuossas saudaçons á juventude revolucionária organizada em BRIGA.
Prova do nosso agradecimento a este convite é a evidência palpavel da importáncia da mocidade independentista na consolidaçom do nosso projecto como Centro Social; igual que a nossa presença como espaço físico de esquerda independentista é fundamental para o desenvolvimento de projectos políticos como este, establecendo assim umha sinérgia baseada na interrelaçom entre todos os seitores de luita para construirmos a hegemonia socialista.

Avante com a luita juvenil!!
Avante com BRIGA!!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Actividade desde o Centro Social em homenagem a Palestina BASENAME: actividade-desde-o-centro-social-em-home DATE: Thu, 22 Jan 2009 16:36:49 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O Centro Social Henriqueta Outeiro acolheu o IX Jantar Revolucionário, desde este curso celebrado às noites de sextas ou sábados como ceias.

Como nom podia ser doutro jeito no contexto em que decorreu, a homenagem rendemo-la a Palestina, essa naçom negada polo imperialismo que se passeia polo mundo. Umha jovem galega de raízes cisjordanas facilitou a preparaçom dumha ementa baseada na comida popular deste país árabe. As nossas chefas e chefes de cozinha figérom mais umha vez um esforço de prática gastronómica que satisfijo com sucesso as bocas das pessoas assistentes. Humus, Maqnufa e Kunafa: umha aproximaçom à cultura palestiniana.


Na cabeça de todos e de todas, os milhares indeterminados de vítimas por morte, assédio, doenças, lessons, violaçons... das quais só umha pequena porçom tivo cabimento nos media. Um holocausto no presente que condena ao passado Auschwitz, e que nos obriga a reagir criando poder popular, desde pequenas assembleias como as do nosso centro social, para construír umha alternativa socialista e antipatriarcal ao caos sistémico.

Manifestaçom o 18

O Centro Social Henriqueta Outeiro aderiu, de resto, à marcha convocada dous dias a seguir à ceia de que falamos. Domingo 18, a nossa cidade, como capital do País, acolheu milhares de pessoas mobilizadas para berrar em galego e em árabe "lume ao sionismo; adiante a resistência dos Povos".
Como mais um colectivo, somamos a nossa identidade à listagem de apoiantes da marcha de Galiza Por Palestina.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: BRIGA celebrou ceia de confraternizaçom no nosso Centro Social após o seu III Congresso Nacional BASENAME: briga-celebrou-ceia-de-confraternizacom- DATE: Thu, 22 Jan 2009 16:35:35 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Sábado 17, quando a organizaçom juvenil do Movimento de Libertaçom Nacional Galego celebrava o seu III Congresso Nacional, várias pessoas associadas ao nosso Centro preparárom desde dias antes os festejos posteriores ao encontro da mocidade independentista.

Celebrando-se em Compostela, @s jovens de BRIGA confiárom na nossa capacidade de bom recebimento e bem-vindas para encerrar a longa jornada de debate que reuniu gentes de todo o País no bairro compostelám do Castinheirinho.

Desde aí, a primeiras horas da noite, achegárom-se até o Centro Social Henriqueta Outeiro baixo a chuva dum dia desapracível com o fim de encontrar-se na fraternidade da calor humana e o convívio que a nossa gente lhes soubo oferecer. Como nom, umha gastronomia sinxela mas de bom comer, música e alocuçons até avançada a noite.

Do CS Henriqueta Outeiro parabenizamos BRIGA polo sucesso do seu encontro e agradecemos a confiança depositada em nós.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Entrevista com Mohamed Safa, activista palestiniano residente em Compostela BASENAME: entrevista-com-mohamed-safa-activista-pa DATE: Thu, 22 Jan 2009 15:31:35 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Mohamed Safa é médico oftalmologista a exercer profissionalmente na Galiza e da causa nacional da Palestina. Esta entrevista foi publicada o passado dia 20 em "La Voz de Galicia", coincidindo com a conferência que deu no nosso Centro Social.

O histórico activista da causa palestiniana desde seus tempos de estudante em Santiago dará hoje uma conferência, baixo o título Palestiniana vencerá, às oito desta tarde, no Centro Social Henriqueta Outeiro (Quiroga Palácios, 42), na qual falará de como percebe o conflito e de como o povo palestiniano começa a descobrir a dimensom da tragédia, outra mais, da qual acaba de ser vítima. Desde o hospital de Cee, onde exerce de oftalmologista, responde as nossas perguntas.

- Uns 1.300 mortos em sua maioria civis (a terça parte meninhos) e 5.000 feridos (com cadáveres ainda por resgatar dos escombros) e 22.000 edifícios destruídos (14% de toda Gaza) em três semanas de indiscriminada orgia destrutiva sobre Gaza. De onde tira dignidade um palestiniano para continuar após este último sacrifício?

É que o palestiniano passa média vida no hospital e meia no cemitério, como dizia um escritor. Estes dias ser palestiniano na faixa de Gaza tem sido uma tragédia porque nom encontrava segurança nem nas instalaçons de Naçons Unidas. Mas o que surpreende é que Israel pretendia vender umha vitória que se converteu em destruiçom, assassinato e massacre. Ninguém duvidava de sua capacidade de dissuassom, mas a força se utilizou para a dissuassom da populaçom civil desarmada. A primeira vítima deste conflito é óbvia: a própria cultura do diálogo e entendimento dos povos.

- Agora atinge-se um frágil acordo que nom prevê o desbloqueio total de Gaza, com a abertura de toda a faixa. Que opiniom lhe merece?

Olhe, já dantes do ataque destes dias Gaza se convertia no único território do mundo em que se fazia um embargo sobre umha populaçom ocupada após umhas eleiçons democráticas exigidas por eles, os israelitas. Mas como apesar disso nom fôrom capazes de debilitar a populaçom empreendêrom esta acçom de destruiçom. Mais do que o campo de refugiados maior para os palestinianos, Gaza é um campo de concentraçom. Entom, a populaçom palestiniana nom pode aceitar estar sitiada permanentemente, tem que ter direito ao movimento. Repare bem, exigimos o direito a nos mover, sem que o exército israelita ponha condiçons para o movimento humano e de mercadorias.

- Vam exigir responsabilidades por crimes de guerra?

Muitas organizaçons no mundo árabe estám obrigadas a recabar informaçons e apresentá-las como denúncia por crimes contra a humanidade. Esta batalha tem sido um teste moral contra muitos países, e muitos países ocidentais tenhem suspendido neste exame moral. Nom se concebe a lentidom diplomática quando comíamos e ceávamos com a brutal acçom contra a populaçom palestiniana.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Crónica da charla de Mohamed Safa no CSHO BASENAME: title-69 DATE: Thu, 22 Jan 2009 13:09:43 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: Todas TAGS: ----- BODY:

Mohamed Safa, médico palestiniano residente em Galiza e histórico activista da OLP, impartiu umha charla no Centro Social Henriqueta Outeiro a passada terça-feira sobre a ocupaçom de Palestina.

Reafirmou o direito do seu povo á resistência contra a ocupaçom sionista e denunciou a hipocrisia de ocidente que durante a sua história reivindicou este direito que hoje lhe nega aos palestinianos ao tempo que os chantagea para que aceitem a ocupaçom e renunciem aos seus direitos nacionais.

Informou que no recente ataque a Gaza o exército israeli destrozou 22000 vivendas, 60 escolas e miles de pessoas com a complicidade de USA e a UE.
Explicou como todas estas agressons (assassinatos, torturas, desfiuzamentos, demoliçom de vivendas, desemprego, bloqueio económico, expulsons) que duram um século, nom conseguírom dobregar a vontade do seu povo.

Frente a análises ingénuas aclarou que nengum colonialista renúncia voluntariamente á ocupaçom se nom atopa um benefício maior, como passou co apartheid sudafricano, é isso foi o que conseguiu a Intifada, que paralisou economicamente Israel. Máis a invassom dum milhom de colonos ex-soviéticos em 1996 (o 20% da povoaçom) modificou esta situaçom e já nom se volveu aos acordos de Paz.

Finalmente descreveu umha sociedade israelita ultraconservadora que fixo da indústria da guerra um negócio e informou de umha corrente de esquerda na resistência palestiniana, ?a terceira linha?, que se distingue de Hamas e Al-Fatah.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Palestra sobre a Palestina com Mohamed Safa BASENAME: palestra-sobre-a-palestina-com-mohamed-s DATE: Mon, 12 Jan 2009 20:03:41 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

PALESTINA VENCERÁ
Palestra
Terça-feira 20 de Janeiro às 20 horas
Mohamed Safa, médico palestiniano, activista da causa nacional do seu pais, e autor do livro "Palestina, tierra de luz y sombra"

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: IX Ceia Revolucionária: Homenagem à Palestina BASENAME: ix-ceia-revolucionaria-homenagem-a-pales DATE: Mon, 12 Jan 2009 20:01:49 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

16 de Janeiro (sexta-feira) às 21h
Preço 10 ?
Para reservar telefonar para: 660 713 095 ou 881 979 561

Ementa:

Hummus bi tahina (pasta de gravanços com sésamo)

Maqluba (prato de arroz com beringelas e carne)

Kunafa (sobremesa palestina)

Pam e bebida

Homenagem ao heróico povo palestiniano

O nome Palestina deriva de Philistia, pátria dos filisteus, de origem grega (creto-micénica) que se estabelece na costa no séc. -XII, contemporaneamente aos hebraicos, de origem semita, que unificarám o território sob o reinado de David, com capital em Jerusalém.
Mais tarde chegariam as dominaçons e conquistas dos mais variados povos: assírios, persas, gregos, romanos, bizantinos e a partir do séc. VII o domínio árabe muçulmano. A região passa pelo controle do Império Otomano, da França e do Reino Unido.
No final do século XIX, judeus principalmente europeus começam a migrar para a regiom comprando terras. No ano 1948 o sionismo com o apoio das potências ocidentais proclama o estado de Israel que no ano a seguir aprova leis para favorecer a chegada ao território de todos os judeus. É o início do conflito entre quem defende a sua terra e o novo colonizador.
Desde esse momento o assassinato de milhares de civis palestinas/os, o submetimento a um regime de apartheid desigualdade jurídica das e dos árabes, os encarceramentos indiscriminados e de crianças, a ocupaçom e o colonialismo, o controlo militar, o roubo indiscriminado da terra e as ?limpezas?, a demoliçom de vivendas, a construçom de um autêntico ?muro da vergonha? e a mais recente conversom da Faixa de Gaza num autêntico campo de concentraçom.
E entretanto o mundo mudo. Israel tem tido todo o apoio do selvagem imperialismo ianque e do silêncio cúmplice europeu para desenvolver toda esta barbárie. Hoje o sionismo escusa-se na ?ameaça terrorista?, terrorismo que o próprio estado de Israel criou e alimentou, fruto da autodefesa e resistência de um povo pola sobrevivência. As pedras contra os tanques, porque defender-se e resistir nom é terrorismo.
Israel já se fijo um oco na história como vergonha da humanidade, já passou a ocupar as páginas dos estados criminosos e terroristas com as maos manchadas de sangue. Vergonha para o próprio povo judeu que no século passado sofreu a crudelíssima loucura genocida do holocausto.
Palestina tem outro lugar bem diferente na história, o da resistência heróica, o dos povos que nom baixam a cabeça e luitam contra a mais terrível injustiça.
Umha história que ainda nom acabou de se escrever...
Palestina vencerá!

Galiza com Palestina!
Palestina livre!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Nova ceia revolucionária esta sexta-feira BASENAME: nova-ceia-revolucionaria-esta-sexta-feir DATE: Sun, 30 Nov 2008 22:49:42 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O Centro Social Henriqueta Outeiro acolhe a próxima sexta-feira, 5 de Dezembro, às 20.30h umha nova ceia revolucionária. Nesta ocasiom umha refeiçom francesa dedicada à Comuna de Paris. O preço da ceia será de 10 euros.

A ementa seria:
1º Crema Saint-Germain
2º Quiche Lorraine
Sobremesa: Tarta Saint Honeret
Bebida: Champagne

Comuna de Paris
Foi o primeiro governo operário da história, fundado em 1871 na capital francesa durante a resistência popular ante à invasom alemá.
Durante a guerra franco-prussiana, as províncias francesas elegeram para a Assembleia Nacional umha maioria de deputados monarquistas francamente favorável à capitulaçom ante a Prússia. A populaçom de Paris opunha-se a essa política. Thiers, elevado à chefia do Gabinete conservador, tentou esmagar os insurretos. Estes com o apoio da Guarda Nacional, derrotaram as forças legalistas, obrigando os membros do governo a abandonar precipitadamente a capital francesa, onde o comité central da Guarda Nacional passou a exercer sua autoridade. A Comuna de Paris -considerada a primeira República Proletária da história- adoptou umha política de caráter socialista, baseada nos princípios da Primeira Internacional.

O poder comunal manteve-se durante cerca de 40 dias. O seu esmagamento revestiu-se de extrema crueldade.
O governo durou oficialmente de 26 de Março a 28 de Maio, enfrentando nom só o invasor alemám como também tropas francesas, pois a Comuna era um movimento de revolta ante ao armistício assinado pelo governo nacional (transferido para Versalhes) após a derrota na Guerra Franco-Prussiana. Os alemans tiverom que libertar militares franceses feitos prisioneiros de guerra para auxiliar na tomada de Paris.

Achegas da Comuna
O governo revolucionário foi formado por uma federaçom de representantes de bairro (a Guarda Nacional, umha milícia popular). Uma das suas primeiras proclamaçons foi a "aboliçom do sistema da escravidom do salário de uma vez por todas". A Guarda Nacional misturou-se com os soldados franceses, que se amotinaram e massacrarom os seus chefes. Após a fugida do governo oficial Paris ficou sob o governo operário, formado por Blanquistas, membros da Associaçom Internacional dos Trabalhadores, Proudhonistas e uma miscelânea de indivíduos nom-filiados politicamente, a maioria trabalhadores braçais, escritores e artistas.
Em semanas, a recém nomeada Comuna de Paris introduziu mais reformas do que todos os governos nos dous séculos anteriores combinados:

- As ferramentas som devolvidas aos operários durante o cerco à Comuna.
-O trabalho noturno foi abolido.
-Oficinas que estavam fechadas fôrom reabertas para instalar cooperativas.
-Residências vazias fôrom desapropriadas e ocupadas.
-Em cada residência oficial foi instalado um comité para organizar a ocupaçom de casas.
-Todos os descontos em salário fôrom abolidos.
-A jornada de trabalho foi reduzida, e chegou-se a propor a jornada de oito horas.
-Os sindicatos foram legalizados.
-Instituiu-se a igualdade entre os sexos.
-Projectou-se a autogestom das fábricas (mas nom foi possível implantá-la).
-O monopólio da lei polos advogados, o juramento judicial e os honorários fôrom abolidos.
-Testamentos, adopçons e a contrataçom de advogados tornarom-se gratuitos.
-O casamento tornou-se gratuito e simplificado.
-A pena de morte foi abolida.
-O cargo de juiz tornou-se electivo.
-O calendário revolucionário foi novamente adoptado.
-O Estado e a Igreja fôrom separados; a Igreja deixou de ser subsidiada polo Estado e as propriedades sem herdeiros passarom a ser confiscados polo Estado.
-A educaçom tornou-se gratuita e laica. Escolas noturnas fôrom criadas e todas as escolas passárom a ser mistas.
-Imagens de santos e a imagineria religiosa fôrom derretidos, e sociedades de discussom fôrom criadas nas Igrejas.
-A Igreja de Brea, erguida em memória de um dos homens envolvidos na repressom da Revoluçom de 1848 foi demolida. O confessionário de Luís XVI e a coluna Vendome também.
-A Bandeira Vermelha foi adoptada como símbolo da Unidade Federal da Humanidade.
-O internacionalismo foi posto em práctica: o facto de ser estrangeiro tornou-se irrelevante. Os integrantes da Comuna incluíam belgas, italianos, polacos, húngaros.
-Instituiu-se um escritório central de imprensa.
-Emitiu-se um apelo à Associaçom Internacional dos Trabalhadores.
-O serviço militar obrigatório e o exército regular fôrom abolidos.
-Todas as finanças fôrom reorganizadas, incluindo os correios, a assistência pública e os telégrafos.
-Havia um plano para a rotaçom de trabalhadores/as.
-Considerou-se instituir uma Escola Nacional de Serviço Público.
-Os artistas passárom a autogestionar os teatros e editoras.
-O salário dos professorado foi duplicado.

