** Gaza: Escritório de Assuntos Humanitários da ONU¨**

17-01-2009

  13:58:18, por Corral   , 1311 palavras  
Categorias: Outros, Dezires

** Gaza: Escritório de Assuntos Humanitários da ONU¨**

Escritório de Assuntos Humanitários da ONU
15 de janeiro de 2009, 19. 00 horas.

"A Cruz Vermelha não pode gerir a evacuação de feridos. Há gente ao lado do hospital da Média Lua Vermelha desangrándose até a morte. Não podemos chegar até eles porque os israelitas nos disparam a nós? (Médico palestiniano).

"Hoje em dia, o complexo de Nações Unidas em Gaza tem sido bombardeada novamente. Transmiti meu enérgico protesto e a indignação ao ministro de Defesa e o Ministro de Relações Exteriores... Tem chegado o momento para deter a violência para que possamos mudar de maneira fundamental a dinâmica de Gaza. "(Secretário Geral de Nações Unidas Ban Ki Moon)

Hoje ocorreram os mais intensos combates até a data, com o avanço das forças israelitas de terra em zonas mais densamente povoadas, em particular a cidade de Gaza com uma população estimada de 500.000 pessoas. Desde a manhã do 15 de janeiro, um implacável bombardeio sobre a Faixa de Gaza tem atingido uma série de edifícios, entre eles o principal componente do OOPS na cidade de Gaza e três hospitais.
Um grande número de civis estão pegados em seus lares, enquanto mais milhares estão a procurar refúgio em casas de família e refúgios de emergência da OOPS. Não há lugares ou refúgios seguros dentro da Faixa de Gaza e as fronteiras permanecem fechadas. A segurança para o pessoal médico e o acesso aos serviços médicos segue sendo sumamente difícil.

Após um ano e médio de bloqueio e quase três semanas de intensos bombardeios por terra, mar e ar, a Faixa de Gaza está a ser testemunha de uma devastadora crise humanitária. A taxa de acidentes está a crescer rapidamente; grandes danos efectuaram-se à infra-estrutura pública e moradias, e a água, o saneamento e os serviços de electricidade mal funcionam. Os fornecimentos de produtos essenciais como a alimentação, a cozinha de gás, água e combustível estão a diminuir e a cada vez mais são mais difíceis de obter. Os meninos, que constituem o 56 por cento da população de Gaza, seguem sendo os mais afectados pela violência e representam uma proporção significativa dos mortos e gravemente mutilados.

Protecção de Civis
O exército israelita segue presente ao norte, ao este de Rafah e as zonas fronteiriças. Os bombardeios aéreos, fogo de artilharia e disparos continuaram em particular no Zaitoun, Tuffah, ao este de Gaza e de outros bairros da cidade de Gaza. A mesquita da o-Arquam escola privada da cidade de Gaza foi bombardeada, bem como o cemitério de Sheikh Radwan, destruindo muitas das tumbas.
Os combates intensificaram-se na manhã do 15 de janeiro, quando as forças israelitas avançaram dentro da cidade de Gaza. Edifícios residenciais, edifícios de grande altura, três hospitais e o componente da OOPS encontram-se entre os edifícios afectados.

A partir de 14 de janeiro, o OOPS acolhe 39.669 palestinianos deslocados em 41 refúgios de emergência em Gaza, a maioria deles na província de Gaza (17 refúgios com 13.884 deslocados internos) e no norte de Gaza (13 refúgios com 16.282 deslocados internos).

Saúde
O Hospital da o Wafa ao este da cidade de Gaza (o único hospital de reabilitação na Faixa de Gaza), o Hospital da o Fata ao oeste da cidade de Gaza, e o Hospital A o-Quds foram directamente afectados pelo exército israelita. Uma ambulância do Hospital da o Fata A o-Quds e dois ambulâncias do Hospital viram-se afectadas.

