O FACHO: Ana Romero Masiá- ?Mulleres proletarias na Coruña a comezos do século XX?

03-03-2012

Agrupación Cultural O Facho
Federico Tapia 12-1º
15011 A Coruña

A Agrupación Cultural O Facho de A Coruña convídao a asistir aos seus ciclos de palestras públicas do período 2011-12

Palestra
O vindeiro dia 6 de Marzo, martes, ás 8 do serán a Catedrática de Xeografía e Historia no Instituto Monte das Moas da Coruña, Ana Romero Masiá, falará dentro do ciclo ?Língua, Literatura, e Naçom?, coa exposición titulada ?Mulleres proletarias na Coruña a comezos do século XX?. O acto celebrarase na R. Academia Galega, Rúa Tabernas n. 11 ? Cidade Vella ? A Coruña.
Ana Romero é licenciada en Historia Antiga e Historia da Arte pola Universidade de Santiago e Doutora en Humanidades pola Universidade da Coruña.
Ademais da súa actividade docente, desenrola unha actividade investigadora en tres áreas:
1. Arqueolóxica; como membro da sección de Arqueoloxía e Prehistoria do Instituto ?Padre Sarmiento? do CSIC, dirixiu as escavacións no castro de Borneiro entre 1980 e 1989. Relacionados con este ámbito ten distintos traballos publicados.
2. Didáctica- pedagóxica; formou parte de numerosos grupos de innovación pedagóxica dos que xurdiron distintas publicacións
3. Historia Contemporánea; con publicacións individuais e en colaboración. Entre as primeiras: A Fábrica de Tabacos da Palloza(1997); Severino Chacón, líder sindical do mundo do tabaco(2003); A Coruña liberal(2005); A represión franquista na Fábrica de Tabacos da Coruña(2005).
Foi poñente/ relatora en múltiples cursos de carácter didáctico e participou en numerosos congresos.


Dia: 6 de Marzo- Hora: 8 do serán
Local: R. Academia Galega
R/ Tabernas nº 11- Cidade Vella ? A Coruña

O FACHO: Diego Bernal Rico - ?Apelidos Galegos-Portugueses?.

24-02-2012

Agrupaçom Cultural O Facho
Frederico Tápia 12-1º
15011 A Corunha

A Agrupaçom Cultural O Facho de A Corunha convida-o assistir aos seus ciclos de palestras públicas do período 2011-12

Palestra

O vindouro dia 28 de Fevereiro, terça-feira (martes), às 8 do serám; o licenciado em filologia galega pola Universidade da Corunha, Diego Bernal Rico, falará dentro do ciclo ?Língua, Literatura, e Naçom?, com a sua exposiçom intitulada ?Apelidos Galegos-Portugueses?. O acto celebra-se na R. Academia Galega, Rua Tabernas n. 11 ? Cidade Velha ? A Corunha.

Bernal Rico foi bolseiro do projecto CORGA do Centro Ramón Piñeiro, técnico de normalizaçom lingüística na Câmaras municipais de Monfero e Minho, professor de língua galega na Escola Oficial de Idiomas Jesus Maestro de Madrid, tem leccionado cursos de língua para diferentes entidades como o sindicato UGT ou o próprio Facho. Na actualidade mora no Brasil onde dá aulas de língua, literatura e cultura galegas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Junto com Xosé Maria do Barro Paz, Manuel Dans e Afonso Mendes fijo um estudo sobre o ferrolano José Fontela Leal publicado pola Real Academia Galega no seu Boletim. Recentemente tirou do prelo um livro para nenos protagonizado polo personagem lendário do Apalpador e ilustrado polo pintor Manuel Bernal. Como conferencista ministrou seminários pedagógicos em parceria com o Centro de Recursos Didácticos do Espanhol do Ministério de Educaçom e proferiu palestras por diversas universidades do Estado do Rio de Janeiro sobre literatura, cinema e língua. Recentemente, convidado polo Núcleo de Estudos Galegos da Universidade Federal de Niterói, deu um curso intitulado A literatura galega através da música.