A morte da Comuna
O governo oficial instalado em Versalhes sob o comando de Thiers pactuou a paz com a Alemanha para que tivesse tempo de esmagar a Comuna de Paris. A Alemanha libertou prisioneiros de guerra para compor as forças que o exército francês usaria contra a Comuna. Esta, perdeu terreno rapidamente, pois possuía menos de 15 mil milicianos defendendo a cidade contra 100 mil soldados de Versalhes. Durante a lenta derrota, os revolucionários prendérom fogo aos símbolos do Império francês -os prédios administrativos, o palácio do governo- e executárom os reféns, compostos na sua maioria por clérigos, polícias e juízes. Ao todo, a Comuna executou 100 pessoas e matou 900 na defesa de Paris. As tropas de Thiers, por outro lado, matarom de 50 a 80 mil parisienses, tanto nos combates quanto nas execuçons sumárias que se seguirom. 40 mil pessoas fôrom presas, e muitas pessoas fôrom executadas por terem sido confundidas com membros da Comuna. As execuçons só pararom por medo de que a quantidade imensa de cadáveres poidesse causar uma epidemia de doenças.
A Comuna foi a primeira experiência moderna de um governo realmente popular. Um extraordinário acontecimento histórico resultante da iniciativa de grupos revolucionários e do espontaneísmo político das massas, combinando patriotismo, republicanismo e socialismo, em meio à circunstâncias dramáticas de uma guerra perdida (Franco-Prussiana) e de umha guerra civil em curso.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: CS Henriqueta Outeiro organiza Magusto popular BASENAME: cs-henriqueta-outeiro-organiza-magusto-p DATE: Thu, 06 Nov 2008 13:15:09 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Amanhá dia 7 de Novembro, o Centro Social Henriqueta Outeiro celebra pola primeira ocasiom desde a constituiçom no ano passado da sua Assembleia Aberta um Magusto popular e reivindicativo.

A partir das 19 horas, na praça da Trisca, haverá chouriços, chocolate quente e castanhas para pôr calor a estas noites frias de Outono. Ainda, a nossa base social participará no jornada festiva e de encontro, à qual convidamos vizinhos e vizinhas, amigos e amigas. Sob a legenda "Por um bairro vivo e participativo", o Henriqueta Outeiro leva às ruas do contorno urbano onde se encontro o nosso local umha actividade onde nom faltarám os jogos populares para todo o mundo, maiores e crianças, nem a ambientaçom musical a carga dum companheiro do Centro Social.

Para goçarmos desta noite de encontro à calor das grelhas, animamos-vos a todos e todas a assistirdes e participar na construçom dum ponto de encontro para dinamizarmos o bairro.

Passa-te pola Praça da Trisca a partir das 19 horas!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Chico Martins homenageado em Compostela BASENAME: chico_martins_homenageado_em_compostela DATE: Sun, 01 Jun 2008 13:55:40 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A jornada de sábado 31, derradeiro dia do mês de Maio, voltou ser umha cita de encontro e homenagem no local alternativo e transgressor de Compostela. Encontro entre um nutrido grupo de sóci@s e amig@s do Centro Social Henriqueta Outeiro, e homenagem ao nosso caro camarada português Francisco Martins, morto há bem pouco na capital do país vizinho.


O VII Jantar Revolucionário, dedicado à sua figura de "herege revolucionário, marxista genuíno", fora precedida por um correio remetido polo colectivo comunista ao que pertencia, Política Operária, saudando a celebraçom e apostando em acrescentar os vínculos de fraternidade herdados do contributo internacionalista do Chico.

A comida portuguesa, com caldo verde de primeiro, bacalhau de segundo, e bolo de cenoura de sobre-mesa, além da companhia do vinho verde, pugérom junto com a música tradicional e combatente a ambientaçom mais acaída.

Após degostarmos a sobre-mesa, um companheiro da Assembleia do Centro Social deu leitura à carta recebida de Política Operária. A seguir, um outro companheiro da Assembleia fijo umha introduçom à história da relaçom entre o novo independentismo galego e Chico nos últimos anos da sua vida. A intervençom acompanhou-se com o reparto de auto-colantes e trípticos em que se recolhe brevemente a vida dum homem entregado à causa da libertaçom social. Outras pessoas continuárom o debate com o intercámbio das experiências pessoais com o nosso amigo.


Do Centro Social Henriqueta Outeiro nom damos por fechado o tributo que devemos ao camarada Chico. Todos os dias conservaremos o seu legado para aperfeiçoar a resistência nacional, social, e de género, contra o Capital.

Obrigad@s, Chico!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Política Operária agradece homenagem a Chico Martins BASENAME: politica_operaria_agradece_homenagem_a_c DATE: Sat, 31 May 2008 01:47:49 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Reproduzimos a saudaçom da Política Operária perante a homenagem que o Centro Social Henriqueta Outeiro realiza sábado 31 de Maio ao dirigente revolucionário comunista português Francisco Martins Rodrigues, recentemente falecido.

Caros companheir@s do Centro Social Henriqueta Outeiro

Muito sensibilizados pela vossa homenagem ao nosso querido camarada Francisco Martins Rodrigues, o colectivo Política Operária saúda essa oportuna iniciativa pela qual celebrareis o que de mais genuinamente revolucionário ele nos legou.
Tendes razão em recordá-lo como amigo da causa galega e divulgador em Portugal da luta pela independência nacional da Galiza, pois nunca será de mais enaltecer o carinho e interesse com que o Chico sempre seguiu as vossas actividades.
Estamos certos de que o respeito que nutria pela vossa juventude, generosidade e espírito combativo vos servirá de inspiração para continuarem sem desfalecimento a vossa luta ao serviço da Galiza vermelha, livre e lilás.
Além disso, o seu exemplo de inconformismo e ousadia de herege contra as falsificações do marxismo, a sua busca incessante das vias para a revolução no campo teórico como guia para a acção prática, o seu incansável espírito militante, a consideração que sempre manifestou por todos os seus companheiros de luta, a sua dedicação indefectível à causa comunista, a verdade que sempre imprimiu à sua atitude internacionalista ? tudo isto nos servirá de guia para alcançarmos, todos juntos, galegos e portugueses, os objectivos finais do nosso combate de esquerda.
Da nossa parte podeis contar com o nosso desejo de prosseguir no aprofundamento dos laços de camaradagem mútua que o Chico tão criadoramente incentivou. O carinho com que sempre o recebestes é a garantia de que essa via está aberta e tem condições para se reforçar.
Em nome da amizade entre os nossos dois povos e da luta comum por uma sociedade livre, justa e socialista, recebam pois, caros companheiros do Centro Social Henriqueta Outeiro, os nossos sentidos agradecimentos e a expressão mais sincera do nosso apoio e solidariedade.

O colectivo Política Operária

Lisboa, 29 de Maio de 2008

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Homenagem a Francisco Martins Rodrigues BASENAME: title_366 DATE: Tue, 20 May 2008 15:46:29 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

O Centro Social Henriqueta Outeiro acolhe o próximo sábado 31 de Maio às 14.30h um novo jantar revolucionário. Nesta ocasiom umha refeiçom portuguesa dedicada ao comunista português e amigo da Galiza Francisco Martins Rodrigues.

Podes descarregar em pdf o desplegável editado polo Centro Social premendo

Ementa
Caldo verde
Bacalhau à portuguesa
Bolo de cenoura
Café, refrigerantes e vinho verde

Para assistir ao VII Jantar Revolucionário organizado pola Assembleia Aberta do CS Henriqueta Outeiro podes conseguir o cartom no balcom do local ou ligando para o nosso endereço electrónico cshenriquetaouteirogz@gmail.com
Como é habitual o preço som 10 euros.

Francisco Martins Rodrigues
Moura 1927 - Lisboa 2008

Heresia revolucionária, marxismo genuíno

?O abc do comunismo é o ódio e desprezo polos poderosos. A necessidade de os combater. Sempre. Essa é a nossa arma secreta?

A biografia de Francisco Martins Rodrigues [FMR], é um exemplo admirável do integral combatente comunista que nunca, nem nas mais adversas condiçons, claudica nem capitula, defendendo sem concessons os princípios inquestionáveis da Revoluçom Socialista.
Nasceu em Moura, na regiom portuguesa do Alentejo, a 14 de Novembro de 1927. O seu pai foi oficial do exército, de onde foi expulso por ser oposicionista ao governo, e sua mae era filha de pequenos proprietários. Porém as dificuldades económicas de umha numerosa família de cinco irmaos provoca a mudança para Lisboa onde estuda até ao 6º ano do liceu, empregando-se primeiro numha livraria para posteriormente trabalhar como "aprendiz de mecánico", na TAP.
Nesse mesmo ano de 1949 adere ao MUD Juvenil [Movimento de Unidade Democrática], tendo sido preso 3 meses por participar numha concentraçom contra a NATO, e posteriormente expulso da TAP. É libertado em 1951, arranja emprego num estabelecimento de venda de frigoríficos, mas passa depois a dedicar-se totalmente ao activismo e à militáncia política no MUD Juvenil, formando parte da direcçom. É de novo preso em Maio de 1952 por realizar graffitis políticos e distribuir panfletos contra a NATO. Depois de ser libertado condicionalmente em Novembro do mesmo ano volta a ser detido, por fazer "campanha contra a vinda a Lisboa do general Ridgway, o criminoso da guerra bacteriológica na Coreia". Dadas as sucessivas prisons e o facto de viver com os pais, abandona a casa, passando a residir em diferentes moradas e sob nomes falsos.

Revolucionário profissional
Em 1953, com vinte e seis anos, o ?camarada Campos? passa definitivamente à clandestinidade, ingressando como funcionário do PCP, mas umha doença pulmonar provoca que passe praticamente todo 1954 num sanatório para o restabelecimento.
Em 1956 quando está "recuado" numha tipografia clandestina do partido em Lisboa editando o material teórico sobre o XX Congresso do PCUS, começa a questionar a viragem do PCP resultado da tese da "coexistência pacífica? soviética. A nova linha "cheirava a conversa social-democrata", o que unido à saída nos jornais do relatório Kruchev [onde Estaline é acusado de crimes e atrocidades, bem como do culto da personalidade] provocava ainda mais dúvidas entre um Chico Martins que estava configurando, seguindo os ensinamentos da dialéctica materialista, critérios de opiniom, de análise e de pensamento próprio.
Em 1957 é preso de novo, por quarta vez, por denúncia de um infiltrado no partido, passando três meses de prisom. Na cadeia de Peniche, onde estuda e começa a confeccionar textos de análise e reflexom teórica, conhece vários dirigentes do partido, como Álvaro Cunhal, Francisco Miguel e Jaime Serra, tendo a oportunidade de debater com eles a "linha do partido", que considerava se estava afastando do leninismo.

Fuga de Peniche
No dia 3 de Janeiro de 1960 participa na espectacular fuga da prisom de Peniche, -umha das mais duras prisons políticas de Portugal, umha fortaleza antiga, à beira do mar, a meio caminho entre Lisboa e Coimbra-, da que se evade junto a outros nove dirigentes do PCP: Álvaro Cunhal, Francisco Miguel, Joaquim Gomes, Jaime Serra, Pedro Soares, José Carlos, Guilherme da Costa Carvalho, Rogério de Carvalho e Carlos Costa.
A fuga converte-se num mito na luita contra o regime salazarista reforçando o prestígio do PCP como motor e principal força de combate ao fascismo.
De novo em liberdade é colocado numha tipografia clandestina em Carnide, nas redondezas de Lisboa, onde passa um ano sem pisar a rua. Em Maio de 1961 é incorporado ao Comité Local de Lisboa e torna-se membro suplente do Comité Central para passar a formar parte já em 1962 da Comissom Executiva com Blanqui Teixeira, na altura membro do Secretariado no interior, mais Alexandre Castanheira.
A repressom provoca importantes e numerosas quedas de militantes comunistas no final de 1961 polo que o trabalho desses três membros da Comissom Executiva do Comité Central envolvia todo o país, competendo a FMR a margem sul e arredores de Lisboa.

Oposiçom radical à guerra colonial
Com o início da guerra colonial africana foi-lhe pedido "escrever um manifesto em nome do Comité Central", mas o escrito nom chega a sair da tipografia pois o Álvaro Cunhal considerou-no "muito vermelhusco", fora do "espírito do partido" e é censurado. FMR aplicando os princípios leninistas optava por promover a insurreiçom popular armada como melhor mecanismo de oposiçom à luita colonial. A mais eficaz forma de contribuir à causa da libertaçom dos povos oprimidos polo colonialismo portugês era derrubando o governo fascista.
Novamente som solicitados debates sobre a "linha do partido", basicamente no referente à questom sobre a estratégia frente à guerra colonial, ou a posiçom sobre as críticas feitas pola China à URSS. Embora a clandestinidade e a repressom dificultava e limitava a discussom FMR questiona a linha política tomada, escreve várias cartas à direcçom solicitando debate, sem obter resposta. Na audiçom da rádio Pequim vai assistindo às críticas feitas à linha do PCF [de Thorez], do PCI e as divergências da linha chinesa face ao titismo.

Ruptura com o reformismo
No verao de 1963 vai a Moscovo para participar numha reuniom do Comité Central do exterior, para levar e apresentar um relatório do Secretariado do interior com o que "discordava", e para debater as suas "incompreensons" perante a linha do partido. Encontra-se com Álvaro Cunhal e Francisco Miguel, mas as divergências mantêm-se ao fim de três dias de debate. A decisom que sai da reuniom estabelece que FMR ficaria como membro do CC no exterior, deixando a Comissom Executiva. Para acautelar possível actividade cisionista propugérom a FMR ser secretário de Álvaro Cunhal, mas perante a negativa de Cunhal ao que tinha acusado de oportunista, é enviado para Paris.

Promotor do maoísmo português
Em Outubro de 1963 chega a Paris para integrar umha organizaçom do PCP. Em reunions partidárias assiste a debates criticando a linha seguida polo PCP contra a guerra colonial, a "passagem pacífica ao socialismo" ou a crítica feita à ?revoluçom democrática e nacional?. O maoísmo começava também a ter eco na estrutura do PCP na capital francesa.
Inicia ligaçons com João Pulido Valente e Rui d'Espiney, exiliados na Argélia e em dissidência com o PCP. De seguida abandona o PCP e funda, em Janeiro de 1964, a FAP [Frente de Acção Popular]. Questons de estratégia em torno do aparecimento da FAP e as criticas levantadas sobre o facto de existir umha frente popular sem a direcçom política de um partido de vanguarda, provoca a fundaçom do CMLP [Comité Marxista Leninista Português], onde se procurava "reconstruir" ou "refundar" o PCP, enquanto motor dirigente da frente popular de massas contra o fascismo. O CMLP editou [1964-65] o jornal Revolução Popular.
Depois de visitar China no verao de 1964 e posteriormente a Albánia para conhecer de primeira mao os modelos ?socialistas? alternativos a Moscovo, em 1965 entra clandestinamente em Portugal para reconstruir o partido comunista desde posiçons revolucionárias.
Nos primeiros dias de Dezembro de 1965 Francisco Martins Rodrigues e D?Espinay identificam no CMLP e na FAP ao infiltrado Mário Mateus, colaborador da polícia política, da PIDE, e ?quando ficamos com a certeza que ele era mesmo provocador pago pola polícia, demos-lhe dous tiros?. Mateus, que trabalhava em ligaçom com o agente da PIDE de nome Cleto, lograra dar à polícia secreta pistas para a prisom de Pulido Valente.
A FAP reivindicou esta acçom que tivo enorme repercussom na esquerda portuguesa.
Com 38 anos FMR é cercado e detido pola PIDE em Janeiro de 1966. Nas instalaçons policiais sofre malheiras e aplicam-lhe a tortura do sono, sofrendo duas sessons consecutivas de sete dias sem poder dormir até atingir o delírio e perder a consciência. Neste estado naturalmente decifrou nomes que estavam escritos num papel que nom tinha logrado destruir durante a sua captura. Este facto provocará que durante muitos anos decline fazer parte da direcçom política da esquerda revolucionária portuguesa. ?É umha ferida muito grande. Isso colocou-me numha situaçom que influenciou toda a minha posiçom no PCR, influenciou toda a minha demora em fazer a ruptura. Todo o percurso que figem estivo vinculado a isso?.
Posteriormente num juízo farsa é condenado em pena cumulativa (política e penal) de 20 anos de prisom junto aos 12 de Pulido Valente e aos 15 de Rui d'Espiney.

O último preso político do 25 de Abril
Spínola finalmente cede e a liberdade definitiva chega às 20h45 do 27 de Abril de 1974 para os três últimos presos políticos da Cadeia do Forte de Peniche. Os do PCP há dias que tinham sido libertados. A essa hora, o major Azevedo, mandatário da Junta de Salvação Nacional, comunicou a Francisco Martins Rodrigues, Rui Pires de Carvalho d?Espinay e Filipe Viegas Aleixo que podiam abandonar livremente a casa dos advogados onde tinha sido fixada a residência após o 25 de Abril.
Já em liberdade participa no grande movimento de massas gerado pola queda do fascismo após ter passado 20 anos na clandestinidade, 12 dos quais nas masmorras salazaristas.