Ao redor de 0530 horas, pelo menos 500 pessoas que vivem em Tel o Hawa, procuraram refúgio na Sociedade A o-Quds Hospital da Média Lua Vermelha Palestiniana. A partir de 10.30 horas, o bombardeio afectou ao edifício administrativo e foi danado o segundo andar do hospital. Um incêndio apoderou-se de tudo, pondo em risco os pacientes, o pessoal e as pessoas deslocadas no hospital. O fogo foi extinguido em torno das 14.00 horas. À medida que as pessoas abandonam o hospital, registou-se um morto e quatro feridos por causa dos combates na zona. Aproximadamente às 18.00 horas, as 500 pessoas deslocadas foram evacuadas a um albergue de emergência da OOPS.

Edifício da OOPS
Aproximadamente às 10.00 horas, o fogo israelita atacou o principal componente da OOPS, ferindo a três pessoas. Os projétis causaram um incêndio que destruiu uma oficina e o almocem principal que aloja centos de toneladas de fornecimentos humanitários, incluídos os que distribuir-se-iam hoje 15 de janeiro. Uns 700 palestinianos refugiaram-se no complexo no momento do incidente, que foram evacuados a um refúgio de emergência perto.

Ataque a pessoal e edifícios de Meios de Comunicação
Aproximadamente às 0900 horas do 15 de janeiro, a raiz da intensificaçom dos bombardeios no bairro, os jornalistas na cidade de Gaza refugiaram-se na mesquita Ao Shurouq torre que alberga os principais escritórios e estudos de diferentes instituições locais e internacionais de meios de comunicação. Apesar das garantias por parte do exército israelita de que o edifício não era um objectivo, a 13 ª planta do edifício foi atacado até aproximadamente as 11. 15 horas. Dois jornalistas da televisão de Abu Dhabi resultaram feridos. A explosão causou um incêndio que dano as instalações de transmissão.

Cifras
O Ministério Palestiniano de Saúde (MS) entregou as cifras das 16 horas deste 15 de janeiro: 1086 palestinianos mortos, dos quais 346 são meninos e 79 são mulheres. O número de feridos situa-se em 4900, dos quais 1.709 são meninos e 724 são mulheres. O perigo para o pessoal médico e da dificuldade de extrair aos feridos dos edifícios derrubados faz impossível a evacuação e portanto a estimaçom de vítimas é muito difícil.

Desde as 16.00 horas do 14 de janeiro até as 16.00 horas do 15 de janeiro, um total de 73 palestinianos resultaram morridos, dos quais 24 eram meninos, e 340 resultaram feridos, dos quais 109 eram meninos.
Nove soldados israelitas têm sido assassinados desde o 27 de dezembro. Os militantes palestinianos seguem disparando fogo de foguetes e morteiros desde a Faixa de Gaza para Israel. Segundo o Magen David Adom, a sociedade nacional da Cruz Vermelha Internacional / Movimento da Média Lua Vermelha, as vítimas civis israelitas situam-se em quatro mortos e 78 feridos desde o 27 de dezembro.

Necessidades prioritárias
Cesaçom do Fogo: Conquanto qualquer mecanismo que facilite a assistência humanitária é bem-vinda, só um alto o fogo imediato poderá fazer frente à grave crise humanitária e a protecção a que a população de Gaza se enfrenta.
Protecção dos civis: os civis, especialmente os meninos que formam o 56 por cento da população de Gaza, se levam a pior parte da violência. Como é um dos lugares mais densamente povoados do mundo, correm o risco de ser mais os civis morridos ou feridos se o conflito continua. As partes em conflito devem respeitar as normas do Direito Internacional Humanitário (DIH), em particular os princípios de distinçom e proporcionalidade.
O acesso de ambulâncias e equipas de resgate: Um número indeterminado de mortos, feridos e de pessoas seguem pegadas nas casas que têm sido bombardeadas e nas zonas em que as hostilidades estão em curso. Devido aos ataques contra ambulâncias, o pessoal médico tem medo de chegar a estes lugares. A evacuação de feridos e o trânsito seguro das ambulâncias e os trabalhadores da saúde são fundamentais e de acordo ao direito internacional humanitário devem ser facilitados em todo momento. Isto inclui o passo seguro para a evacuação de feridos através de cruze de Rafah.

Sem comentários ainda

Maio 2024
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
 << <   > >>
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31    

Busca

  Feeds XML

Ferramentas de administração

powered by b2evolution CMS