O FACHO: O caminho de Santiago polos Santuários Mágicos Celtas, por André Pena Graña

21-02-2018

O FACHO: O caminho de Santiago polos Santuários Mágicos Celtas, por André Pena Graña

O historiador e arqueólogo André Pena Granha apresentou uma palestra sob o título O caminho de Santiago polos Santuários Mágicos Celtas, na terça feira 20 de fevreiro em Portas Ártabras no âmbito das palestras públicas do período 2017-2018 da Associaçom Cultural O Facho.
O professor Pena Granha fez uma extensa exposiçom dos caminhos de diferentes povos seguindo a Vía Láctea em direçom ao Finis Terrae, com ênfase especial nas pegadas celtas. O imaginário de muitas culturas encontrabam o caminho cara ao alem em nossas costas seguindo as estrelas e os solpores.
Mitologia, religiom, arte, pensamento filosófico, história, lendas e muito celtismo, reuniram-se nas Portas Ártabras da cidade da Corunha, traídos pelo arquiveiro do Concelho de Narón, André Pena Granha.

Vostede pode ouvir o áudio da conferéncia nesta publicaçom.

O FACHO: O caminho de Santiago polos Santuários Mágicos Celtas, por André Pena Graña

19-02-2018

O vindoiro martes, dia 20 de febreiro de 2018, André Pena Graña falará dentro do ciclo ??Língua, Cultura e País??. A sua charla intitula-se: O caminho de Santiago polos Santuários Mágicos Celtas..

André Pena Graña (Ferrol, 1955), é um historiador contemporâneo galego especializado em investigações sobre a cultura céltica. Criou-se em Menorca dos 7 aos 14 anos, voltando posteriormente a Ferrol. Doutor em Arqueologia e História Antiga pela Universidade de Santiago de Compostela, desde 1987 trabalha como Historiador, Arqueólogo e Arquiveiro do concello de Narón, onde ganhou o seu posto de Arquiveiro-Historiador. Pena Graña é um activo defensor da cultura e das crenças celtas. É o actual deán do Instituto Galego de Estudos Célticos.

Ávido leitor e erudito investigador e escritor, entre a sua obra é preciso citar os trabalhos realizados sobre a ampla história do concello naronés: Narón, concello con história de seu, en tres volumes, Volume I. (1991) Ed. Sotelo Blanco;, Volume II (1992) Ed. Kadmos; e Volume III (2001) Ed. Sotelo Branco; Narón. Uma história ilustrada na Terra de Trasancos, junto com Eva Merlán Bollaín e Alfonso Filgueira López, editado por Bahía (1995). Salientam-se asimesmo A origem dos coutos, das xurisdicións dos escudos e das bandeiras autárquicas galegas. Narón: Vexiloloxía e heráldica, editado polo concello de Narón, (2002); Santa María Maior do Vale, Narón: Uma Freguesia com Celtas Reminiscências na Terra de Trasancos, editado pela Fundación Terra de Trasancos, (2004) e mais recentemente Santo André de Teixido: O Caminho dos Celtas. (2006) Ed. Equona. Activo nas redes sociais e internet, é muito recomendábel visitar o seu blog andrepenagranha.wordpress.com onde as pessoas interessadas na cultura céltica da Galiza encontrarão uma muito interessante, as mais das veces desconhecida e sobre tudo surpreendente informação.

Dia: martes 20 de febreiro de 2018- Hora: 8 do serán

Local: Portas Ártabras, R/ Sinagoga 22 , Cidade Vella . A Coruña

J. Alberte Corral Iglesias, Presidente d'O Facho

Correo electrónico: o_facho_a_corunha@yahoo.com.br

Segue-nos en Facebook: Agrupación Cultural O Facho

Para axudas e aportaciós económicas: Conta ES02.3070.0044.58.6090453421

O FACHO: Ordeamento, restriçons de uso e prevençons de incendios florestais, por Pedro Alonso Iglesias

19-02-2018

O FACHO: Ordeamento, restriçons de uso e prevençons de incendios florestais, por Pedro Alonso Iglesias