A reconstruçom do partido comunista revolucionário
Logo ao 1º de Maio de 1974 passa a integrar-se num dos grupos da fragmentada constelaçom maoísta que se auto-qualificava como marxista-leninista, no CARP (M-L), jogando um papel destacado no processo de confluência, primeiro como ORPC (Organizaçom para a Reconstruçom do Partido Comunista), que posteriormente dinamiza a criaçom da UDP em Dezembro de 74, a única organizaçom à esquerda do PCP que atinge representaçom parlamentar e conta com um importante apoio entre o proletariado fabril.
Após o contragolpe reaccionário do 25 de Novembro de 1975, com o qual finaliza a crise revolucionária de Abril, o PREC (Processo Revolucionário em Curso), é constituído o PCR (Partido Comunista Reconstruído) no qual passa a formar parte da sua direcçom.
FMR, consagrado já como um dos mais destacados teóricos da esquerda revolucionária portuguesa, caracteriza o 25 de Abril como umha ?crise revolucionária?. Destaca como as principais causas da sua derrota a fraqueza estrutural das organizaçons revolucionárias, o subdesenvolvimento teórico e político da corrente M-L, mas especialmente o reformismo do PCP, que nom quijo aprofundar na via socialista procurando unicamente umha transformaçom a fundo do capitalismo português para situar Portugal entre as democracias ocidentais, como conseqüência da estratégia do levantamento nacional, da "unidade dos portugueses honrados".
Numha entrevista realizada em Agosto de 2004 o Chico Martins afirmava que ?a linha de Cunhal assentava num erro clamoroso que era ele convencer-se que a democracia burguesa feita com a ajuda de um forte PC teria que ser umha democracia burguesa progressista, de esquerda, que deixaria um grande lugar ao PC. Acreditava que o PC ia ser reconhecido e ter umha grande participaçom no governo. Verificou-se que isso era um sonho, umha completa utopia, porque a burguesia estava assustada com o processo revolucionário. A burguesia portuguesa é conservadora ao máximo, estava habituada a cinqüenta anos de tranquilidade, de segurança, ficou apavorada com o processo?.

Em 1983 rompe com a UDP-PCR constituindo o Colectivo Comunista Política Operária que passa a editar a revista Política Operária da qual foi director até o seu falecimento em 22 de Abril em Lisboa.
Embora a Revolução Popular sentasse as bases para a formaçom de umha nova corrente questionando a linha estratégica do PCP de aliança com a burguesia liberal, depois nom continuou nessa linha, sendo a causa que posteriormente, no 25 de Abril, nom existisse umha corrente com firmeza ideológica e força suficiente para poder intervir no processo revolucionário. ?Sobretodo nas questons relativas à Uniom Soviética a gente nom fijo a ruptura?. O Chico reflectia sobre a deriva reformista da UDP-PCR afirmando que ?em relaçom ao que é o socialismo, compreender o fenómeno da Uniom Soviética, ser capaz de apoiar a Revoluçom Russa a cem por cento, mas reconhecer que a Uniom Soviética nom era socialista, nom era possível. Aqui a UDP e o PCR formárom-se completamente com essa herança, "o grande camarada Estaline". Isso nom é todo, mas acho que isso foi fundamental. Toda a ideia do partido, como funciona o partido, a disciplina interna, a paranóia das fracçons. Havia um ambiente muito fechado no PCR porque nom se discutiu se o partido do tempo de Estaline era o mesmo do tempo de Lenine, se a vida do partido era igual. Só depois é que a gente quando saiu do PCR começou a discutir isso.
Os grupos M-L vinham numha crítica de esquerda ao PC por cousas que eram evidentes, mas nom se pode dizer que tivessem toda umha estrutura ideológica, ter base para fazer um programa comunista completamente renovado, autónomo?.

Destacado legado teórico da política Operária
Praticamente até semanas antes do seu falecimento, durante as últimas três décadas, boa parte da sua reflexom teórica estivo centrada na necessidade de construir umha corrente operária comunista caracterizada por umha demarcaçom clara entre a linha proletária e a linha pequeno-burguesa. No ensaio Anti Dimitrov 1935-1985 meio século de derrotas da revoluçom, publicado em Março de 1985, realiza um demoledor balanço do relatório do Jorge Dimitrov ao 7º Congresso da Internacional Comunista que defendia a unidade de todas as forças operárias, populares e democráticas sob umha mesma estratégia, convertendo o proletariado numha simples força de reserva da burguesia liberal, contrariamente ao defendido por Lenine.
Para FMR substituir a luita de classes pola colaboraçom de classes, defender a unidade em torno das reivindicaçons limitadas da pequena burguesia, comuns a todo o povo, leva automaticamente a ?sacrificar as reivindicaçons revolucionárias da classe operária" pois solicitando ?muito ao proletariado, muito esforço, muito sacrifício, muita organizaçom, mas todo sem passar os limites daquilo que o programa liberal considerava aceitável. Todo o que no proletariado tendesse a ultrapassar esse limite e em falar em seu nome próprio e dos seus interesses próprios a longo prazo era chamado "sectarismo", "obreirismo", que só prejudicava a unidade. Portanto, criárom-se geraçons de operários muito luitadores, muito combativos, com um espírito de sacrifício tremendo, e que politicamente eles nem sabiam que a linha política que defendiam era contrária ao interesse a longo prazo da sua classe?.

"O sistema capitalista nom vai evoluir, nem vai desaparecer por si, nem vai entregar o poder, a única perspectiva que existe é o seu derrubamento pola força"

A sua lucidez e aplicaçom dialéctica e criativa do materialismo histórico, mas também a coragem de militante comunista, nom só o levou a se afastar ao longo da sua dilatada trajectória militante das derivas reformistas, mas a prognosticar a capitulaçom e o fracasso das terceiras vias. Assim considerava que para ter a sua identidade própria o proletariado ?tem que se demarcar dos outros, e dos mais próximos é que é preciso se demarcar, como dizia o Lenine, que som aqueles com os que a gente se confunde. A gente nom se confunde com os banqueiros, a gente confunde-se com a pequena burguesia que está ao nosso lado. Temos que fazer essa demarcaçom. A nossa política nom pode ser a deles. Tem que ser diferente, mesmo que eles nom gostem?.
O FMR sempre mantivo umha enorme flexibilidade táctica, umha grande permeabilidade discursiva inserida na inquestionável defesa dos princípios estratégicos cuja ausência provocou tantos aggiornamentos e capitulaçons. ?Claro que a participaçom nas eleiçons pode ser necessária, mas numha condiçom: termos a certeza de que vamos utilizar as instituiçons burguesas e nom deixar-nos utilizar por elas?.

?Nom temos inimigos entre os que se batem contra o capitalismo e o imperialismo. A esses desejamos êxitos, venham de onde vinherem. Porque os seus êxitos som também os nossos êxitos?

Umha obra a resgatar e difundir
O Chico Martins nunca renunciou ao objectivo de reconstruir o partido comunista revolucionário, porém considerava que nom se podia reproduzir seguindo velhas receitas, utilizando mimeticamente modelos adulterados. ?Tenho recusa absoluta em criar umha organizaçom nos moldes antigos, que acho que alguns camaradas espontaneamente tendem a fazer. Moldes antigos de vida interna e de pôr de lado o aprofundamento das questons políticas que nos trouxérom até aqui?. O trabalho paciente e constante define a sua dilatada trajectória militante: ?nom nos deve impressionar a acusaçom de ?sectarismo? que os reformistas nos lançam, nem a impaciência dos militantes que nom se resignam a um trabalho apagado e querem resultados palpáveis em pouco tempo?.
Polemista infatigável, com umha curiosidade intelectual insaciável, sempre estivo à frente das luitas pola defesa dos interesses da classe operária, contra o neoliberalismo, a guerra e o imperialismo, contra o racismo e a xenofobia, a favor dos direitos das mulheres, da juventude e da classe trabalhadora imigrante, procurando a necessária confluência.

Com umha boa parte dos seus trabalhos ainda inéditos tem publicado diversos ensaios políticos, entre os que destacamos "Anti Dimitrov. 1935-1985 meio século de derrotas da revolução" (1985); "O futuro era agora. O movimento popular do 25 de Abril" (1994); "Abril traído" (1999).
Francisco Martins Rodrigues é um dos mais qualificados protagonistas e teóricos do movimento revolucionário português. Iconoclasta e herege com dogmas e fetiches, sempre na procura do caminho certo, adequando e incorporando ao método de análise marxista os fenómenos e mudanças do presente, representa o melhor do marxismo criador, é umha das expressons mais elaboradas da acçom teórico-prática do movimento operário do país irmao.
Praticamente até semanas antes do seu falecimento boa parte da sua importante reflexom teórica, durante as últimas três décadas, estivo centrada na necessidade de construir umha corrente operária comunista caracterizada por umha demarcaçom clara entre a linha proletária e a linha pequeno-burguesa. Mas as suas análises e reflexons teóricas som muito mais amplas abordando o fracasso do 25 de Abril, a história e actualidade do movimento revolucionário em Portugal, o profundo dano causado polo estalinismo e o modelo burocrático soviético ao projecto revolucionário comunista.
A necessidade de incorporar as diversas cores da rebeldia à luita pola hegemonia socialista som um exemplo a seguir pola esquerda independentista galega.

?O trabalho comunista entre as massas requer muito esforço e brilha pouco?

Amigo da causa nacional galega
Autor de dúzias de artigos de opiniom, parte deles recolhidos no livro ?O comunismo que aí vem? (2004), foi sem lugar a dúvidas um dos grandes amigos da esquerda independentista galega em Portugal, o nosso embaixador em Lisboa, defendendo sem ambigüidades o direito de autodeterminaçom da Galiza. Desde inícios de século o Francisco Martins Rodrigues estabelece profundas relaçons de camaradagem e amizade com a Galiza combatente, colaborando assiduamente com o MLNG.
Participa nas jornadas patrióticas do 25 de Julho de NÓS-UP e nas iniciativas unitárias, discursando sempre a favor do direito à independência nacional da Galiza; publicando as suas lúcidas análises no jornal comunista Abrente, e assistindo como conferencista nas VI, VIII e X ediçom das Jornadas Independentistas Galegas organizadas por Primeira Linha em 2002, 2004 e 2006.
O Chico preocupou-se por divulgar entre a esquerda portuguesa a luita pola independência nacional da Galiza, sendo um firme defensor do direito de autodeterminaçom das naçons peninsulares, convertendo-se num grande amigo da causa galega, aplicando mais umha vez os ensinamentos de Lenine quem dedicou grandes esforços teóricos nos últimos anos da sua vida a reflectir sobre a necessidade de o proletariado se implicar a fundo na luita nacional.

?Podemos ainda ser poucos e fracos. Mas as tempestades que aí venhem vam obrigar-nos a ser muitos e muitas. O partido que dizem que já passou de moda -nom o partido-empresa, nom o partido-administraçom, nom o partido-negócio, mas o partido das e dos revolucionários, esse há de voltar. Porque é preciso acabar com o pesadelo e começarmos a viver como seres humanos?

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Dia das Letras: O reintegracionismo da comarca na rua BASENAME: dia_das_letras_o_reintegracionismo_da_co DATE: Fri, 16 May 2008 10:36:23 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A Assembleia do Centro Social Henriqueta Outeiro, perante a comemoraçom do nosso Dia das Letras, quer convidar as pessoas associadas e amigos e amigas do Centro Social, a participardes na concentraçom central do movimento normalizador e reintegracionista da Comarca de Compostela.


Esta terá lugar o mesmo dia 17, este sábado, às 12 horas na Praça do Toural. Lá, o C.S. Henriqueta Outeiro, junto com AGAL, a Casa Encantada, A Fouce de Ouro, A Gentalha do Pichel e o MDL, celebraremos umha concentraçom em que reivindicaremos a notável figura do lingüista Carvalho Calero, para cuja pessoa reivindicamos as Letras Galegas do ano próximo.

Com este gesto à margem das celebraçons e os fastos oficiais, os Centros Sociais da comarca e os colectivos que luitamos pola plena galeguizaçom da sociedade de parámetros reintegracionistas, homenagearemos umha figura essencial no estudo do galego e na sua fomulaçom normativa de parámetros históricos.

Porque queremos viver numha Galiza só em Galego.
Concentraçom: Sábado 17 às 12 horas na Praça do Toural.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Nova sessom do Centro de Estudos Marxistas BASENAME: nova_sessom_do_centro_de_estudos_marxist DATE: Mon, 12 May 2008 15:52:06 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O Centro de Estudos Marxistas, impulsionado desde a Assembleia do Centro Social Henriqueta Outeiro, volverá reunir-se esta semana para analisar e debater o desenvolvimento histórico da esquerda independentista galega.


As pessoas promotoras do Centro de Estudos tencionam endereçar as temáticas de análise focando-as face o acesso a questons essenciais de formaçom, pondo fincapê no conhecimento de aspectos básicos para as pessoas interessadas na teoria revolucionária.

É assim que se facilitará no local da rua Quiroga Palácios um dossier esquemático cedido polas organizaçons juvenil e estudantil BRIGA e AGIR, sobre o devir do movimento de emancipaçom nacional desde as suas origens. As pessoas que queiram participar poderám seguir com mais detalhe a vindoura sessom fotocopiando o dossier citado, solicitando-o no próprio local em horário de abertura habitual, de 19 a 23 horas desde segunda-feira.

A sessom terá lugar quinta-feira dia 15, a partir das 20 horas. Para rematar, sugerimos como obras de referência para o estudo da matéria as publicadas pola Abrente Editora:
- Para umha Galiza independente. Vári@s autores/as.
- A esquerda independentista galega (1977-1995). Noa Rios Bergantinhos.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Até sempre Chico BASENAME: ate_sempre_chico DATE: Sun, 27 Apr 2008 22:55:25 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Local Social CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O amigo e simpatizante da nossa esquerda independentista, comunista combativo e exemplo revolucionário, Francisco Martins, dirigente do colectivo comunista português Política Operária (PO), faleceu em 22 de Abril vítima dumha doença terminal.


As e os membros da Assembleia Aberta do centro Social Henriqueta Outeiro, no qual estivo presente em mais de umha ocasiom, queremos lembrá-lo por sempre como o que foi até o seu derradeiro dia. Para isso, as suas palavras ficarám para sempre entre as paredes do nosso humilde Centro, tributando-lhe com o mantenimento vivo da sua lembrança e a pegada nos instrumentos que ele nos legou em magistrais sessons de convívio e formaçom.

Como centro Social, orgulhamo-nos de ter sido parte da sua relaçom estreita com a Galiza. Orgulhamo-nos também de que ele forme parte da nossa pequena história.

Até sempre Francisco Martins. Unimo-nos às vozes de condolência desde a Galiza pola sua morte.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Homenagem a James Connolly BASENAME: homenagem_a_james_connolly DATE: Mon, 31 Mar 2008 13:31:54 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

Celebrou-se sábado dia 29 no Centro Social Henriqueta Outeiro o VI Jantar Revolucionário organizado pola Assembleia Aberta. Após vários meses mantendo esta cita de camaradagem e convívio, podemos nesta altura parabenizar-nos por recuperarmos, da mao dum dos sócios do Centro Social, a apresentaçom formativa da figura homenageada, -neste caso James Connolly- com abertura para o debate após a sobre-mesa.

Agradecemos a assistência a esta cita e garantimos mais gastronomia nacional e mais recuperaçons de figuras históricas da esquerda revolucionária e dos movimentos de libertaçom nacional. Para o mês de Abril o vizinho Portugal tomará o relevo com a celebrçom do 24 aniversário da Revoluçom dos Cravos.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: VI Jantar revolucionário em homenagem a James Connolly BASENAME: vi_jantar_revolucionario_em_homenagem_a_ DATE: Mon, 24 Mar 2008 23:57:58 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

O Centro Social Henriqueta Outeiro acolhe o próximo sábado 29 de Março às 14.30h um novo jantar revolucionário. Nesta ocasiom umha refeiçom irlandesa dedicada a James Connolly.

A ementa consistirá em:
Creme de mexilhons
Porco assado com mel e "colcannon"
Tarte de maçá
Café irlandês e cerveja irlandesa

Para assistir ao VI Jantar Revolucionário organizado pola Assembleia Aberta do CS Henriqueta Outeiro podes conseguir o cartom no balcom do local ou ligando para o nosso endereço electrónico cshenriquetaouteirogz@gmail.com
Como é habitual o preço som 9 euros.

James Connolly nasceu em Edimburgo em 1868, no seio de umha família emigrante irlandesa. Com tam só onze anos deixou a escola para trabalhar e poucos anso depois, possivelmente com catorze, entrou no Exército británico, sendo destinado a Dublin.
Em 1892, já era umha figura destacada da Federaçom Socialista Escocesa, convertendo-se em Secretário-Geral três anos mais tarde.
Em 1896, abandonou o Exército e formou o Partido Republicano Socialista Irlandês publicando o seu primeiro ensaio político de importáncia: Irlanda para os irlandeses. Foi um dos fundadores do Partido Laborista Socialista, que se separou da Federaçom Social-Democrata em 1903, sendo a mao direita de James Larkin no Sindicato de Trabalhadores Transportistas. Em 1913, em resposta ao lockout, formou o Exército Cidadao Irlandês, um grupo de trabalhadores treinados e armados que luitavam por defender os trabalhadores e organizavam greves. O seu objectivo estratégico era o estabelecimento de umha naçom irlandesa socialista e independente, livre da ocupaçom británica.

Connolly considerava a organizaçom de Voluntários Irlandeses excessivamente burguesa, e pouco preocupada pola independência económica da Irlanda. Em 1915, na tentativa de adoptar umha acçom decisiva contra as forças británicas, estava disposto a assumir acçons imediatas. Tal acçom alarmou os membros da Irmandade Republicana Irlandesa, que tinha realizado um labor de infiltraçom dentro dos Voluntários, e planeava umha insurrecçom em vários anos. Os líderes da Irmandade, incluindo Tom Clarke e Patrick Pearse, reunírom-se com Connolly com vistas a atingir um acordo.
Em 1916, James Connolly já era comandante da Brigada de Dublin, participando no alçamento de Páscoa contra as forças británicas. 24 de Abril é nomeado Vice-Presidente do Governo Provisório da República Irlandesa e Comandante Geral do seu exército. Foi gravemente ferido na batalha, e posteriormente executado polos ingleses.

