Assina

    Cursos 2018-2019

    Cineclube

    Novidades

    Revista Nº 33

    Defendamos o Minho

          Busca

        Cineclube. Ciclo Hollywood vermelho .

        24-02-19

        O dia 1 de março às 21h30começamos cum novo ciclo no cineclube do Mádia Leva!

        Hollywood vermelho

        Sexta-feira 1 de março
        Hollywood vermelho
        Red hollywood (Tom Andersen e Nöel Burch ,1996)

        Sexta-feira 15 de março
        Corpo e Alma
        Body and Soul (Robert Rossen ,1947)

        Sexta-feira 22 de março
        Força do Mal
        Force of Evil (Abraham Polonsky , 1948)

        Em 1948 dez guionistas e diretores de Hollywood, militantes do Partido Comunista, fôrom chamados para declarar perante o Comité de Atividades Antiamericanas, organismo impulsado polo senador Mc Carthy após, ele mesmo, ter denunciado a existência dumha suposta conspiraçom comunista dirigida desde a URSS, que tinha infiltrado personalidades norte-americanas como agentes soviéticos no próprio Departamento de Estado. Os dez de Hollywood negarom-se a declarar perante o comité denunciando a nula legitimidade deste organismo, sendo por isto apresados e inabilitados para qualquer atividade relativa à industria do cinema. Os nomes destes cineastas seriam os primeiros dumha extensa lista negra que condenava ao ostracismo e a dilapidaçom mediática e social à vertente mais crítica de Hollywood, dando início à caça de bruxas que marcaria o devir da industria cinematográfica mais poderosa do planeta.

        A Comissom de Atividades Antiamericanas foi um instrumento de controlo social, e o Mc Carthismo um modelo de excepcionalidade jurídica cujas técnicas seguem hoje vigentes e som conhecidas por todas: O acusado é quem lhe corresponde demonstrar a sua inocência perante umha acusaçom infundada, baseada em interrogatórios e denúncias falsas ante um tribunal que já decretou previamente a sua culpabilidade; a finalidade última do julgamento procura a autoinculpaçom, mas ao autoinculpado ainda o Estado permite umha via expurgatória, a delaçom dos seus companheiros. O facto de o senador Mc Carthy ter dirigido cara a industria cinematográfica a sua particular guerra suja contra o comunismo, é sintomático da importância na luita pola hegemonia cultural e ideológica do Hollywood da altura, num contexto de guerra fria, alimentada pola atmosfera paranoica dominante nos albores da era atômica. Também é sintomático o fato de a caça de bruxas coincidir no tempo em que os grandes estudos absorviam as pequenas companhias cinematográficas, chegando constituir todo um monopólio empresarial impermeável aos conflitos que atravessavam a sociedade norte-americana, convertendo-se finalmente numha arma para conquistar o mundo.

        Red Hollywood

        O filme documental Red Hollywood dos críticos e cineastas Thom Andersen e Noël Barch, introduze-se de cheio no contexto da caça de bruxas, mas nom para fazer umha análise exaustiva do processo judicial, amplamente estudado, mas para resgatar da memória a obra destes cineastas comunistas através das imagens recuperadas destes filmes, excluídos do canom do Hollywood clássico. O resultado fala, nom apenas dumha cinematografia censurada e condenada ao ostracismo, mas também daquilo que já nom se viu mais no cinema dos grandes estudos, o conflito racial, de classe ou de gênero dérom passo às narrativas oficiais que representavam os valores reacionários dos poderes fáticos.

