A nova paisagem rural

A nova paisagem rural

09-12-2009

Inauguramos esta nova secçom do nosso blogue, intitulada "Novas de Ordes", com umha foto-reportagem de Jéssica Rei realizada na paróquia de Barbeiros acerca da nova paisagem rural. Nesta secçom pretendemos ir recolhendo notícias sobre a nossa comarca que apareçam nos distintos meios de informaçom crítica do jornalismo galego.

Continua:

FOTOS E TEXTO: JÉSSICA REI

A visom romântica e nostálgica da paisagem tradicional e rural galega sobrevive na óptica folclórica e espanhola, mas também em todas aquelas apreciaçons supérfluas e rápidas que a miúdo se nomeiam em relaçom com o rural, incluída a dumha parte importante do nacionalismo galego.

O conceito do "feísmo" veu lhe dar nome ao impacto sensorial da perda dessa imagem bucólica e pastoril da Galiza. Um termo que nada mais fala de estética e que evita enfrentar-se aos problemas reais do meio circundante.

A paisagem é construída polos indivíduos que vivem nesse espaço, pola sua economia, a sua geografia e a sua cultura. Mas para as pessoas que fam e vivem a paisagem nom há umha categorizaçom ou qualificaçom dela, já que pertencem a ela; nom assim para as pessoas externas ao meio que contemplam e avaliam a paisagem.

Este distanciamento, junto com a desconhecida e ignorada situaçom do agro, provocam a sensaçom de que a responsabilidade do estado da paisagem rural é dos próprios agricultores e do seu mau gosto. É significativo o exemplar caso de La Voz de Galicia que mantém umha secçom no seu site web chamada de “Chapuzas Gallegas” que produz um juízo grotesco do “aldeao-paisano-galego-que-nom-tem-um-gosto-refinado”.

As questons de fealdade e de beleza som totalmente equívocas e nom denunciam mais que umha desconformidade nas convicçons estéticas mais intimas, sem concretizar os problemas reais desse efeito.

A nova paisagem rural galega é um ecrã em que está impressa umha crise definitiva: o esmorecimento da cultura resistente campesina, que deve morrer em prol da implantaçom do sistema de produçom massiva: abrindo indiscriminadamente vias de comunicaçom, mecanizando o agro para a sua industrializaçom, envolvendo-se numha moreia de lixo procedente dos novos materiais próprios da sociedade do consumo...

Fotografias tiradas na paróquia de Barbeiros, comarca de Ordes, umha zona em que a ganadaria é a principal actividade económica

Tirado de: A Revista nº12 (o suplemento do Novas da Galiza). Podes ver o original aqui: http://www.novasgz.com/pdf/arevista12.pdf

Escrito às 07:11:08 nas castegorias: NOVAS DE ORDES
por foucelhas Email , 377 palavras, 2011 visualizaçons   Português (GZ)   Chuza!

Endereço de trackback para este post

Trackback URL (clique direito e copie atalho/localizaçom do link)

Sem comentários ainda

Deixe o seu comentário


Seu endereço de e-mail nom será revelado nesse site.

Sua URL será exibida.
(Quebras de linha se tornam <br />)
(Nome, e-mail & website)
(Permitir que usuários o contatem através de um formulário eletrônico (seu e-mail nom será exibido.))
    Outubro 2014
    Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
     << <   > >>
        1 2 3 4 5
    6 7 8 9 10 11 12
    13 14 15 16 17 18 19
    20 21 22 23 24 25 26
    27 28 29 30 31    
    A Associaçom Cultural Foucelhas pretender coordenar a constituiçom de um centro social para a comarca de Ordes, que sirva de "base de operaçons" para todo tipo de actividades de defesa do nosso. Organiza-se de forma assembleária e está aberta a todo o mundo. Podes contactar através do correio foucelhas.ordes@gmail.com

    Busca

free blog