O seu legado na Irlanda é de grande relevo, polo seu contributo para a causa nacional. A sua obra escrita está fundamentalmente baseada em artigos e discursos, nos quais sintetiza o nacionalismo irlandês com o marxismo, e a necessidade de que a classe operária encabece a luita de libertaçom nacional.
Connolly, como representante da esquerda revolucionária, opujo-se à Primeira Guerra Mundial, o qual provocou o ódio do reformismo.
Lenine foi um grande admirador de Connolly, embora nunca chegassem a conhecer-se pessoalmente.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: BASENAME: title_331 DATE: Wed, 12 Mar 2008 00:35:50 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Na próxima quinta-feira, 13 de Março, contaremos com a presença no nosso Centro Social de Nilda Eloi, destacada militante argentina dos direitos humanos e que foi detida-desaparecida no seu país, durante a ditadura argentina, forma parte da Associaçom ex-Detidos Desaparecidos da Argentina e na actualidade é a principal testemunha protegida do juizo contra vários repressores que se desenvolve na cidade da Prata.

Nilda estará em Ourense, Compostela, Ponte Areias e Ferrol. O motivo da sua tourné pola Galiza é informar sobre a situaçom dos julgamentos que estám a ser desenvolvidos na Argentina, as queixas-crimes apresentadas pol@s galeg@s desaparecid@s e as actividades pola memória histórica que se estám a desenvolver.

Perante as ameaças e intimidaçons, Nilda Eloi vive as 24 horas do dia sob protecçom policial, inclusive com a recomendaçom de empregar colete antibalas. A outra testemunha, Julio López, logo de testemunhar, foi seqüestrado há mais de um ano, achando-se actualmente desaparecido.

A entidade que ela representa, integrante do colectivo ?Justiça Já?, jogou um papel muito importante na apresentaçom das denúncias apresentadas pola Federaçom de Associaçons Galegas polos desaparecidos galegos na Argentina.

A palestra é organizada conjuntamente pola Fundaçom Artábria, Assembleia Aberta da Baiuca Vermelha, Local Social A Esmorga e Assembleia Aberta do Centro Social Henriqueta Outeiro.

Ourense, 11 de Março às 20.30h no Local Social A Esmorga
Compostela, 13 de Março às 20.30h no Centro Social Henriqueta Outeiro
Ponte Areas, 21 de Março às 20.30h no Local Social Baiuca Vermelha
Ferrol, 27 de Março às 20.30h na Fundaçom Artábria

Quem é Nilda Eloi?

Nilda Eloi, durante o seu cativeiro, passou por distintos campos de concentraçom. Foi detida e seqüestrada na Prata durante o operativo denominado ?A noite dos Lápis?, quando fôrom seqüestrad@s e assasinad@s vári@s estudantes secundários que reclamavam a criaçom do ?Boleto estudantil?.
Nascida a 22 de Fevereiro de 1957 na Prata, Argentina, é integrante da Associaçom de ex- Detidos Desaparecidos.
Foi seqüestrada no primeiro de Outubro de 1976, permanecendo durante 11 meses em 6 centros clandestinos de detençom (La Cacha, Pozo de Quilmes, Pozo de Arana, Vesubio, El Infierno e Comisaria Valentín Alsina). Desde 22 de Agosto de 1977 até princípio de 1979 estivo detida no Cárcere de Vila Devoto, a disposiçom do Poder Executivo Nacional, quer dizer, sem causa judicial nengumha.
É denunciante por queixa-crime nos julgados da sua cidade na mega causa ?Camps? e nas causas emanadas da mesma. Nas causas que se abrírom polo Centro Clandestino de Detençom como as de: ?La Cacha?, ?Brigada de Investigaçons?, ?Comisaría 5ta?, ?Posto Vasco?, etc..
Noutros julgados, é denunciante na mega causa ?1º corpo do Exército? e nas causas que dela se derivam.
Como integrante da Associaçom de Ex-Detidos Desaparecidos, é denunciante destas causas, na mega causa ?Esma? e as suas derivadas, na mega causa ?Campo de Maio?, assim como em diferentes causas no interior do país.

Assim mesmo, como representante da Associaçom de ex-Detidos Desaparecidos, participa no ?Julgamento pola Verdade?, que desde 1998 leva avante a Cámara Federal da Prata.
Entre os labores que desenvolve no AEDD, está a confecçom de Trabalhos de Compilaçom de Dados (TRD, no seu acrónimo em espanhol) que servírom para abrir diversas causas e dada a riqueza documental dos mesmos, fôron aceites como prova tanto nas causas en primeira instáncia como nos julgamentos orais.
Trabalha na Comissom Provincial pola Memória, organismo que tem ao seu cargo a gestom do ex-Arquivo da Direcçom de Inteligência da Polícia da Província.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: V Jantar Revolucionário dedicado a Benigno Álvares BASENAME: v_jantar_revolucionario_dedicado_a_benig DATE: Fri, 15 Feb 2008 11:08:40 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O Centro Social Henriqueta Outeiro acolhe sábado 23 de Fevereiro um novo jantar de confraternizaçom. Nesta ocasiom comida galega dedicada a Benigno Álvares, dirigente comunista pioneiro na imprescindível convergência entre luita de libertaçom nacional e emancipaçom social.

A ementa constará de três pratos próprios da cozinha nacional:
- Sopa de cozido
- Cozido galego
- Tarta de Santiago e orelhas
Para assistir ao V Jantar Revolucionário organizado pola Assembleia Aberta do CS Henriqueta Outeiro podes conseguir o cartom no balcom do local ou ligando para o nosso endereço electrónico cshenriquetaouteirogz@gmail.com
Como é habitual o preço som 9 euros.

Benigno Álvares
Pioneiro do comunismo galego

Benigno Álvares González nasceu em Maceda, na comarca de Arnóia, ao pé da serra de Sam Mamede, a 11 de Março de 1900, no seio de umha família burguesa, sendo o mais velho de nove irmaos. Demétrio, o pai, tinha umha clínica veterinária e foi Presidente da Cámara de Maceda.

Realizou estudos de primária e secundária em Ourense antes de se deslocar para Compostela e licenciar-se em veterinária com só vinte anos.

A morte repentina do seu pai forçou que se tivesse que encarregar prematuramente da clínica veterinária, onde ganhou fama de ?belíssima pessoa? ofertando serviços gratuitos a labregos.

O veterinário de Maceda

Benigno Álvares, conhecido popularmente como o veterinário de Maceda, incorpora-se ao Partido Comunista a finais da década de 1920. A sua detençom em 1930, por causa da sua militáncia revolucionária, provoca um importante movimento de protesto que contribui para alargar a sua fama e prestígio entre amplos sectores populares.

O seu carisma foi determinante na articulaçom do PCE nas comarcas em torno de Ourense, ao longo dos anos prévios ao golpe militar fascista de 1936. Com Luís Souto, António Fernandes Carniceiro, Jesusa Prado, entre muit@s outr@s, logra umha considerável introduçom do marxismo no mundo do trabalho e entre as sociedades agrárias. Em 1934, é eleito por unanimidade Secretário-Geral do Comité Provincial do PCE.

O intenso activismo de organizador colectivo nom impossibilita contínuas colaboraçons na rica imprensa da época. Além de Mundo Obrero, escreve no jornal La Zarpa, fundado por Basílio Álvares e nas revistas Escuela de Trabajo e ATEO dirigidas por Luís Souto.

Percursor da convergência entre luita nacional e emancipaçom social

A figura de Benigno Álvares apresenta certas similitudes com a do grande revolucionário irlandês James Connolly. O líder da insurreiçom independentista da Primavera de 1916 ?fusilado polos británicos 12 de Maio desse ano? manifestou em diversas ocasions que camaradas socialistas nom entendiam que fosse um patriota irlandês, e muit@s companheir@s do movimento nacional irlandês nom compreendiam o seu compromisso com o marxismo.

Benigno Álvares foi pioneiro da imprescindível simbiose entre libertaçom nacional e emancipaçom social. Eis a razom pola qual, mais de setenta anos depois da sua morte, continue a ser um desconhecido na historiografia nacional e também entre as geraçons de combatentes revolucionári@s da Galiza. É umha figura incómoda para o reformismo espanholista que deturpa o seu firme compromisso com a liberdade da Galiza, mas também para parte do movimento nacionalista galego, polos seus insubornáveis princípios comunistas.

No IV Congresso do PCE realizado em Sevilha em Março de 1932, ao qual assiste como delegado, provoca um enorme terramoto ao intervir em galego pois ?Nom podo falar em castelhano porque na minha terra, no meu país, os labregos, os marinheiros, os trabalhadores todos só sabem do galego para falar. Eu, ainda que passei pola Universidade nom podo falar em castelhano porque, senom, acabam connosco para sempre, esmagam-nos... Eu podia expressar-me em castelhano, mas o certo é que me expresso melhor em galego?. (Declaraçons de Luís Souto em 1977 na revista Teima). Um delegado do Partido Comunista Português exerceu de tradutor entre o mais que provável estupor de boa parte da direcçom do partido.

Nom era nova esta posiçom de Benigno no seio do PCE, cumprindo um papel central na infrutuosa tentativa de convencer a direcçom do PCE. Meses antes já manifestara no organismo galego de direcçom a necessidade de constituir um genuino partido comunista galego padecendo por este motivo ameaças de expulsom.

A imposiçom de candidatos foráneos para encabeçar as listas do PCE na Galiza nom foi silenciada por um Benigno que descrevia a Adriano Romero Cachinero como ?o querido companheiro de Jaén que vinha colonizar o nosso marxismo de pureza e lealdade?.

O seu compromisso com a língua, a cultura e os direitos nacionais da Galiza figérom de Benigno Álvares um personagem singular entre a esquerda de matriz espanhola operante na Galiza, e um pioniero de umha realidade hoje na Galiza: a existência de um partido comunista patriótico e internacionalista.

Mas a sua determinaçom e coerência com a Galiza nom se circunscreve a episódios isolados. Na sessom das Cortes de 11 de Maio de 1936, como compromisário para designar o Presidente da República espanhola, explicou, perante a surpresa do hemiciclo, o seu voto em galego.

Após um dos comícios em prol do Estatuto de Autonomia, compartilhado com o seu amigo Alexandre Bóveda, recriminou ao dirigente do Partido Galeguista ser excessivamente brando na reivindicaçom nacional, defendendo a necessidade de reivindicar o exercício do direito de autodeterminaçom.

Dirigente de massas

Como um dos impulsionadores da Frente Popular em Ourense, é designado junto com Alexandre Bóveda candidato nas eleiçons de 16 de Fevereiro de 1936, obtendo um enorme apoio eleitoral. Porém, nom se reconhece a sua acta de deputado após a fraude acordada em Madrid entre as cúpulas dos principais partidos republicanos e a direita para garantir a representaçom de José Calvo Sotelo. Castelao, no Sempre em Galiza, assim o descreve ?... ali (no Congresso dos Deputados) fui testemunha da fraude mais escandalosa que inventou a picaresca caciquista de Espanha, repartindo-se o censo de Ourense entre Calvo Sotelo e os republicanos. A impugnaçom das actas de Ourense, dirigida e organizada por Bóveda, tinha por objecto exclusivo dignificar a vida política daquela província, e todos os grupos da Frente Popular de Galiza estávamos preparados para intervir nas novas eleiçons de Ourense e fazer respeitar a vontade do povo. Eu protestei perante o grupo parlamentar de Izquierda Republicana e dixem que ia falar claro e alto na Sala de Sessons. Entom o Presidente advertiu-me, com a maior seriedade, que de nom se aprovarem naquela mesma noite as actas de Ourense, nom só se punha em perigo a vida do Governo, como também a existência da República. Que farsa indigna! Que artimanha indecorosa!?.

A inícios de Abril, atinge um dos seus mais importantes sucessos políticos: a constituiçom de umha Federaçom sindical camponesa que integrava um importante número de sociedades e organizaçons agrárias de toda a ?província?.

Nas eleiçons para compromisári@s que designariam o Presidente da República espanhola, realizada a 30 de Abril, obtivo 85.532 votos, frente aos pouco mais de vinte mil que lhe dérom nas amanhadas eleiçons de Fevereiro.

Foi um dos principais artífices da manifestaçom de carácter miliciano do 1º de Maio de 1936, que congregou milhares de pessoas em Ourense como resposta ao terrorismo fascista.

Segundo diversas fontes o PC, chegou a ter a quase 3.000 militantes na ?província?, basicamente entre labreg@s e trabalhadores dos caminhos de ferro.

Organizador da resistência antifascista

Ao estalar a rebeliom militar contra a República, Benigno Álvares encabeça a resistência operária e popular, organizando com a sua companheira Henriqueta Igrejas as forças que possibilitam que Maceda nom caia até o dia 21 de Julho. Após a derrota, inicialmente refugiam-se num improvisado esconderijo no faiado da sua casa de Maceda, para mais tarde se ocultar na Serra de Sam Mamede. Posteriormente, estivo escondido no castelo de Monterroso até que, em Janeiro de 1937, organiza a luita guerrilheira na zona de Monte de Ramo. Perante a incapacidade de capturá-lo, devido aos fortes apoios e protecçom social que tinha, a oligarquia ourensana pujo preço à sua cabeça. A marquesa da Atalaia Bermeja oferecia 1.000 pts e um automóvel a quem entregasse vivo ou morto o dirigente comunista.

As notícias do genocídio familiar que provocou a morte de parte dos seus irmaos e da mae, e a agudizaçom da grave doença respiratória fruto das adversidades e dureza da luita clandestina provocárom que tentasse chegar a Maceda para ser tratado por um médico amigo. Sem o conseguir, faleceu de morte ?natural? a 11 de Março de 1937, no lugar conhecido como o Penedo, a cem metros da aldeia de Vijueses. Nom foi descoberto até três dias depois, por um falangista local que tentou cobrar a recompensa disparando-lhe um tiro na cabeça.

Posteriomente o seu corpo ?antes de ser enterrado numha vala comum no cemitério de Sam Francisco de Ourense? foi amarrado a um camiom que levava duas faixas com as legendas: ?Aquí va el veterinario de Maceda? e ?Ha muerto el comunismo em Ourense?.

O fascismo, tal como recolhe a contracapa de ?El Pueblo Galllego? de 16 de Março de 1937, nom ocultou a sua satisfaçom pola lamentável perda do grande revolucionário galego, publicando a sua foto com umha nota em que se afirma ?o tristemente célebre cabecilha comunista, morto pola força, ao resistir quando ia ser detido?.

O corte histórico provocado polas conseqüências do brutal golpe fascista, a prematura morte de Benigno e o exílio de outr@s camaradas que compartilhavam com ele o princípio leninista da necessidade da auto-organizaçom operária em forças autóctones, impossibilitou o avanço de um processo histórico que com total segurança teria dado lugar à constituiçom na Galiza de fins dessa década, ou inícios da seguinte, de um partido comunista revolucionário de ámbito exclusivamente nacional.

Hoje, setenta e um ano depois da sua morte, a esquerda revolucionária independentista lembra e reivindica a sua figura e luita como um indiscutível referente da Revoluçom Galega.

Galiza, Fevereiro de 2008

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: O posmodernismo a debate no Centro de Estudos Marxistas BASENAME: o_posmodernismo_a_debate_no_centro_de_es DATE: Thu, 14 Feb 2008 01:21:41 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Sexta-feira 16 de Fevereiro às 20 horas celebrará-se a quarta sessom do Centro de Estudos Marxistas Henriqueta Outeiro. Nesta ocasiom debateremos "Desafios actuais da teoria crítica frente ao posmodernismo" da autoria do marxista argentino Néstor Kohan.
O documento pode ser baixado do web do Colectivo Amauta- Cátedra Che Guevara
www.amauta.lahaine.org

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: O Centro Social Henriqueta Outeiro acolherá sábado dia 9 umha juntança da Brigada Galega Fuco Gomes BASENAME: o_centro_social_henriqueta_outeiro_acolh DATE: Fri, 08 Feb 2008 15:07:00 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O Centro Social Henriqueta Outeiro acolherá sábado dia 9 umha juntança da Brigada Galega Fuco Gomes.
Este colectivo, criado a instáncias da mocidade galega organizada no Movimento de Libertaçom Nacional, tem já aberto um espaço próprio na rede e está a desenvolver um trabalho orientado face à consecuçom dum apoio real à Revoluçom cubana consistente, entre outras cousas e especialmente, numha viagem ao país das Caraíbas onde reforçar o compromisso internacionalista da Galiza rebelde.

A cita é de participaçom aberta e espera-se a assistência de toda/o aquela/e interessad@ em conhecer mais polo miudo esta iniciativa solidária e revolucionária.

Será a partir das 11,30 nas instalaçons do Centro Social.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Elevada assistência ao Jantar Revolucionário de homenagem a Gramsci BASENAME: elevada_assistencia_ao_jantar_revolucion DATE: Mon, 21 Jan 2008 17:55:36 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A Assembleia Aberta do Centro Social Henriqueta Outeiro parabeniza-se do progresso da actividade de confraternizaçom, encontro e debate que estám a representar os Jantares Revolucionários.


Na sua quarta ediçom, o Jantar dedicado ao fundador do Partido Comunista Italianio António Gramsci e por extensom à gastronomia italiana, superou com creces a participaçom, um número de comensais superior a qualquer-umha das citas anteriores.