        Cinema negro

        Um dos géneros onde a aportaçom dos cineastas e guionistas comunistas adquiriu maior dimensom foi o cinema negro, nom apenas por ser um dos géneros mais representativos do hollywood clássico, mas também porque a câmara dirigia a olhada para os bairros operários, o crime organizado e a corrupçom, explorando as contradiçons e tensons da sociedade americana como até entom nom se tinha feito. É neste género onde podemos inscrever os dous filmes projetados neste ciclo, Corpo e Alma de Robert Rossen, filmada em 1947, e a A Força do Mal de Abraham Polonsky em 1948. Os dous filmes tomam prestadas todas as convençons do melhor cinema negro para, através dumha narrativa moderna que racha com as formas tradicionais, subverter o discurso reacionário que se intuía no transfundo da maioria dos filmes associados a este género. Se no discurso habitual do cinema negro o Mal aparecia como umha forma ineludível da condiçom humana, cuja natureza nem se pode explicar nem mudar, elevando o fatalismo a umha categoria ontológica, em Corpo e Alma, o filme de Rossen escrito polo próprio Abraham Polonsky, e a Força do Mal escrito e também dirigido por Polonsky, o Mal aparece como umha forma de conduta moral, reproduzida socialmente polo capitalismo, num contexto implícito de guerra de classes.

        Corpo e Alma

        Esta dimensom moral fica exposta em Corpo e Alma por cima da acçom e do suspense próprios do género; o filme retrata a luita consigo mesmo dum boxeador de origens operárias, mas nos começos, o filme já nos desvela que o seu protagonista vendeu o combate polo campeonato mundial, pressionado polos interesses de mediadores e baixo ameaças da máfia. Os feitos confundem-se entom com a memória do boxeador que, antes de subir a lona para participar do combate amanhado, reflexiona sobre o percurso vital que o levou até essa situaçom, deixando para o desenlace final o combate, que é já um combate entre o bem e o mal, entre a dignidade e o orgulho de classe contra a miséria e a corrupçom moral da sociedade capitalista.
        Mas a sombra negra deste extraordinário filme desbordaria o próprio significado do mesmo, anos depois, quando os nomes dos seus protagonistas, o diretor Robert Rossen, o guionista Abraham Polonsky, o ator protagonista John Garfield, a atriz Lilli Palmer, e o secundário Cánada Lee, fôrom acrescentar a temida lista negra de Mc Carthy. Como o boxeador protagonista do filme, terám de confrontar-se consigo num combate pola própria dignidade perante a Comissom de Atividades Antiamericanas. Polonsky militante do Partido Comunista nega-se a declarar perante o tribunal como também nom o fixo a atriz esquerdista Lilli Palmer, os dous serám inabilitados polo comité para realizar qualquer atividade relacionada com a indústria cinematográfica. John Garfield morreu dum ataque cardíaco aos 38 anos quando se dirigia para declarar perante o comité, e Cánada Lee o ator negro e também ativista dos direitos civis morreria pouco depois de Garfield com 45 anos, também dum ataque cardíaco; os dous atores fôrom perseguidos e acossados polo comité pola rotunda negativa a delatar companheiros. Por último, o diretor Robert Rossen, que militou no Partido Comunista, viria a sujar a sua brilhante reputaçom cinematográfica quando se converteu em delator em troca de apagar o seu nome da lista negra.


        A força do mal

        No entanto, antes de a caça ter começado, Abraham Polonsky e Jean Garfield ainda teriam a oportunidade de realizar umha nova e brilhante aportaçom cinematográfica, tam rompedora no estilo, como vigente na sua denúncia da lógica do capital que encaminha ao mundo para o crime e a barbárie. Até entom, as imagens do cinema negro podiam representar todo um mundo na organizaçom e o cometido dum atraco a um banco, mas a origem do capital ali custodiado ficava fora de campo. Abraham Polonsky reconstrói a origem criminal do capital através do percurso do protagonista do filme, encarnado por John Garfield, um abogado ambicioso, que se fixo com um lugar no cimo da sociedade branqueando a atividade da máfia através de Wall Street. O protagonista, desde a sua posiçom privilegiada no status social, pretende ajudar a família mesmo contra a vontade dos seus membros, possuidores dum pequeno negócio de apostas ilegais num bairro operário. No fim, o crime, a traiçom e a delaçom sucedem-se irremediavelmente.
        Abraham Polonsky descreve, na Força do mal, a ruina moral dum sistema que eleva a categoria do dinheiro ao valor supremo de todas as cousas, um sistema encarnado magistralmente por John Garfield na pele do cobiçoso advogado, que desafia todas as normas sociais da sua classe de origem, como obstáculos na sua carreira por alcançar o cimo da sociedade.