Pedro Alonso apresentou em Portas Ártabras uma palestra sob o título "Ordeamento, restricións de uso e prevençom de incéndios florestais", na terça 6 de fevreiro no ciclo Terrorismo incendiário no âmbito das palestras públicas do período 2017-2018 da Associaçom Cultural O Facho.
O biólogo Pedro Alonso explicou detalhadamente a situaçom do monte galego, fazendo uma ampla dissertaçom dos diferentes fatores que desencadeiam a situaçom atual. Assim, da perda da funçom tradicional de pastagem e fertilizantes, pasando pela crise produtiva que levou à conversom, até o desprazamento de árvores nativas em favor de outras espécies, o eucalipto.
Ele fez uma ênfase especial no fracasso do Plano Florestal de 1992 e finalizou sua exposiçom com propostas de racionalizaçom, como critérios de organizaçãm, censos de produtores, espaços para floresta nativa, conservaçom de hábitats arbóreos e usos não florestais, controle de espécies invasoras, para rematar com exemplos de gestiom do monte em outros países, como Portugal e França.
Afinal, os participantes participaram de uma série de perguntas e sugestões de grande interesse.

Você pode ouvir o áudio da conferência nesta publicidade.

O FACHO: Ordeamento, restriçons de uso e prevençons de incendios florestais, por Pedro Alonso Iglesias

06-02-2018

Alonso Iglesias é naturalista e biólogo. Formou parte en 1983 do núcleo fundador do Grupo Erva, associaçom ecologista e naturalista das mais dinámicas de Galiza durante os anos oitenta e noventa. Foi um dos impulsores da Assembleia de Grupos Ecologistas e Naturalistas de Galiza (AGENG), precursora da Federaçom Ecologista Galega, sendo coordenador da sua Comissom Forestal e representando aos grupos ecologistas galegos na mesa consultiva criada no seu momento pola Junta de Galiza durante o processo de elaboraçom do Plano Forestal aprovado en 1992. Co-autor da exposiçom intitulada: Ence, a hipoteca dum povo, impulsada por Erva en 2005.

Asiduo colaborador jornalístico, salientam-se os seus artigos no díàrio Sermos Galiza sobre temas meio ambientais, principalmente dentro da temática florestal e da minaria, sendo de salientar O país aos pés de Ence, Acumulación de capital e podrémia. O caso ENCE, De Carballosa para Eucaliptosa, Vacas, eucaliptos e PDR, Sexta extinción, Irlanda en Galiza, A danza das árbores, Por unha minaría galega e As Encrobas-Corcoesto. Un retroceso de 30 anos?

Dia: martes 6 de febreiro de 2018- Hora: 8 do serán

Local: Portas Ártabras, R/ Sinagoga 22 , Cidade Vella . A Coruña

J. Alberte Corral Iglesias, Presidente d'O Facho

O FACHO: "Nos 110 anos do Himno Galego: historia, texto e símbolo", por Manuel Ferreiro

05-02-2018

O FACHO: "Nos 110 anos do Himno Galego: historia, texto e símbolo", por Manuel Ferreiro

O doutor e catedrático em Filologia Galega e Portuguesa, Manuel Ferreiro, apresentou uma palestra co título "Nos 110 anos do hino galego: história, texto e símbolo", na terça feira 30 de janeiro em Portas Ártabras no âmbito das palestras públicas do período 2017-2018 da Associaçom Cultural O Facho.
O professor Ferreiro, um profundo conhecedor da vida e trabalho de Eduardo Pondal, fez um breve percorrido pelos diferentes textos propostos para ser o hino galego e, finalmente, focou no que se tornou definitivo, o trabalho de nosso bo bergantinham, com música do mestre Pascual Veiga.
Com grande preciçom e manejo dos textos originais que reflectiu en powerpoint, ele ofereceu ao público a evoluçom do texto do hino galego até o que deveria ser o atual. Pondal sabia das gralhas do texto, mas não teve tempo para corrigi-lo, por causa de sua doença e posterior pasamento.
A emoçom chegou a Portas Ártabras no final do ato quando o público assistente cantou o Hino Galego enteiro e atualizado.

Vostede pode ouvir o áudio da conferéncia nesta publicaçom.