O trabalho realizado arredor desta iniciativa que pugemos em marcha em Outubro de 2007 fai com que os e as participantes reconheçam nestas citas um formidável lugar e momento para falar e ver @s cada vez mais amig@s dos Jantares Revolucionários, gastronomicamente notáveis.

O mês que vem temos previsto homenagear o comunista e patriota Benigno Álvares, para o qual prepararemos umha saborosa ementa tradicional do nosso País.
Informaremos proximamente.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: IV Jantar Revolucionário dedicado a Antonio Gramsci BASENAME: iv_jantar_revolucionario DATE: Fri, 18 Jan 2008 01:48:04 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O Centro Social da rua Quiroga Palácios acolherá este sábado umha ementa dedicada a Antonio Gramsci, militante socialista, e um dos fundadores do Partido Comunista de Itália.´

Com este motivo, o menu constará de três pratos próprios da cozinha italina:

- Sopa Minestrone
- Ossobuco Milanesa
- Tiramisu

Como em anteriores ocasions, animamos quem quiger a participar do que dará em ser IV Jantar Revolucionário organizado pola Assembleia Aberta do CS Henriqueta Outeiro.
O preço som 9 euros e pode conseguir-se o cartom no balcom do local ou ligando para o nosso endereço electrónico cshenriquetaouteirogz@gmail.com

António Gramsci nasceu em Ales (Serdenha), 22 de Janeiro de 1891 e faleceu em Roma, 27 de Abril de 1937.
Tendo sido um estudante brilhante, ganhou um prêmio que lhe permitiu estudar literatura na Universidade de Turim, que assistia a um rápido processo de industrializaçom, com as fábricas da Fiat e Lancia recrutando trabalhadores de várias regions mais pobres. Gramsci envolveu-se diretamente nas luitas operárias, frequentando círculos socialistas bem como associando-se com emigrantes sardos.
Após filiar-se ao Partido Socialista Italiano tornou-se um notável jornalista de prosa brilhante e finas observaçons que lhe proporcionárom grande fama.
Fundou juntamente com Palmiro Togliatti em 1919 L´Ordine Nuovo promovendo a organizaçom do Partido Comunista Italiano (PCI) em 21 de Janeiro de 1921. Gramsci viria a ser um dos líderes do partido desde sua fundaçom e as suas teses fôrom adoptadas pelo PCI no congresso realizado em 1926.
Em 1922 Gramsci visitou a URSS representando o partido coincidindo com o advento do fascismo na Itália, retornando com instruçons de incentivar a uniom dos partidos de esquerda contra o fascismo. Umha frente deste tipo teria idealmente o PCI como centro, para assim Moscovo poder controlar todas as forças de esquerda.
Em 1924, Gramsci foi eleito deputado pelo Veneto. Começou a organizar o lançamento do jornal oficial do partido, denominado L'Unità, vivendo em Roma enquanto sua família permanecia em Moscovo.

Em 1926, as manobras de Staline dentro do Partido Bolchevique levaram Gramsci a escrever uma carta ao Komintern, na qual denunciava os erros políticos da Oposiçom de Esquerda no Partido Comunista Russo, mas também apelava ao grupo dirigente de Staline para que nom expulsasse os opositores do Partido. Togliatti, que estava em Moscovo como representante do PCI, recebeu a carta mas decidiu nom entregá-la ao destinatário. Este facto deu início a um complicado conflito entre Gramsci e Togliatti que nunca chegou a ser completamente resolvido.

Em 8 de Novembro de 1926, a polícia fascista prendeu Gramsci sendo sentenciado a 5 anos de confinamento na remota ilha de Ustica; no ano seguinte foi condenado a vinte anos de prisom. Em 1932, um projeto para a troca de prisioneiros políticos ente Itália e a Uniom Soviética, que poderia dar a liberdade à Gramsci, falhou. Em 1934 a sua saúde estava seriamente abalada e ele recebeu a liberdade condicional, após ter passado por alguns hospitais.
Gramsci faleceu aos 46 anos, pouco tempo depois de ter sido libertado.

A influência póstuma de Gramsci encontra-se associada principalmente aos mais de trinta cadernos de análise histórica e filosófica que escreveu durante o período em que esteve na prisom. Estes trabalhos, conhecidos coletivamente como Cadernos do Cárcere, contém o pensamento maduro de Gramsci sobre a história da Itália e o nacionalismo, bem como ideias sobre teoria crítica e educacional, destacando a sua teorizaçom sobre a hegemonia ideológica.
A burguesia mantém o controlo sobre toda sociedade nom apenas através da coerçom política ou económica, também pola cooptaçom ideológica, por meio de uma cultura hegemónica na qual os valores e interesses particulares da burguesia se tornam o "senso comum".

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Início em Compostela do curso de autodefesa para mulheres BASENAME: inicio_em_compostela_do_curso_de_autodef DATE: Fri, 18 Jan 2008 01:45:37 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O Grupo de Base da comarca de Compostela da organizaçom juvenil BRIGA anunciou já que as instalaçons do nosso Centro Social acolherám segunda-feira 23 umha reuniom preparatório do "Curso de auto-defesa para mulheres".

Podedes consultar mais informaçom no web da organizaçom socialista e independentista www.briga-galiza.org

A Assembleia Aberta do Centro Social, um de cujos alicerces é a luita antipatrarcal, quer animar as mulheres achegadas ao mesmo a participarem nesta interessante iniciativa que nos orgulhamos de atender.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: 2008 inícia com terceira sessom do Centro de Estudos Marxistas BASENAME: 2008_continuamos_com_o_centro_de_estudos DATE: Fri, 11 Jan 2008 11:57:17 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Debates e Palestras CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Sexta-feira 18 de Janeiro às 20 horas terá lugar a terceira sessom no Centro de Estudos Marxistas Henriqueta Outeiro continuando com o debate do Que fazer? Problemas candentes do nosso movimento de Lenine.
Na sessom do do passado 14 de Dezembro decidiu-se continuar com o debate desta obra que devido à sua magnitude.

Conservamos por tanto o guiom recomendado naquela altura para debruçar-nos sobre as principais referências do livro, e reiteramos o convite para assistirdes a esta sessom de debate ideológico revolucionário.

Tal como já tinhamos informado, empregando a ediçom da Abrente Editora, para facilitar o debate do texto apresentamos algumhas das mais relevantes reflexons:

-A importáncia da teoria. ?Sem teoria revolucionária nom pode haver movimento revolucionário?. Páginas 38-41.

-A teoria, achega de cert@s intelectuais burgueses. Páginas 43-44.

-Formulaçom incorrecta de ideologia/Conceptualizaçom excessivamente fechada. Páginas 49-51.
Lenine ainda nom lera a Ideologia alemá de Marx e Engels (nom publicada até 1924), por isso utiliza um conceito incorrecto de ideologia. Em vez de confrontar a ideologia como ?falsa consciência necessária? com as ideias correctas socialistas formula 2 ideologias (umha boa e umha má), a socialista e a burguesa, cometendo um erro teórico de envergadura.

-Vantagens das que goza a ideologia burguesa (a falsa consciência necessária). Página 52.
-A importáncia da propaganda e da agitaçom. Páginas 71-72
.
-A regra da totalidade: denunciar todo, observar todo. Páginas 73-75.

-Diferenças entre um/umha responsável polític@ socialista e um secretári@ sindical. -Retrato crítico de umha célula e/ou círculo ineficaz. Páginas 81-82.

-Devemos dirigir-nos a todos os sectores sociais. Temos forças para isso?. Páginas 82-84.

-Temos bastantes forças, mas nom sabemos empregá-las. A soluçom: um jornal para toda Rússia. Páginas 86-88.

-A organizaçom de operári@s e a organizaçom de revolucionári@s. Páginas 106.

-Receita para a clandestinidade numha tirania: umha organizaçom sem filiad@s. Páginas 112.

-A clandestinidade e a eficácia. A clandestinidade e a acçom de massas. Páginas 115-118.

-Há muita gente disposta e nom a sabemos usar. Páginas 118-120.

Também acordamos abordar a Ideologia Alemá que pode ser baixada em galego-português da Biblioteca Galega de Marxismo-Leninismo em www.primeiralinha.org.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Rosa Luxemburgo foi lembrada no jantar polaco BASENAME: rosa_luxemburgo_foi_lembrada_no_jantar_p DATE: Mon, 24 Dec 2007 00:35:42 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Gastronomia CATEGORY: Todas CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

O ano 2007 rematará com um dos objectivos da Assembleia Aberta cumprido: estabelecer umha periodicidade mensal aos Jantares Revolucionários, cuja terceira ediçom tivo lugar este sábado 22.

E nem só. Também conseguimos assentar esta como umha cita de encontro entre muitas pessoas, principalmente da comarca de Compostela. Som várias as dezenas de amig@s que nestes 3 primeiros jantares tenhem passado polo local social, e que podem acreditar a boa mesa, trabalhada pol@s sóci@s, de que se pode goçar.

Mais umha vez, fôrom por volta de 20 as pessoas que assistírom ao Jantar de homenagem a Rosa Luxemburgo, comunista polaca que jogou um destacadíssimo papel no desenvolvimento organizativo da classe obreira na Europa de começos do sêculo XX. A sua figura foi brevemente gizada por um dos companheiros presentes, quem iniciou com a introduçom à figura da revolucionária um intercámbio de ideias após a sobre-mesa.

O Jantar Revolucionário rematou com umha proposta às e aos presentes para elaborar um calendário de homenagens gastronómicas durante o vindouro 2008. Assim, entre todas e todos pudemos decidir quais as personagens às que lembrar, e quais os seus países para ambientar umha juntança arredor dumha atractiva ementa.

Para que vos vaiades preparando, decidimos homenagea a:

- Antonio Gramsci. Comida italiana. 26 de Janeiro.
- Benigno Álvares. Comida galega. Fevereiro.
- James Connolly. Comida irlandesa. Março.
- José Afonso. Portugal. Abril.

Sem definir a figura sobre a que recai a homenagem, em Maio vamos desgostar da comida palestiniana, em Junho da basca e no mês de Julho fa francesa.
Por definir, jantares dedicados a personagens de Irlanda, Itália, Estado francês e Euskal Herria nos meses seguintes.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Terceiro Jantar Revolucionário em homenagem a Rosa Luxemburgo BASENAME: terceiro_jantar_revolucionario_em_homena DATE: Tue, 18 Dec 2007 19:02:58 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Local Social CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A Assembleia Aberta do Centro Social Henriqueta Outeiro organiza sábado 22 de Dezembro às 15h o terceiro Jantar revolucionário mensal para homenagear destacad@s revolucionári@s da Galiza e a nível internacional.
Nesta ocasiom a ementa do jantar será comida polaca:
- Sopa de porros e beterraba
- Schab pieczony ze sliwka (Lombo recheio de ameixas)
sobremesa
-Paczki (Bolinhos recheios de doce de frutas)
Um jantar especialmente preparado para homenagear com ingredientes e pratos polacos a Rosa Luxemburgo.
Podes adquirir por 9? o bono-entrada nas instalaçons do Centro Social, -aberto de 19 a 23 horas de segunda a sexta-feira-, ou telefonando a 660 713 095 ou 881 979 561.


Biografia de Rosa Luxemburgo

Rosa Luxemburgo nasceu em Zamość, umha aldeia do sudeste da Polónia 5 de Março de 1871.
De família judaica participou na fundaçom do grupo de tendência marxista, que viria a tornar-se mais tarde o Partido Comunista da Alemanha.
Em 1889 devido a sua militância política fugiu para a Suíça, evitando umha detençom iminente. Permaneceu por nove anos e frequentou a Universidade de Zurique juntamente com outras personalidades socialistas como Anatoli Lunacharsky e Leo Jogiches.
Participou da fundaçom do Partido Socialista Polaco (PSP) em 1892. Dous anos depois rompeu com o PSP e fundou a Social-democracia do Reino da Polónia e Lituánia e criou a revista "A Causa Operária", como reacçom ao nacionalismo do Partido Socialista Polaco. Rosa defendia que a independência da Polónia só seria possível através de uma revoluçom nos impérios da Alemanha, Áustria e Rússia e que o combate ao capitalismo era prioritário em relaçom à independência. Negava o direito da autodeterminaçom para as naçons em desacordo com Lenine.
Casou em Abril de 1897 a fim de conquistar a cidadania alemá. Após fixar-se em Berlim torna-se uma figura-chave entre os socialistas europeus, militando no Partido Socialista Alemam. Dentro do SPD possuía um núcleo de esquerda que ficou historicamente conhecido como Liga Spartacus, o qual deu origem, juntamente com outros agrupamentos políticos, ao Partido Social-Democrata Independente (USPD) e, que possuía uma posiçom política mais radical mas que acabou conservando a organizaçom e a linha política do SPD. Com este desenvolvimento, Rosa Luxemburgo e a Liga Spartacus iram romper com o USPD e juntamente com outras tendências políticas, como a Esquerda de Breme e os Comunistas Internacionalistas, fundar o Partido Comunista da Alemanha (KPD).
Rosa Luxemburgo foi pioneira tanto na crítica da social-democracia alemá quanto do bolchevismo russo, tornando-se umha fonte inspiradora para militantes e intelectuais de sua época que nom se enquadravam em nengumha destas posiçons. Escreveu obras polêmicas contra estas duas tendências como Reforma ou Revoluçom defendendo a espontaneidade revolucionária do proletariado, que se manifestava, segundo ela, através das greves de massas, bem como nos conselhos operários.
No ano de 1918, juntamente com Karl Liebknecht, joga um papel destacado no movimento de massas, na construçom do poder revolucionário da classe trabalhadora. Berlim encontrava-se em estado de sítio no dia 9 de Janeiro de 1919 Rosa e Liebknecht, perseguidos, mudavam constantemente de esconderijo e empresários de extrema-direita ofereciam recompensas a quem os denunciassem.
A 15 de Janeiro de 1919, Rosa Luxemburgo, Karl Liebknecht e Wilhelm Pieck -dirigentes do Partido Comunista da Alemanha- som presos e levados para interrogatório no Adlon Hotel em Berlim. No mesmo dia, os paramilitares alemans do Freikorps que seguiam ordens do ministro socialdemocrata Noske, que mais tarde iriam apoiar os nazis, levaram-nos do hotel. Nessa altura, Pieck conseguiu fugir e Rosa e Liebknecht receberam coronhadas na cabeça e fôrom colocados dentro de um carro. Durante o percurso, os dous fôrom baleados na cabeça e o corpo de Rosa atirado no Canal do Exército Territorial.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Centro Social acolhe curso de pintura BASENAME: o_centro_social_acolhe_nas_suas_instalac DATE: Thu, 13 Dec 2007 00:28:46 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Desde há aproximadamente duas semanas, o Centro Social Henriqueta Outeiro acolhe nas suas instalaçons da Rua Quiroga Palácios um Curso de Pintura dirigido pola professora Susana Paços.

Todas as terças-feiras, de 18 a 22 horas, umha dezena de mulheres e homens reunem-se no Local para aprender a pintura ao óleo e aquarelas.
Da Assembleia Aberta do Centro Social parabenizamo-nos pola progressiva abertura do nosso espaço físico a iniciativas criativas sobre cuja participaçom podes interessar-te escrevendo-nos ao endereço electrónico: cshenriquetaouteirogz@gmail.com

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Já podes conseguir o cartom de Siareir@s Galeg@s no Centro Social BASENAME: title_297 DATE: Thu, 13 Dec 2007 00:27:14 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Já estám a disposiçom de todos e todas, no nosso local, os cartons que Siareir@s Galeg@s oferece por 5 euros para filiar-se à entidade em defesa do desporto nacional.

Próxim@s à celebraçom dos jogos de futebol masculino Galiza-Camarons e feminino Galiza-Catalunya em Balaídos, Vigo, este cartom garante às pessoas que o obtenham, e com ele a filiaçom, a possibilidade de assistir ao estádio de maos dadas com o sector mais combativo e comprometido com as nossas selecçons.

Aliás, podes inscrever-te simultaneamente a umha vaga nos auto-carros que por 2 euros adicionais te levarám desde Compostela a Vigo na jornada do 27.

Já sabes: se queres vir a Vigo com Siareir@s Galeg@s, passa-te polo Centro Social Henriqueta Outeiro e consegue o teu cartom!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Segunda jornada de debate do Centro de Estudos Marxistas Henriqueta Outeiro BASENAME: segunda_jornada_de_debate_do_centro_de_e DATE: Sun, 09 Dec 2007 16:20:59 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A sexta-feira 14 de Dezembro a partir das 20.30 tem lugar no Centro Social Henriqueta Outeiro a segunda sessom de debate e reflexom marxista do Centro de Estudos Marxistas Henriqueta Outeiro.
Nesta ocasiom o texto a debate é o Que Fazer?. Problemas candentes do nosso movimento escrito por Lenine entre o outono de 1901 e Fevereiro de 1902.

Para facilitar a leitura e o debate empregando o livro editado pola Abrente Editora em Abril de 2001 facilitamos o seguinte guiom em base a algumhas da principais reflexons desta obra cardinal do modelo de organizaçom revolucionária:

A importáncia da teoria. ?Sem teoria revolucionária nom pode haver movimento revolucionário?. Páginas 38-41.