        A Força do mal, do mesmo modo que Alma e corpo, fôrom longamente ignorados nos cânones cinematográficos, embora autores como Martin Scorsese tenhem reconhecido a enorme influência destes filmes; sobre este último, Scorsese escreveria: ?Alguns filmes como A força do mal, de Abraham Polonsky fôrom mais longe e mostrárom a toda a sociedade como corrupta. A Cara de John Garfield era como umha paisagem de conflitos morais. Todo o corpo social estava enfermo. O discurso de Polonsky era incomum no poético, mas o que lá olhavas era um mundo cobiçoso e sórdido implorando perante ti. Do que se tratava era da violência do sistema mais do que a violência individual?.

        Escrito ?s 20:04:00 nas castegorias: album
        por SCMadiaLeva   , 1338 palavras, 68 views     Chuza!
        Concentraçom em solidariedade com Catalunya

        20-02-19

        A plataforma Galiza Com Catalunya convoca para esta quinta-feira dia 21 de fevereiro diversas concentraçons denunciando o juízo contra o independentismo catalá,em apoio aos presos políticos e em defesa do Direito de Autodeterminaçom. Em Lugo na praça Armanya às 20h00.

        Escrito ?s 19:55:00 nas castegorias: album
        por SCMadiaLeva   , 39 palavras, 51 views     Chuza!
        Fascistas fora de Lugo

        20-02-19

        O passado 15 de fevereiro o Mádia Leva! junto com outros coletivos lucenses vimos de solicitar ao Hotel Méndez Núñez que nom acolha atos do partido da ultradireita Vox.
        Fascistas fora da nossa cidade.
        Podes ler mais informaçom aqui

        Escrito ?s 19:35:00 nas castegorias: album
        por SCMadiaLeva   , 38 palavras, 54 views     Chuza!
        Obradoiro de autodefesa feminista

        19-02-19

        A celebrar no centro social organizado pola Plataforma Feminista de Lugo.

        Escrito ?s 19:58:00 nas castegorias: cursos, album
        por SCMadiaLeva   , 11 palavras, 36 views     Chuza!
        8 de março

        19-02-19

        Do Mádia Leva! somamo-nos às convocatórias deste 8 de março que terám a nossa cidade como centro coa manifestaçom nacional o domingo dia 3 de março.

        Escrito ?s 19:58:00 nas castegorias: album
        por SCMadiaLeva   , 24 palavras, 48 views     Chuza!
        Charla colóquio: Que acontece com a mulher e a língua?

        11-02-19

        A sexta-feira dia 15 de fevereiro às 20h00 no centro social.
        Com esta palestra-colóquio as mulheres do CS Mádia Leva, Semente e da Plataforma Feminista de Lugo , queremos analisar (entender e reconhecer) a violência que recebemos as mulheres por sermos feministas, galeguistas e ativistas da língua.

        Queres vir acompanhar-nos para contar a tua história?
        À atividade podem assistir homens e mulheres.
        Vem contar a tua história como mulher, como mae de crianças galego-falantes!
        Buscamos juntas estratégias para combater essa violência?

        Inscriçom obrigatória em: sementelugo@gmail.com

        Escrito ?s 09:38:00 nas castegorias: album
        por SCMadiaLeva   , 83 palavras, 161 views     Chuza!
        Lugo com Venezuela

        30-01-19

        Convocada concentraçom de Lugo con Venezuela para a quarta-feira dia 6 de fevereiro às 20h30 diante da Subdelegación praça Armanha.

        Nesta semana vários coletivos e organizaçons de Lugo decidimos fazer campanha de apoio ao governo legítimo de Venezuela e fazer frente ao golpe de estado promovido polo imperialismo. Deixamos a seguir o cartaz e comunicado que já começamos a distribuir.
        Comunicado Lugo Com Venezuela

        Escrito ?s 16:56:00 nas castegorias: album
        por SCMadiaLeva   , 63 palavras, 192 views     Chuza!
        Curso de programaçom orientada a objetos (POO) com Gambas

        30-01-19

        Sábados de 19h00 a 21h00
        Começo sábado 9 de fevereiro

        Gambas permite criar formulários com botons de comandos, quadros de texto e muitos outros controlos, e liga-los a bases de dados coma MySQL, PostgreSQL ou SQLite aliás de facilitar a criaçom de aplicaçons diversas coma jogos (empregando OpenGL), aplicaçons para dispositivos móvis, aplicaçons de rede (com manejo avançado de protocolos HTTP, FTP, SMTP, DNS), entre outras.