CONCURSO NACIONAL DE ?CONTOS DE NENOS PARA NENOS? CONVOCADO POLA AGRUPACIÓN CULTURAL O FACHO

31-01-2018

Recuperados en 2008 os premios literarios que desde os anos sesenta convocou O FACHO e nos que participaron ou gañaron muitos dos escritores e escritoras que hoxe fan posíbel con a sua obra unha literatura galega de calidade e de grande importancia nas letras universais, realiza-se a convocatoria para 2018 do Concurso Literario de ?Contos de Nenos para Nenos?

BASES DO CONCURSO

1. Poderán participar rapaces e raparigas que presenten as súas obras en Lingua galega. Os traballos presentados deberán ser orixinais e inéditos en toda a súa extensión.
2. O prazo de admisión de orixinais finaliza o día 31 de Março do 2018 ás doce da noite.
3. A apresentación de orixinais para o Concurso fará-se por correio postal dirixido à Asociación Cultural O FACHO, Apartado de Correios n.º 46, Oficina Principal. Podendo facer individualmente ou por medio do centro onde curse os seus estudos.
4. No caso en que sexan os centros escolares os que presenten os orixinais ao Concurso, deberán facer unha pre-selección dun máximo de dous traballos por categoría, calquera outro terá que ser apresentado individualmente.
5. As obras haberen de seren relatos orixinais e non estaren editados por ningún procedemento impreso ou electrónico, nin teren sido premiados en calquera outro concurso ou certame literario e en condicións para que os seus direitos de publicación podan ser cedidos à Asociación Cultural O FACHO por período de cinco anos contados a partir do día do fallo do xúri.
6. Para alén da orixinalidade literaria, o xúri valorizará a riqueza lingüística e o coñecemento gramatical reflectido nas obras. As obras presentadas debe estar escrita en lingua galega en calquera das tres normas ortográficas (RAG, REINTEGRADO, LUSOFONA)
7. Estabelecen-se dúas categorías:

Categoría A: Nenos e nenas de 9 a 12 anos.
Categoría B: Rapaces e raparigas de 13 a 16 anos.

8. Os importes dos premios serán os que seguen:

Categoría A :
1º: 450,.- ? en efectivo, e unha valiosa biblioteca doada por diversas editoriais.
2º: 250.- ? en efectivo, e unha valiosa biblioteca doada por diversas editoriais.

Categoría B:
1º: 450,.- ? en efectivo, e unha valiosa biblioteca doada por diversas editoriais.
2º: 250,.- ? en efectivo, e unha valiosa biblioteca doada por diversas editoriais.

9. Cada autor só poderá apresentar unha obra atendo-se aos seguintes limites de extensión:

Categoría A: Un máximo de cinco fólios
Categoría B: Un máximo de dez fólios

10. As obras haberen de se apresentar por triplicado, manuscritas ou mecanográficas, encadernadas ou grampadas e levarán por detrás do último folio os seguintes dados:

Nome e apelidos do autor/a.
Enderezo e telefone. Correio electrónico.
Centro onde cursa os seus estudos.
Categoría na que participa.

11. Os premios serán escollidos por un xúri designado pola Asociación Cultural O Facho en fallo que se fará público no mes de Maio.
12. O xúri poderá declarar deserto un ou varios dos premios do concurso e será o que deberá resolver aquelas situacións que se presenten e que non estean contempladas nestas bases, así cono as dubidas na sua interpretación.
13. A participación neste Concurso implica a aceptación das presentes bases.

Correio electrónico: o_facho_a_cultural@yahoo.con.br
Segue-nos en Facebook: Agrupación Cultural O Facho
Blogue:
http://agal-gz.org/blogues/index.php/ofacho/



Coruña, 17 de xaneiro 2018

Correio electrónico: o_facho_a_cultural@yahoo.con.br
Segue-nos en Facebook: Agrupación Cultural O Facho
Blogue:
http://agal-gz.org/blogues/index.php/ofacho/

CONCURSO DE TEATRO INFANTIL 2018 CONVOCADO POLA AGRUPAÇOM CULTURAL O FACHO.