A teoria, achega de cert@s intelectuais burgueses. Páginas 43-44.

Formulaçom incorrecta de ideologia/Conceptualizaçom excessivamente fechada. Páginas 49-51.
Lenine ainda nom lera a Ideologia alemá de Marx e Engels (nom publicada até 1924), por isso utiliza um conceito incorrecto de ideologia. Em vez de confrontar a ideologia como ?falsa consciência necessária? com as ideias correctas socialistas formula 2 ideologias (umha boa e umha má), a socialista e a burguesa, cometendo um erro teórico de envergadura.

Vantagens das que goza a ideologia burguesa (a falsa consciência necessária). Página 52.

A importáncia da propaganda e da agitaçom. Páginas 71-72.

A regra da totalidade: denunciar todo, observar todo. Páginas 73-75.

Diferenças entre um/umha responsável polític@ socialista e um secretári@ sindical. Retrato crítico de umha célula e/ou círculo ineficaz. Páginas 81-82.

Devemos dirigir-nos a todos os sectores sociais. Temos forças para isso?. Páginas 82-84.

Temos bastantes forças, mas nom sabemos empregá-las. A soluçom: um jornal para toda Rússia. Páginas 86-88.

A organizaçom de operári@s e a organizaçom de revolucionári@s. Páginas 106.

Receita para a clandestinidade numha tirania: umha organizaçom sem filiad@s. Páginas 112.

A clandestinidade e a eficácia. A clandestinidade e a acçom de massas. Páginas 115-118.

Há muita gente disposta e nom a sabemos usar. Páginas 118-120.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Centro Social Henriqueta Outeiro participou convidado na IV Assembleia Nacional de NÓS-Unidade Popular BASENAME: centro_social_henriqueta_outeiro_partici DATE: Sun, 09 Dec 2007 15:24:23 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Adriam Argibai, em representaçom da Assembleia Aberta do Centro Social Henriqueta Outeiro, participou em representaçom da nosso Centro Social no acto de encerramento da IV Assembleia Nacional de NÓS-Unidade Popular decorrida no passado sábado 1 de Dezembro no Concelho de Teio, Comarca de Compostela.

Junto ao Henriqueta Outeiro, no acto de encerramento intervinhérom representantes de outras entidades culturais e Centros Sociais do País: a Baiuca Vermelha de Ponte Areias, A Revira de Ponte Vedra, A Gentalha do Pichel de Compostela, Fundaçom Artábria de Trasancos, Roi Soga de Noia e Gomes Gaioso da Corunha.

Reproduzimos integramente as palavras do nosso representante:

Caras companheiras e companheiros:
Parabens e muito obrigado polo convite a esta IV Assembleia Nacional em nome da Assembleia Aberta do Centro Social Henriqueta Outeiro.

Em primeiro lugar queremos transmitir o nosso agradecimento e reconhecimento a NÓS-Unidade Popular pola sua aposta na criaçom de Centros Sociais da nossa corrente na nova esquerda independentista.

Umha aposta por Centros Sociais concebidos com umha mentalidade aberta e plural, dando lugar também a diferentes modelos, e estando este projecto muito longe de qualquer ideia patrimonialista, e com o ambicioso objetivo de criar toda umha rede de Centros Sociais no nosso País.
Som umha peça chave à hora de ter um espaço fisico e social onde poder realizar um redescubrimento da nossa cultura e história, na tomada de consciência, na denúncia social, no carácter combativo da nossa classe operária contra o Estado opressor e o sistema capitalista, difundindo o projecto do Movimento de Libertaçom Nacional Social e de Gênero nas nossas respectivas comarcas, compactando assim umha massa social das pessoas mais conscientes e luitadoras do nosso contorno.

Além disto os Centros Sociais som um espaço dinamizado pola actividade que as diferentes organizaçons da esquerda independentista realizam neles, permitindo assim a organizaçom de palestras, discussons, debates, seminários, o qual contribui na melhora da formaçom e no incremento dos conhecimentos teóricos, que junto com os conhecimentos práticos som peças chave para a realizaçom da Revoluçom.

Também destacar o carácter humano dos Centros Sociais que permitem a convivência dos militantes, permitindo assim a confraternizaçom entre camaradas.

Já por último destacar e agradecer o esforço e trabalho diário dos e das militantes que fam possivel a continuidade do projecto.

Saúde e Revoluçom!

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Saiu o Manual Galego de Língua e Estilo, co-editado polo CS Henriqueta Outeiro BASENAME: saiu_o_manual_galego_de_lingua_e_estilo__1 DATE: Mon, 26 Nov 2007 13:37:15 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Por fim está na rua umha nova obra editorial importante para todos e todas as que escrevemos conforme as normas do galego histórico ou reintegracionista: o Manual Galego de Língua e Estilo, da autoria de Maurício Castro, Beatriz Peres e Eduardo Maragoto. Um volume de 495 páginas acompanhado de um CD com o processador de texto Open Office e o verificador ortográfico para galego-português.

O livro é mais do que um completo método para aprendermos a escrever correctamente na nossa língua. Inclui, além disso, aspectos relativos aos usos dos diferentes sinais tipográficos, extensos vocabulários trilíngües galego-espanhol-inglês, umha completa lista de falsas semelhanças entre galego e espanhol, conselhos para evitar um uso sexista da linguagem, topónimos e gentílicos de todos os concelhos e comarcas da Galiza e de numerosos países, acidentes geográficos, erros freqüentes no galego escrito, etc.

Também há paradigmas gramaticais, usos sintácticos, ortográficos e muito mais. Além disso, a versom em galego-português do verificador ortográfico permite aplicar umha correcçom automática coincidente com a proposta no Manual aos nossos textos no processador de textos de software livre Open Office.

A tiragem desta primeira ediçom nom é mui grande. Por isso che recomendamos que o adquiras no nosso Centro Social ou nas livrarias em que será distribuído o antes possível, para nom ficares sem umha obra referencial para quem quer melhorar o seu galego escrito.

Ah!, e nom esqueças que o dinheiro arrecadado polas vendas desta obra é integralmente dedicado às entidades sociais e editoriais normalizadoras que participamos na ediçom, nom existindo objectivo lucrativo. Portanto, comprando um exemplar, contribuis para o fortalecimento do trabalho normalizador. As entidades co-editoras som, além do Centro Social Henriqueta Outeiro:

Abrente Editora, A Esmorga Centro Social, A Fenda Editora, Aguilhoar (Centro Social da Límia), Associação Sócio-Pedagógica Galaico Portuguesa, Associaçom Cultural Roi Soga de Lobeira, Associaçom Galega da Língua (AGAL), Associaçom Cultural A Gentalha do Pichel, Fundaçom Artábria, Centro Social Revolta, Local Social Baiuca Vermelha, Local Social Revira e Terra Livre Ediçons.

A seguir, e para teres umha ideia mais completa da obra, reproduzimos o texto explicativo que figura na contracapa:

"O livro que tés nas maos pretende preencher um espaço que o ensino e as redes culturais oficiais deixárom vazio. Trata-se de um instrumento de grande utilidade para as pessoas que usam o galego escrito coerentemente com a sua história e as outras variantes do mesmo oficial em oito países do mundo.

Os autores e a autora do Manual Galego de Língua e Estilo utilizárom a sua experiência no ensino da língua portuguesa e na correcçom de textos galegos para propor um modelo de língua estável e coerente com os usos maioritários do reintegracionismo na Galiza. Mas este trabalho vai muito mais além, solucionando problemas que tenhem a ver com a correcçom estilística, como a pontuaçom, a tipografia, as maiúsculas, a linguagem nom discriminatória e um longo et cetera. Inclui ainda extensas listas de vocabulário relacionado com a política, a judicatura, o ambiente, a geografia galega e internacional ou as falsas semelhanças. Finalmente, o Manual dá soluçom aos erros lingüísticos mais freqüentes que se podem encontrar nos textos escritos em galego, sejam da normativa que forem."

Características:

Manual Galego de Língua e Estilo (livro+CD)
1ª ediçom (Setembro de 2007)
Autores e autora: Maurício Castro Lopes, Beatriz Peres Bieites e Eduardo Sanches Maragoto.
Número de páginas: 495.
Tamanho das páginas: 24x17 cm.
Preço de Venda ao Público: 25 euros.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Realizado 2º Jantar Revolucionário em homenagem a Lenine BASENAME: realizado_2o_jantar_revolucionario_em_ho DATE: Wed, 21 Nov 2007 21:21:33 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Umha escolhida ementa russa congregou sábado 17 de Novembro no Centro Social Henriqueta Outeiro as pessoas assistentes ao segundo Jantar Revolucionário. Esta segunda ediçom foi dedicada a comemorar a Revoluçom Russa, e em particular ao seu mais senlheiro dirigente, Vladimir Ilich Uliánov Lenine.


Umha vintena de pessoas maioritariamente sóci@s do Henriqueta Outeiro partilhárom umha tarde que se fijo acolhedora e amável graças à boa companhia humana e gastronómica.


Actualmente já estamos trabalhando na organizaçom do III Jantar Revolucionário de comida polaca, a realizar em Dezembro, dedicado nesta ocasiom a Rosa Luxemburgo.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Convocada primeira jornada de debate do Centro de Estudos Marxistas Henriqueta Outeiro BASENAME: convocada_primeira_jornada_de_debate_do_ DATE: Wed, 21 Nov 2007 20:59:13 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A sexta-feira 23 de Novembro a partir das 20.30 tem lugar no Centro Social Henriqueta Outeiro a primeira sessom de debate e reflexom marxista do recém constituído Centro de Estudos Marxistas Henriqueta Outeiro.

O primeiro texto que empregaremos para inaugurar os debates é o Manifesto do Partido Comunista escrito por Karl Marx e Friedrich Engels em 1848.

O operário do metal e militante revolucionário André Seoane Antelo dará início a esta primeira sessom por meio de umha breve introduçom intitulada ?O Manifesto Comunista. Umha primeira aproximaçom ao marxismo? em base ao seguinte guiom:

1. Que é isso do marxismo?

1.1. O marxismo, método científico de interpretaçom da realidade
-Os precedentes
-A dialéctica materialista

1.2. O marxismo, guia para a acçom revolucionária

2. O Manifesto Comunista
-O Manifesto como obra de maturidade
-Contextualizaçom histórica do manifesto
-A sociedade burguesa como sociedade histórica: a apariçom do novo e destruiçom do velho
-A necessidade da Revoluçom para o proletariado
-O papel d@s comunistas no seio movimento operário

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Constitui-se Centro de Estudos Marxistas do Centro Social Henriqueta Outeiro BASENAME: constitui_se_centro_de_estudos_marxistas DATE: Thu, 15 Nov 2007 00:42:50 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Desde há umhas semanas, as pessoas participantes na Assemblea Aberta do Centro Social Henriqueta Outeiro vimos definindo o que agora fazemos público: a constituiçom do Centro de Estudos Marxistas.

É com a primeira juntança de debate e análise convocada para o vindouro dia 23 que se dá início a esta ambiciosa proposta de encontro, nem só entre a militáncia do Movimento de Libertaçom Nacional Galego -a quem o propomos com especial ênfase-, mas aberto a todas as pessoas interessadas em achegar-se a algumha das citas que a partir desta primeira se continuarám a convocar.

A Assembleia Aberta coida que no marco deste Centro de Estudos Marxistas deveremos fazer converger, para o interesse e formaçom de todos e todas, posicionamentos distintos que dem lugar ao debate, a crítica e a conscientizaçom teórica como ferramenta fundamental de intervençom revolucionária.

Informaremos proximamente dos conteúdos do primeiro encontro, assim como a hora exacta em que se iniciará. Também será em breves que colaremos no nosso blogue o documento elaborado com o galho desta cita e que servirá de referência.
Adiantamos por enquanto que o militante independentista André Seoane foi convidado para guiar a primeira juntança arredor do Manifesto Comunista como texto base para enfrentarmos as numerosas perguntas que giram arredor do conceito de marxismo.

Convidamos-vos a ficar atentos/as e a participardes em quantas citas do Centro de Estudos Marxistas gostedes de assistir.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Segundo Jantar Revolucionário em homenagem a Lenine BASENAME: segundo_jantar_revolucionario_em_homenag DATE: Sun, 11 Nov 2007 16:56:54 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A Assembleia Aberta do Centro Social Henriqueta Outeiro organiza o sábado 17 de Novembro às 15h o segundo Jantar revolucionário mensal para homenagear destacad@s revolucionári@s da Galiza e a nível internacional.

Nesta ocasiom a ementa do jantar será comida russa:
- Ovos à Russa
- Strogonoff (Bistec)
- Blini ao caramelo (sobremesa)
- Cocktail de Vodka

Um jantar especialmente preparado para homenagear com ingredientes e pratos russos a Vladimir Ilich Ulianov "Lenine".

Podes adquirir por 9? o bono-entrada nas instalaçons do Centro Social, -aberto de 19 a 23 horas de segunda a sexta-feira-, ou telefonando a 660 713 095 ou 881 979 561.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Primeira Linha comemora no nosso Centro Social 90 Aniversário da Revoluçom Russa com umha conferência sobre a sua vigência BASENAME: primeira_linha_comemora_no_nosso_centro_ DATE: Sun, 11 Nov 2007 16:46:49 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Palestras CATEGORY: Todas TAGS: ----- BODY:

A Assembleia Aberta tem o prazer de comunicar no nosso blogue a realizaçom de mais um acto de clara identidade política por parte de umha das diferentes organizaçons que empregam o Local Social da Rua Quiroga Palácios, onde a Assembleia Aberta desenvolve as nossas actividades e anima outrem a fazê-lo.

Nesta ocasiom é o partido comunista galego Primeira Linha quem celebrará, convidando ao militante abertzale Iñaki Gil de San Vicente, umha palestra de comemoraçom e homenagem à Revoluçom Bolchevique de 1917, e em lembrança da actualidade do pensamento dum dos seus significados protagonistas, Lenine.

Os Centros Sociais da Fundaçom Artábria em Ferrol e o da Baiuca Vermelha em Ponte-Areas acolherám, os dias anteriores à cita na capital galega, duas jornadas semelhantes.

No caso de Compostela, será um acto público e aberto a todas as pessoas interessadas, sobre cujo conteúdo remetemos-vos para o web do partido organizador.

Terá lugar este 15 de Novebro a partir das 20,30 horas.

Em nome da Assembleia Aberta animamos-vos a assistirdes a esta interessante jornada de debate e conhecimento.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Sucesso do 1º Jantar Revolucionário da Assembleia Aberta do Henriqueta Outeiro BASENAME: sucesso_do_1o_jantar_revolucionario_da_a DATE: Tue, 30 Oct 2007 00:16:58 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O dia 27, a Assembleia Aberta do nosso Centro Social ofertou umha intensa jornada de convívio que, após os esforços próprios da primeira ocasiom em que celebrávamos um Jantar, se saldou com umha notável assistência e fraternal jornada de trabalho e convívio.

Às 15 horas dava começo, com o "mojito" e as "mariquitas de plátano macho" como petisco, o 1º Jantar Revolucionário, que contou com a senlheira presença de José Constenla, quem acompanhou com os seus cantos e a sua guitarra a sobre-mesa; e com o nosso chefe de cozinha, o sócio Paco Manrique, cuja iniciativa culinária argentino-cubana foi gratamente acolhida por todos e todas as comensais.

O Jantar decorreu com a saborosa ementa prevista. Ao remate do mesmo, umha das pessoas sócias agradeceu a assistência às quase 30 pessoas presentes, êxito que encoraja a Assembleia a continuar com actividades como esta; convidou-n@s a participar das vindouras actividades organizadas pola Assembleia Aberta, e anunciou algumha das mais imediatas propostas.

Já de tarde, por volta das 18 horas, projectou-se um documentário em que o comandante revolucionário Fidel Castro é entrevistado por Ignácio Ramonet sobre a pessoa do Che Guevara, revolucionário comunista a quem rendemos a derradeira homenagem neste mês de Outubro, 40 cabodano da sua morte em combate na Bolívia.
Ernesto Guevara, singular exemplo ao que a nossa Assembleia Aberta, profundamente comprometida com os direitos nacionais e os valores de esquerda como princípios políticos, continuará a lembrar de seguro no futuro.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: AGIR e BRIGA organizárom Seminário de Formaçom no Local Social BASENAME: agir_e_briga_organizarom_seminario_de_fo DATE: Mon, 22 Oct 2007 16:03:38 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Em 20 de Outubro, sábado, as organizaçons estudantil, AGIR, e juvenil, BRIGA, do MLNG, utilizárom as instalaçons do Local da rua Quiroga Palacios para desenvolver um Seminário de Formaçom sobre a Revoluçom Cubana.

No acto participou o Alejandro Fuentes, cónsul cubano na Galiza, quem atendeu as perguntas, dúvidas e sugestons dum maciço grupo de jovens que lotou o andar baixo do Henriqueta Outeiro.

Actos como este constituem um dos fundamentos do funcionamento do Centro Social, porquanto diversos colectivos respeitosos com os princípios políticos do mesmo som e serám bem recebidos quando quigerem organizar as suas próprias citas.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Primeiro Jantar Revolucionário em homenagem ao Che BASENAME: primeiro_jantar_revolucionario_em_homena DATE: Sat, 20 Oct 2007 05:59:01 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A Assembleia Aberta do Centro Social Henriqueta Outeiro organiza o primeiro Jantar revolucionário mensal para homenagear destacad@s revolucionári@s da Galiza e a nível internacional.

