Cursos

    Revista Nº 14

    Solidariedade

    Dicionário e-Estraviz

    Pesquisa no e-Estraviz


    Busca

Assembleia no Dia da Pátria.

Assembleia no Dia da Pátria.

17-07-12


Avante a construçom nacional e de base.

Galizalivre/ Pessoas vinculadas a coletivos autogestionados de todo o país (centros sociais, educaçom popular, decrescimento, cooperativas...) venhem de realizar umha convocatória de assembleia para o vindouro Dia da Pátria, para porem experiências em comum e valorizarem a possibilidade de criar um projeto global para que "o povo, diretamente e desde baixo, tome o destino polas suas maos". Será no Centro Social O Pichel, às 17h30 do 25 de julho, numha assembleia aberta. Destacam a existência na Galiza de muitos projetos situados nesses parámetros, que pretendem viver desde já noutras coordenadas opostas às que impom o Estado e o Capital. Sinalam a Cooperativa Integral Catalá como experiência valiosa, mas recusam a cópia acrítica, assim, sinalam que "para nom condicionar a assembleia", preferem "nom definir nesta convocatória o que entendemos por cooperativa integral, pois é algo que deveria ser discutido e acordado de forma aberta e debatida". Reproduzimos a continuaçom a carta da convocatória enviada polo grupo promotor:

Cara/o companheira/o,

nos últimos anos surgírom na Galiza umha grande quantidade de iniciativas sociais que tenhem em comum a vontade de autogestom de muitas fasquias da vida, desde umha alimentaçom local e ecológica, até escolas populares, comedores, centros sociais, coletividades rurais, grupos de consumo, redes de troco e bancos de tempo, hortas comunitárias, redes de intercámbio de sementes, etc.

O colapso da economia capitalista, incapaz de soster-se em pé apesar de devorar os recursos naturais do planeta, impom também umha mudança de rumo que supere o consumismo e a guerra de todos contra todos e contra a natureza, construindo umha nova forma de vida baseada na ajuda mútua e no respeito ao entorno. Nom podemos contar com que o Estado nem o Capital ajudem nesta transformaçom social, e polo tanto apostamos porque seja o povo, diretamente e desde baixo, quem tome nas suas maos o seu destino.

Ao mesmo tempo, o projeto catalám da Cooperativa Integral atraíu a olhada de muitas/os de nós, porque parece ser umha ferramenta mui efetiva para impulsionar projetos deste tipo, englobando-os num movimento de transformaçom social de grande alcanço.

Os militantes que assinamos esta carta pensamos que seria mui interessante que umha assembleia aberta de pessoas envolvidas nestas iniciativas nos juntássemos para avaliarmos a possibilidade de impulsionar um espaço de encontro similar, umha cooperativa integral galega. Por isso decidimos convocar umha reuniom, que é aberta a qualquer pessoa que participe ou queira participar em projetos de autogestom (polo que podes convidar ti mesmo a quem se che ocorra e que a nós se nos tenha esquecido).

A assembleia terá lugar a quarta-feira 25 de julho, às 17:30 horas no centro social O Pichel, em Santiago de Compostela. As pessoas que a convocamos pensamos que nom deve ser umha assembleia de tomada de decisons, senom um simples diálogo para conversar, perguntar e compartilhar ideias entre nós. Em qualquer caso, a nossa ideia é que, se na assembleia se vê que existe vontade de apostar polo cooperativismo integral, poderiam criar-se grupos de trabalho que vaiam preparando umha juntança posterior na que se constitua realmente a cooperativa integral galega.

Seja como seja, nós nom pomos nengumha premissa nem ordem do dia à assembleia, que queremos plenamente aberta e livre.

Esperamos que a cita che pareça tam importante como a nós.

Um abraço irmandinho,

Carlos Taibo, professor e ativista social

Ugio Caamanho, do Centro Social A Revolta de Vigo

Olalha Couso, do Sindicato Labrego Galego

Paulo Tobio, da Associaçom Galega de Maes e Pais Agarimar

Paz Romai, de Acolá S. Coop. Galega

Xosé Doldán, professor e ativista social

Antón Gómez-Reino Varela, de Hábitat Social Coop. Galega

Júlio Saiáns, da Agrupaçom de Montanha Augas Limpas

Olga Romasanta, do Centro Social Mádia Leva! de Lugo

Marcos Abalde, de Estaleiro Editora

Miguel Garcia, do Centro Social Sem um Cam de Ourense

Carlos C. Varela, do jornal digital galizalivre.org

Manuel Casal Lodeiro, de Véspera de Nada

Brais Zas, da Revoldaina Cultural da Beira de Bergantinhos

Júlio Teixeiro, da Escola Popular Galega

P.S. Para nom condicionar a assembleia preferimos nom definir nesta convocatória o que entendemos por cooperativa integral, pois é algo que deveria ser discutido e acordado de forma aberta e debatida. De todas as maneiras, a experiência catalá é umha fonte de inspiraçom para nós, e quem queira pode consultá-la na rede (cooperativa.cat).

Escrito às 18:55:34 nas castegorias: opinióm
por SCMadiaLeva Email , 711 palavras, 141 leituras   Portuguese (PT)   Chuza!

Endereço de trackback para este post

Trackback URL (clique direito e copie atalho/localização do link)

Sem feedback para este post ainda

Deixe o seu comentário


Seu endereço de e-mail não será mostrado no site.

Sua URL será exibida.
(Quebras de linha se tornam <br />)
(Nome, e-mail & website)
(Permitir que usuários o contatem através de um formulário (seu e-mail não será exibido.))
    contador de visitas
    A Sociedade Cultural Mádia leva! é um projecto comprometido com a lingua e a cultura galega, assim mesmo também trabalhamos por impulsionar a organizaçom do povo, a democracia participativa, a defesa da Terra e a luita pela autodeterminaçom da GALIZA.
    madialeva.gz@gmail.com
    Rua Serra de Ancares 18 rés-do-chao CIF:G-27360825

    Ligações

    Colectivos Lugo
    Participamos em
    Informaçom comunitária
    Sociedades
    Outros colectivos
free blog software