31-01-2018

Assumindo como próprias as palavras de Juan Ramón Jiménez quando afirmava que ?Teatro infantil é aquele que também lhe gosta aos nenos?, a Agrupaçom Cultural O FACHO acordou convocar o Concurso de Teatro Infantil 2018, que se regerá polas seguintes bases:

1º) Poderám optar ao devandito prémio qualquer pessoa, sem restriçom, sempre que a obra seja inédita e redigida em língua galega, -em qualquer norma ortográfica (AGAL, PADROM, RAG)- nom representadas, nem premiadas noutros certames.

2º) Estabelece-se como prémio único de 200,.- ? e umha biblioteca de livros teatrais.

3º) A obra, que nom poderá exceder os 80 fólios, será apresentada por triplicado, em formato DIN A4, a dobre espaço e mecanografados por umha soa cara.

4º) Os originais para o Concurso enviaram-se por correio à Caixa de Correios n.º 46, Oficina Principal d'A Crunha. Apresentaram-se sob um lema, que figurará na portada dos textos enviados, e viram acompanhados de um envelope fechado que contenha no exterior o lema da obra e, no interior, o nome, apelidos, correio eletronico e telefone do autor ou autora.

5º) O prazo de admissom de originais finda o dia 15 de Abril do 2018 às doce da noite. O falho do prémio fará-se público no mês de Maio.

6º) Os ganhadores serám elegidos por um júri nomeado pola Associaçom Cultural O FACHO. O mesmo está composto por pessoas de reconhecido prestigio no âmbito teatral galego.

7º) O júri poderá declarar deserto o prémio do concurso e será o que deverá resolver aquelas situaçons que se pressentem e que nom esteiam contempladas nestas bases, assim como as duvidas que podam existir na sua interpretaçom.

8º) A participaçom neste Certame implica assumir as bases do mesmo.

9º) Os originais nom premiados poderám ser retirados, no prazo de 30 dias, prévio correio dirigido ao endereço postal da Agrupaçom. No caso de que o autor o autora nom resida na Corunha poderá solicitar que lhe sejam enviados por correio postal.

Esta convocatória entrará em vigor ao dia seguinte da sua publicaçom nos médios.

Agrupaçom Cultural O Facho

Na Crunha, 15 Janeiro 2018

O FACHO: ?Outra política forestal para Galiza?, por Alberte Blanco Casal

30-01-2018

Alberte Blanco Casal apresentou uma palestra sob o título "Outra política florestal para a Galiza", na terça 23 de janeiro em Portas Ártabras no ciclo de Terrorismo incendiário no âmbito das palestras públicas do período 2017-2018 da Associaçom Cultural O Facho.
O professor Alberte explicou em detalhes os principais fatores que desencadearam os incêndios em nossa terra, entre os quais enfatizou a intencionalidade, uma política florestal vulnerável, o abandono da atividade agrária que aumenta a vulnerabilidade, a falta de florestas nativas em favor do eucalipto estrangeiro, a mudança das condiçons climáticas e a falta de previsons da administraçom, a reduçom dos sistemas terrestres e aéreos para combateren os incêndios, a reduçom da proteçom do 50% ao 30% que não se cumpre, ou o desaparecimento das plantaçons em mosaico.
Concentrou-se na necessidade de uma política florestal de longo prazo, com biodiversidade, boas práticas florestais, um desenvolvimento econômico multifuncional do monte, a participaçom ativa dos agentes, o reflorestamento do banco de terras, das micorrizacions (castinheiros com edulis boletus), arborizaçom em mosaico, pontos de água, faixas de proteçom, etc.

O professor Blanco Casal, com uma dicçom perfeita, apoiou sua exposiçom com algumas imagens muito sugestivas e esclarecedoras em powerpoint, que manteve a atençom do público em todos os momentos. Afinal, os participantes participaram de uma série de perguntas e sugestions de grande interesse.

Vostede pode ouvir o áudio da conferéncia nesta publicaçom.

O FACHO: ?Nos 110 anos do Himno Galego: historia, texto e símbolo?, por Manuel Ferreiro

29-01-2018

O vindoiro martes, dia 30 de xaneiro de 2018, o profesor Manuel Ferreiro falará dentro do ciclo, ?Lingua, cultura e país?, coa palestra intitulada ?Nos 110 anos do Himno Galego: historia, texto e símbolo?.