O vindouro sábado 27 de Outubro às 15 horas, nas instalaçons do Centro Social Henriqueta Outeiro, dará início esta primeira iniciativa de confraternizaçom entre sóci@s e amig@s.

Nesta ocasiom a ementa do jantar será comida cubana e argentina:
-Mojito com "mariquitas de plátano macho"
-Salada tropical (espinafres, aguacate, pepino, guaiaba, manga)
-Arroz congri com porco
-Alfanjor
-Mate, café, refrigerantes e vinho
Um jantar especialmente preparado para homenagear com ingredientes e pratos argentino-cubanos ao combatente comunista Ernesto Guevara no quadragéssimo aniversário da sua morte combate na Bolívia.
O cantor compositor José Constenla amenizará com música a sobremesa do jantar.

Podes adquirir por 9? o bono-entrada nas instalaçons do Centro Social, -aberto de 19 a 23 horas de segunda a sexta-feira-, ou telefonando a 660 713 095 ou 881 979 561.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Ciclo de cinema homenagem ao Che BASENAME: ciclo_de_cinema_homenagem_ao_che DATE: Sat, 20 Oct 2007 05:53:52 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Entrevista de Ignacio Ramonet a Fidel sobre o Che Guevara.
Com umha duraçom de 56 minutos será projectado a terça-feira 23 de Outubro às 21 horas.

Che, entre lendas, documentário de Rebeca Chávez. Entrevista de pouco mais de meia hora a Pombo, Urbano e Benigno, três dos supervivintes do núcleo guerrilheiro dirigido na Bolívia polo Che.
Quinta-feira 23 de Outubro às 21 horas.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Comunicado em solidariedade com A Revira BASENAME: comunicado_em_solidariedade_com_a_revira DATE: Mon, 10 Sep 2007 17:15:13 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Na madrugada do passado 10 de Agosto o Centro Social A Revira de Ponte Vedra foi vítima de um ataque fascista.
Esta vez, a agressividade da extrema-direita evidenciou-se mediante a tentativa de queimar o centro social com umha faixa que tinham pendurada sob a legenda de "Autodeterminaçom".

Nestas datas celebram-se na cidade do Lérez um dos casos mais paradigmático de festas espanholizadoras e de curte fascista na Galiza. Dia após dia multidons de nostálgicos franquistas enchem as ruas para assistirem ao lamentável espectáculo que supom as matanças dos touros. A constituiçom de umha plataforma anti-taurina muito ligada ao Centro Social considera-se que puido ser a escusa última que os envalentonou na realizaçom do ataque.

Sabido é que o fascismo espanhol atenta contra todo espaço alternativo que trabalhe na superaçom de todas as opressons que o seu sistema capitalista nós impom.

A impunidade destas acçons nom só nom nós surpreende, senom que a aguardavamos. Porém o silêncio cúmplice dos meios burgueses e das administraçons auto-proclamadas progressistas só obedece à imposiçom dessa atmósfera de "normalidade democrática" no que um ataque fascista simplesmente nom é notícia.

O CS Henriqueta Outeiro quer mostrar a sua solidariedade com @s companheir@s do CS A Revira, somar-se à solicitufr de esclarecer o sucesso, e parabeniza-l@s polo seu trabalho na defesa da construçom nacional da Galiza.

Comunicado do CS A Revira: http://www.agal-gz.org/blogues/index.php/revira

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Do 68 ao 68 BASENAME: do_68_ao_68 DATE: Mon, 18 Jun 2007 14:29:38 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A vindoura quinta-feira 21 de Junho, a partir das 20.30 horas, o investigador Ricardo Gurriarán impartilhará no Centro Social Henriqueta Outeiro umha palestra sobre o movimento estudantil em Compostela.

Sob o título "Do 68 ao 68. As mobilizaçons estudantis em Compostela" o investigador originário de Valdeorras, que vem de receber o prémio da crítica de 2007, debulhará algumhas das chaves que permitem compreender o nascimento e andaina do movimento estudantil na capital da Galiza num período histórico que abarca um século, desde a queda da monarquia, instauraçom da I República espanhola, posterior restauraçom bourbónica, ditadura de Primo de Rivera, II República, levantamento fascista e ditadura franquista. A revolta estudantil de 1967, anterior ao Maio francês, fechará o períplo histórico.

Ricardo Gurriarán

É licenciado en Educaçom Física (INEF) pola Universidade Politécnica de Madrid. Actualmente é professor de Secundária no IES Gelmíres I de Compostela. Tem publicado um ronsel de obras sobre diversos aspectos da história do nosso País com destaque para o ensino.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Apresentaçom do poemário Dez por Dez BASENAME: apresentacom_do_poemario_dez_por_dez DATE: Tue, 05 Jun 2007 18:11:41 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O próximo sábado dia 9 de Junho a partir das 20 horas tem lugar no nosso Centro Social a apresentaçom do poemário Dez x Dez editado por Abrente Editora para comemorar o X aniversário de Primeira Linha. Com esta colectánea de dez poetas galegos e galegas Abrente Editora inicia umha nova colecçom, Cabeça de Égua, que tem por objectivo difundir criaçom literária galega, contribuindo assim para reforçar o nosso sistema cultural com propostas reintegracionistas de qualidade.

O recital contará com a presença de Carlos Quiroga, Séchu Sende, Artur Alonso Novelhe, Suso Bahamonde, Maria Lado, Igor Lugris, Kiko Neves, Concha Rousia e Ramiro Vidal que dedicarám livros a todas as pessoas assistentes.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Línguas cruzadas: documentário sobre língua e juventude na Galiza BASENAME: linguas_cruzadas_documentario_sobre_ling DATE: Tue, 29 May 2007 08:51:34 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

[gvid]-7399630610169788180[/gvid]

Em "Línguas cruzadas" galegofalantes e espanholfalantes, neofalantes urbanos, bilíngües em diferente grau, etc, reflectem sobre a sua identidade lingüística num documento de grande valor. Recomendamos vê-lo.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: À venda no Centro Social os bilhetes para o concerto de Siareir@s Galeg@s BASENAME: a_venda_no_centro_socil_os_bilhetes_para DATE: Tue, 29 May 2007 08:44:26 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Desde já podes comprar os bilhetes para o concerto organizado por Siareir@s Galeg@s para o próximo sábado 2 de Junho no Centro Social Henriqueta Outeiro. Para mais informaçom visitade o seu sítio web.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: O nacionalismo galego em Compostela BASENAME: o_nacionalismo_galego_em_compostela DATE: Fri, 25 May 2007 12:32:06 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Uxio Breogán Diéguez Cequiel, historiador e director da revista Murguia, analisará a estreita vinculaçom de Compostela com os primeiros passos do nacionalismo galego. A intervençom estará centrada em debulhar a etapa 1916 e 1936, o período histórico que abrange desde a fundaçom das Irmandades da Fala até o levantamento fascista.

A palestra terá lugar a quinta-feira 31 de Maio às 21 horas no Centro Social Henriqueta Outeiro.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Henriqueta Outeiro colabora com a Gentalha do Pichel na Festa do Dezassete BASENAME: henriqueta_outeiro_colaboar_com_a_gental DATE: Wed, 09 May 2007 23:02:59 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O CS Henriqueta Outeiro é umha das entidades colaboradoras na Festa do Dezassete que organiza a Gentalha do Pichel o vindouro sábado 12 de Maio em Compostela. Para mais informaçom consultar

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Comandante galego-cubano lotou Centro Social BASENAME: comandante_galego_cubano_lotou_centro_so DATE: Sat, 05 May 2007 13:03:45 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: Palestras CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

A palestra do comandante da Sierra Maestra Manuel Diaz, nascido na Póvoa do Brolhom, realizada quarta-feira 2 de Maio superou as expectativas. A organizaçom do acto, NÓS-Unidade Popular, tivo que instalar mais cadeiras para atender ao numeroso número de pessoas congregadas.

Na sessom apresentada por José Dias Cadaveira, responsável comarcal de NÓS-UP, também interviu o Consul de Cuba na Galiza Alejandro Fuentes Hernández.
O acto estava integrado na gira de seis palestras organizadas conjuntamente por NÓS-Unidade Popular e Unidade da Esquerda Galega, que levou a Manuel Diaz a intervir em Ponte Areas, Ponte Vedra, Ferrol, Vigo e Corunha.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Comandante de Sierra Maestra fala no Centro Social Henriqueta Outeiro sobre Revoluçom Cubana BASENAME: comandante_de_sierra_maestra_fala_no_cen DATE: Sat, 28 Apr 2007 00:34:13 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A quarta-feira 2 de Maio às 20.30 intervirá o Comandante de Sierra Maestra Manuel Diaz para falar do processo revolucionário cubano e da situaçom actual da ilha. Estará acompanhado por Alejandro Fuentes Hernández, Consul de Cuba na Galiza, e José Dias Cadaveira, Responsável Comarcal de NÓS-UP, entidade co-organizadora do acto junto com Unidade da Esquerda Galega.

Os irmaos Diaz
Os irmaos Diaz nascêrom na Póvoa do Brolhom, na Terra de Lemos. Os três irmaos, José, Faustino e Manuel, jogárom un papel mui destacado na luita contra a ditadura de Batista. Primeiro partiu José para a ?Sierra Maestra?, depois Faustino e, por último, Manuel. José Díaz caiu em combate durante um duro confronto com as forças da ditadura, convertendo-se em mártir da Revoluçom.
Com o triunfo da Revoluçom, Manuel já tinha o grau de Comandante, ambos irmaos fôrom nomeados posteriormente Coronéis das ?Forças Armadas Revolucionárias?. Manuel Diaz foi membro do primeiro Comité Central do Partido Comunista de Cuba. Na actualidade, os irmaos Diaz som militantes do PCC e directivos da Sociedade Artística Galega de Havana.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Constituida Assembleia Aberta do CS Henriqueta Outeiro BASENAME: constituida_assembleia_aberta_do_cs_henr DATE: Wed, 11 Apr 2007 16:00:31 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

Na terça-feira 10 de Abril tivo lugar a reuniom convocada pola Comissom promotora para constituir a Assembleia Aberta do CS Henriqueta Outeiro. Desde agora a entidade gerirá a orientaçom e dinamizaçom deste centro social.

Na reuniom fôrom aprovados os princípios político-ideológicos e o modelo organizativo. Também ficárom distribuidas as responsabilidades de propaganda, finanças, comunicaçom, biblioteca, actividades e ciber. Também se marcou como objectivo imediato pôr em andamento umha campanha de captaçom de sóci@s.
Finalmente aprovou-se o programa de actividades e iniciativas do mês de Abril deste espaço galego, alternativo e trangressor.
A vindoura reuniom da AA ficou marcada para o 24 de Abril às 21 horas.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Apelo à colaboraçom na criaçom dumha biblioteca BASENAME: apelo_a_colaboracom_na_criacom_dumha_bib DATE: Wed, 11 Apr 2007 15:58:39 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A Assembleia Aberta do CS Henriqueta tem como objectivo dotar ao espaço de umha biblioteca de livre utilizaçom para todas as pessoas que frequentem o local e com um serviço de empréstimo para sóci@s.
Com o objectivo de ampliar a pequena biblioteca existente apelamos à donaçom de livros, revistas e outras publicaçons que podem ser entregues nas nossas instalaçons.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Constituiçom da Assembleia Aberta convocada para 10 de Abril BASENAME: constituicom_da_assembleia_aberta_convoc DATE: Tue, 03 Apr 2007 16:54:28 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

A promotora da Assembleia Aberta do Henriqueta Outeiro convoca constituiçom da entidade que gerirá a orientaçom e dinamizaçom deste espaço galego, alternativo e trangressor para as 20 horas da terça-feira 10 de Abril nas instalaçons do Centro Social em Quiroga Palácios 42, rés-do-chao.

Os rascunhos dos dous documentos a debate, os princípios político-ideológicos e o modelo organizativo podem ser consultados neste blogue.
A participaçom na entidade a criar 10 de Abril é absolutamente aberta sempre que exista umha sintonia política e ideológica com o projecto.

Descarregar documentos em pdf [+]

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Lotaçom esgotada para conhecer património imaterial BASENAME: lotacom_esgotada_para_conhecer_patrimoni DATE: Tue, 03 Apr 2007 16:48:18 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A charla sobre mitologia popular galega impartilhada 29 de Março polo investigador e professor Carlos Solha Varela no CS Henriqueta Outeiro foi um autêntico sucesso.

Mediante umha narraçom amena acompanhada com a mostra de dúzias de amuletos e objectos que lográrom umha atençom permanente por parte do público assistente nas quase duas horas de charla, o especialista em mitologia popular galega originário de Cerdedo deu a conhecer as chaves que permitem um conhecimento dessa cultura imaterial que paulatinamente se vai perdendo pola traumática destruiçom da etnicidade galega pola dupla pressom exercida polo projecto nacional espanhol e a globalizaçom capitalista.
Para quem nom tivo ocasiom de escuitar a Carlos Solha tem duas oportunidades no imediato. Domingo 15 de Abril o Local Social a Revira de Ponte Vedra e a Baiuca Vermelha de Ponte Areas organizam um roteiro polo monte Seixo, a ?montanha mágica?, e sábado 21 de Abril Carlos Solha impartilha umha palestra sobre mitologia popular na Baiuca Vermelha, o Local Social do Condado.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Reivindicam escola pública e laica para Galiza BASENAME: reivindicam_escola_publica_e_laica_para_ DATE: Tue, 03 Apr 2007 16:42:42 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Palestras CATEGORY: Todas CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

Senim Gonçalves, do Conselho Nacional de AGIR, e José Cabido, em representaçom do STEG, coincidírom em reivindicar a criaçom dumha escola nacional galega pública e laica para a Galiza no debate realizado no CS Henriqueta Outeiro 27 de Março.

Também houvo plena coincidência por parte do dirigente do estudantado da esquerda independentista e do sindicalista à hora de denunciar a privatizaçom encuberta do ensino realizado polo governo bipartito da Junta da Galiza. AGIR e STEG defendérom sem entraves a retirada de ajudas públicas ao ensino privado e denunciárom o deterioramento que padede o ensino público por parte do governo PSOE-BNG, seguindo as reivindicaçons históricas do movimento estudantil e sindical galego.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Hadriám e Rubem ganhárom V campeonato de matraquilhos BASENAME: hadriam_e_rubem_ganharom_v_campeonato_de DATE: Tue, 03 Apr 2007 16:37:18 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

A par vencedora do V campeonato de matraquilhos organizado conjuntamente polo CS Henriqueta Outeiro e Siareir@s Galeg@s recebérom na noite da sexta-feira 23 de Março o prémio consistente numha playstation.

Nesta ocasiom o campeonato de matraquilhos que homenageava ao fisterrám Alexandre Campos Ramires, o seu inventor em 1937, contou com dez pares que desportivamente participárom no evento desenvolvido 22 e 23 de Março.

A par ganhadora

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Ciber gratuito e wi-fi BASENAME: ciber_gratuito_e_wi_fi DATE: Tue, 03 Apr 2007 16:12:22 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O CS Henriqueta Outeiro tem a disposiçom de quem desejar utilizar dous computadores com conexom a internet. Também o nosso espaço aberto de segunda a sexta-feira, de 19 a 23 horas, conta com wi-fi.
A utilizaçom dos computadores é completamente gratuita.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Escola galega a debate BASENAME: escola_galega_a_debate DATE: Thu, 22 Mar 2007 23:29:36 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: Palestras CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

Dous representantes da comunidae educativa galega, um profesor membro do Sindicato de Trabalhadoras/es do Ensino da Galiza (STEG) e um aluno, membro da organizaçom estudantil independentista AGIR, participam num debate sobre a escola galega.

José Cabido e Senim Gonçalves intervirám a terça 27 de Março às 20.30 no Centro Social Henriqueta Outeiro.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Xurxo Souto realizou umha apaixoada apologia de Alexandre Fisterra BASENAME: xurxo_souto_realizou_umha_apaixoada_apol DATE: Thu, 22 Mar 2007 16:18:05 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: Palestras CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

O músico, escritor, jornalista e basicamente divulgador da cultura galega, o polifacético Xurxo Souto, participou onte na primeira sessom da homenagem ao fundador dos matraquilhos promovida polo Centro Social Henriqueta Outeiro.
Numha intervençom breve mas cargada de anedotas relatou as lembranças das conversas que mantivo com Alexandre Fisterra, a quem definiu como umha "mistura entre Valle Inclán e Corto Maltês".

Qualificou com a sua habitual veemência ao fisterrám como umha pessoa tremendamente optimista, brilhante e de ingénio extremo, e com o seu verbo fluido relatou boa parte do percurso vital que após a derrota da II República espanhola o conduziu ao exílio francês e posteriormente a percorrer diversos países centroamericanos até o seu estabelecimento no México onde logrou pôr em andamento os seus dous grandes projectos vitais: criar umha editora e umha fábrica de brinquedos.
Xurxo Souto lembrou a contribuiçom de Alexandre Fisterra à divulgaçom da cultura galega e reivindicou o carácter popular e colectivo dos matraquilhos, mencionando aquele sucesso fictício ou verídco que o escritor Mia Couto relata num dos seus romances. Os jogadores dos matraquilhos dum cafê que utilizavam as tropas colonialistas portuguesas em Moçambique apareciam cada noite pintados de preto. Ao dia seguinte novamente eram pintados de branco. Perante a impossibilidade de combater este acto "subversivo" os portugueses decidírom fusilar o matraquilhos.