Dia: 28 de Fevereiro - Hora: 8 do serám
Local: R. Academia Galega
R/ Tabernas nº 11- Cidade Velha ? A Corunha

J. Alberte Corral Iglesias
Secretário d?O Facho

O FACHO: ?Brasil, o país do presente - imagens do Brasil dentro da literatura contemporânea.? por Vivian Torres de Mello Rangel, -

15-02-2012

O FACHO:  ?Brasil, o país do presente - imagens do Brasil dentro da literatura contemporânea.? por Vivian Torres de Mello Rangel, -

O passado dia 14 de Fevereiro, terça-feira, às 8 do serám; a professora e ensaísta, Vivian Torres de Mello Rangel, compartilhou com os cidadás assistentes ao ciclo, ?Língua, Literatura, e Naçom?, a sua exposiçom intitulada ?Brasil, o país do presente - imagens do Brasil dentro da literatura contemporânea.?. O acto celebrou-se na R. Academia Galega, Rua Tabernas n. 11 ? Cidade Velha ? A Corunha.
A professora Torres de Mello Rangel deu a conhecer umha mui interessante leitura tanto diacrónica como sincrónica da literatura brasileira, ilustrando a mesma com significativos fragmentos de textos de distintos autores assim como com fotografias da época para a melhor compressom da exposto pola conferencista.
Como sempre ao findar a sua exposiçom a conferenciante mantivo um colóquio com o público assistente.

O FACHO: Vivian Torres de Mello Rangel, - ?Brasil, o país do presente - imagens do Brasil dentro da literatura contemporânea.?

13-02-2012

Agrupaçom Cultural O Facho
Frederico Tápia 12-1º
15011 A Corunha

A Agrupaçom Cultural O Facho de A Corunha convida-o assistir aos seus ciclos de palestras públicas do período 2011-12

Palestra


O vindouro dia 14 de Fevereiro, terça-feira (martes), às 8 do serám; a professora, Vivian Torres de Mello Rangel, falará dentro do ciclo ?Língua, Literatura, e Naçom?, com a sua exposiçom intitulada ?Brasil, o país do presente - imagens do Brasil dentro da literatura contemporânea.?. O acto celebra-se na R. Academia Galega, Rua Tabernas n. 11 ? Cidade Velha ? A Corunha.

Torres de Mello Rangel, tem cursado estudos em distintas Universidades. Mestrado em Literatura Comparada Contemporânea realizado nas universidades: Universidade Nova de Lisboa, em Portugal, University of Saint Andrews, na Escócia e USC. Post-graduaçom em Literatura Brasileira na Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Graduaçom Superior em Comunicaçom Social - Jornalismo ? na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutorado em Literatura Comparada Contemporânea na USC. Tese com o título provisório ?Narrativas na Rede. O discurso ficcional em processo?. Em curso. Actualmente exerce como professora-leitora de português do Brasil, responsável por aulas de Literatura do Brasil, Cultura do Brasil e aulas de língua na USC.
Foi a responsável pola produçom do planejamento de mídia para os lançamentos da editora Nova Fronteira e divulgaçom da imprensa nacional no Brasil. No Jornal do Brasil exerceu como: Responsável por matérias na área literária sobre mercado editorial, resenhas e cobertura de eventos. Repórter do Caderno Ideias - suplemento literário e cultural. Produçom de artigos, resenhas e entrevistas sobre literatura, mercado editorial e tendências no mundo literário. Entrevistas com escritores nacionais ( Sergio Sant?anna, Eric Nepomuceno, Adriana Lisboa, Ignácio de Loyola Brandão, Silviano Santiago, Antonio Torres, entre outros); e internacionais (John Banville, Cees Nooteboom, Paul Auster, David Toscana, Guillermo Arriaga, entre outros).

Dia: 14 de Fevereiro - Hora: 8 do serám
Local: R. Academia Galega
R/ Tabernas nº 11- Cidade Velha ? A Corunha

J. Alberte Corral Iglesias
Secretário d?O Facho

O FACHO: - ?Joám M. Pintos? por Carme Ríos Panisse

08-02-2012

O FACHO:  - ?Joám M. Pintos? por Carme Ríos Panisse

O passado dia 7 de Fevereiro, terça-feira, às 8 do serám; a professora e ensaísta, Carme Rios Panisse, compartilhou com os cidadás assistentes ao ciclo ?Língua, Literatura, e Naçom?, o seu estudo e investigaçom sobre a vida e obra do precursor ?Joám M. Pintos?. O acto celebrou-se na R. Academia Galega, Rua Tabernas n. 11 ? Cidade Velha ? A Corunha.