Manuel Ferreiro (Saavedra, 1955) é licenciado (1978) e doutor (1990) en Filoloxía Hispánica (subsección: Galego-Portugués) pola Universidade de Santiago de Compostela. Na actualidade é catedrático de Filoloxías Galega e Portuguesa na Universidade da Coruña. A súa actividade investigadora abala entre a Lingüística Histórica e mais a Ecdótica e a Crítica Textual: os dous volumes da Gramática Histórica Galega (1995-1997) inscríbense na primeira liña de investigación; co segundo núcleo de pesquisa están relacionados os traballos que teñen como obxecto o estudo e a edición de textos medievais, nomeadamente dos textos trobadorescos galego-portugueses, con participación e dirección de proxectos de investigación e coa publicación de diversos contributos e artigos especializados en revistas e libros colectivos, e mais monografías como As cantigas de Rodrigu?Eanes de Vasconcelos ou O Cancioneiro de Pero Mafaldo.

A figura e a obra de Eduardo Pondal nuclea outro centro de interese investigador no ámbito da Crítica Textual e do estudo da lingua literaria pondaliana, coa publicación de múltiplos estudos, nomeadamente os catro volumes da súa obra completa (1995-2005) e numerosos traballos e monografías sobre o poeta: De Breogán aos Pinos. O texto do Himno Galego, 1996, 1ª ed.; O Himno Galego. Documentos históricos (1890-1907); Eduardo Pondal, o cantor do eido noso (2017); Estes son os eidos amigos. Escolma xeográfica da poesía pondaliana (2017); Eduardo Pondal: Os cantos eran da Patria (120 poemas) (2017).

En 2006 gañou o XVII Premio de Investigación ?Losada Diéguez? 2006 pola edición d?Os Eoas pondalianos, e en 2014 foille concedido o IX Premio de Investigación 'Concepción Arenal' de Humanidades 2014 polo proxecto Glosario da poesía medieval profana galego-portuguesa (http://glossa.gal). Na actualidade dirixe o proxecto Universo Cantigas, que ten como obxectivo realizar a edición crítica dixital dos textos que integran a lírica profana galego-portuguesa (http://universocantigas.gal).

Dia: martes 30 de xaneiro de 2018- Hora: 8 do serán

CONCURSO DE POESIA CONVOCADO POLA AGRUPAÇOM CULTURAL O FACHO.

22-01-2018

A Agrupaçom Cultural O FACHO convoca o Concurso de Poesia 2018, que se regerá polas seguintes bases:
 
1º) Ao prémio de poesia d'O Facho poderám concorrer qualquer pessoa até os 35 anos de idade e sempre que nom tenha publicado nengum livro individual de poesia e a obra seja inédita e nom ter sido premiada com anterioridade em qualquer outro concurso ou certame.
A obra presentada deve estar escrita em língua galega em qualquer das três normas ortográficas (AGAL, PADROM, RAG) e com um máximo de umha obra por autor. É responsabilidade do júri do prémio determinar se algum dos trabalhos apresentados possui ou nom as características para ser considerado ?livro?. Porém, recomenda-se que tenham umha extensom mínima de 300 versos.
2º) Os originais para o Concurso enviaram-se por triplicado devidamente encadernados, em formato DIN A4, a dobre espaço e mecanografados por umha soa cara ao Apartado de correos, 1320; ou também à Caixa de Correios n.º 46, Oficina Principal d'A Crunha. Apresentaram-se sob um lema, que figurará na portada dos textos enviados, e viram acompanhados de um envelope fechado que contenha no exterior o lema da obra e, no interior, o nome, apelidos e telefone do autor ou autora.
3º) Estabelece-se como prémio único a ediçom da obra premiada. O Facho fará a entrega ao/à autor/a de 15 exemplares.
4º) O prazo de admissom de originais finda o dia 15 de Abril do 2018 às doce da noite. O falho do prémio fará-se público no mês de Maio.
5º) Os ganhadores serám elegidos por um júri nomeado pola Associaçom Cultural O FACHO. O mesmo estará composto por pessoas de reconhecido prestigio no âmbito da escrita literária, da ediçom ou da crítica.
6º) O júri poderá declarar deserto o prémio do concurso e resolvera aquelas situaçons que se pressentem e que nom esteiam contempladas nestas bases, assim como as duvidas que podam existir na sua interpretaçom. Assim mesmo, o júri escolherá de entre os trabalhos apresentados um único libro. Ademais, poderá deixar constáncia na acta outros títulos que considere merecedores de ser publicados, nom significando isto nengum compromisso por parte d'O Facho. Nom se fará referencia na acta ao nome dos autores ou autoras dos livros mencionados.
7º) O Facho disporia do prazo de um ano para editar o livro. Transcorrido esse tempo, o autor ou autora poderá dispor da obra com a única condiçom de que deverá deixar constáncia do galardom em sucessivas ediçons do livro.
8º) A participaçom neste Certame implica assumir as bases do mesmo.
9º) Os originais nom premiados poderám ser retirados, no prazo de 30 dias, no lugar concordado, prévio correio dirigido ao endereço postal da Agrupaçom. No caso de que o autor o autora nom resida na Corunha poderá solicitar que lhe sejam enviados por correio postal.
10º)Esta convocatória entrará em vigor ao dia seguinte da sua publicaçom nos médios.
 
