Ponte Vedra 100% em galego

Quem Somos? Actividades Crónicas

BUSCADOR

Feeds XML

Arquivos para: Agosto 2011

ROTEIRO CASTELAO EM PONTE VEDRA

- Data : Sexta-Feira 26 Agosto às 17:30 da tarde da Praça da Ferraria

- Organiza : Associaçom Cultural Revira em colaboraçom com o Serviço de Normalizaçom Linguística do Concelho de Ponte Vedra. Roteiro enquadrado arredor da Língua Galega que oferece o Concelho de Pontevedra.

- Duraçom Aproximada : 2 horas.

O itinerário deste roteiro abrange nom só parte da zona velha ponte vedresa senóm também algumhas das ruas que configuravam a vila de princípios do século XX. Esta actividade é também um percurso pola etapa vital do autor rianxeiro em que estivo intimamente vinculado com a cidade. O itinerário inclui ademais as visitas à Sala Castelao do Museu de Pontevedra e ao interior do edifício modernista do antigo Café Moderno (atual Fundaçom Caixa Galiza).

O objectivo destes percorridos é ligar o uso do nosso idioma aos espaços urbanos da cidade, recuperar e difundir a memória histórica de Ponte Vedra inserida no contorno geral da historia de Galiza e dinamizar os usos orais da língua galega no ámbito urbano.

Para Apontar-se bem no Centro Social ou bem no email : centrosocial@revira.org

Escrito em 17-08-2011, na categoria: Actividades
Chuza!
A Revira por umhas festas galegas e populares!

Desde a chegada do PP à Junta da Galiza, vivemos imersos numha ofensiva anti-obreira e anti-galega que tenta suprimir os principais símbolos de identidade das nossas classes populares. A política cultural da Junta é plenamente assimilista, subordinada à construçom de um estado espanhol unitário e homogéneo. Dentro dos seus planos recentralizadores, e após quitarem a falsa máscara galeguista dos tempos de Fraga, umha das principais metas do governo de Feijóo é o debilitamento no nosso espaço cultural próprio, tendo suprimido a promoçom de cinema, meios de comunicaçom e grupos de música que tenhem o nosso idioma como veículo de expressom.

Neste contexto desgaleguizador, a direita espanholista atopa o abono ideal para "sair do armário", tal e como demonstram as declaraçons da vereadora de festas do concelho da Corunha (PP) , que declarava em dias anteriores que a anterior programaçom das festas era "demasiado gallega". Ou também o caso da Deputaçom de Ponte Vedra, que subvenciona as penhas taurinas com milheiros de euros todos os anos.

É por isso que os governos municipais nacionalistas devem constituir-se em autênticos diques de contençom que freiem estas dinámicas, atuando em consequência com a etapa história que nos toca viver. Desde a A.C Revira valorizamos o apoio à cultura, história e língua galegas que se tem levado a cabo desde a cámara municipal nos últimos tempos, plasmada na Feira Franca, o ano da Memória, a Feira do Livro Infantil e Juvenil ou o Culturgal, entre outros, tendo apoiado também a Festa da Língua que a nossa associaçom celebra cada ano.

Nom obstante, desde a A.C Revira queremos reclamar um outro novo modelo de Festas para a nossa cidade, com maior ênfase na promoçom de grupos musicais que façam uso da nossa língua e, no possível, dentro das contradiçons derivadas do ócio ligado ao consumo no capitalismo, do fomento de valores solidários e comunitários. Por todo isto demandamos:

1) Maior presença de grupos galegos e em galego, como também do espaço lusófono. Em 8 dias de "Festas da Peregrina" a única atuaçom galega de importáncia é a de Mercedes Peón, fronte à aumentada presença dos hispanófonos Melendi, E Pescao, Fangoria ou Sergio Dalma. Para nós, como galegos e galegas, moços e moças que participamos na vida diária da nossa cidade, esta programaçom é deficiente e nom serve para promocionar a cultura galega. Há grupos comprometidos com a nossa língua de grande qualidade, como todos se demonstra em Festivais programados por todo o pais durante as festas de verao, tendo um caso salientável na vizinha localidade de Xeve. Por tanto, e desde a capacidade orzamentária da cámara municipal, som possíveis umhas festas galegas e minimamente alternativas.