A professora Rios Panisse expujo a sua mui interessante palestra ilustrando-a com significativos poemas da figura estudada assim como com fotografias da época para a melhor compressom da transcendência da obra e vida de Joám Pintos. Reflexionando sobre o exposto pola conferencista leva-nos a afirmar que muitas das eivas e pechas sob os que estavam escravizadas as classes populares galegas seguem hoje tam rejas como há dous séculos: emigraçom, miséria, etc.. o que nos leva a pensar se de facto nom existe umha política desenhada para Nós desaparecermos como povo e naçom.

Como sempre ao findar a sua exposiçom a conferenciante mantivo um colóquio com o público assistente.

O FACHO: Carme Ríos Panisse - ?Joám M. Pintos, a sua obra poética dispersa?

05-02-2012

Agrupaçom Cultural O Facho
Frederico Tápia 12-1º
15011 A Corunha

A Agrupaçom Cultural O Facho de A Corunha convida-o assistir aos seus ciclos de palestras públicas do período 2011-12

Palestra


O vindouro dia 7 de Fevereiro, terça-feira (martes), às 8 do serám; a professora e ensaísta, Carme Rios Panisse, falará dentro do ciclo ?Língua, Literátura, e Naçom?, com a sua exposiçom intitulada ?Joám M. Pintos, a sua obra poética dispersa?. O acto celebra-se na R. Academia Galega, Rua Tabernas n. 11 ? Cidade Velha ? A Corunha.

Carme Ríos Panisse estudou Filologia Românica na Universidade de Santiago de Compostela, onde se doutorou em 1973. Foi docente da USC nos Departamentos de Lingüística e Literatura Galega até que em 1982 conseguiu a Cátedra de Língua e Literatura Galega no IES "Rosália de Castro" em Santiago. É autora de vários livros de filologia e de crítica da literatura galega moderna, campo no que também publicou numerosos artigos.

Como estudosa do século XIX devemos salientar a sua contribuiçom ao projecto Galicia de Hércules Edicións com a parte intitulada ?Prerrexurdimento -1808-1840- e Os Inicios do Rexudimento ? 1840-18-, a autoria de numerosas vozes do Diccionario da Literatura galega de Galaxia, e do artigo ?Contos da miña terra (1864), primeira ediçom do Conto galego atribuído a Rosália de Castro? (Revista Grial 126). Em muitos destes trabalhos estava presente a figura de Joám Manuel Pintos Villar ao que dedicou também o estudo Obra poética dispersa de X. M. Pintos.

Dia: 7 de Fevereiro - Hora: 8 do serám
Local: R. Academia Galega
R/ Tabernas nº 11- Cidade Velha ? A Corunha

J. Alberte Corral Iglesias
Secretário d?O Facho

O FACHO: Acto em lembrança dos Precursores e, Mártires

29-01-2012

O FACHO: Acto em lembrança dos Precursores e, Mártires

Como bem sendo tradicional a Agrupaçom Cultural O Facho no derradeiro sábado do primeiro mês de cada ano, fizo a oferenda floral diante do monumento do grande poeta do povo galego, Curros Henriques, em lembrança de todos os precursores e mártires que nos precedêrom, pola sua entrega na emancipaçom dos humildes e da nossa Naçom. No acto falou o secretário do Facho, J. Alberte Corral Iglesias, em ausência do seu Presidente, tanto ao rematar como a encetar o mesmo houvo música de gaita. Ao findar a representaçom cívica todos os assistentes cantárom o Hino Galego.

O FACHO: Acto da entrega do Facho de Ouro a Francisco Carvalho Carvalho

29-01-2012

O FACHO: Acto da entrega do Facho de Ouro a Francisco Carvalho Carvalho
O FACHO: Acto da entrega do Facho de Ouro a Francisco Carvalho Carvalho
O FACHO: Acto da entrega do Facho de Ouro a Francisco Carvalho Carvalho
O FACHO: Acto da entrega do Facho de Ouro a Francisco Carvalho Carvalho

Numha emotiva cerimonia foi-lhe entregado o Facho de Ouro na R. Academia Galega, ao historiador e teólogo, Francisco Carvalho Carvalho. No acto falárom o Presidente da Academia, J. L. Méndez Ferrín, para nos dizer da coragem e da dignidade do homenageado, ilustrando o mesmo com experiências compartidas. Anteriormente o Presidente da Agrupaçom, J. L. Rodrigues Pardo, expujo as múltiplas razons porque Francisco Carvalho era merecente do reconhecimento por parte do Facho.