 
Agrupaçom Cultural O Facho
Na Crunha, 16 Janeiro 2018

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 ... 53 >>

Agrupaçom Cultural O Facho

Agrupaçom Cultural O Facho existe desde o ano 1963. Nasce da vontade conjunta de umha vintena de estudantes, trabalhadores e profissionais liberais d?A Corunha. A ideia é originaria dos daquela hora estudantes de bacharelato, Henrique Harguindey, André Salgueiro, e Xosé Luis Carneiro; respondendo ao seu chamamento posteriormente somárom-se entre outros: Eduardo Martínez, Henrique Iglesias, X. Alberte Corral, Xosé L. Rodríguez, etc... É a primeira agrupaçom de resistência cultural criada numha cidade do Pais polos seus cidadaos, já que O Galo é conformada por estudantes universitários de todo o Pais em Compostela, naquelas datas era a única cidade galega com Universidade. O grupo nasceu cos sinais de identidade da resistência contra o franquismo e da defesa da plena valia da língua e da cultura galega. Existia unha claríssima vocaçom política do que se fazia precisamente porque essa era toda a actividade publica com repercussons políticas que se podia fazer. A defesa da cultura e a língua galega é a cerna do que-fazer d?O Facho, que passou de fazer cultura de resistência nos anos da longa noite de pedra a se constituir hoje numha autentica mostra de resistência da cultura. Desde os primeiros momentos O Facho destaca-se com os seus cursos de língua com apoio de alguns exemplares da ?Gramática do idioma galego? de Manuel Lugrís Freire. Estes cursos tivérom umha importância mui grande na Corunha;. Daquela o galego nom se escrevia apenas e estava expulso da sociedade ?bem pensante?, nem sequer tinha secçom galego a faculdade de Filologia de Compostela. Umha das figuras fundamentais dos cursos foi D. Leandro Carré Alvarellos quem dirigiu esta actividade. Os ciclos dedicados á cultura galega, os encontros nos que se tratava economia e sociedade, os concursos literários. O seu grupo de teatro criado nas primeira datas de existência da Agrupaçom do quem eram responsáveis Manuel Lourenzo, e Francisco Pillado, foi dos pioneiros em representar obras no nosso idioma, tanto de autores galegos como de outras nacionalidades ( Brecht, Ionesco...). Na actualidade, O Facho é consciente dos desafio culturais do século XXI. Agora há que tentar ver o significado que pode ter hoje o sermos galegos num mundo globalizado. A ideia básica é que sermos galegos agora implica ser dumha maneira concreta numha sociedade mundial. Entre as iniciativas mais recentes é a criaçom do Facho de Ouro, um prémio para reivindicar galegos, o que amossa a própria agrupaçom é unha cultura que resiste. d’A Corunha.
+ info

Agrupaçom Cultural O Facho
Apartado de Correios n.º 46, Oficina Principal da Coruña
o_facho_a_cultural@yahoo.com.br

Busca

  Feeds XML

Ferramentas de administraçom

powered by b2evolution