O FACHO: Incendios e forestal galego, por Ramón Varela Díaz

10-01-2018

O FACHO: Incendios e forestal galego, por Ramón Varela Díaz

O biólogo Ramón Varela Díaz colocou o foco no plano florestal e na substituiçom das árvores nativas pelas árvores estrangeiras, eucaliptos e pinheiros, como algumas das causas dos incêndios que nos asolagam por décadas em nossos montes, na sua palestra oferecida na terça- feira, 8 de janeiro, em Portas Ártabras, no ciclo "Terrorismo Incendiário", palestras públicas 2017-2018 da Associaçom Cultural O Facho.

O professor Varela Díaz não agochou os interesses por trás da explotaçom florestal e fez alguma achega para a dinamizaçom dos nossos montes de forma mais produtiva e ecológica. A necessidade de outra política forestal com maior consenso no planejamento, uma prevençom mais eficaz, a promoçom das indústrias da 2ª transformaçom, a explotaçom da gandeiría livre ou semi-livre, ou os produtos ecológicos para promover o emprego e pôr freo à desruralizaçom... assim como um estrito cumprimento das regras da administraçom, entre outras, constituem algumas das propostas do professor Varela.
A charla foi seguida com muito interesse pelo público atendendo à importância do tema em nossa terra e no final houve uma série de perguntas e sugestões que provocaram debate, reflexão e até autocrítica.

Vostede pode ouvir o áudio da conferéncia nesta publicaçom.

O FACHO: Apresentaçom da obra ganhadora do Concurso Nacional de Poesía O Facho 2017

10-01-2018

O FACHO: Apresentaçom da obra ganhadora do Concurso Nacional de Poesía O Facho 2017

A Agrupaçom Cultural O Facho e a Editorial Medulia organizaron mércores/quarta feira 20 de dezembro a apresentaçom do poemario Cristal de bágoas, de Daniel Irimia Yáñez (Cospeito, Lugo), obra ganhadora do Concurso Nacional de Poesia O Facho 2017. O xurado do premio estivo composto pola poeta Lucía de Fraga, o escritor Xulio López Valcárcel e Henrique Sánchez em nome de O Facho.
Vostede pode ouvir o áudio da conferéncia nesta publicaçom.

O FACHO: Casares Quiroga e o obreirismo: acordo e diverxencia nos procesos de cambio, por Emilio Grandío

22-12-2017

O FACHO: Casares Quiroga e o obreirismo: acordo e diverxencia nos procesos de cambio, por Emilio Grandío

O professor Emilio Grandío Seoane falou sobre o político corunhés Santiago Casares Quiroga em a interessante palestra da terça-feira, 19 de dezembro, em Portas Ártabras, dentro do ciclo de palestras públicas 2017-2018 da Associaçom Cultural O Facho coa que se pecha o 1º trimestre. Casares Quiroga continua a ser unha figura política incuestionável na historia, e tamén controvertida, como não pode ser de outra forma no convulsivo contexto que lhe tocou vivir. O historiador Grandío, com seu dominio da historia contemporánea, colocou seu foco nas complexas loitas ideolóxicas e grupais que cercaram o político da Corunha.
Ao rematar a sua interesante charla tivo lugar a habitual quenda de perguntas e reflexiões.
Vostede pode ouvir o áudio da conferéncia nesta publicaçom.

Agrupaçom Cultural O Facho d?A Corunha.

o facho: "Piñeiro e Castelao", por Xoan Carlos Garrido Couceiro

22-12-2017

O professor Xoán Carlos Garrido Couceiro falou sobre as figuras de Castelao e Ramón Piñeiro na interessante palestra que se situa na terça-feira, 12 de dezembro, em Portas Ártabras, em o ciclo de palestras públicas 2017-2018 da Associaçom Cultural O Facho. Duas figuras através das cales -seguindo o relatório do professor Garrido- deixáronse vê duas maneiras desemelhantes em a linha de pensamento e atuaçom em a reorganizaçom da Galiza tanto em o eido cultural coma político. Pensamento, arte e reflexiões fixeron de Portas Ártabras onte ese espaço aberto á dialetica e ao debate, onde a palavra tomou unha vez máis o protagonismo principal. O relatório foi acompanhado de subxestivas imaxes em powerpoint, que guiaron a fala do conferencista. Ao rematar tivo lugar a habitual quenda de perguntas e reflexiões.
Vostede pode ouvir o áudio da conferéncia nesta publicaçom.

O FACHO: Cantigas galego-portuguesas, por Leticia Eirín

05-12-2017

O FACHO: Cantigas galego-portuguesas, por Leticia Eirín

A professora da Universidade da Corunha, Leticia Eirín, fez uma palestra completa sobre as cantigas galego-portuguesas na terça-feira, 21 de novembro, em Portas Ártabras, no ciclo de palestras públicas 2017-2018 da Associaçom Cultural O Facho. O conhecimento que a professora Eirín tem sobre nossa tradiçom medieval e sua capacidade de comunicaçom e síntese serviram para ponher o foco em textos que colocam a cultura galega na vanguarda da cultura européia e universal naquela altura. O público apreciou muito a conversa pedagógica da professora Eirín que acompanhou seu discurso com um powerpoint no qual ela sintetizou e exemplificou o relatório. O ato terminou com um período de perguntas que a professora respondeu com muito conhecimento e gentileza.
Vostede pode ouvir o áudio da conferéncia nesta publicaçom.