Posteriormente celebrou-se umha ceia num conhecido Hotel da cidade da Corunha como mostra de agradecimento ao homenageado pola sua entrega aos humildes e ao País.

O FACHO: Entrega do Facho de Ouro a Francisco Carvalho Carvalho

26-01-2012

Agrupación Cultural O Facho
Rúa: Frederico Tápia 12-1º
15005 A Coruña

** F A C H O D E O U RO **

Entrega do Facho de Ouro a D. Francisco Carvalho Carvalho

A Directiva da Agrupaçom acordou outorgar O Facho de Ouro ao homem de bem, teólogo e historiador, Francisco Carvalho Carvalho, como testemunha e reconhecimento a sua longa trajectória na defesa da dignidade e da cultura do País.

O acto cívico celebra-se o sábado dia 28 de Janeiro ás 7 do serám no Salom de Actos da R. Academia Galega, Rua Tabernas nº 11, A Corunha.
Posteriormente, ás 9 da noite o homenageado será acompanhado numha ceia de estima a sua pessoa que se celebrará no Hotel Riaçor da Corunha.

Prezo por pessoa: 30 ?.
Reservas, chamar a Rafael, telefone: 981.269.663-(tardes)-698.147.851
Correio Electrónico: lobezan@yahoo.es

* * *
No mesmo dia e na lembrança dos Precursores e, Mártires, a Agrupaçom Cultural O Facho convida-o assistir à tradicional oferenda floral nos jardins de Mendes Nunhez diante do monumento a Curros Henriquez as 12 e ½ da manhá. Na cerimonia haverá musica de gaiteiros.


J. Alberte Corral Iglesias
Secretario d?O Facho

O FACHO: Concurso de Contos de Nenos para Nenos

26-01-2012

CONCURSO LITERÁRIO DE CONTOS DE NENOS PARA NENOS CONVOCADO POLA ASSOCIAÇOM CULTURAL O FACHO

Recuperados em 2008 os prémios literários que desde os anos sessenta convocou O FACHO e nos que participarem ou ganharem muitos dos escritores e escritoras que hoje fam possível com a sua obra umha literatura galega de qualidade e de grande importância nas letras universais, fai-se a convocatória para 2011 do Concurso Literário Carlos Casares e em afectuosa homenagem ao primeiro ganhador do Certame de Literatura Infantil no ano 1968 com a sua formosa obra ?A galinha azul? que acadaria a honra de ter sido o fito fundacional da bem viçosa Literatura Infantil e Juvenil Galega contemporânea.

BASES DO CONCURSO:

1. Poderám participar rapazes e rapazas que pressentem as suas obras em Língua galega. Os trabalhos presenteados deveram ser originais e inéditos em toda a sua extensom.

2. O prazo de admissom de originais finaliza o dia 31 de Março de 2012 às doce da noite.

3. A apresentaçom de originais para o Concurso fará-se por correio postal dirigido à sede da Associaçom Cultural O FACHO. R/ Frederico Tápia, 12-1º 15005A Corunha. Podendo fazer individualmente ou por médio do centro onde curse os seus estudos.

4. No caso em que sejam os centros escolares os que pressentem os originais ao Concurso, deveram fazer umha pré-selecçom dum máximo de dous trabalhos por categoria, qualquer outro terá que ser apresentado individualmente.

5. As obras haverem de serem relatos originais e nom estarem editados por nengum procedimento impresso ou electrónico, nem terem sido premiados em qualquer outro concurso ou certame literário e em condiçons para que os seus direitos de publicaçom podam ser cedidos à Associaçom Cultural O FACHO por período de três anos contados a partir do dia do falho do júri.

6. Para além da originalidade literária, o júri valorizará a riqueza lingüística e o conhecimento gramatical reflectido nas obras.

7. Estabelecem-se duas categorias:

Categoria A Nenos e nenas de 6 a 12 anos.
Categoria B Rapazes e rapazas de 13 a 16 anos.