2) Fazendo nossa umha das vindicaçons do movimento antitouradas da cidade, também queremos exigir ao governo municipal comandado pelo BNG a supressom das touradas do programa das Festas, assim coma a ruptura de qualquer convénio com a empresas adjudicatária da praça para o uso em concertos ou durante a Feira Franca. Sabemos que durante a primeira legislatura se suprimírom as ajudas públicas às touradas e a presença institucional nas mesmas, mas é hora de, apoiados no movimento antitouradas, dar um passo à frente e conseguirmos um concelho antitouradas e amigo dos animais, como já se tem conseguido em múltiplos municípios galegos , que como no caso de Mos incorporam na regulaçom ambiental a proibiçom expressa da tauromáquia. O nacionalismo deve apoiar consequentemente a luita antitouradas com a mesma decisom que na cidade da Corunha, onde apoiou o Seminário pola aboliçom da tauromáquia ou os diferentes atos antitaurinos.

3) Iniciar, de cara ao ano que vem, um processo participativo na configuraçom do programa das festas, que estimule a interlocuçom com o movimento popular que trabalha ao longo do ano na cidade e recolha as achegas da cidadania, que deve ser a verdadeira protagonista.

É umha questom de compromisso, de respeito e de normalidade democrática, por isso exigimos o Concelho de Pontevedra maior implicaçom do concelho, umhas festas galegas, populares e com maior implicaçom cidadá.

Associaçom Cultural Revira.

Escrito em 12-08-2011, na categoria: Associaçom, Comunicados
Chuza!
A.C. Revira apoia a Manifestaçom Antitouradas

Mais um ano a Associaçom Cultural Revira quer mostrar o seu apoio à manifestaçom Antitouradas que se celebrará o Sábado 13 de Agosto às 20:00h na Praça da Peregrina e a qual chamamos a toda a populaçom a participar em massa. A Revira tambem quer mostrar o seu apoio a todas as lutas em defesa dos animais e contra a barbárie, mal chamada espetáculo.

Alem de ser umha tradiçom alheia à nossa cultura e à nossa terra, polo tanto imposta; pensamos que a luita antitaurina tem que se estender por todas as latitudes, porque o maltrato animal nom depende nem de paises nem de culturas.

Exigimos também a supressom do financiamento por parte das administraçons públicas, já que sem ajudas as corridas de touros desapareceriam, dado que como todos sabemos detrás das touradas só há negócio, nem arte nem cultura.

Por isto e por muito mais solicitamos como já faz a Assembleia Touradas Fora de Ponte Vedra a supressom de ajudas públicas, a supressom daqueles Programas de Festas do Concelho onde figurem as corridas de touros, a Declaraçom de Ponte Vedra coma Cidade Antitouradas e amiga dos animais e em resumo o fim das touradas lá onde existam.

Porque a TORTURA NOM É ARTE NEM CULTURA!

13 DE AGOSTO TOD@S CONTRA A TAUROMAQUIA

Escrito em 06-08-2011, na categoria: Associaçom, Comunicados, Novidades
Chuza!
Manifesto conjunto da A.C. Revira e A.C. Almuinha polo Dia da Pátria

As associaçons culturais abaixo assinantes desejamos fazer pública a nossa posiçom sobre a situaçom da Galiza na altura de um novo Dia da Pátria.

MANIFESTO POLO DIA DA PÁTRIA 2011

As associaçons culturais abaixo assinantes desejamos fazer pública a nossa posiçom sobre a situaçom da Galiza na altura de um novo Dia da Pátria.