        Neste curso criaremos aplicaçons gráficas.

        Començaremos fazendo umha singela calculadora, mas faremos cousas mais complexas como gestionar umha biblioteca empregando umha base de dados..

        Anima-te a apreender um jeito singelo de fazer aplicaçons. Aliás, apreendendo a programar em Gambas, apreendes a programar quase que em qualquera linguagem (há exceçons).

        Preço de inscriçom: 20 euros

        Seriam duas horas umha vez à semana. Duraçom 15 días (mínimo), Horário a determinar quando se forme o grupo. Consultar

        Precisa-se dum computador com Linux instalado, mas se nom tiver, podemos prestar-che um para o curso. De nom ter instalado Linux, empregariamos Linux numha máquina virtual. Nesse caso, vindo uns dias antes instalamos-cho aquí.

        Escrito ?s 13:36:00 nas castegorias: cursos, album
        por SCMadiaLeva   , 171 palavras, 171 views     Chuza!
        Obradoiro de regueifa feminista

        14-01-19

        Organizamos obradoiro de regueifa feminista o 26 de janeiro das 11h às 14h no nosso local. A atividade é organizada em conjunto coa Semente e a Plataforma Feminista de Lugo
        É um obradoiro para pessoas adultas que queiram aprender a regueifar como recurso educativo para as aulas de primário e secundário mas também para qualquer pessoa que queira aprender a regueifar como ferramenta de protesto oral, público improvisado e coletivo. Alba Maria para além de nos ensinar algumha estrutura básica do rimo e melodia para regueifar a temática de toda a regueifa que se produza no obradoiro será feminista.
        Podes anotar-te no mail sementelugo@gmail.com

        Escrito ?s 20:16:00 nas castegorias: cursos, album
        por SCMadiaLeva   , 103 palavras, 180 views     Chuza!
        Cineclube. Ciclo Descolonizando a olhada. Filme A Greve.

        08-01-19

        Esta sexta-feira dia 11 de janeiro às 21h30
        A Greve é o primeiro filme do cineasta soviético Serguei Eisenstein filmado em 1923, o filme narra por episódios a planificaçom e a ejecuçom dumha greve de operários. Neste filme clássico sobre a luita de classes, Einsenstein explora novas formas narrativas e experimenta novos recursos técnicos que servirám depois para estabelecer um novo modelo de cinema onde a montagem das imagens substituí o guiom como a ferramenta para a escritura narrativa, e onde a relaçom entre os planos se estabelece de forma dialética, um modelo cinematográfico posto sempre ao serviço da revoluçom, onde o coletivo se transforma em auténtico sujeito histórico, tirando o protagonismo aos atores individuais, um modelo cujo máximo exponente será o seu seguinte filme ?O encouraçado de Potemkin? e que ele mesmo chamou de ?cinema-punho?.

        Somando-nos assim aos postulados do diretor soviético e a vigência do ?cinema-punho?, a projeçom está dedicada aos cinco militantes que fôrom detidos com violência policial no transcurso da greve de 2010 em Lugo, e que hoje enfrentam importantes sançons, mesmo possíveis ingressos em prisom. Após o filme haverá ceia solidária para contribuir à campanha de solidariedade com as cinco grevistas que tem lançado o organismo anti-repressivo Ceivar.

        Escrito ?s 19:58:00 nas castegorias: album
        por SCMadiaLeva   , 200 palavras, 85 views     Chuza!

        << 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 ... 112 >>

          madialeva.gz@gmail.com
          Rua Serra de Ancares 18 Horário De segundas-feiras (luns) a sextas-feiras (venres) de 19h30 a 22h30 CIF:G-27360825
            powered by b2evolution free blog software