Minho
Minho

E qual o limite exato
que separa o rio da terra de que bebem
estas árvores refletidas na água?
Onde estão as raízes dos reflexos
destes amieiros e carvalhos
a beira-rio?

A gravitação dos astros, a rotação
da terra, o simples peso
da combinação infinita de duas partículas
de hidrogênio e apenas uma
de oxígeno
movem o fluxo de que bebem
os javalis e os olhos dos amantes.

À beira desta terra passa água.

Dizemos que o Minho corre para o mar.
Dizemos Mera, Parga, Ladra,
Narla, Rato...
Os nomes construíram geografias
em que habitamos,
mapas que desenhamos
no território de um país fantasma.

A fantasia de conhecer o espaço
modificou o mundo à nossa imagem.
Destes moinhos e caneiros
nasceram as barragens que assolagaram vidas,
e iluminaram noites.

À beira desta água nós passamos
vida ante vida.

Apesar dos mapas,
fluímos.

Diluídos no tempo
somos
o que fazem de nós as margens e os caneiros
que nos conduzem as águas.

Domesticamos as correntes mas ignoramos
o seu mistério.

O Minho não existe.
Os átomos não são certezas.
Água
é só um nome.
Nem sequer o reflexo
da rama a tremer na superfície
oferece uma ideia a que agarrar-se.

Poema de amor verdadeiro

Eu não te necessito.
Se não estás
estou sozinho ou com outras pessoas
e não se passa nada.
A tua ausência
não enche o coração de ausências,
porque a minha vida
não és tu.
O meu coração,
que tu tão bem conheces,
também não te pertence.
Afinal, estou a usá-lo
e necessito-o
também com outra gente.
Mas contigo estou melhor que sem ti.
Tu dás valor a coisas que antes nem considerava.
Há algumas que com mais ninguém
consigo compartir.
Contigo o coração é terno
mas não eterno.
Contigo é mais fácil sentir amor à vida
e talvez seja por isso
que a vida te ama
através de mim.
E isso
é
tudo.
E mais nada.

A desfrutar de arroz com o meu irmão mais novo Yoshiyuki
A desfrutar de arroz com o meu irmão mais novo Yoshiyuki

O irmão mais velho e o mais novo outra vez juntos,
mas não somos os dois que temos densas sobrancelhas brancas.
É tempo de paz e de alegria no mundo,
e dia após dia embebedamo-nos como malucos!

****

Neste mundo
se um houvesse
com tal disposição -
podíamos passar a noite
a falar na minha cabana.

Tradução do inglês a partir do trabalho de John Stevens. Dewdrops on a Lotus Leaf - Zen Poems of Ryôkan, Shambala, 1993, USA. O título é meu.

(Ryôkan)

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 ... 124 >>