Mais um ano a Galiza segue a ver negados os seus direitos colectivos como povo, como naçom e isto impossibilita também que as galegas e galegos podamos exercer plenamente os nossos direitos como cidadàs e cidadaos de um pais livre e democrático.

É absolutamente imprescindível para garartirmos um futuro viável a consecuçom do respeito ao nosso direito à autodeterminaçom nacional. O respeito à capacidade de decissom do Povo Galego para que poda reger os seus destinos sem ingeréncias estrangeiras.

A nossa liberdade nacional será a condiçom sine qua non poderemos defender os nossos interesses como povo e como trabalhadoras/es. Ante a involuiçom social, que a oligarquia espanhola e os seus esbirros galegos, como agentes do terrorífico neoliberalismo imperialista global, que provoca a perda dos direitos sociais conqueridos com muitos esforços no último século, o desartelhamento dos serviços públicos essenciais e o freio às reivindicaçons das naçons sem estado, só podemos agir de jeito eficaz na percura da nossa soberania nacional. Outros vieiros que percuram a reforma do Estado espanhol e o aperfeiçoamento do modelo estatutário para o nosso Pais têm fracassado rotundamente.

A teima no estatutismo é um grave erro. O estatuto de autonomia nom resolveu os nossos problemas durante as suas três décadas de vigência. Desde o século XV, o “estado espanhol” experimentou diversos modelos políticos e transformaçons, mas baixo nenhum desses regimes lhe foi permitido a Galiza optar polo exercício da sua liberdade.

O estatuto de autonomia nom nos serve. Nem o vigorante nem o que poda emanar de umha reforma pactuada entre forças alheias á Galiza. É um engado, um querer postergar o inevitável: que a cada povo lhe corresponde poder exercitar a sua soberania nacional.

Denunciamos também as políticas contra a economía, o meio ambiente e a cultura e contra a classe trabalhdora da Galiza que perpetram os governos da Junta de Galiza e o governo espanhol.

Ademais nom queremos esquecer neste 25J ao Povo irmao de Portugal e outros como a Grécia, Irlanda, etc que estám a atravessar por umha muito crítica situaçom económica e social a causa dos extertores de um poder económico que, ante a grave crise financeira no próprio cerne do sistema capitalista, opta por esmagar aos mais febles para ver de sobreviver, chuchando os poucos recursos que lhe quedam aos trabalhadores/as e aos povos mais pobres. Solidarizamo-nos assimesmo com às naçons sem estado como o Saara, Palastina, Kurdistam, Euskal Herria, Paises Catalans, Bretanha, Escócia, Gales, Córsega, etc, que ademais da nossa percuram a sua liberdade.

Convidamos a todas e todos os que sintem no seu coraçom a Galiza a participar no actos convocados por parte das distintas associaçons e organizaçons nesta data de festa e reivindicaçom.

A. C. REVIRA DE PONTE VEDRA – A. C. ALMUINHA DE MARIM

Escrito em 05-08-2011, na categoria: Associaçom, Comunicados
Chuza!

O Local Social Revira é um espaço alternativo galego inserido e ao serviço do movimento popular da comarca de Ponte Vedra fundado em Dezembro de 2003

Somos umha entidade independente, autogerida e plural, com visom de País e um projecto de esquerda anticapitalista.

Contacta com nós CS Revira em Facebook CS Revira em Twitter

Onde estamos? Gonzalo Gallas, 4, rés do chao Ponte Vedra, Galiza

Segunda-Feira 20.00 a 22.00
Terça-Feira 20.00 a 22.00
Quarta-Feira 20.00 a 22.00
Quinta-Feira 20.00 a 22.00
Sexta-Feira 20.00 a feche
Sábado 20.00 a feche

Ponte Vedra 100% em galego

LIGAÇOES

COLETIVOS PONTE VEDRA


CENTROS SOCIAIS

INFORMAÇOM

LINGUA

ANTIRREPRESIVO

MEIO AMBIENTE

FEMINISMO

SINDICATOS

DESPORTOS