Agrupaçom Cultural O Facho d?A Corunha.

O FACHO: Cantigas galego-portuguesas, por Leticia Eirín

25-11-2017

O vindoiro dia 28 de novembro, a linguista e professora Leticia Eirín falará dentro do ciclo, ?Língua, Cultura e País?, com a palestra intitulada ?Cantigas galego-portuguesas?.

Leticia Eirín (A Corunha, 1981), licenciou-se em Filoloxía Galega na Universidade da Corunha e doutorou-se nesta mesma universidade no ano 2012.

O seu trabalho de investigação está centrado na literatura medieval galego-portuguesa. Dentre as suas publicações destaca a edição da obra teatral Auto chamado dos Enfatriões, de Luís de Camões (Biblioteca-Arquivo Teatral Francisco Pillado Mayor, 2008), O cancioneiro de Mas Mafaldo. Edição crítica (Centro Ramón Piñeiro para a Investigação em Humanidades, 2014), em colaboração com Manuel Ferreiro, ou A visión do amor no cancioneiro de Don Denis. Estudo e edição de 33 cantigas de amor (Edições Laiovento, 2015). Na actualidade é professora da Área de Filoloxías Galega e Portuguesa da Universidade da Corunha, participando em diversos projetos de investigação. Acadou o IX Premio de Inverstigación Concepción Arenal de Humanidades 2014 polo projeto Gossa.

Dia: 28 de novembro- Hora: 8 do serám
Local: Portas Ártabras, R/ Sinagoga 22
Cidade Velha . A Crunha

O FACHO: Xavier Alcalá con "De Ferrol à Patagônia: Historia dumha Revoluçom"

24-11-2017

O FACHO: Xavier Alcalá con "De Ferrol à Patagônia: Historia dumha Revoluçom"

O escritor e engenheiro de telecomunicaçons Xavier Alcalá, sócio e amigo d?O Facho, deu uma interessante conferência sob o título "De Ferrol à Patagônia: Historia dumha Revoluçom", na terça-feira passada 21 de novembro em Portas Ártabras em o ciclo de palestras públicas 2017-2018 da Agrupaçom Cultural O Facho d'A Corunha.

Alcalá, colaborador em outros tempos da Associaçom como membro do juri de narrativa, palestrante e membro da equipa de idiomas que publicou O galego hoxe. Curso de lingua em os 70, entreteve o público em todos os momentos com seu verbo fácil e bonomia.
Vostede pode ouvir o áudio da conferéncia nesta publicaçom.

Agrupaçom Cultural O Facho d?A Corunha.

O FACHO: Galicia Encantada: a mulher no imaginario mítico-popular galego, por Antonio Reigosa

24-11-2017

O FACHO: Galicia Encantada: a mulher no imaginario mítico-popular galego, por Antonio Reigosa

O escritor, pesquisador e divulgador Antonio Reigosa ofereceu uma conversa divertida sobre a "Galicia Encantada: a mulher no imaginario mítico-popular galego?, na terça-feira passada 7 de novembro em Portas Ártabras no ciclo de palestras públicas da Agrupaçom Cultural O Facho d?A Corunha.
Antonio Reigosa manteve o público ?encantado? o tempo todo com sua exposiçom agradável sobre as mulheres no mítico e popular imaginário galego.
No final do relatório, houve uma conversa divertida com o palestrante.

Vostede pode ouvir o áudio da conferéncia nesta publicaçom.

Agrupaçom Cultural O Facho d?A Corunha.

O FACHO: Franscisco Rodrigues Sanches con "Outro marzal sangrento. A repressom contra o povo em março 1918".

10-11-2017

O FACHO: Franscisco Rodrigues Sanches con "Outro marzal sangrento. A repressom contra o povo em março 1918".

O passado dia 24 de outubro (terça-martes) 2017, o Doutor em Filologia Românica e Catedrático de Literatura espanhola Francisco Rodrigues Sanches falou dentro do ciclo "Língua, Cultura e País" com a palestra intitulada "Outro marzal sangrento. A repressom contra o povo em março 1918", organizado pela A Agrupaçom Cultural O Facho de A Corunha. O acto realizou-se em Portas Ártabras, Rua Sinagoga 22 - Cidade Velha.
Paco Rodrigues depois de relatarem a repressom sofrida pelas mulheres de Ferrolterra e suas causas, fatos que no próximo ano completarám 100 anos, respondeu todas as questons dos participantes em uma discussão animada.
Rodrigues Sanches é autor dumha ampla obra de investigaçom e ensaio em temas lingüísticos, literários, culturais e políticos desde unha perspectiva nacionalista. Inaugura unha linha de análise sócio-lingüística com a publicaçom de "Conflicto lingüístico e ideoloxía na Galiza". Especialista em figuras de grande relevância com títulos como Análise sociolóxica da obra de Rosalía Castro, A evolución ideolóxica de Manuel Curros Enríquez, O desacougo da nación negada, Eduardo Blanco Amor. Neste âmbito realizou trabalhos como Literatura galega, problemas de método e interpretación.
Paco Rodrigues foi um dos impulsores da criaçom e dinamizaçom de organizaçons sindicais e políticas como INTG e Bloque Nacionalista Galego. Também participou como deputado do Parlamento Galego e nas Cortes Espanholas como membro do BNG consolidándose como um dos dirigentes históricos do nacionalismo galego.