8. As quantias dos prémios serám as que seguem:

Categoria A 1º: 400,.- ? em efectivo
2º: 400,.- ? em efectivo

Categoria B 1º: 500,.- ? em efectivo
2º: 400,.- ? em efectivo

9. Cada autor só poderá apresentar umha obra atendo-se aos seguintes limites de extensom:

Categoria A Um máximo de cinco fólios
Categoria B Um máximo de dez fólios

10. As obras haverem de se apresentar por duplicado, manuscritas ou mecanográficas, encadernadas ou grampeadas e levaram por detrás do último folio os seguintes dados:

Nome e apelidos do autor/a.
Endereço e telefone. Correio electrónico.
Centro onde cursa os seus estudos.
Categoria na que participa.

11. Os prémios serám escolhidos por um júri nomeado pola Associaçom Cultural O Facho em falho que se fará público no mês de Maio.

12. O júri poderá declarar deserto um ou vários dos prémios do concurso e será o que deverá resolver aquelas situaçons que se pressentem e que nom esteiam contempladas nestas bases, assim como as dúvidas na sua interpretaçom.

13. A participaçom neste Concurso implica a aceitaçom das presentes bases.

Correo electrónico: o_facho_a_cultural@yahoo.com.br
http://agal-gz.org/blogues/index.php/ofacho/

A Corunha, 17 de Janeiro 2012

<< 1 ... 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 ... 56 >>

Agrupaçom Cultural O Facho

Agrupaçom Cultural O Facho existe desde o ano 1963. Nasce da vontade conjunta de umha vintena de estudantes, trabalhadores e profissionais liberais d?A Corunha. A ideia é originaria dos daquela hora estudantes de bacharelato, Henrique Harguindey, André Salgueiro, e Xosé Luis Carneiro; respondendo ao seu chamamento posteriormente somárom-se entre outros: Eduardo Martínez, Henrique Iglesias, X. Alberte Corral, Xosé L. Rodríguez, etc... É a primeira agrupaçom de resistência cultural criada numha cidade do Pais polos seus cidadaos, já que O Galo é conformada por estudantes universitários de todo o Pais em Compostela, naquelas datas era a única cidade galega com Universidade. O grupo nasceu cos sinais de identidade da resistência contra o franquismo e da defesa da plena valia da língua e da cultura galega. Existia unha claríssima vocaçom política do que se fazia precisamente porque essa era toda a actividade publica com repercussons políticas que se podia fazer. A defesa da cultura e a língua galega é a cerna do que-fazer d?O Facho, que passou de fazer cultura de resistência nos anos da longa noite de pedra a se constituir hoje numha autentica mostra de resistência da cultura. Desde os primeiros momentos O Facho destaca-se com os seus cursos de língua com apoio de alguns exemplares da ?Gramática do idioma galego? de Manuel Lugrís Freire. Estes cursos tivérom umha importância mui grande na Corunha;. Daquela o galego nom se escrevia apenas e estava expulso da sociedade ?bem pensante?, nem sequer tinha secçom galego a faculdade de Filologia de Compostela. Umha das figuras fundamentais dos cursos foi D. Leandro Carré Alvarellos quem dirigiu esta actividade. Os ciclos dedicados á cultura galega, os encontros nos que se tratava economia e sociedade, os concursos literários. O seu grupo de teatro criado nas primeira datas de existência da Agrupaçom do quem eram responsáveis Manuel Lourenzo, e Francisco Pillado, foi dos pioneiros em representar obras no nosso idioma, tanto de autores galegos como de outras nacionalidades ( Brecht, Ionesco...). Na actualidade, O Facho é consciente dos desafio culturais do século XXI. Agora há que tentar ver o significado que pode ter hoje o sermos galegos num mundo globalizado. A ideia básica é que sermos galegos agora implica ser dumha maneira concreta numha sociedade mundial. Entre as iniciativas mais recentes é a criaçom do Facho de Ouro, um prémio para reivindicar galegos, o que amossa a própria agrupaçom é unha cultura que resiste. d’A Corunha.
+ info

Agrupaçom Cultural O Facho
Apartado de Correios n.º 46, Oficina Principal da Coruña
o_facho_a_cultural@yahoo.com.br

Busca

  Feeds XML

Ferramentas de administraçom

powered by b2evolution