Fianalmente Xurxo Souto manifestou a necessidade de editar os dous volumes da densa autobiografia do Alexandre Fisterra e algumha das obras que editou sob o selo de "Colección Finisterre", agradecendo ao CS Henriqueta Outeiro por esta iniciativa.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Estreamos blogue, aperfeiçoamos modelo organizativo e multiplicamos actividade BASENAME: estreamos_blogue_aperfeicoamos_modelo_or DATE: Fri, 16 Mar 2007 02:35:38 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O Centro Social Henriqueta Outeiro vem de estrear novo blogue alojado no web da AGAL e de introduzir umha série de mudanças organizativas na gestom das instalaçons.
Umha comissom promotora abriu um processo constituinte para criar umha Assembleia Aberta responsabilizada de organizar e orientar as actividades e iniciativas do centro social.

Actualmente umha comissom gestora conformada por seis pessoas representativas das entidades que empregam habitualmente as instalçons do Henriqueta Outeiro estám ultimando as bases, o perfil sócio-político, os princípios e o modelo organizativo da Assembleia Aberta, cuja constituiçom terá lugar no mês de Abril.

Coincidindo com este processo ao longo do mês de Março multiplicará-se a actividade do centro social.
-A quarta-feira 21 a partir das 20.30 Xurxo Souto falará sobre ?A trepidante e desconhecida biografia do inventor dos matraquilhos? no quadro da homenagem a Alexandre Fisterra.
-A quinta e sexta-feira 22 e 23 seguindo com a homenagem ao inventor dos matraquilhos celebrará-se o V campeonato de matraquilhos. O prémio para a par ganhadora é umha Play Station e também será sorteado licor café entre @s participantes. O campeonato inícia às 20.30, e a inscriçom a 5 euros par pode fazer-se até umha hora antes do início no centro socal, na papeleria Delícias do Saber ou em Auryn.
-A quinta-feira 29 às 20.30 o historiador Carlos Solla Varela falará sobre ?Mitologia popular galega: amuletos e objectos de poder?.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Palestra: Mitologia popular galega: amuletos e objectos de poder? BASENAME: palestra_mitologia_popular_galega_amulet DATE: Thu, 15 Mar 2007 17:53:10 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

A próxima quinta-feira, 29 de Março, às 20.30h terá lugar umha palestra sob a legenda ?Mitologia popular galega: amuletos e objectos de poder? a cargo do professor Carlos Solha Varela.

Carlos Solha nasceu em Ponte Vedra, mas é cerdedense de adopçom e devoçom, licenciado em Filologia Galego-Portuguesa, trabalha como professor de Língua Galega. Tem numerosos livros publicados de poesia como de narrativa: Xábregho, Mel de arañas, Terras raras.

Também publicou um livro de história: Cerdedo (materiais para o estudio da freguesía de S. Xoán de Cerdedo) e um outro sobre a mitologia da terra de Cerdedo: Almanaque de encantos.
Colabora em diversas revistas e é animador de inúmeras iniciativas culturais cerdedenses

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: V Campeonato de Matraquilhos BASENAME: v_campeonato_de_matraquilhos DATE: Thu, 15 Mar 2007 16:16:02 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O 22 e 23 de Março desde as 20.30h o CS Henriqueta Outeiro em colaboraçom com Siareir@s Galegas organiza o V campeonato de matraquilhos, em esta ocassiom dedicao ao seu inventor: Alexandre Fisterra.

O praço de inscriçom para participar já está aberto e podes apontar-te no próprio CS Henriqueta Outeiro a partir das 19h ou na Livraria Auryn.
A inscriçom custa 5 euros e o prémio para a par ganhadora será umha Play Station.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Palestra: Alexandre Fisterra: A trepidante e desconhecida biografia do inventor dos matraquilhos BASENAME: palestra_alexandre_fisterra_a_trepidante DATE: Thu, 15 Mar 2007 13:07:29 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O nosso Centro Social junto ao colectivo Siareir@s Galeg@s organiza para a quarta-feira 21 de Março umha nova palestra intitulada "Alexandre Fisterra: A trepidande e desconhecida biografia do inventor dos matraquilhos". O encarregado de impartilha-la será Xurxo Souto e começará às 20.30h.

Alexandre Fisterra e os matraquilhos

O inventor dos matraquilhos, o galego Alexandre Campos Ramires, conhecido como Alexandre Fisterra, faleceu no dia 9 de Fevereiro.
Nascido na localidade da Costa da Morte em Maio de 1919, onde residiu até aos onze anos, passou à história por ser o inventor dos populares matraquilhos, embora a maioria da Galiza ignore este facto.
O seu activo compromisso com a justiça e a liberdade provocou que boa parte da sua vida a passasse no exílio.
Após ser sepultado por umha bomba nazi em Madrid no ano 1936 fica coxo de umha perna e com feridas graves. É num hospital catalám, ingressado com outros mutilados de guerra, onde inventa, com a ajuda de um carpinteiro basco, um jogo de futebol inspirado no ténis de mesa.
O invento foi patenteado em 1937, no entanto perde o papel da patente quando atravessa a pé os Pirineus face ao exílio.
Na década de cinquenta, exilado na Guatemala, começa a produzi-los de maneira industrial. É neste país onde tem a ocasiom de meter uns golos ao Che Guevara, a quem conhece por meio da amizade da irmá dele com Hilda Gadea.
Numha entrevista recente, este poeta e editor defensor da República afirma que o seu invento é um jogo completo: ?nom fomenta o autismo como os video-jogos; mas a amizade, o companheirismo, a coordenaçom de movimentos entre a mao direita e a esquerda?.
No ano 2004 com motivo da Euro é homenageado no Porto por ser o inventor deste jogo tam estendido no mundo, conhecido no mundo hispanófono como futbolín, metegol, canchitas, etc. Em inglês table football ou foosball; na Itália calcio Balilla ou em francês baby-foot.
Na nossa língua também existe variedade na designaçom, no Brasil costuma chamar-se futebol de mesa embora também seja conhecido como totó ou pebolim. Em Portugal o nome comum é matraquilhos ou matrecos, variantes da forma também galega matraquinhos.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Internet gratuito no Centro Social Henriqueta Outeiro BASENAME: internet_gratuito_no_centro_social_henri DATE: Tue, 13 Mar 2007 18:44:09 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

O Centro Social Henriqueta Outeiro vem de dotar o seu local de um espaço com internet a disponibilidade de todas as pessoas que o frequentem. Consultar o e-mail, surfar na net ou falar no messenger já é possível, e de forma completamente gratuita, no nosso centro social de segunda a sexta-feira, de 19 a 23 horas.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Debate sobre a juventude galega BASENAME: debate_sobre_a_juventude_galega DATE: Mon, 26 Feb 2007 18:52:59 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: Palestras CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

O Centro Social Henriqueta Outeiro de Compostela organiza o debate ?Situaçom e perspectivas da juventude galega?.

Roi Ribeira por Galiza Nova, Sérgio Pinheiro por BRIGA, Xan Lamelas polas Juventudes Comunistas e um representante da AMI intervirám no acto que terá lugar a partir das 20 horas a terça-feira 27 de Fevereiro.

A iniciativa esta inserida no ciclo de debates mensais que o Centro Social organiza para abordar de umha óptica plural de esquerda e soberanista os mais variados aspectos da realidade galega e internacional.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: A prostituiçom a debate BASENAME: a_prostituicom_a_debate DATE: Sun, 28 Jan 2007 18:51:30 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: Palestras CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

O Centro Social Henriqueta Outeiro organiza a vindoura terça-feira 30 de Janeiro às 20 horas o primeiro debate do ano 2007. Nesta ocasiom a temática escolhida é a prostituiçom, um debate que por vir de velho nom deixa de ser candente e actual.

A prostituiçom é um fenómeno milenário e universal, ligado ao patriarcado, ao qual a esquerda nom sempre considerou prioritário na suas tarefas e objectivos, e para o qual sempre mantivo acçons políticas contraditórias.

Actualmente na nossa sociedade, na Galiza do novo milénio, a prostituiçom tem experimentando um importante auge e expansom ligada directamente a certas mudanças sociológicas entre a populaçom masculina jovem, e à chegada massiva de imigrantes que fornecem esta indústria vinculada ao capitalismo mais mafioso e ilegal.

A legislaçom espanhola vigente permite o seu exercício embora esporadicamente realiza redadas contra determinados prostíbulos para lavar a cara.

Como afrontar a prostituiçom, basicamente alguns dos aspectos mais crús: tráfego ilegal de mulheres, regime de semiescravidom no que se acham umha boa parte das que fornecem o negócio, a falta de direitos, a exploraçom a que som submetidas polo proxenetismo, etc, é um debate permannete no movimento feminista.

A esquerda independentista, movimento no que se enquadra Centro Social Henriqueta Outeiro, nom tem umha posiçom definida nesta matéria. Por este motivo e porque consideramos necessário avançar nesta direcçom: dotar-nos colectivamente dumha posiçom consideramos oportuno promover este debate.

No debate sobre a prostituiçom contamos com três mulheres, com três vozes reconhecidas do movimento feminista galego, que darám visons contrapostas sobre a prostituiçom e sobre que posiçom se deve adoptar perante este fenómeno.

Ana Miguez, directora de Alecrin

Nanina Santos, da revista Andaina

Paula Rios, Mulheres Nacionalistas Galegas


O debate realizará-se nas instalaçons do Centro Social Henriqueta Outeiro na Rua de Quiroga Palácios 42, rés do chao de Compostela.

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Biografia de Henriqueta Outeiro BASENAME: biografia_de_henriqueta_outeiro_1 DATE: Thu, 16 Mar 2006 16:50:05 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: TAGS: ----- BODY:

Henriqueta Outeiro Branco, alcunhada ?Maria das Dores?, foi umha militante comunista e feminista nascida na casa Ribom da paróquia de Miranda, em Castro Verde, a 26 de Fevereiro de 1910. Após ter finalizado os estudos no colégio da Milagrosa de Lugo, exerceu de mestra na escola de Sam Cosme de Barreiros, em Ribadeu, onde impulsionou actividades teatrais e criou a companhia ?O Ponteiro do Carrinho?. Posteriormente seguiu a exercer magistério em diferentes pontos da geografia nacional: Ferreiros de Fonsagrada, Montefurado, Vila Garcia de Arouça, Ponte Vedra e Santo Estevo de Gormaz.
Depois de aprovar as oposiçons, deslocou-se a Madrid destinada como mestra, onde entra em contacto com o marxismo.

A Guerra Civil
Nos primeiros dias da Guerra Civil, alistou-se na Primeira Brigada Móvel de Choque, passando de seguido a ocupar responsabilidades no hospital de Carabanchel, onde entravam @s milician@s ferid@s na frente. Mais tarde, atingiu o grau de Comandante como Miliciana da Cultura no Primeiro Batalhom Móvel de Choque dirigido por Valentín González ?El Campesino?.
Nos primeiros dias da vitória do fascismo, evitou a sua detençom logrando escapar baixando polas canalizaçons do prédio do local central das Milícias da Cultura em Madrid. Apanhou um comboio na estaçom do Norte para Lugo, refugiando-se na casa do cura de Santiago a Nova. Sendo denunciada, voltou a escapar dedicando-se a organizar a resistência armada contra o franquismo no Norte da Galiza.

A guerrilha
Henriqueta Outeiro, como militante comunista, participa activamente na vertebraçom da resistência guerrilheira ao franquismo com Domingos Andrade ?Foucelhas?, Marcelino Rodrigues Fernandes ?Marrofer?, José Castro Veiga ?Piloto?, Júlio Neto, Ramom Viveiro ou Pepe Vicente.
Umha infiltraçom policial provocou a sua queda numha emboscada a 16 de Fevereiro de 1946. Após apresentar combate em solitário à Guarda Civil e a agentes da Brigada Político-Social da Direcçom Geral de Segurança durante mais de três horas, logo de romper o cerco logrou afastar-se vários quilómetros das forças repressivas mediante disparos e lançamento de bombas de mao, mas umha rajada de metralhadora feriu-na nas pernas e foi detida no Agro do Rolo. Durante a estadia no hospital militar de Lugo, foi selvagemente torturada e tivo que presenciar o corpo destroçado polas malheiras do seu companheiro Pepe Vicente. Os maus tratos prosseguírom no hospital civil da cidade das muralhas, apesar de que estava praticamente com todo o corpo engessado.

A prisom
Foi condenada à morte num Conselho de Guerra realizado a 17 e 18 de Julho de 1946. As pressons internacionais, a ampla campanha de solidariedade desenvolvida pola III Internacional e a intercessom da Igreja provocou que a pena fosse comutada por 34 anos de prisom, dos quais cumpriu 14, percorrendo as mais importantes prisons franquistas: Corunha, Amorebieta, Segóvia, Ventas, Guadalajara e Alcalá de Henares, de onde saiu em 1960 em liberdade condicional, mantendo incólumes os seus ideais revolucionários.

A liberdade
Apesar da sua mermada saúde, nesse mesmo ano começou a levantar com as suas maos umha casa na sua paróquia natal, dedicando-se às tarefas agrícolas. Em 1975, começou a construçom da ?Casa da Mulher Cándida?, como homenagem à sua mae, como centro para formar profissional, laboral e socialmente a mulher e combater ?o vírus venenoso e perturbador do machismo?.
Reabilitada para o exercício do magistério um ano antes da sua reforma em 1977, fundou a Associaçom Cultural ?O Carrinho? com o objectivo de fomentar a cultura de base emulando as universidades populares republicanas mediante ?missons pedagógicas?. Mesmo tentou reabilitar abandonadas escolas unitárias, como a de Calhás, para a qual chegou a comprar mobiliário.
Em 1977, foi candidata ao Parlamento espanhol polo Partido Comunista, do qual se foi afastando a partir desse momento.

Os últimos anos
Henriqueta Outeiro Branco morreu no hospital de Sam José de Lugo a 31 de Outubro de 1989, quando ia cumprir os oitenta anos. As seqüelas das feridas em combate, da trombose padecida em 1985 e a avançada idade nom fôrom obstáculos para que seguisse a luitar até que conservou o último alento. ?Enquanto me ficar um rescaldo de vida, hei-na de utilizar para favorecer a sociedade, que é o ideário máximo de todo comunista? afirmava numha entrevista publicada por ?El Progreso? a 29 de Janeiro de 1987.
Os últimos anos da sua trajectória de comunista e feminista galega estivérom dedicados à divulgaçom da cultura e a organizar a homenagem aos milhares de trabalhadoras e trabalhadores galeg@s que entregárom a vida na luita contra o franquismo, em prol da liberdade e a justiça, nos montes, nas fábricas e nas ruas desta imensa pátria chamada Galiza.
Henriqueta Outeiro Branco foi um exemplo de mulher comprometida que tentou sempre na sua dilatada e intensa existência levar à práctica os ideias a que dedicou a sua vida.

----- -------- AUTHOR: admin TITLE: Onde estamos? BASENAME: onde_estamos DATE: Sun, 06 Mar 2005 20:08:35 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

Na rua Quiroga Palácios nº 42 rés-do-chao de Compostela, à beira do bairro de Sam Pedro, entre Belvis e as Fontinhas.
Telefone: 881 979 561
Correio-e: cshenriquetaouteirogz@gmail.com

----- -------- AUTHOR: cshenriqueta TITLE: Que somos? BASENAME: que_somos DATE: Fri, 16 Jan 2004 16:38:11 +0000 STATUS: publish PRIMARY CATEGORY: Todas CATEGORY: Local Social TAGS: ----- BODY:

O CS Henriqueta Outeiro foi inaugurado em Janeiro de 2004, dando continuidade à Sereia, um dos primeiros centros sociais da Galiza aberto em 2000 e que, basicamente por motivos de espaço, tinha sido fechado a finais de 2003.
O CS Henriqueta Outeiro é umha iniciativa da esquerda independentista para se dotar de espaços próprios onde realizar actividades sem nengum tipo de entraves e aberto a qualquer associaçom ou entidade do movimento popular que solicite utilizar as instalaçons para a realizaçom de eventos de carácter externo, -palestras, debates, jornadas-, e interno: reunions, assembleias e congressos.

O Centro Social Henriqueta Outeiro pretende dinamizar Compostela em geral, e o bairro em que estamos inseridos, em particular.

Somos um espaço aberto, livre, crítico e reivindicativo em que desfrutar o tempo de lazer alternativo, mas também onde organizar, sem espartilhos nem censuras, actividades culturais, divulgativas e sócio-políticas, questionadoras do actual quadro de opressom nacional e social de género.

Somos um espaço de luita, galego e em galego, um centro social ao serviço da Galiza vermelha, livre e lilás em que estamos comprometid@s como parte de um projecto revolucionário global, o Movimento de Libertaçom Nacional Galego.

----- COMMENT: AUTHOR: xavier castellanos [Visitante] DATE: Fri, 04 Feb 2011 08:08:36 +0000 URL:

Parabéns ! A Revolução mais humana, livre e romántica das últimas décadas.
Um abraço e avante !
Xavier Castellanos

----- --------