O FACHO: Franscisco Rodrigues Sanches con "Outro marzal sangrento. A repressom contra o povo em março 1918".

27-10-2017

O vindouro dia 24 de outubro (terça-martes), o Doutor em Filologia Românica e Catedrático de Literatura espanhola Francisco Rodrigues Sanches, falará dentro do ciclo "Língua, Cultura e País" com a plaestra intitulada "Outro marzal sangrento. A repressom contra o povo em março 1918". O acto realizara-se às 8 do serám em Portas Ártabras, Rua Sinagoga 22 - Cidade Velha.

Rodrigues Sanches é autor dumha ampla obra de investigaçom e ensaio em temas lingüísticos, literários, culturais e políticos desde unha perspectiva nacionalista. Inaugura unha linha de análise sócio-lingüística com a publicaçom de "Conflicto lingüístico e ideoloxía na Galiza". Especialista em figuras de grande relevância como Rosália de Castro -Análise sociolóxica da obra de Rosalía Castro-, Curros Enríquez -A evolución ideolóxica de Manuel Curros Enríquez-, Blanco Amor -O desacougo da nación negada, Eduardo Blanco Amor-. Neste âmbito realizou trabalhos como ?Literatura galega, problemas de método e interpretación?

Paco Rodrigues foi um dos impulsores da criaçom e dinamizaçom de organizaçons sindicais e políticas como INTG e Bloque Nacionalista Galego. Também participou como deputado do Parlamento Galego e nas Cortes Espanholas como membro do BNG consolidándose como um dos dirigentes históricos do nacionalismo galego.

<< 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 ... 54 >>

Agrupaçom Cultural O Facho

Agrupaçom Cultural O Facho existe desde o ano 1963. Nasce da vontade conjunta de umha vintena de estudantes, trabalhadores e profissionais liberais d?A Corunha. A ideia é originaria dos daquela hora estudantes de bacharelato, Henrique Harguindey, André Salgueiro, e Xosé Luis Carneiro; respondendo ao seu chamamento posteriormente somárom-se entre outros: Eduardo Martínez, Henrique Iglesias, X. Alberte Corral, Xosé L. Rodríguez, etc... É a primeira agrupaçom de resistência cultural criada numha cidade do Pais polos seus cidadaos, já que O Galo é conformada por estudantes universitários de todo o Pais em Compostela, naquelas datas era a única cidade galega com Universidade. O grupo nasceu cos sinais de identidade da resistência contra o franquismo e da defesa da plena valia da língua e da cultura galega. Existia unha claríssima vocaçom política do que se fazia precisamente porque essa era toda a actividade publica com repercussons políticas que se podia fazer. A defesa da cultura e a língua galega é a cerna do que-fazer d?O Facho, que passou de fazer cultura de resistência nos anos da longa noite de pedra a se constituir hoje numha autentica mostra de resistência da cultura. Desde os primeiros momentos O Facho destaca-se com os seus cursos de língua com apoio de alguns exemplares da ?Gramática do idioma galego? de Manuel Lugrís Freire. Estes cursos tivérom umha importância mui grande na Corunha;. Daquela o galego nom se escrevia apenas e estava expulso da sociedade ?bem pensante?, nem sequer tinha secçom galego a faculdade de Filologia de Compostela. Umha das figuras fundamentais dos cursos foi D. Leandro Carré Alvarellos quem dirigiu esta actividade. Os ciclos dedicados á cultura galega, os encontros nos que se tratava economia e sociedade, os concursos literários. O seu grupo de teatro criado nas primeira datas de existência da Agrupaçom do quem eram responsáveis Manuel Lourenzo, e Francisco Pillado, foi dos pioneiros em representar obras no nosso idioma, tanto de autores galegos como de outras nacionalidades ( Brecht, Ionesco...). Na actualidade, O Facho é consciente dos desafio culturais do século XXI. Agora há que tentar ver o significado que pode ter hoje o sermos galegos num mundo globalizado. A ideia básica é que sermos galegos agora implica ser dumha maneira concreta numha sociedade mundial. Entre as iniciativas mais recentes é a criaçom do Facho de Ouro, um prémio para reivindicar galegos, o que amossa a própria agrupaçom é unha cultura que resiste. d’A Corunha.
+ info

Agrupaçom Cultural O Facho
Apartado de Correios n.º 46, Oficina Principal da Coruña
o_facho_a_cultural@yahoo.com.br

Busca

  Feeds XML

Ferramentas de administraçom

powered by b2evolution